Entenda como escolher a sua especialização médica

Por Dr. José Aldair Morsch, 22 de maio de 2020
especialização médica

Depois de passar no concorrido vestibular de medicina e começar a graduação, outra etapa importante acontece na vida do futuro profissional: a escolha da especialização médica. Essa não é, certamente, uma tarefa fácil, pois vai definir qual caminho vai trilhar e como será sua carreira no futuro.

Precisa de ajuda para tomar essa decisão?

Como médico, sei que toda ajuda é válida nesse momento. Por isso, fiz este post com algumas dicas sobre o que colocar na balança na hora de escolher sua área na medicina.

Acompanhe!

Principais especialidades médicas

especialização médica

descubra quais são as principais especialidades médicas

Devido à complexidade da medicina, com o passar dos anos, a profissão foi se subdividindo.

Assim, os profissionais foram se especializando em determinada área para atender melhor aos seus pacientes.

Atualmente, 53 especialidades médicas são reconhecidas pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

A seguir, selecionei algumas das especialidade médicas mais interessantes, não mais importante, claro.

Confira!

Cardiologia

Como sou Cardiologista, tenho que puxar o assado pro meu lado, claro.

Considero a mais abrangente de todas, visto que tudo passa por essa especialidade.

Veja como isso faz todo sentido:

  1. Para o cirurgião operar, precisa de avaliação cardiológica
  2. O endocrinologista que trata de diabético precisa saber se o coração do paciente está bem
  3. O psiquiatra para receitar algum medicamento, precisa antes saber do cardiologista se pode usar e depois precisa saber se não está afetando o sistema cardiovascular
  4. O pediatra encontra um sopro no coração da criança e o que faz, manda pro cárdio
  5. O clínico geral não consegue controlar a pressão do seu paciente, manda pro cário
  6. O ortopedista quer usar um anti-inflamatório e o paciente tem pressão alta, chama o cárdio

São apenas alguns exemplos, isso vai longe na hora de pensar nas atribuições do Cardiologista.

A cardiologia é a especialização médica que faz o diagnóstico e o tratamento de patologias e alterações relacionadas ao sistema cardiovascular.

Lembro que para fazer algumas residências médicas, é necessário ter um pré-requisito.

Por exemplo, a especialização de clínica médica é pré-requisito para:

  • Cardiologia
  • Neurologia
  • Pneumologia
  • Gastroenterologia
  • Nefrologia e assim vai…

O campo de atuação abrange a clínica médica e pacientes de todas as idades.

O Cardiologista atende crianças, nesse caso é chamado de Cardiologista pediátrico e também atende idosos, assim chamamos de Cardiogeriatra.

O médico cardiologista tem oportunidades excelentes de trabalho — não falta emprego para os profissionais da área aqui no Brasil.

Quanto à especialização, ela apresenta um alto grau de complexidade, exigência e responsabilidades.

O cardiologista deve desenvolver habilidades como semiologia cardíaca, exame físico cardiovascular, saber interpretar um eletrocardiograma, e ainda poderá evoluir na sua área de atuação médica em cardiologia para:

  • Cateterismo cardíaco
  • Holter de ecg digital
  • Ecocardiografia com doppler e fluxo em cores
  • Cardiologia Pediátrica
  • Loop de ecg
  • Mapa de pressão arterial
  • Teste ergométrico
  • Tomografia cardiovascular
  • Ressonância cardiovascular
  • Tilt test

Com os avanços da tecnologia na área, a cardiologia está pronta para se tornar uma das especialidades médicas do futuro.

Foi uma das primeiras a entrar no mundo da Telemedicina, através da Telecardiologia e sem dúvida está ajudando muito para se adequar ao atendimento à distância.

Dermatologia

Cuidando do tratamento e da prevenção de doenças de pele, a dermatologia é um campo de atuação muito amplo, com formação multidisciplinar e vasto número de procedimentos e técnicas que serão aprendidos, incluindo os estéticos.

No Brasil, esse mercado é muito favorável e bem remunerado.

Como possibilidade, você pode fazer mais especializações em ramificações da dermatologia, como a cosmetologia e cirurgia dermatológica.

Também está em conformidade com a legislação para atuar em teledermatologia.

Endocrinologia

A endocrinologia é a especialidade que faz o acompanhamento de doenças que atingem as glândulas do corpo e suas consequentes disfunções hormonais.

A área é essencialmente ambulatorial e compreende o atendimento de todas as faixas etárias, cuidando do organismo do indivíduo como um todo.

Um endocrinologista deve ter uma boa visão diagnóstica e raciocínio fisiopatológico.

Como as doenças endocrinológicas não param de aumentar no Brasil, a exemplo do diabetes, as projeções para aqueles que se especializam na área são muito positivas.

Ginecologia e Obstetrícia

A ginecologia é a área que cuida da saúde da mulher, enquanto a obstetrícia é mais voltada para a reprodução.

Cabe ao profissional especializado tratar e prevenir doenças que atingem o aparelho reprodutor feminino, assim como acompanhar todo o período de gestação, por meio do pré-natal, e realizar partos.

Trata-se de uma área que não para de evoluir, sendo necessário, portanto, acompanhar os avanços por meio de cursos e congressos.

O profissional tem a possibilidade de trabalhar em consultório médico, hospitais e maternidades.

Neurologia

A neurologia é a área da medicina dedicada ao estudo de enfermidades que atingem o sistema nervoso.

Inclui, portanto, órgãos como cérebro, medula espinhal e nervos, assim como componentes da junção neuromuscular.

Trata-se de uma especialidade muito ampla e de altíssima complexidade, com ligação direta com outras áreas médicas, como psiquiatria, oftalmologia e otorrinolaringologia.

A remuneração é proporcional à dificuldade do curso: o salário dos neurologistas é um dos mais altos na medicina.

É uma especialidade que atua profundamente no atendimento á distância, usando um ramo da teleneurologia.

Para quem deseja atender crianças, poderá fazer a subespecialização chamada de neurologista pediátrico.

Ortopedia

Dedicada ao diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças relacionadas à locomoção, a ortopedia envolve o estudo de estruturas como os ossos, articulações, músculos, nervos, ligamentos e tendões.

O campo de atuação é extremamente amplo e, além de incluir consultórios médicos, hospitais e emergências, apresenta vagas em associações e clubes para cuidados com os profissionais esportistas.

Pediatria

A pediatria é uma das especializações mais procuradas pelos recém-formados em medicina no Brasil, perdendo apenas para a clínica médica. A área é voltada para os cuidados necessários durante as primeiras fases da vida: a infância e a adolescência.

No consultório médico, o papel do pediatra vai além dos cuidados com a saúde propriamente dita e inclui a atenção com aleitamento, alimentação, vacinação e prevenção de acidentes domésticos com os pequenos.

Psiquiatria como especialidade médica

Prevenção, diagnóstico, acompanhamento e reabilitação dos mais diversos tipos de transtornos mentais são feitos pelo profissional especializado em psiquiatria.

A sua atuação é basicamente ambulatorial, mas o médico também pode trabalhar em enfermarias, emergências psiquiátricas e centros de reabilitação, assim como exercer atividade pericial.

Entre as características do especialista estão a empatia, paciência, vasto conhecimento em clínica médica e psicofarmacologia, agilidade de diagnóstico e boa capacidade de trabalhar em grupo.

Afinal, um tratamento psicológico inclui uma equipe multidisciplinar.

Devido à preocupação crescente da população com questões relacionadas à saúde mental e qualidade de vida, o mercado de trabalho no ramo apresenta boas perspectivas.

Esta é sem dúvida outra especialidade que casa muito bem com o atendimento utilizando a teleconsulta, chamamos de telepsiquiatria.

Nefrologia

Uma área muito importante da medicina que se encarrega de avaliar e acompanhar a função renal nos pacientes.

O Nefrologista se encarrega de montar os serviços de hemodiálise para atender os pacientes que tem seus rins paralisados e estão aguardando na fila de transplante.

O grande desafio dessa especialização médica é prevenir a perda da função renal, evitando com isso a hemodiálise.

É sabido que vários medicamentos afetam a função renal e devem ser evitados ou usados com cautela.

Neste momento entra o Nefrologista para auxiliar nessa decisão.

Também existe uma subespecialidade da nefrologia que é o nefrologista pediátrico.

Para quem ama crianças, uma ótima alternativa.

Residência médica X pós-graduação

Existem duas formas de aprender uma especialidade médica, ambas reconhecidas pelo Ministério da Educação: a residência médica e a pós-graduação.

Na hora de escolher um curso, muitos médicos formados confundem esses conceitos que, embora relacionados, tratam-se de coisas bem diferentes.

Residência médica

A residência é o curso que forma o especialista por meio de treinamento prático e intensivo, realizado de forma integral em âmbito hospitalar.

No Brasil, o médico é obrigado a prestar provas para ser selecionado no meio de diversos com o mesmo interesse.

Somente tem validade nos conselhos se a instituição de ensino tem reconhecimento pelo MEC.

Logicamente passam somente os melhores.

Sua duração mínima é de dois a três anos, período o qual o médico ganha uma bolsa de estudos como remuneração.

Somado à realidade aprendida na prática, o médico residente também vai passar por algumas disciplinas básicas, como metodologia científica, estatística e ética, e específicas do curso.

Com o passar do tempo, o grau de complexidade dos conteúdos e atendimento, assim como a responsabilidade do residente aumentam.

Assim, no final, ele estará apto a atender pacientes que procuram pela especialidade.

Na minha opinião, essa especialização médica é uma das melhores formas de se preparar para o mercado de trabalho.

Veja bem, esse formato de especialização já habilita o médico a se inscrever no seu Conselho Regional de Medicina e automaticamente no Conselho Federal de Medicina como especialista, recebendo seu RQE – Registro de qualificação de especialista.

No entanto, ela exige muita dedicação e estudo dos médicos recém-formados.

O número de vagas oferecidas pelas instituições é cada vez menor em comparação ao número de graduados.

Isso faz com que ingressar em uma boa instituição seja algo bem difícil — porém, nada que você não possa encarar.

Pós-graduação não é especialização médica

O curso de pós-graduação para médicos oferece grande conhecimento técnico e teórico sobre uma especialidade em questão.

Contudo, não é tão intenso quanto a residência médica e apresenta uma carga horária bem inferior, em torno de 360 horas.

Como consequência disso, a pós-graduação é procurada por aqueles que desejam um caminho mais curto para conquistar a especialização médica.

Todavia, ao final do curso, o aluno deve passar por uma prova de título de especialista, aplicada pela sociedade médica da área em questão.

Caso opte por fazer um pós-graduação, você já terá uma boa bagagem se pensar em tentar uma residência médica no futuro.

Nada impede que você curse ambas, o que garante um aprendizado mais amplo e completo.

O que não pode acontecer é você ficar estagnado após finalizar a graduação: cada uma das modalidades tem seu valor, que pode se destacar como mais adequada de acordo com o contexto e objetivo do profissional.

Fatores que influenciam a escolha da especialização médica

especialização médica

Descubra quais fatores influenciam a escolha da especialidade

Agora você já sabe quais são as principais alternativas de especialidade médica e as duas modalidades aceitas pelo Ministério da Educação.

Chegou a hora, então, de dar algumas dicas para que você acerte na escolha.

Pesquise sobre o mercado de trabalho

Ter uma visão geral do mercado que você vai atender e quais são as especialidades com maior demanda por médicos é uma das questões mais importantes na hora de escolher a sua área de especialização.

Para isso, você pode utilizar dados da internet ou conversar com profissionais da área para saber como está a demanda por profissionais de determinada especialidade.

Essa também é uma ótima oportunidade para tirar dúvidas sobre a profissão.

Ao fazer esse tipo de pesquisa, você consegue ter uma noção do que aguarda você no futuro, aumentando as chances de ter uma carreira médica bem sucedida.

Pense no perfil de paciente que pretende atender

Os pacientes são os agentes principais em uma consulta médica.

O seu atendimento gira em torno de solucionar os problemas e prestar o melhor serviço possível para que eles fiquem satisfeitos e voltem a procurar por você no futuro.

Por isso, é preciso saber qual perfil você atenderá mais frequentemente.

No ramo da cirurgia plástica, por exemplo, os pacientes costumam ser muito exigentes com a estética e aparência, enquanto na oncologia as preocupações e necessidades do paciente são outras.

Dessa forma, para que você ofereça o melhor atendimento possível, o seu comportamento deve ser compatível com as exigências do paciente.

Isso deve ser levado em consideração na hora de escolher a sua especialidade médica.

Avalie o ganho financeiro da especialização médica

Saber qual é a remuneração média de uma especialidade, tanto no começo quanto no decorrer da sua carreira, é um fator determinante para o seu sucesso e satisfação profissional.

As especialidades apresentam demandas financeiras diferentes.

Por exemplo, a radiologia médica oferece uma remuneração muito boa no começo da carreira, mas não tende a progredir com o passar dos anos.

Então, é preciso definir o que é mais importante para você.

Nesse caso, a minha dica é: não escolha uma especialidade apenas pela remuneração se você não gosta muito da área.

A probabilidade de essa decisão não fazer você feliz no futuro é grande.

Considere as suas preferências de estudo

A maioria dos estudantes de medicina define as suas preferências quanto a conteúdos e matérias específicas ainda durante a graduação.

Esse é um bom indicador do caminho que você deve seguir.

No entanto, isso não significa que você deve se dedicar apenas aos assuntos que têm maior preferência e afinidade. Lembre-se: as suas prioridades podem mudar ao longo dos anos.

Além disso, todos os conteúdos da faculdade de medicina são igualmente importantes para tornar você um profissional completo.

Por isso, faça uma lista com as suas matérias preferidas para ter uma ideia de que ramo seguir, mas não restrinja seus estudos a elas. Isso é essencial para que você se torne um médico de excelência.

Conheça a rotina da especialidade médica

A rotina de uma especialidade é outro fator que deve ser lembrado na hora de decidir por uma opção ou outra.

Alguns especialistas, por exemplo, não podem contar com horário fixo na agenda e precisam fazer plantões durante à noite.

Você está disposto a encarar essa rotina pesada, como de médicos obstetras e ortopedistas de emergência, ou prefere uma especialidade para trabalhar em consultório, como a pediatria? Não deixe de pensar nesse quesito antes de tomar uma decisão.

Onde fazer a especialização médica?

Depois de escolhida qual especialidade você pretende seguir, chegou a hora de pensar na instituição em que você fará o curso.

Algumas especialidades médicas precisam de grandes centros hospitalares para que o aprendizado seja completo, especialmente as áreas que envolvem cirurgia, como cirurgia cardíaca, pediátrica e oncológica.

Enquanto isso, outras podem ser feitas em instituições menores, como uma clínica médica, a exemplo da endocrinologia e psiquiatria.

No entanto, se você quiser fazer a sua especialização em um hospital universitário, fica a seu critério.

Na hora de avaliar a instituição, analise toda a estrutura, equipamentos, profissionais, se a preceptoria é bem conceituada e se a qualidade de pesquisas desenvolvidas no local é elevada.

Afinal, participar da ciência é importante para o seu currículo.

Outro fator que pesa bastante na sua decisão é o local — muitas vezes, você vai criar raízes na cidade ou estado em que foi fazer a especialização devido às oportunidades que podem surgir, como mestrado ou vaga de emprego no hospital. P

or conta disso, esse é outro fator que deve ser colocado na balança.

Por último, não deixe de conferir como é a rotina da especialização médica na instituição.

Nesse caso, conversar com outros residentes é uma ótima estratégia para conhecer mais sobre o assunto.

Conclusão

Ao longo deste conteúdo, falei um pouco sobre quais são as principais especialidades médicas, a diferença entre residência e pós-graduação e dicas para escolher a sua área e a instituição em que o curso será realizado.

Independentemente da especialização médica que você decida seguir, não deixe de considerar todos os aspectos aqui citados, como o mercado de trabalho, remuneração e rotina da especialidade.

A escolha da especialização médica vai impactar diretamente a sua carreira e, por isso, deve ser feita com muito cuidado.

O que achou deste post?

Compartilhe nas redes sociais para que todos os seus amigos também descubram como escolher a especialidade médica com precisão.

Até a próxima!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE