Batimentos cardíacos normais: como medir e manter a frequência ideal

Por Dr. José Aldair Morsch, 30 de setembro de 2021
Batimentos cardíacos normais

Manter os batimentos cardíacos normais favorece um bom desempenho e evita a sobrecarga do coração.

Não por acaso, o monitoramento e controle das batidas vem se tornando comum para quem se dedica aos cuidados com a saúde.

Porém, vale lembrar que o ritmo cardíaco pode sofrer várias alterações em um mesmo dia.

Quando isso acontece, não é necessariamente sinal de algum problema de saúde.

Exercícios físicos e o consumo de substâncias estimulantes aumentam a frequência das batidas, provocando taquicardias temporárias.

Seguindo esse mesmo raciocínio, momentos de repouso e relaxamento tendem a fazer com que a frequência diminua.

É o que leva a bradicardias também com efeito passageiro.

Quer aprofundar os conhecimentos sobre esse assunto?

Então, você chegou ao lugar certo.

Neste artigo, explico melhor o funcionamento do músculo cardíaco, variações normais e anormais no ritmo e quando é preciso buscar ajuda médica.

Batimentos cardíacos normais: o que isso significa?

Batimentos cardíacos normais revelam que o coração segue um ritmo padrão ou sinusal, indicando que não há alterações importantes na frequência de batidas.

Conforme a definição da SOBRAC (Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas):

“O ritmo cardíaco adequado é ritmo regular, compassado. A frequência dos batimentos cardíacos depende da atividade que o indivíduo está realizando (repouso ou em exercício) e é medida pelo número de contrações do coração por uma unidade de tempo, geralmente por minuto.”

A unidade utilizada para a medição do ritmo do miocárdio corresponde aos batimentos por minuto ou bpm.

Entre os médicos, é consenso adotar como referência o intervalo entre 60 bpm e 100 bpm, que é considerado normal para adultos em repouso ou realizando tarefas corriqueiras.

Esses valores são relevantes para designar alterações na frequência cardíaca – as famosas arritmias.

Como citei no início do texto, as arritmias de padrão rápido são chamadas taquicardias, enquanto as de padrão lento recebem o nome de bradicardias.

Quando o coração tem estrutura normal e não há sintomas associados, essas arritmias costumam ser benignas, sem qualquer consequência para o indivíduo.

Nesses casos, elas surgem e desaparecem de forma espontânea e não prejudicam o funcionamento do sistema cardiovascular.

Contudo, a repetição de taquicardia e bradicardia não relacionadas ao esforço físico pode sinalizar um problema cardíaco, pedindo investigação médica.

Quais os batimentos cardíacos normais?

Os batimentos cardíacos normais combinam ritmo e condução regulares.

Eles nascem de impulsos elétricos produzidos por um conjunto de células chamado nó sinoatrial ou nó sinusal para, em seguida, percorrer válvulas e câmaras cardíacas.

Para explicar melhor, vamos voltar um passo e falar sobre como funciona o coração.

Esse órgão cumpre a função de uma bomba, sendo responsável por distribuir o sangue para todo o corpo.

A cada batida, o músculo cardíaco impulsiona o líquido, que leva oxigênio e nutrientes para as células do organismo.

Esse processo começa com a emissão de um impulso elétrico pelo nó sinusal, localizado logo acima do átrio direito – uma das 4 câmaras do órgão.

O impulso vai, então, para átrio direito e esquerdo e para as câmaras cardíacas inferiores, denominadas ventrículos.

A dinâmica atrai íons de cálcio para dentro das células, fazendo o miocárdio se contrair e levando à despolarização elétrica.

Em seguida, as células liberam íons de potássio, provocando a repolarização elétrica, que faz o órgão relaxar.

Em uma pessoa saudável, essa trajetória dura cerca de 0,19 segundo e cada batida segue o mesmo padrão.

Tanto que, ao observar o resultado do eletrocardiograma, será possível visualizar ondas com formato, extensão e sequência normais.

Confira, a seguir, os valores padrão em bpm para repouso e durante a atividade física.

Batidas do coração

Cada batida do coração impulsiona o sangue, que transporta oxigênio e nutrientes para todo o corpo

Batimentos cardíacos normais em repouso

Como mencionei antes, o coração de um adulto saudável em repouso costuma bater entre 60 e 100 vezes por minuto.

Mas cabem, aqui, duas ressalvas.

A primeira diz respeito a atletas e pessoas com um bom condicionamento físico.

Como o coração é um músculo, ele precisa bater menos quando está mais forte, ou seja, mais exercitado, pois terá maior força para bombear o sangue.

Por isso, atletas em repouso podem registrar até 40 bpm, sem que isso represente uma bradicardia ou risco à saúde.

A segunda ressalva que faço vale para qualquer adulto saudável.

Quando em repouso profundo, por exemplo, enquanto a pessoa dorme, valores ligeiramente abaixo dos 60 bpm ainda são aceitáveis.

Afinal, o repouso exige menos esforço do miocárdio para manter os sistemas funcionando de modo adequado.

Batimentos cardíacos normais durante exercício

Quando realizamos exercícios físicos, é normal que os batimentos cardíacos acelerem, pois as células precisam de mais energia para dar conta do esforço extra.

É por isso que a atividade física regular faz tão bem para o coração.

Com o tempo, o músculo se torna mais robusto e dá conta de bombear o sangue com menos trabalho.

Assim, se medirmos as batidas por minuto durante ou logo depois do exercício, vamos encontrar valores que superam os 100 bpm, sem efeitos adversos para o corpo.

Se a atividade física tiver alta intensidade, os batimentos podem chegar a 180 bpm.

Outras situações que fazem o coração acelerar são emoções fortes, como raiva e medo, que fazem com que o corpo libere adrenalina.

Substâncias energéticas também aumentam a frequência cardíaca.

Um exemplo conhecido é a cafeína, presente no cafezinho, em refrigerantes e alguns chás.

Após a ingestão desses alimentos, é comum notar um ligeiro aumento no número de batidas por minuto, o que tende a desaparecer em alguns minutos.

Batimentos cardíacos normais por idade

A idade é um fator importante para a avaliação de batimentos cardíacos normais ou anormais.

Afinal, mesmo em pessoas sedentárias, o coração vai se tornando mais robusto com o passar dos anos, depois de inúmeras batidas para nutrir as células do organismo.

A regra, então, é que o músculo precise se esforçar mais quando a pessoa é jovem, e menos quando envelhece.

Conforme os anos passam, há uma redução na faixa de valores aceitáveis de batimentos por minuto.

Ritmo cardíaco normal

Em idosos, a frequência cardíaca é normalmente mais baixa e as batidas vão de 50 bpm a 60 bpm

Batimentos cardíacos normais em adulto

De forma geral, a quantidade de batidas por minuto se estabiliza por volta dos 15 anos, quando os valores ficam em torno de 80 bpm.

Dependendo do condicionamento físico, a média tende a se elevar ou diminuir, sendo que os atletas costumam manter o ritmo entre 50 e 60 bpm.

adultos sedentários têm uma frequência normal entre 70 e 80 bpm enquanto realizam tarefas de rotina, que não exigem grandes esforços.

Batimentos cardíacos normais em idosos

A idade avançada reduz a quantidade de batimentos por minuto, fazendo com que o padrão se altere se o paciente tiver 60 anos ou mais.

Nesse caso, as batidas vão de 50 bpm a 60 bpm, ainda que o idoso não pratique atividade física regularmente.

Batimentos cardíacos normais em crianças

A infância é a época da vida em que se experimenta mais mudanças no padrão de batimentos cardíacos, que se alteram conforme os órgãos amadurecem.

Para se ter uma ideia, o coração de um recém-nascido saudável bate entre 100 e 160 vezes por minuto, dando a impressão de estar sempre acelerado.

Mas logo vem a primeira redução na frequência, que passa a ficar entre 90 e 150 bpm dos 0 aos 5 meses, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Aos 6 meses, o coração do bebê se fortalece um pouco mais e bate de 80 a 140 vezes por minuto.

Depois que completa o primeiro ano de vida, o bebê mantém o valor mínimo de batidas, mas o valor máximo cai para 130 bpm.

Por volta do terceiro ano, esse valor reduz um pouco, sendo normal o ritmo cardíaco entre 80 e 120 bpm.

A próxima mudança é sentida aos 6 anos, quando a criança tem batidas entre 70 e 110 bpm.

No início da pré-adolescência, aos 11 anos, o padrão muda para 60 a 105 bpm, já bem próximo ao valor de referência para adultos.

Batimentos cardíacos normais de uma gestante

Durante a gravidez, o corpo sofre uma série de mudanças para acomodar e nutrir o feto.

As mais evidentes são o crescimento da barriga e dos seios, junto ao inchaço característico do último trimestre de gestação.

Porém, há outras adaptações realizadas pelo organismo, como a exigência de maior esforço por parte do coração.

Isso porque a futura mamãe tem cerca de 2 litros de sangue a mais circulando ao longo da gravidez, a fim de entregar os nutrientes e oxigênio necessários para o desenvolvimento do bebê.

Por consequência, o músculo cardíaco precisa bater um pouco mais depressa para dar conta desse volume de líquido excedente, chegando a atingir de 80 a 100 bpm em repouso.

Como medir os batimentos cardíacos

Hoje em dia, é possível medir os batimentos cardíacos com maior precisão fora do hospital, usando um oxímetro, relógio ou pulseira capaz de fazer esse monitoramento.

Mas dá para conferir as batidas, ainda que você não tenha nenhum desses aparelhos em casa.

Basta escolher um local específico e verificar a pulsação, pressionando levemente os dedos sobre essa área.

A lateral do pescoço, pulso ou parte interna do cotovelo permitem fazer a medição.

Conte quantas pulsações sentir durante 60 segundos, ou, para ficar mais fácil, conte durante 15 segundos e multiplique o resultado por 4.

Essa regra vale apenas se as batidas estiverem regulares.

Frequência cardíaca normal

Sintomas frequentes de ritmos cardíacos anormais devem ser acompanhados por um cardiologista

O que fazer para manter os batimentos cardíacos normais

Quem não sofre com doenças cardiovasculares pode manter os batimentos cardíacos normais adotando hábitos saudáveis, por exemplo:

  • Não fumar, pois o cigarro costuma acelerar o ritmo cardíaco
  • Reduzir o consumo de álcool – outra substância que acelera os batimentos
  • Diminuir as fontes de estresse e apostar em atividades relaxantes como meditação e ioga
  • Adotar uma dieta balanceada, consumindo mais vegetais e menos alimentos processados
  • Fazer atividade física moderada a intensa, pelo menos 3 vezes por semana
  • Evitar o sobrepeso e a obesidade, prevenindo a sobrecarga cardíaca necessária para bombear sangue a uma área maior
  • Fazer um checkup anual para verificar se a saúde do coração vai bem.

 

O que fazer quando as batidas cardíacas não estão normais?

Comentei, mais acima, em quais situações os batimentos podem aumentar ou diminuir, sem prejuízo ao indivíduo.

Caso tenha uma palpitação, procure repousar por alguns minutos e respirar fundo para recuperar a calma.

Muitas vezes, a arritmia é passageira e desaparece de maneira espontânea.

Contudo, é preciso ficar alerta aos ritmos anormais e alterações frequentes, que podem sinalizar doenças.

Em especial se eles vierem acompanhados de sintomas como:

  • Desmaio
  • Tontura
  • Palpitações
  • Falta de ar
  • Dor no peito
  • Fraqueza
  • Confusão mental.

Nessas situações, procure avaliação médica.

Qual o médico especialista em batimentos do coração?

O cardiologista é o especialista no estudo de anomalias relacionadas ao sistema circulatório, incluindo os batimentos cardíacos anormais.

Mesmo que não tenha qualquer sintoma de patologia cardíaca, é importante consultar esse profissional pelo menos uma vez por ano.

Nessa ocasião, o cardiologista faz uma avaliação geral e solicita uma bateria de exames para conferir como anda o músculo cardíaco.

Testes como o eletrocardiograma ajudam a detectar distúrbios e prevenir eventos como o infarto.

Consulte um cardiologista online

Consultar um cardiologista ficou ainda mais simples com o atendimento médico online via videoconferência.

Na plataforma de telemedicina Morsch, esse atendimento acontece em uma sala virtual exclusiva, com toda a comodidade e segurança.

Veja como é fácil marcar sua consulta online em nosso sistema:

  1. Acesse a página de agendamentos
  2. Use o campo de buscas para selecionar a especialidade Cardiologia e escolha o profissional de sua preferência
  3. Defina um entre os horários de agendamento, ao lado da identificação do médico
  4. Você será redirecionado para uma página de login. Se não tiver cadastro, selecione “Criar conta”
  5. Preencha o formulário com informações de identificação e prossiga
  6. Crie uma senha e acesse o sistema
  7. Confirme o horário da teleconsulta e faça o pagamento
  8. Meia hora antes do atendimento, você vai receber o link de acesso à sala virtual via WhatsApp ou SMS.

 

Conclusão

Apresentei, neste texto, o significado, a importância e dicas para manter os batimentos cardíacos normais.

Vale a pena investir em um estilo de vida saudável, evitando sobrecarregar o coração e desenvolver doenças cardiovasculares.

Se gostou deste conteúdo, compartilhe nas suas redes.

Aproveite para se inscrever na newsletter e ser avisado sobre os próximos artigos em primeira mão.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE