Guia completo sobre a tecnologia na saúde: como ela pode ser aplicada na medicina?

Por Dr. José Aldair Morsch, 3 de janeiro de 2020
Guia basico de eletrocardiografia tecnologia na saúde

A tecnologia na saúde está mudando rapidamente o setor de assistência médica, melhorando os resultados para profissionais e pacientes. Avanços consistentes em produtos farmacêuticos e na área médica já salvaram milhões de vidas e melhoraram muitas outras.

À medida em que os anos passam e a tecnologia na saúde evolui, as pessoas melhoram a qualidade de vida e passam a viver por mais tempo.

Tudo isso gera muitos debates e questões para os profissionais da área. Foi por isso que pensamos em desenvolver este assunto, ou seja, para contribuir para um maior entendimento da classe acerca do tema.

Nosso objetivo é fazer com que este material seja um guia completo sobre a tecnologia na saúde, para que você saiba como ela pode ser aplicada na medicina.

Para isso, vamos explicar quais foram os principais avanços da tecnologia aplicada à saúde, como esses recursos já vêm sendo utilizados, o que diz a legislação sobre o assunto e quais são as principais tendências para os próximos anos.

Solicite um orçamento

Preparado para obter todas essas informações? Então é só seguir a leitura agora mesmo. Continue comigo e fique bem informado!

Quais são os avanços da tecnologia aplicada à saúde?

tecnologia na saúde

A tecnologia na saúde já conta com vários avanços, muitos já sendo implementados como a cirurgia robótica e a impressão 3D

A tecnologia aplicada à saúde demonstrou diversos avanços nos últimos anos. É cada vez mais comum que hospitais, clínicas médicas e consultórios apostem no uso de recursos tecnológicos para otimizar o seu dia a dia de trabalho.

Veja, a seguir, algumas dessas novidades que estão sendo implementadas, bem como o antes e o depois que podem ser observados nos estabelecimentos de saúde.

Cirurgia robótica

A cirurgia robótica já é utilizada em procedimentos minimamente invasivos e ajuda os médicos a terem mais precisão, controle e flexibilidade.

Durante a cirurgia robótica, os cirurgiões podem executar procedimentos muito complexos, que são altamente difíceis ou até mesmo impossíveis de serem realizados de outra forma.

À medida que a tecnologia se desenvolve, ela pode ser combinada com a realidade aumentada, permitindo que os cirurgiões visualizem informações adicionais importantes sobre o paciente em tempo real, enquanto ainda estão em operação.

Embora a invenção suscite preocupações, como a total substituição dos humanos pelos robôs na realização de cirurgias, é bem provável que isso jamais venha a acontecer.

O que está mudando é o trabalho dos médicos, que podem contar com essa tecnologia para desenvolver um serviço com ainda mais qualidade.

Impressão 3D

É bem provável que você já tenha ouvido falar em impressão 3D, bem como o fato de elas estarem sendo cada vez mais utilizadas na área da saúde. Tais equipamentos podem ser usados para criar implantes e até articulações para serem utilizados durante as cirurgias.

As próteses impressas em 3D são cada vez mais populares, pois são totalmente personalizadas. As funcionalidades digitais permitem corresponder às medidas de um indivíduo milimetricamente. Isso possibilita níveis sem precedentes de conforto e mobilidade.

O uso de impressoras pode criar itens duradouros e solúveis. Além do uso em cirurgias, por exemplo, a impressora pode ser utilizada para imprimir pílulas que contêm vários medicamentos, o que ajudará os pacientes na questão da organização.

Medicina de precisão

Algo que também tem avançado muito e mudado a forma como os médicos desenvolvem o seu trabalho é a medicina de precisão.

Os medicamentos de precisão permitem que os médicos selecionem compostos e terapias para tratar doenças, como o câncer, com base na composição genética de um indivíduo.

Esse medicamento personalizado é muito mais eficaz do que outros tipos de tratamento, uma vez que ataca tumores com base em genes e proteínas específicos do paciente, causando mutações genéticas e possibilitando que eles sejam mais facilmente combatidos.

Medicamentos de precisão também já estão sendo utilizados para tratar doenças como a artrite e a artrose. Eles usam mecanismos para atacar os genes vulneráveis da doença, enfraquecendo e reduzindo os sintomas e os danos nas articulações.

Inteligência artificial

É frustrante para todos os envolvidos quando os pacientes recebem diagnósticos incorretos.

Os médicos geralmente são bem treinados e excelentes no que fazem, mas pesquisas recentes indicam que a inteligência artificial pode ajudá-los a obter ainda mais sucesso ao dizer aos pacientes o que há de errado em sua saúde.

Um recente estudo, publicado na revista Nature Medicine, revelou que a inteligência artificial é mais precisa do que os médicos para diagnosticar doenças pediátricas.

De acordo com a publicação, os pesquisadores descobriram que um sistema comandado por inteligência artificial, que faz o cruzamento de dados de um exame, por exemplo, detectou casos de problemas como catapora e gripe com taxas de precisão entre 90% e 97%.

O mesmo sucesso se obteve para diagnosticar a asma.

Com diagnósticos mais precisos, os médicos terão mais resultados positivos ao propor tratamentos adequados aos pacientes, que ganharão muito em qualidade de vida.

Realidade virtual

A realidade virtual já existe há algum tempo. No entanto, recentemente os avanços médicos e tecnológicos têm possibilitado que os estudantes de medicina sejam treinados sem colocar em risco vidas humanas.

Ferramentas sofisticadas ajudam os futuros médicos a adquirirem a experiência necessária, ensaiando procedimentos complexos, como cirurgias, fornecendo uma compreensão visual de como a anatomia humana está conectada.

Os dispositivos de realidade virtual também podem ser utilizados para beneficiar os pacientes, por exemplo, no diagnóstico, no tratamento e na preparação para procedimentos que serão realizados.

Isso já pode ser visto em casos de pacientes queimados, que precisam fazer raspagens nas feridas. Esses procedimentos são extremamente dolorosos e causam muito mal estar nas pessoas. Ao utilizar óculos de realidade virtual e ser imerso em outra situação, é possível “enganar” o cérebro e causar menos sofrimento.

Telemedicina

Uma pesquisa feita recentemente pela Associação Paulista de Medicina (APM) e publicada no jornal Folha de São Paulo mostra que 80% dos médicos que atuam na capital paulista já usam tecnologias, como o WhatsApp, para atender a pacientes.

É claro que nem sempre uma conversa por aplicativo substitui uma consulta presencial, mas não há problemas em usar o recurso para repassar informações simples, como esclarecer uma dúvida sobre o modo de usar um medicamento, por exemplo.

Além das conversas em tempo real, a telemedicina também tem se tornado bastante útil em questões que envolvem a emissão de laudos à distância. Imagine, por exemplo, uma pequena cidade do interior, longe de tudo, onde não há um cardiologista de plantão para atender os pacientes.

Caso uma pessoa chegue em uma clínica com sintomas de infarto, o que precisa ser feito? Um exame cardiológico é a primeira resposta a ser dada por qualquer pessoa que entenda um pouco do assunto, concorda? Mas o que fazer quando esse indivíduo está em uma cidade afastada como essa que comentei?

Com a telemedicina, o exame pode ser feito de imediato e os dados coletados enviados automaticamente, por meio de um sistema que segue todos os princípios de segurança da informação, para uma equipe qualificada em cardiologia. Assim, os profissionais farão o laudo e o enviarão de volta no mesmo momento.

O resultado rápido e efetivo do exame pode salvar a vida do paciente, que terá o atendimento necessário no ato. Em situações em que isso não ocorre, até mesmo a morte do paciente pode acontecer. Por isso, a telemedicina tem se mostrado muito relevante para a área médica.

Como a tecnologia já tem atuado na medicina?

A tecnologia já tem atuado na medicina de diversas formas, conforme explicamos no tópico anterior. Isso faz com que diversos benefícios sejam proporcionados aos profissionais da saúde e, principalmente aos pacientes.

Veja, a seguir, algumas vantagens que só são possíveis em função do uso da tecnologia na medicina. Temos a certeza de que você identificará situações que podem fazer parte do dia a dia da sua clínica ou do seu consultório.

Benefícios proporcionados pelo uso de aplicativos

A interação entre médico e paciente desempenha um papel vital na prestação de cuidados de saúde. De fato, é um desafio significativo para o profissional monitorar as pessoas à distância, mas com a tecnologia na medicina isso tem se tornado uma realidade.

Os equipamentos médicos deixaram de ser apenas os que estão dispostos no consultório, incluindo agora os aplicativos que podem ser baixados no celular dos pacientes. Existem apps, por exemplo, que possibilitam o monitoramento de situações específicas, que são compartilhadas com o médico em tempo real.

Imagine uma pessoa hipertensa e que precisa monitorar a sua pressão constantemente para verificar as variações. Todos esses registros podem ser feitos em um app, com o arquivo gerado sendo enviado ao médico antes da consulta.

Assim, o profissional poderá verificar como tudo está correndo com o seu paciente e dar dicas e propor tratamentos mais adequados.

Isso é algo que deve ficar ainda mais presente nos próximos anos, por conta do desenvolvimento da internet das coisas e as chamadas tecnologias vestíveis.

Existem pulseiras, por exemplo, que são conectadas aos celulares e possibilitam que sejam monitorados os batimentos cardíacos, a qualidade do sono, a quantidade de vezes que o indivíduo bebeu água, quantos passos foram dados durante o dia etc.

Tudo isso possibilita que as pessoas tenham mais cuidado com a saúde, bem como possam fornecer dados mais precisos aos médicos.

Melhora no diagnóstico de doenças

Conforme exemplifiquei e comentei no tópico anterior, a tecnologia na saúde cada vez mais contribui para a melhoria do diagnóstico de doenças. Isso é possível graças a serviços como a telemedicina, que conecta grandes especialistas a médicos em qualquer lugar do mundo.

Não existem mais limitações geográficas que impeçam um paciente de receber o atendimento que merece, sempre que algum evento envolvendo a sua saúde venha a ocorrer.

A melhoria no diagnóstico de doenças evita que as pessoas sofram por conta de tratamentos incorretos, por exemplo. Por isso, é interessante implementar a telemedicina em todos os estabelecimentos médicos, principalmente naqueles que estão afastados dos grandes centros urbanos.

Fidelização de pacientes

Fidelizar pacientes é muito importante para as clínicas e os consultórios médicos, uma vez que, se as pessoas sempre retornam ao seu estabelecimento, não é preciso investir muito em marketing para ter um retorno positivo na sua empresa.

A tecnologia também pode contribuir nesse sentido, principalmente no que se refere ao marketing de relacionamento.

Você pode, por exemplo, usar um software de gestão para enviar mensagens personalizadas no dia do aniversário dos pacientes, bem como em datas comemorativas, como o Natal, a Páscoa, entre outras.

Além disso, essas estratégias de marketing também servem para que você avise os pacientes sobre quando é necessário que eles retornem para uma consulta de rotina ou para mostrar resultados de exames, por exemplo.

Vale lembrar que os pacientes satisfeitos também indicam os seus serviços para familiares e amigos, de modo que, quando alguém se fideliza, também pode se tornar um divulgador dos seus serviços. A tecnologia pode ajudar nesse sentido.

Centralização de dados clínicos

Se você atua como médico há alguns anos, é bem provável que seu consultório já tenha tido aqueles fichários enormes, onde são guardados os prontuários dos pacientes.

As pastas eram utilizadas para que fossem guardados documentos, registros, laudos de exames online e outros dados clínicos dos pacientes. Porém, por conta da facilidade que tais itens têm de se perder, novas tecnologias foram desenvolvidas nesse sentido.

Hoje em dia, existem recursos como a computação em nuvem, que possibilita que todos esses dados clínicos sejam armazenados no ciberespaço.

Dessa forma, agora os médicos podem acessar informações dos pacientes a partir de qualquer lugar em que exista acesso à internet, o que também permite a realização de procedimentos como a telemedicina.

A segurança da informação também é muito mais eficiente na computação em nuvem do que em arquivos físicos.

Isso se justifica porque ocorre a centralização dos dados em um mesmo local, sem que eles sejam acessados por pessoas não autorizadas.

É importante ainda destacar que, em 2020, entra em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Essa legislação tornará mais rigoroso o uso correto de dados dos pacientes pelas clínicas médicas.

Aperfeiçoamento do conhecimento e das habilidades médicas

Antigamente era comum que os conhecimentos médicos descobertos por universidades e centros de pesquisa de todo o mundo demorassem anos para chegar até o Brasil.

No entanto, com o avanço da internet, isso deixou de ser uma realidade e os estudos mais recentes, nas mais diversas áreas da medicina, agora são compartilhadas conosco em tempo real.

Existem diversos aplicativos gratuitos que os médicos podem baixar para terem acesso a revistas e artigos científicos das mais renomadas instituições de pesquisa do mundo. Assim é mais fácil ficar bem informado sobre as novidades e tratar os pacientes de forma eficaz.

A popularização do ensino à distância também tem feito com que isso se aperfeiçoe. Cada vez mais os profissionais da saúde estão confiando em faculdades e instituições de ensino que oferecem cursos na modalidade EAD, por exemplo.

O que diz a legislação sobre a tecnologia na saúde?

No que se refere à legislação, encontra-se em vigor a Resolução nº 1643/2002, do Conselho Federal de Medicina (CFM). Essa normativa é a que define e disciplina a prestação de serviços médicos por meio da telemedicina.

A legislação, entre outros pontos, fala sobre os direitos do paciente sobre os seus dados e a necessidade de o médico prestador dos serviços ser credenciado no CFM.

Também fica claro que o órgão é o responsável pela fiscalização de profissionais, estabelecimentos de saúde e empresas que prestam esse tipo de serviço.

É interessante destacar que, recentemente, uma nova legislação foi implementada, ampliando os serviços de telemedicina que podem ser ofertados.

Porém, por conta das respostas negativas provindas de algumas entidades, a norma foi temporariamente suspensa.

Ainda não há data para cair a suspensão, de modo que a legislação finalmente entre em vigor. O CFM aguarda sugestões das entidades que reclamaram de alguns pontos da legislação, para que mudanças sejam realizadas.

Conforme a pesquisa que mencionei, divulgada em reportagem da Folha de São Paulo, 78,69% dos médicos são favoráveis ao atendimento à distância e acreditam que isso não gera prejuízos para o paciente. Pelo contrário, só são oferecidos benefícios às pessoas.

Apesar disso, no Brasil só é liberada a teleconsulta quando há profissionais da medicina nas duas pontas de uma conversa.

Exemplo disso pode ser visto quando um médico clínico geral de uma cidade do interior utiliza a telemedicina para repassar dados a um especialista, que dará informações e dicas para o tratamento do paciente.

Quais são as principais tendências da tecnologia na saúde para os próximos anos?

tecnologia na saúde

A tecnologia na saúde não para de nos surpreender e já existem algumas projeções do que podemos esperar no futuro!

Não há dúvidas de que a tecnologia na saúde se desenvolve cada vez mais. A tendência é que, com o passar dos anos, seja cada vez mais comum vermos os médicos atendendo pacientes à distância, como expliquei em momentos anteriores.

Porém, não é apenas isso que tende a ocorrer nos próximos anos. A tecnologia na saúde também estará presente em outros serviços. Listamos algumas das projeções para o futuro, que em breve deverão ser uma realidade presente em hospitais, clínicas e consultórios médicos. Acompanhe!

Medicina genômica

A inteligência artificial e o machine learning estão ajudando a promover a medicina genômica, prática que ocorre quando as informações genômicas de uma pessoa são usadas para determinar planos de tratamento personalizados e atendimento clínico.

Na farmacologia, na oncologia, no tratamento de doenças infecciosas, entre outras situações, a medicina genômica tende a causar cada vez mais impacto.

Isso porque os computadores tornam muito mais rápida a análise de genes e mutações genéticas que causam doenças.

Isso ajuda a comunidade médica a compreender melhor como as doenças ocorrem e também a tratar e até mesmo erradicar doenças.

São diversos os projetos de pesquisa em andamento que utilizam os princípios da medicina genômica para tratar condições como rejeição de transplantes de órgãos, fibrose cística, câncer de diversos tipos etc.

Crispr´d cells para tratamento do câncer

Esta é a grande promessa na área de medicina genômica onde ocorre uma sobrecarga no sistema imunológico do paciente que fortalece suas defesas contra as células cancerígenas.

No momento da revisão desse artigo, março/2020 tive acesso ao primeiro teste feito em humanos nos EUA com 3 pacientes que não tiveram nenhuma reação com a utilização dessas células.

Isso quer dizer que nem melhorou e nem piorou nada, ninguém morreu e isso já é um horizonte promissor para continuar as pesquisas.

Você pode ler o artigo na íntegra aqui sobre células crispr.

Gêmeos digitais

Um gêmeo digital é uma réplica quase em tempo real de algo no mundo físico. Na área da saúde, o termo serve para dar nome a uma réplica de dados coletados ao longo da vida de um indivíduo, como resultados de exames que foram feitos no decorrer dos anos, doenças que a pessoa teve, cirurgias que realizou e assim por diante.

Os gêmeos digitais podem ajudar um médico a determinar as possibilidades de obter um resultado bem-sucedido em tratamentos, auxiliando na tomada de decisões terapêuticas e no gerenciamento de doenças crônicas, como o diabetes.

Ainda é possível que os gêmeos digitais ajudem a melhorar a experiência dos pacientes, por meio de cuidados eficazes e centrados em cada indivíduo.

O uso dessa tecnologia na saúde ainda está nos estágios iniciais dos estudos, mas o potencial de uso é extraordinário e, como um profissional da área, você ouvirá falar muito sobre isso nos próximos anos.

Internet 5G

Conforme aumenta a capacidade dos centros de saúde para prestar assistência em áreas remotas, que são atendidas pela telemedicina, a qualidade e a velocidade das redes de internet são essenciais para que ocorram resultados positivos.

A internet 5G deve se tornar uma realidade nos próximos anos, ajudando as organizações de saúde a fazer a transmissão de grandes arquivos de imagem, para que os especialistas possam revisar e aconselhar sobre cuidados, por exemplo.

Além disso, a novidade também permitirá o uso da inteligência artificial e da internet das coisas, aumentará a capacidade de os médicos proporem tratamentos com base na realidade virtual e na realidade aumentada e possibilitará o monitoramento remoto e confiável dos pacientes, entre outras coisas.

Hospitais inteligentes

Um hospital inteligente é aquele que conta com uma infraestrutura conectada de dispositivos médicos inteligentes, com o objetivo de melhorar os procedimentos de atendimento ao paciente e introduzir novos processos.

O objetivo desse tipo de hospital é transformar os dados do paciente em insights e, em seguida, agir com base nas informações obtidas.

Os sistemas captarão dados, por exemplo, na sequência aplicando-os em serviços de inteligência artificial e machine learning para fazerem a análise. Em seguida, disponibilizarão informações para os médicos por meio de computadores, tablets e smartphones.

Conclusão

Essas são algumas das principais informações sobre a tecnologia na saúde. Espero que este artigo tenha sido útil e que os novos recursos possam ser implementados na sua clínica ou no seu consultório, trazendo benefícios para você e para os seus pacientes.

Assine a nossa newsletter e receba mais materiais interessantes como este, diretamente na caixa de entrada do seu e-mail!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp