Endocrinopediatra é especialista em questões hormonais das crianças

Por Dr. José Aldair Morsch, 28 de outubro de 2021
Endocrinopediatra

Procurando um endocrinopediatra

Ou não sabe exatamente se esse é o especialista que precisa para seu filho?

Geralmente, esse tipo de médico é consultado após encaminhamento do pediatra.

Isso porque os males hormonais, como diabetes e puberdade precoce, não têm sinais tão conhecidos quanto os relacionados a outras especialidades.

Daí a necessidade de uma avaliação generalista que verifique a necessidade de tratamento especializado.

No consultório do endocrinologista pediátrico, bebês, crianças, adolescentes e pais recebem suporte para tratar qualquer disfunção metabólica.

E também o acolhimento necessário para que a terapia seja conduzida de um jeito tranquilo.

Continue lendo este artigo e saiba mais sobre a atuação, consulta e quando procurar um endocrinopediatra.

Descubra ainda inovações que facilitam o acesso a esse e outros especialistas, como a consulta online.

Boa leitura!

O que é um endocrinopediatra?

Endocrinopediatra é o especialista que estuda, diagnostica e trata distúrbios metabólicos da infância e adolescência.

A especialidade médica é voltada aos problemas que surgem desde o nascimento até os 18 ou 20 anos, dependendo da escolha do paciente.

Afinal, hoje em dia, a adolescência vem se estendendo até o início da segunda década de vida, o que possibilita a continuidade do monitoramento pediátrico nesse período.

Postergar esse atendimento também é útil porque o endocrinologista pediátrico costuma criar um vínculo com o paciente e seus pais, conhecendo a fundo seu histórico familiar.

Nesse contexto, fica mais simples para o médico perceber anormalidades e alterações importantes, prevenindo agravos à saúde da criança ou adolescente.

Além de ser mais fácil para o paciente se sentir confortável e compartilhar sintomas, mudanças e aspectos de seu crescimento.

Esse processo tem ampla participação dos hormônios, que ditam o ritmo e o tipo de transformações pelas quais o organismo passa até a idade adulta.

A endocrinologia pediátrica foca nos problemas de meninos e meninas, que têm causas, manifestações e duração diferentes dos observados em adultos.

Isso porque há particularidades características da infância e da adolescência que impactam não somente o corpo, mas também a mente e merecem atenção.

Para que serve o médico endocrinologista infantil?

Consultar o endocrinologista infantil serve para monitorar o desenvolvimento de meninos e meninas, combatendo problemas no metabolismo.

Para explicar melhor, vale falar sobre a função do sistema metabólico, que controla glândulas responsáveis pela secreção de hormônios.

Uma das mais famosas é a tireoide, relacionada à regulação do ciclo menstrual e amadurecimento infantil.

Quando essa glândula não funciona normalmente, o indivíduo experimenta quadros de aceleração ou queda energética, caracterizando o hiper e hipotireoidismo, respectivamente.

A evolução na estatura de meninos e meninas também é controlada por esse sistema, em especial pelo hormônio do crescimento ou GH.

Produzido pela glândula hipófise, ele tem papel essencial no controle da altura e tamanho proporcional de diversas partes do corpo.

Já progesterona, testosterona e estrógeno são hormônios ligados à puberdade e sexualidade.

Todo esse conjunto de atividades indispensáveis para o desenvolvimento saudável do organismo é desempenhado pelo sistema metabólico.

E avaliado pela endocrinologista pediátrico.

Endocrinologista pediátrico

O endocrinopediatra atende crianças desde o seu nascimento até por volta dos 18 anos de idade

Quando procurar um endocrinopediatra?

Como mencionei na abertura deste texto, o mais comum é que esse especialista seja procurado diante do encaminhamento pelo pediatra.

Isso porque o pediatra tem atuação generalista e voltada à atenção primária, acompanhando pais e filhos desde o nascimento.

Ou até antes disso, quando a futura mamãe decide passar pela primeira consulta com pediatra durante a gravidez.

De qualquer forma, esse médico indica um endocrinopediatra se perceber sintomas ou possíveis distúrbios metabólicos.

E nada impede que mães, pais ou responsáveis procurem seu auxílio de forma espontânea, a fim de garantir que o crescimento dos filhos está ocorrendo normalmente.

Ou se reparem em sinais de problemas hormonais, a exemplo de:

  • Sobrepeso
  • Anomalias congênitas
  • Crescimento deficiente
  • Sede constante
  • Manchas na pele
  • Aumento da espessura do pescoço
  • Deformações nos ossos
  • Manifestação precoce ou tardia da puberdade
  • Crescimento de pelos em locais incomuns
  • Desenvolvimento das mamas em meninos (ginecomastia puberal)
  • Cólicas menstruais
  • Tensão pré-menstrual (TPM).

 

Doenças tratadas na endocrinologia pediátrica

O campo de atuação da endocrinologia pediátrica é extenso, compreendendo as glândulas, hormônios produzidos e seus efeitos no organismo de crianças e adolescentes.

A seguir, detalho as principais patologias que surgem quando o funcionamento dessas estruturas é anormal ou ineficiente.

Confira.

Males congênitos

Por vezes, o bebê nasce com uma deformidade ou distúrbio que atrapalha seu crescimento, pedindo monitoramento médico.

Um deles é o hipotireoidismo congênito, doença capaz de prejudicar o desenvolvimento do cérebro, mas que pode ser detectada pela triagem neonatal.

Realizado entre as entre 48 e 72 horas de vida do recém-nascido, o Teste do Pezinho permite o diagnóstico precoce e maior sucesso no tratamento.

Outra condição congênita detectada logo após o nascimento é distúrbio de diferenciação sexual.

Como o nome sugere, é uma malformação que dificulta a identificação do sexo biológico do bebê, podendo ser resultado de disfunções hormonais ou genéticas.

Nesses casos, especialistas podem pedir exames para confirmar o sexo genético, avaliando órgãos internos.

Diabetes

Nas palavras da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia:

“Diabetes Mellitus é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas, pelas chamadas células beta.”

Problemas que impedem o aproveitamento da insulina comprometem a oferta de glicose e energia às células, prejudicando seu desempenho.

Por consequência, o paciente sofre com diabetes, vivenciando sede e fome frequentes, aumento da eliminação de urina, cansaço e fraqueza.

A doença se apresenta em dois principais tipos, sendo o tipo 1 mais comum entre crianças e adolescentes.

Essa modalidade é provocada pelo ataque dos anticorpos às células beta, levando a quadros drásticos de emagrecimento.

Se não tratado, o diabetes evolui para a cetoacidose diabética, caracterizada por desidratação, dificuldades para respirar, vômitos e até coma.

Embora seja menos comum, o diabetes tipo 2 também pode afetar meninos e meninas quando há resistência à insulina produzida pelo pâncreas.

Ambos os tipos requerem tratamento com mudança nos hábitos alimentares e rotina de exercícios físicos.

O tipo 1 costuma exigir ainda a aplicação de insulina e ingestão de medicamentos para prevenir a hiperglicemia.

Endocrinologista infantil

Condições relacionadas ao crescimento da criança podem motivar consulta com endocrinopediatra

Distúrbios do crescimento

O crescimento é regulado pelo hormônio GH, produzido pela hipófise – glândula localizada abaixo do cérebro, responsável pelo estímulo e secreção de diversas substâncias.

A liberação normal do GH conduz a uma estatura padrão para a idade e sexo da criança, considerando sua herança genética e fatores como a alimentação.

Isso porque a desnutrição ou falta de nutrientes essenciais interfere no processo de crescimento, favorecendo níveis baixos de peso e altura.

No entanto, se houver produção insuficiente de GH, o paciente pode sofrer com nanismo, doença que limita a estatura a padrões abaixo do normal.

A situação inversa pode desencadear o gigantismo, com crescimento anormal do menino ou menina.

Para evitar esses problemas, o endocrinopediatra corrige ou controla a secreção de GH por meio de terapias como a reposição hormonal.

Problemas na tireoide

Como citei mais acima, a tireoide influencia em uma série de atividades realizadas pelo organismo.

Essa glândula endócrina fica no pescoço e secreta dois hormônios: T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina).

Ambos impactam na energia disponível para as células, sendo que sua deficiência gera quadros de cansaço, intestino preguiçoso e diminuição da frequência cardíaca.

Esses são alguns sintomas do hipotireoidismo, que favorece o ganho de peso abruptamente.

Em recém-nascidos, a forma congênita representa grande risco, podendo atrapalhar o desenvolvimento cerebral e o crescimento do corpo.

Já o hipertireoidismo faz com que o paciente perca peso de repente, devido à aceleração do metabolismo.

Essa agitação interfere na qualidade do sono, solta o intestino, aumenta o ritmo do coração, entre outros sinais.

Ambos os quadros pedem tratamento para normalizar as atividades do organismo, que pode ser feito com medicamentos, iodo radioativo ou cirurgia.

Puberdade precoce ou tardia

A puberdade é um período importante para o desenvolvimento e maturação sexual e psicológica, marcando a entrada na adolescência.

Nas meninas, a puberdade normalmente chega entre os 8 e os 13 anos de idade, enquanto aparece dos 9 aos 14 anos nos meninos.

Alguns sinais de puberdade precoce são desenvolvimento das mamas ou testículos, pelos pubianos, axilares ou odor antes desses períodos.

Segundo especialistas, essa condição pode ter como consequências:

  • Transtornos psicológicos e de comportamento
  • Maior risco de abuso sexual
  • Baixa estatura quando adulto
  • Risco aumentado de obesidade, hipertensão, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral e certos tipos de câncer – devido à exposição precoce ao hormônio estrógeno.

Quando a puberdade se inicia depois dos 13 anos nas meninas e depois dos 14, nos meninos, isso também pode ter efeitos adversos para a saúde.

As mulheres têm risco elevado para males como a osteoporose, porque há perda do tempo em que elas mais ganham massa óssea.

Estudos também relacionam a puberdade tardia ao surgimento de patologias como a asma.

Obesidade infantil

Conforme estimativas do Ministério da Saúde, 3,1 milhões de crianças brasileiras sofrem de obesidade.

O peso muito acima do normal para a idade e estatura deve motivar uma visita ao endocrinologista pediátrico, a fim de reverter o quadro antes que se agrave.

Meninos e meninas obesos têm mais chances de desenvolver problemas nos ossos e articulações, patologias cardiovasculares e diabetes.

O tratamento pede mudanças sólidas nos hábitos alimentares, rotina de atividades físicas e, se não adiantar, investigação de outras causas para o sobrepeso.

Como é a consulta com endocrinopediatra?

A consulta com endocrinopediatra inclui anamnese, exame clínico e testes complementares.

Durante a anamnese ou entrevista com o paciente, é comum que os pais falem na maior parte do tempo, pois são eles que acompanham a criança ou adolescente.

A primeira visita a esse especialista costuma ter uma anamnese extensa, a fim de esclarecer dúvidas e fazer recomendações importantes aos responsáveis.

Claro que o filho ou filha também podem fazer perguntas e pedir orientações.

O encontro segue com base em sintomas descritos e/ou resultados de exames complementares que apoiam o diagnóstico.

Além do mais, o médico examina o corpo do paciente, verificando se há anormalidades como manchas ou alergias.

É natural, ainda, fazer a pesagem e medir a altura para conferir se estão dentro dos padrões aceitáveis para a idade e o sexo da criança ou adolescente.

Nesse cenário, podemos dizer que o endocrinologista pediátrico auxilia no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento do paciente, junto aos pais e ao pediatra.

Por fim, o especialista marca o retorno e solicita testes de imagem ou laboratório, caso ache necessário.

Pediatra endócrino

O acompanhamento com endocrinologista infantil auxilia no crescimento e desenvolvimento do paciente

Endocrinopediatra online: como consultar pela internet

Tecnologias inovadoras como a plataforma de telemedicina viabilizaram o encontro com endocrinopediatra online, em ambiente seguro e intuitivo.

Graças a essa ferramenta, é possível receber assistência a distância com toda a comodidade, sem precisar sair de casa.

A consulta pela internet é interessante por acrescentar opções de cuidado com as crianças e adolescentes, permitindo a continuidade do tratamento e monitoramento pelo médico de sua confiança.

Uma das principais vantagens é a economia do tempo e dinheiro que seriam gastos no deslocamento até a clínica ou consultório.

O acesso a especialistas como o endocrinologista pediátrico também é democratizado através da telemedicina, que conecta esses profissionais a pacientes em todo o Brasil.

Mesmo áreas remotas são cobertas pelo atendimento, bastando dispor de um smartphone, tablet ou qualquer outro dispositivo ligado à internet.

Como consultar com endocrinopediatra pela Morsch

Conversar com esse especialista dentro do sistema da Telemedicina Morsch é simples e rápido.

É só seguir nosso pequeno roteiro:

  1. Acesse a página de agendamentos
  2. Use o campo de buscas para selecionar a especialidade Endocrinopediatria e escolha o profissional de sua preferência
  3. Defina um entre os horários de agendamento, ao lado da identificação do médico
  4. Você será redirecionado para uma página de login. Se não tiver cadastro, selecione “Criar conta”
  5. Preencha o formulário com informações de identificação e prossiga
  6. Crie uma senha e acesse o sistema
  7. Confirme o horário da teleconsulta e faça o pagamento
  8. Pronto! Meia hora antes do atendimento, você vai receber o link de acesso à sala virtual via WhatsApp ou SMS.

 

Conclusão

Ao longo deste artigo, falei sobre a função, importância e doenças tratadas pelo endocrinopediatra.

Esse especialista pode ser consultado tanto pessoalmente como online, com o suporte da teleconsulta na plataforma Morsch.

A ferramenta ainda facilita o acesso a outros médicos para você manter os cuidados de saúde em dia.

Se gostou deste conteúdo e quer ser avisado sobre os próximos, assine a newsletter.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE