Como ler e interpretar Eletrocardiograma

Por Dr. José Aldair Morsch, 5 de outubro de 2017
Como ler e interpretar Eletrocardiograma

Saber Interpretar  eletrocardiograma é primordial para afastar ou confirmar o diagnóstico correto de cardiopatias em exames de rotina ou em casos de atendimento de pacientes em pronto socorro e hospitais.

O Eletrocardiograma (ECG) é um exame de triagem básico.

Com ele, é possível atestar ou contestar a saúde do coração do paciente, e encontrar indícios de que ele pode ter ou não  problemas cardíacos.

Também deve servir como diagnóstico para indicar tratamentos aos distúrbios encontrados.

O exame é tão importante que chega a ser exigido dos candidatos nos concursos públicos para cargos que requerem atividades físicas ou podem causar risco para as pessoas que dependem do serviço, como motoristas.

Solicite um orçamento

Durante a leitura você poderá baixar e-books sobre como realizar o Eletrocardiograma e um manual de interpretação muito prático. Aproveite!

A importância de como interpretar Ecg e o sucesso do diagnóstico

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte dentre os seres humanos adultos.

A partir dos 30 anos, recomenda-se que as pessoas façam o eletrocardiograma como um exame de rotina, pelo menos uma vez ao ano, para tentar detectar possíveis alterações ou doenças o mais cedo possível, tratando-as de maneira precoce.

Para homens acima dos 45 anos de idade, o exame é fundamental, principalmente se houver casos de morte ou distúrbios cardiovasculares graves nos ancestrais familiares, visto que alguns destes problemas podem ser hereditários.

Como é realizado ECG no paciente?

O paciente deve ficar deitado durante toda a realização do exame, em que são instalados eletrodos em seu corpo.

Estes eletrodos farão a detecção da atividade cardiovascular que será registrada por um computador.

Todas as regiões do coração serão avaliadas durante o procedimento, que é rápido, indolor e muito eficaz.

O ECG é um exame sem riscos ou contraindicações.

Apenas exige-se do paciente que permaneça deitado e que mantenha punhos, canelas e tórax com vestes flexíveis ou expostas que permitam a instalação dos eletrodos.

É recomendável também não realizar movimentos bruscos ou fumar cigarros por pelo menos meia hora antes do exame.

Neste artigo, você saberá como proceder à leitura e a correta interpretação dos resultados do eletrocardiograma.

De forma precisa e ágil, o diagnóstico para o paciente será muito mais seguro.

Verifique se o ECG apresenta boa qualidade para ser interpretado

Para entender como interpretar um ecg normal, você deve seguir uma rotina de passos para validar o resultado.

Para que possa ser interpretado de forma adequada, o Eletrocardiograma deve apresentar precisão e eficiência desde a sua calibração, até a forma que foi realizado.

QUERO REVISAR COMO É FEITO O ECG

Para atestar a qualidade do exame de ecg realizado, existem algumas técnicas importantes de se levar em consideração:

  1. Veja a velocidade e a amplitude do ECG no papel do exame.
  2. Em um eletrocardiograma bem-feito, a velocidade fica em 25 mm/s, enquanto que a amplitude deve ficar em 1 mV por 10 mm.
  3. É necessário observar as 12 derivações do exame, bem como avaliá-lo como um todo, em conjunto com os sintomas do paciente.

Caso o exame apresente características não satisfatórias para o estabelecimento de diagnósticos, é necessário repetir o Eletrocardiograma.

Passos para interpretar eletrocardiograma

Uma vez que o requisito mais básico quando você está interpretando um ecg seja cumprido, ou seja, que o Eletrocardiograma apresenta qualidade satisfatória, é o momento para as análises em si.

Veja qual a sequência de dados que devem ser examinados ao longo da interpretação do exame.

  1. Primeiro, deve-se calcular a frequência cardíaca.
  2. Em seguida, se faz a análise do ritmo cardíaco.
  3. Por terceiro, realiza-se o cálculo do intervalo PR (linha que liga o fim da onda P ao início do QRS), e do intervalo QT (sístole elétrica ventricular).
  4. Depois, estabelece-se o eixo elétrico, enquanto na sequência se busca por alterações no segmento ST (período de tempo de não atividade entre a despolarização e repolarização do ventrículo).
  5. Por fim, buscam-se outras alterações eletrocardiográficas.

Calcular a frequência cardíaca ao interpretar  Eletrocardiograma

  1. Primeiro passo para interpretar Eletrocardiograma (ECG) é o cálculo da frequência cardíaca que envolve detectar quantas vezes o coração bate em um minuto.
  2. Este cálculo se torna facilitado se o coração estiver operando em um batimento regular. No papel do ECG, cada minuto equivale a 300 “quadradinhos”.
  3. Para calcular a frequência cardíaca, basta contar quantos quadrículos existe entre um topo e outro da onda R no desenho projetado pelo batimento cardíaco.
  4. Em uma lógica matemática, se há 1 quadradinho entre cada onda, o coração está operando a 300 BPM. 
  5. Se dois, 150 BPM e assim sucessivamente. A regra que usamos é 300/150/100/75/60/50/30/20/10

Se o batimento for irregular, lembre-se que cada 30 quadros grandes equivalem a 6 segundos, e assim, conte os “topos” das ondas R dos complexos projetadas sobre o papel e posteriormente realizando uma média simples.

É importante detectar qual a frequência cardíaca para observar possíveis taquicardias ou bradicardias. Esse cálculo permite detectar patologias no batimento cardíaco e seu nível de gravidade.

Ao interpretar Eletrocardiograma, ele possui ritmo sinusal?

Após verificar a frequência do batimento cardíaco, o médico deve aferir se o ritmo cardíaco do paciente está adequado.

Para isso, basta analisar o tamanho das ondas, seu desenho e qual o espaço de quadrículos ocupado.

Para que o coração esteja em ritmo regular e em ritmo sinusal, basta verificar se a distância entre os complexos QRS são semelhantes e se a onda P é gerada no nó sinusal.

Calcule os Intervalos PR e QT

  1. Meça os intervalos a partir do desenho do ECG. Um intervalo PR normal gira em torno de 0,12 s e 0,20 s.
  2. O intervalo QT, por sua vez, costuma se posicionar entre 350 ms e 450 ms.

Ao interpretar Eletrocardiograma, você deve calcular o Eixo Elétrico do coração

Antes de realizar essa parte, é necessário compreender que cada uma das derivações do ECG é um ponto de vista diferente sobre o estímulo elétrico ao coração.

Estes pontos de vistas podem ser expressos por um gráfico feito à forma do plano cartesiano.

Uma vez que se calcule o eixo elétrico do eletrocardiograma, os valores dos ângulos que podem apontar saúde ou irregularidades são:

  1. De -30° a 90° – Eixo normal, esperado;
  2. Entre -30° e -90°, eixo desviado à esquerda;
  3. De 90° a 180°, eixo desviado à direita;
  4. Entre -90° e -180°, desvio extremo do eixo elétrico.

Como determinar alterações do segmento ST?

  1. A análise adequada deste intervalo pode denunciar alguma cardiopatia isquêmica do paciente, por isso, examine com atenção.
  2. O segmento ST deve ser isoelétrico, sendo mensurado do fim do complexo QRS até a onda T.
  3. Compare o desenho aos segmentos PR ou ST para assegurar a exatidão do diagnóstico.

Não deixe de analisar todos os outros intervalos e ondas ao interpretar Eletrocardiograma

A correta análise do ECG envolve um olhar geral sobre todos os aspectos e derivações do exame.

Portanto, não deixe de dar importância a qualquer alteração percebida nas ondas anteriores e como elas podem afetar o desempenho no exame.

Descrevendo o resultado de um Eletrocardiograma (ECG)

A forma mais completa e detalhada de se relatar um Ecg normal em um diagnóstico envolve a definição de todas as ondas e intervalos.

Segue um exemplo de como se relatar um ECG:

  1. Eletrocardiograma com ritmo sinusal,
  2. Frequência cardíaca de 70 bpm,
  3. Onda P positiva em todas as derivações, exceto aVR.
  4. QRS largo, com eixo elétrico do QRS normal, cerca de 45°.
  5. Intervalo PR considerado normal, em 0,15 s .
  6. QT corrigido normal em 400 ms,
  7. Segmento ST é isoelétrico e sem alterações relevantes,
  8. Onda T é positiva em todas as derivações, excetuando aVR.
  9. Não há onda Q patológica.
  10. Conclusão do eletrocardiograma: Exame dentro dos limites da normalidade.

O uso da Telemedicina para auxiliar o paciente

Como é possível perceber, o Eletrocardiograma (ECG) possui uma linguagem própria, que normalmente é melhor entendida por especialistas deste setor da medicina.

No entanto, o Ecg de repouso é um exame fundamental, e nem sempre o cardiologista está à disposição do consultório, clínica ou hospital para fornecer um diagnóstico preciso adequadamente.

O especialista pode não estar presente de corpo, mas pode estar presente de maneira virtual.

Com a Telemedicina, especialistas podem analisar o resultado de exames de ecg digital e oferecer o diagnóstico preciso e eficaz mesmo a quilômetros de distância.

Estas técnicas auxiliam ao mesmo tempo pacientes e médicos por lhes possibilitar uma análise precisa mesmo que a localidade não tenha médicos especialistas disponíveis.

Telemedicina Morsch: Empresa médica especialista em auxiliar médicos e pacientes

A empresa prestadora de serviços de laudos a distância,  Telemedicina Morsch oferece diagnósticos para as seguintes especialidades: cardiologia, neurologia, pneumologia e radiologia.

São laudos médicos oferecidos em poucos minutos por profissionais extremamente capacitados e que podem facilitar muito a vida de médicos e pacientes.

Quais as vantagens da Telemedicina?

Com esta forma de produzir laudos, o médico não precisa pagar pelo equipamento, pois a Telemedicina Morsch cede a ele em regime de comodato, sendo necessário apenas o pagamento pelos laudos.

Todos os registros são transferidos com extrema segurança, contando com certificado digital que garante a autenticidade, sigilo e agilidade no envio e recebimento de informações, todas protegidas por login e senha para os médicos e demais usuários da plataforma de telemediciina.

Além disso, todos os profissionais da empresa possuem registro regular no CFM e estão disponíveis para outra opinião.

A empresa negocia os valores de acordo com a necessidade de cada consultório, clínica e médico.

A Telemedicina Morsch pode oferecer preços especiais, por exemplo, se o consultório já possuir um aparelho em sua posse, necessitando apenas dos laudos.

A seriedade da Telemedicina Morsch também se traduz na preocupação da empresa com o resultado de seus serviços: suporte e capacitação constante para um melhor uso dos laudos emitidos.

É possível ainda realizar pagamentos em regime pré-pago, caso haja a impossibilidade de pagamentos posteriores por matrícula em sistemas de proteção ao crédito.

Compartilhe esse conteúdo nas redes, ajude outras pessoas a entender do assunto.

Não esqueça de assinar nosso blog para receber conteúdo no e-mail semanalmente!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp