O que é aterosclerose? Que risco corro com essa doença?

Por Dr. José Aldair Morsch, 14 de junho de 2015
Aterosclerose

Quem já ouviu falar de aterosclerose, vulgarmente chamado de entupimento das artérias? A resposta é todo mundo, mas você sabe como isso acontece?

As artérias são vasos sanguíneos que conduzem  sangue com oxigênio e nutrientes para o nosso corpo. Junto com os nutrientes temos o colesterol que é um tipo de gordura.

A aterosclerose é uma condição degenerativa de endurecimento e espessamento das paredes arteriais que costuma ocorrer pela idade somada a fatores genéticos, pressão alta, diabetes e depósito de colesterol.

Algum grau de aterosclerose está presente em praticamente todas as pessoas acima de 50 anos, sendo um fenômeno normal do envelhecimento. Ela predomina no sexo masculino, sendo a principal causa de morte no mundo ocidental. Nestes casos não sentimos nada e morremos de forma natural.

Por que é importante diagnosticar a aterosclerose?

Como mencionei, a aterosclerose é uma condição degenerativa que leva ao endurecimento e espessamento das paredes arteriais

Quando ocorre essa mudança estrutural, a passagem do sangue pelos vasos não consegue ocorrer normalmente. 

Ou seja, o fluxo sanguíneo fica prejudicado, fazendo com que os órgãos não recebam a quantidade ideal de sangue e oxigênio.

Consequentemente, pode ocorrer uma série de problemas de saúde, dependendo de onde a circulação foi comprometida. Os mais comuns são:

  • Infarto;
  • AVC isquêmico;
  • Derrame cerebral;
  • Angina (dor no peito).

E mais: a falta de tratamento adequado pode levar a pessoa à óbito.

Logo, é essencial entender o que é aterosclerose e realizar exames de rotina – especialmente se a pessoa fizer parte do grupo de risco.

Com isso, é possível promover o diagnóstico precoce, permitindo realizar as manobras necessárias para evitar que os sintomas e o quadro clínico piorem a ponto de se tornar algo ainda mais grave.

Quais são os tipos de aterosclerose?

Senil: há alterações das fibras elásticas que se tornam tecido fibroso e atrofia das células musculares, o que provoca perda de elasticidade das artérias e aumento da pressão arterial.

De Monckberg: é caracterizada pela necrose e calcificação da camada média muscular, lesões que podem existir sem ocasionar alteração circulatória, por não provocar nenhuma obstrução nem a formação de aneurismas.

Aterosclerose clássica: é acompanhada de alterações nas paredes internas das artérias, que se tornam mais rugosas e irregulares, dificultando a circulação e favorecendo a formação de placas (principalmente depósitos de gordura, colesterol e cálcio) que as obstruem total ou parcialmente.

Algum desses trombos podem se desprender das paredes arteriais, viajarem pelos vasos mais calibrosos e obstruírem os de menor calibre, causando infarto do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais isquêmicos, gangrena de membros inferiores, etc. Ou então essas placas crescem lentamente e acabam por causar uma obstrução arterial total.

Veja a comparação entre uma artéria saudável e uma com aterosclerose

Conheça os principais fatores que facilitam o surgimento da aterosclerose.

Quais são as causas de aterosclerose?

Há fatores hereditários que tornam uma pessoa mais propensa à aterosclerose que outras, mas alguns outros fatores são reconhecidamente favorecedores:

  • Sedentarismo;
  • Tabagismo;
  • Ingestão excessiva de gorduras;
  • Colesterol elevado no sangue;
  • Diabetes tipo I e II.

Por exemplo, o cigarro faz as paredes das artérias ficarem ásperas e facilita a adesão de colesterol. 

Quais são os sinais e sintomas da aterosclerose?

A aterosclerose gera sinais ou sintomas de acordo com o local afetado.

Ela é uma doença sistêmica, portanto atinge todo o organismo, mas os órgãos mais afetados são o coração, o cérebro e os membros inferiores.

Nestes casos leva ao desenvolvimento de infarto agudo do miocárdio, AVC e trombose das pernas ou nas grandes artérias do corpo.

Os sintomas principais gerados pela aterosclerose são consequência da diminuição do fluxo sanguíneo nesses órgãos:

Angina pectoris, infarto do miocárdio, relacionados a entupimento das coronárias.

AVC ou  derrame cerebral, relacionados a entupimento de artérias no cérebro.

Claudicação ou dor nas panturrilhas ao caminhar pequenas distâncias quando relacionados a entupimentos das pernas.

Como se diagnostica a aterosclerose?

diagnóstico começa na consulta onde o paciente se queixa de dor no peito, dor nas pernas quando caminha uma certa distância.

Por palpação das artérias superficiais o médico pode sentir o estado de endurecimento e a irregularidade das formas das artérias.

Esses dados podem ser complementados pelo eletrocardiograma, que transmite uma ideia indireta da circulação nas artérias cardíacas, pela arteriografia e pelo Doppler, um exame que permite visualizar mais diretamente a circulação nas artérias.

Aproveite a leitura e baixe o manual de eletrocardiograma com condutas!

Fiz um ecg e deu normal, então estou bem?

Infelizmente não. A aterosclerose é uma doença silenciosa.

Na maioria das vezes não aparece no eletrocardiograma pois está nos estágios iniciais.

Para que apareça a aterosclerose no eletrocardiograma, deve haver pelo menos 70% ou mais de entupimento numa coronárias principal. Percebe que o diagnóstico é bem tardio com o ecg.

Para o diagnóstico precoce da aterosclerose, devemos realizar anualmente um teste de esforço em esteira.

É um exame que se mostra positivo nos estágios iniciais da doença.

Por ser uma doença silenciosa, é importante prevenir seu aparecimento

Por não ser curável, é importante ter um acompanhamento constante e mudança de hábitos.

Como é o tratamento da aterosclerose?

A aterosclerose não tem cura, mas sua progressão pode ser diminuída por um acompanhamento médico constante, mudanças no estilo de vida, remédios para reduzir o colesterol, modificações nos hábitos alimentares, perda de peso, suspensão do vicio de fumar e aumento da atividade física.

Num estágio em que o entupimento arterial já seja avançado, podem ser usadas medicações vasodilatadoras.

Em estados mais avançados ainda, pode ser necessário fazer cateterismo cardíaco, angioplastia e até ponte de safena.

Como prevenir a aterosclerose?

  • Evitar os alimentos gordurosos, cigarro e bebidas alcoólicas.
  • Afastar-se da obesidade.
  • Manter controle da pressão arterial.
  • Ingerir frutas e verduras regularmente
  • Manter o controle do colesterol no sangue.
  • Manter controle do diabetes mellitus, se houver.
  • Praticar atividade física, regularmente.

Como posso me curar dessa doença?

A aterosclerose é uma doença evolutiva que não tem cura, embora possa ter diminuída a velocidade de sua progressão.

Sob sua forma mais grave (e mais frequente), de aterosclerose, pode levar a complicações importantes e até fatais, como infarto do miocárdio, a isquemia cerebral, AVC e o aneurisma da aorta, entre outras.

Quais são os benefícios de um acompanhamento adequado?

Por se tratar de uma doença degenerativa e que não possui cura, é importante que o paciente seja acompanhado de perto.

No caso, é importante avaliar se as mudanças de hábito estão sendo praticadas e se o tratamento está de acordo com o que foi recomendado.

No caso do tratamento medicamentoso, é essencial avaliar se ele está oferecendo os resultados esperados ou se é necessário promover alguma modificação.

Além disso, o acompanhamento adequado envolve a realização de exames periódicos, para avaliar se o quadro piorou ou se estabilizou, pensando sempre nas consequências mais graves que a condição pode causar. 

Logo, os principais benefícios desse acompanhamento são:

  • Estabilização ou melhora do quadro clínico;
  • Possibilidade de modificar o tratamento rapidamente, quando necessário;
  • Redução dos sintomas que podem surgir conforme a condição avança;
  • Promoção de bem-estar e qualidade de vida, apesar da condição existente;
  • Prevenção de doenças mais graves relacionadas à circulação sanguínea baixa ou ineficiente.

Como a Telemedicina Morsch pode contribuir no diagnóstico da aterosclerose?

A Telemedicina Morsch é uma empresa de telemedicina que oferece a modalidade de laudo à distância.

Ela disponibiliza uma plataforma de telemedicina em nuvem que permite que clínicas e hospitais encaminhem exames pela internet para que sejam interpretados por especialistas das principais áreas de atuação.

No caso da aterosclerose, quem recebe as imagens a serem analisadas é o Cardiologista, que analisa os dados e libera os resultados na forma de laudo médico online em até 30 minutos.

Isso elimina a necessidade de clínicas e hospitais contarem com especialistas fisicamente presentes.

Afinal, o exame em si pode ser realizado por um técnico, que encaminha as imagens obtidas diretamente através da plataforma de telemedicina.

Isso é igualmente benéfico para os pacientes, especialmente aqueles que não moram nos grandes centros e, portanto, não têm acesso a hospitais e clínicas completas e com ampla infraestrutura.

Basta procurar uma instituição próxima que possua os aparelhos para realizar os exames, pois os laudos serão realizados totalmente online.

Outra vantagem é a possibilidade de clínicas dispostas em regiões distantes receberem os aparelhos de eletrocardiograma em comodato – pagando apenas um aluguel e recebendo os laudos gratuitos mensalmente.

Assim, além de não precisarem desembolsar um valor alto para adquirir com os principais equipamentos para realizar exames especializados, ainda contam com laudos online ilimitados.

CLIQUE AQUI E SOLICITE ORÇAMENTO PARA TER A TELEMEDICINA MORSCH EM SUA REGIÃO

Compartilhe com seus amigos esse conteúdo relevante!

Assine nosso blog e se mantenha informado!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE