A Telemedicina e seus desafios

Por Dr. José Aldair Morsch, 26 de agosto de 2016
desafios da telemedicina

Falar sobre a Telemedicina e seus desafios é buscar alternativas para o Brasil que passa por uma intensa crise na área da saúde.

Estando a Telemedicina atrelada não só ao setor público como também ao privado, sendo um dos maiores desafios o seu entendimento e aceitação, provar que o seu uso na Telesaúde proporcionará uma retomada mais rápida de benefícios na saúde com baixo custo.

É fundamental entender que a escolha da tecnologia da informação para os serviços de saúde é um caminho sem volta, onde todos precisam incorporar ou tornam-se obsoletos.

De um lado, o desemprego e baixos salários para os profissionais da área médica e hospitalar e de outro, a própria dificuldade que a população brasileira  passa para conseguir acesso facilitado aos serviços de saúde.

Neste cenário, não se sabe o que vai acontecer dentro dos próximos 10 anos.

Solicite um orçamento

Paralelamente à crise, quem toma um rumo inverso é a telemedicina como ferramenta da Telesaúde.

Entendo o que é Telemedicina

A telemedicina e seus desafios vem crescendo de modo cada vez mais expressivo em todo o mundo, chegando aos poucos ao conhecimento dos brasileiros e se livrando dos preconceitos daqueles que não estão integrados com a tecnologia.

O que justifica seu avanço mesmo durante a crise são seus benefícios com baixo custo: A possibilidade de atendimento à distância, procedimentos realizados por especialistas altamente capacitados, baixo custo e rapidez nos processos. Porém, sua aceitação ainda atravessa desafios.

A Telemedicina e seus desafios no Brasil e no mundo

1. Dificuldade para a divulgação

A telemedicina, principalmente por oferecer um custo X benefício muito mais atrativo, ainda é pouco difundida.

Um estudo recente comparou exames normais realizados em clínicas e hospitais com exames de telemedicina e notou que há uma grande discrepância na cobrança dos valores, algo como 10 vezes mais caro os serviços sem a Telemedicina e baixa aceitação pelos profissionais mais antigos, que não dominam a informática.

Telemedicina e seus desafios

Interpretação de exames com a Telemedicina

2. Como manter serviços de alta qualidade pensando nos equipamentos

Com a disseminação da telemedicina, o controle dos equipamentos utilizados se torna tão fundamental quanto o controle em relação aos profissionais que verdadeiramente são qualificados e certificados para atuação neste segmento. 

O Conselho Federal de Medicina recomenda que usemos somente aparelhos registrados na ANVISA.

Mesmo com  sua difusão, infelizmente muitas clínicas ainda trabalham com equipamentos baratos, de baixa qualidade e sem procedência, sem atender aos critérios definidos pelo CFM – Conselho Federal de Medicina para atuação na área.

Isso faz com que a telemedicina e seus desafios ainda seja vista com maus olhos, visto que tais locais são verdadeiros empecilhos na criação de um sistema seguro, onde é obrigatório o uso de equipamentos certificados, assim como é o caso da radiologia, por exemplo.

3-Escolha de empresas de Telemedicina registradas

Neste sentido, apontamos a necessidade de pesquisar empresas de telemedicina realmente qualificadas para a oferta de serviços, o que engloba o registro no CFM, certificação dos profissionais especialistas e equipamentos de alta qualidade, igualmente regularizados para uso no País e fiscalizados pela ANVISA.

A Telemedicina e seus desafios abrangem vários serviços como o de radiologia, eletrocardiograma e laudos médicos à distância, por exemplo, que  poderão ser aceitos tanto pelo setor público como pelo privado com muito mais facilidade.

Com essa aprovação pela sociedade e por instituições governamentais haverá um barateamento no desenvolvimento de equipamentos melhores, portáteis e é claro, com incentivo para que se tornem também mais acessíveis.

4-Médicos se lançando com especialistas em Telemedicina sem ter uma formação adequada

Os médicos enxergam a especialidade como uma oportunidade, porém não conseguem manter um ambiente saudável com rotinas de interpretação dos exames, laudos entregues sem um tempo hábil que faz a especialidade perder a credibilidade.

Enfim, se por um lado os desafios da telemedicina dificultam a vida dos profissionais, de outro há o contratante com a alta concorrência e falta de qualificação profissional, aparelhos médicos muito caros para comodato, serviços sem especialistas qualificados para a prática e descumprimento das regras para execução de exames.

O principal objetivo da Telemedicina

O principal objetivo da telemedicina é permitir que laudos e serviços como o de radiologia, eletrocardiograma, eletroencefalograma, espirometria, por exemplo, consigam chegar a populações e comunidades distantes. Com o incentivo e vencendo esses desafios essa meta poderá ser cumprida com êxito.

Gostaria de saber mais sobre a Telemedicina? Então assine nosso Blog e compartilhe nas redes!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp