O que é arritmia cardíaca? Quando deve ser tratada?

Por Dr. José Aldair Morsch, 14 de junho de 2015
O que é Arritmia Cardíaca? Conheça suas causas e sintomas

O que é arritmia cardíaca? Descompasso cardíaco, palpitação, taquicardia, disritmia. São tantos nomes…

De forma geral, trata-se de uma condição que se caracteriza pela falta de ritmo dos batimentos do coração.

Suas causas são diversas, desde o uso de substâncias estimulantes como cafeína até problemas mais sérios do coração.

Nesse cenário, será que toda arritmia cardíaca deve ser tratada?

Acompanhe nesse artigo tudo sobre o assunto, inclusive descrevo um procedimento que pode curar a arritmia cardíaca e evitar de tomar medicamento a vida toda.

Conceito de arritmia cardíaca

Para conceituar arritmia, precisamos discutir primeiro a terminologia correta. Arritmia significa literalmente um coração sem ritmo, parado.

Esta palavra vem sendo de maneira errada ao longo dos anos e incorporou no vocabulário popular, a ponto dos médicos usarem para descrever as irregularidades do batimento e a população poder entender.

A palavra correta para relacionarmos com os batimentos alterados do coração é disritmia cardíaca, que significa distúrbio do ritmo cardíaco.

Dentro do contexto de disritmia, se enquadram os descompassos cardíacos, batimentos lentos ou acelerados.

O coração geralmente pulsa num ritmo regular e a uma frequência considerada normal, a qual se mede em batimentos cardíacos por minuto (bpm).

Os batimentos cardíacos são comandados por impulsos elétricos emitidos pelo nó sinusal (grupo de células localizadas no alto da aurícula direita), estabelecendo assim um ritmo de batimentos cardíacos (contrações e dilatações) que, em repouso, varia de 50 a 100 bpm (nos atletas pode chegar a 35 bpm) e que pode aumentar, de acordo com a maior ou menor necessidade de oxigênio do coração.

Arritmia cardíaca é uma alteração do ritmo normal dos batimentos cardíacos devido a alterações na emissão dos impulsos nervosos a partir desse nó ou da condução deles até os músculos cardíacos.

arritmia cardíaca se deve a uma grande quantidade e variedade de causas e embora a maioria delas seja inofensiva, há também as que constituem uma urgência médica e que podem levar à morte.

Importante salientar que a arritmia cardíaca é um sintoma, e não uma doença

Diagnosticar precocemente impede que desdobramentos graves aconteçam, como doenças do coração e morte súbita.

Por que é importante diagnosticar a arritmia cardíaca?

A arritmia cardíaca por si só já é um demonstrativo de que algo está errado com o funcionamento do coração.

Logo, o diagnóstico e o tratamento precoce permitem que o órgão e o fluxo sanguíneo retorne à normalidade, reduzindo e até mesmo eliminando os desconfortos gerados.

Com isso, também evita-se que a arritmia piore a ponto de gerar problemas cardíacos mais graves, incluindo doenças no coração e a morte súbita, e disfunções em outros órgãos – devido à alteração na distribuição de sangue.

É importante lembrar que a arritmia é um sintoma e não o problema em si. Isso significa que o seu diagnóstico permite determinar a causa-raiz e tratá-la da forma mais adequada.

Por isso, é essencial ficar atento aos batimentos e a qualquer sintoma diferente, procurando um cardiologista para que ele solicite os exames necessários.

Quais são as causas da arritmia cardíaca?

Toda condição que altere a produção de impulsos nervosos ou a condução deles resulta numa mudança no ritmo cardíaco (arritmia ou disritmia).

Arritmias simples podem ser causadas por fatores externos precipitadores como cafeína, bebidas alcoólicas, estresse, fumo ou drogas. Outras são sintomas de doenças cardíacas.

Quais são os principais sinais e sintomas do descompasso cardíaco?

Algumas arritmias são muito brandas e sequer chegam a serem sentidas pelo paciente.

As demais arritmias (muito baixas, bradicardias; muito altas, taquicardias ou as que causam irregularidades no ritmo de batimentos cardíacos) afetam de tal forma o fluxo sanguíneo que causam sinais e sintomas relacionados a ele.

Elas podem ser sentidas como batidas anormais no tórax, na garganta ou no pescoço.

Em geral a pessoa percebe que seu coração “está batendo diferente” e sente palpitações (sensações de batidas anormais do coração) ou disparadas do coração, fadiga excessiva, quedas no nível da consciência ou desmaios.

A fibrilação ventricular por exemplo, onde sempre leva ao desmaio,  é uma condição extremamente grave em que os batimentos cardíacos assumem uma tal desorganização que o coração já não é capaz de ejetar adequadamente o sangue (o coração já não pulsa, apenas tremula).

Mais grave ainda é a parada cardíaca, que pode resultar na morte.

Mais frequentemente as arritmias ocorrem em pacientes com doenças isquêmicas do coração, insuficiência coronariana, miocardites ou outras miocardiopatias e nos que já tiveram infarto do miocárdio, por exemplo.

Como é feito o diagnostico da disritmia cardíaca?

Em primeiro lugar o médico deve levantar uma detalhada história clínica e proceder a um exame clínico minucioso. Geralmente realiza também nesta fase um eletrocardiograma.

Aproveite a leitura e baixe seu manual de eletrocardiograma com condutas!

Em seguida, conforme a necessidade, pode solicitar um ecocardiograma para determinar o tamanho do coração, a espessura de suas paredes e as condições de suas cavidades.

Pode ser pedido também um teste de esforço para verificar como o coração se comporta durante a atividade física.

Em geral, o Holter-24 horas (um exame que registra o eletrocardiograma da pessoa ao exercer suas atividades rotineiras, durante 24 horas) também é utilizado porque fornece informações muito úteis.

Outros exames que podem ser pertinentes, a juízo médico, incluem estudo eletrofisiológico do coração e angiografia coronariana, também chamada de cateterismo cardíaco.

Em arritmias cardíacas crônicas, o marca passo é a solução para uma melhor qualidade de vida

Além do marca passo, é possível tratar com medicamentos

Como se trata a arritmia cardíaca?

Nas arritmias irreversíveis que causam diminuição dos batimentos cardíacos a solução é a colocação de um marca-passo (um microcomputador que gera impulsos elétricos na frequência necessária).

Naquelas caracterizadas por um aumento dos batimentos isolados (extrassístoles) ou agrupados (taquicardias) podem ser tentados medicamentos que visem controlar as extrassístoles e taquicardias ou pode ser feita a ablação cirúrgica por cateter, a qual efetua a cauterização do local em que ocorre o distúrbio de formação do impulso nervoso.

Na arritmia cardíaca grave, que pode provocar a morte, é essencial o uso do desfibrilador, onde estamos acostumados a ver nos filmes aquele choque no peito na entrada do Pronto Socorro para tratar rapidamente as crises e impedir que elas provoquem danos neurológicos irreversíveis.

Como prevenir a arritmia cardíaca?

As arritmias não podem ser completamente prevenidas, mas podem ser minimizadas adotando algumas providências básicas, de acordo com os fatores de risco vinculados:

  • Evitar o estresse;
  • Evitar o fumo, as drogas e as bebidas alcoólicas;
  • Praticar exercícios regulares, desde que permitidos pelo cardiologista;
  • Manter a pressão arterial e o colesterol sob controle;
  • Tratar a enfermidade de base, se for o caso.

É importante lembrar que a arritmia cardíaca pode ser consequência de outros problemas de saúde, sendo os mais comuns:

  1. Apneia do sono;
  2. Distúrbios de tireoide;
  3. Hipertensão;
  4. Diabetes;

Logo, o tratamento destes distúrbios acaba sendo uma ação importante para prevenir a ocorrência de arritmia cardíaca.

arritmia cardíaca tem cura?

Algumas arritmias são transitórias e cessam tão logo são removidas suas causas. Outras, apesar de permanentes, são inofensivas.

Algumas, no entanto, podem ser sinais de doenças cardíacas às vezes graves e serem potencialmente perigosas, pelo que requerem pronto tratamento.

Quais são os benefícios de um acompanhamento adequado?

Como mencionei, a arritmia cardíaca pode ter diversas causas, que podem ser desde problemas de saúde, como distúrbios da tireoide e obesidade, até fatores externos, incluindo o uso de substâncias estimulantes, como tabaco.

Isso significa que o tratamento pode envolver não apenas coisas pontuais para que os batimentos retornem a sua normalidade, mas também mudanças de hábitos.

Nesse sentido, o acompanhamento especializado é essencial, pois permite verificar as melhorias e avanços do paciente, promovendo novas alterações quando necessário.

Além disso, é importante realizar exames de rotina para verificar se o órgão está funcionando corretamente e se sua estrutura não sofreu alguma lesão.

A telemedicina como alternativa para investigar a arritmia cardíaca

A telemedicina é uma modalidade que consiste no atendimento médico remoto, usando tecnologias de comunicação.

Com ela, é possível diagnosticar doenças e distúrbios com mais agilidade e precisão, incluindo a arritmia cardíaca.

Além disso, permite realizar um acompanhamento mais próximo garantindo que as indicações e os tratamentos estão surtindo os efeitos desejados.

Nesse cenário, agora é possível disponibilizar em qualquer região do País onde tenha internet os serviços da Telemedicina Morsch.

Uma empresa que fornece laudos a distância através de uma plataforma de telemedicina em nuvem.

Clínicas e hospitais não precisam mais depender de cardiologistas para oferecer exames como eletrocardiograma, Holter de ecg 24 horas, eletroencefalograma, radiologia em geral.

Após realizar o exame, o técnico enviar o registro para a plataforma de telemedicina e recebe o resultado na forma de laudo médico em minutos.

Os pequenos serviços de saúde podem contratar os serviços da Telemedicina Morsch em comodato, sem precisar comprar os equipamentos.

Com isso, o diagnóstico, tratamento e acompanhamento de arritmia cardíaca, assim como de outras doenças, se tornam muito mais ágeis e seguros.

Logo, é possível garantir bem-estar para os pacientes, não importa a hora e o local.

CLIQUE AQUI E SOLICITE UM ORÇAMENTO DIRETO COM A EMPRESA

Compartilhe essa novidade com os responsáveis pela saúde de sua região!

Faça a diferença, ajude a salvar vidas!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE