Como é feito o eletrocardiograma? Para que serve?

Por Dr. José Aldair Morsch, 13 de junho de 2015

Saber como é feito o eletrocardiograma ajuda profissionais da saúde e pacientes na busca da melhor qualidade no exame para prevenção de doenças cardiovasculares.

Acompanhe nesse artigo toda a descrição do exame, particularidades, sugestões de como realizar o exame sem erros, cuidados com o aparelho e para que serve o exame de ecg de repouso.

Como é feito o eletrocardiograma?

como é feito o eletrocardiograma ecg

Como é feito o eletrocardiograma

O paciente deve deitar-se numa maca, de barriga para cima, tendo ao lado o pequeno aparelho chamado de eletrocardiógrafo portátil que será usado para registrar o exame no computador.

O técnico em eletrocardiograma colocará eletrodos  grudados à pele dos braços (faces anteriores dos punhos), pernas (faces ântero-mediais) e tórax do paciente, que captarão os estímulos elétricos do coração ou as repercussões deles à distância.

ORÇAMENTO

A pele deve estar bem limpa e desengordurada nos locais de fixação dos eletrodos.

Para facilitar a captação desses estímulos geralmente é aplicado sobre a pele um gel condutor.

Os eletrodos dos membros são fixados por braceletes e os do tórax por uma espécie de ventosa de borracha, permitindo aderência à pele sem o uso de agulhas ou outros instrumentos invasivos.

Se o corpo do paciente tiver muitos pelos, uma depilação deve ser feita e se a pele for especialmente oleosa deve ser promovida uma limpeza local com álcool.

Veja na figura abaixo a posição correta dos eletrodos no tórax do paciente.

como é feito o eletrocardiograma

Eletrodos do tipo ventosas de silicone no peito do paciente

Como é o exame eletrocardiograma?

Após a colocação dos eletrodos nos punhos, tornozelos e tórax, o aparelho de ecg digital registra a atividade elétrica captada na pele do paciente que é produzida em cada batida do coração.

Ao combinar o eletrodo do punho esquerdo com o tornozelo esquerdo dentro do software do computador, criamos uma figura na tela do computador na forma de gráfico que chamamos de derivação.

Cada uma das derivações em que são colocados os eletrodos, capta a atividade elétrica das várias partes do coração (anterior, posterior, lateral esquerda, lateral direita) e são registrados na forma de gráficos.

O traçado é mostrado na tela do computador e o médico cardiologista interpreta na forma de laudo médico e depois pode ser impresso em papel A4, enviado por internet ou salvo no próprio computador.

Para que serve o eletrocardiograma?

para que serve o ecg

O ecg de repouso serve para detectar arritmias, aumento de cavidades cardíacas, patologias coronarianas, infarto do miocárdio, entre outros diagnósticos.

O eletrocardiograma é um exame que permite a avaliação elétrica da atividade cardíaca (eletricidade que ele produz em cada batimento e transmite na pele) em repouso.

Obviamente que se o coração está parado, no caso de morte súbita, só veremos uma linha reta na tela do computador, visto que não existe atividade elétrica do seu batimento.

Em alguns casos quando o paciente tem uma arritmia grave, o batimento do coração chega a 300 por minuto, não dando tempo de ocorrer o enchimento e esvaziamento natural para bombear o sangue.

Ao pegar o pulso, observamos que não existe, porém, ao realizar o ecg em repouso, verificamos a arritmia que pode ser revertida com cardioversão elétrica, também chamada de choque nos peitos.

O desfibrilador que vemos em cabines localizadas estrategicamente em locais de grande circulação de pessoas é capaz de realizar o ecg, visto que junto tem uma voz gravada que ajuda a ensinar como é feito o eletrocardiograma.

Ao ser registrada a atividade elétrica cardíaca em gráficos, eles podem ser comparados com gráficos padrões normais, depois, são feitos cálculos matemáticos e análise vetorial, que indicam o estado de normalidade ou de patologias dos músculos e nervos do coração.

A atividade elétrica cardíaca é semelhante a energia dos fios de condução elétricos da nossa casa, com lados positivos e negativos.

São essas diferenças, captadas por eletrodos sensíveis colocados em pontos específicos do corpo, que são registradas nos gráficos do eletrocardiograma.

Apesar de ser de execução muito simples, o eletrocardiograma é um exame muito importante na cardiologia, pois ele permite diagnosticar desde condições normais de nascença até outras muito graves, como os infartos, crescimento de cavidades, disritmias,  por exemplo.

No decorrer dos anos as indicações para realizar um exame de eletrocardiograma tiveram muitas variações, indo desde realizar o exame numa sala de emergência até como rotina nos exames de medicina ocupacional incluindo admissionais, demissionais e periódicos.

Como funciona um eletrocardiograma?

como funciona exame ecg

O aparelho de eletrocardiograma é composto de um sistema eletrônico capaz de captar os estímulos elétricos na pele, produzidos pelo coração.

Ele amplia o sinal do batimento e transforma num traçado visível na tela do computador na forma de um gráfico. Por isso o nome de exame gráfico.

Cada eletrodo colocado estrategicamente nos membros irá produzir uma especie de foto daquela parte do coração para ser analisada.

Por exemplo, colocando no punho direito e perna direita, esta combinação mostrará a parede do lado direito do coração e assim por diante.

O que é ECG com laudo?

É o resultado do exame de eletrocardiograma de repouso na forma de um relatório descritivo do funcionamento do coração e uma conclusão onde o Cardiologista afirma se tratar de um ecg normal ou alterado.

Este relatório médico é chamado de laudo porque é emitido pelo Cardiologista ao interpretar os registros do ecg convencional realizados no paciente.

Quando a interpretação é realizada usando uma plataforma de Telemedicina, dizemos que se trata de um laudo a distância.

Resultados do eletrocardiograma

resultado exame ecg

Existe uma imensidade de laudos de ecg descrevendo situações das mais diversas, o que traz muita dúvida para o paciente que tenta ler a descrição do exame e sua conclusão.

Catalogamos mais de 2000 possibilidades de alterações no ecg convencional e muitas podem ser consideradas alterações normais, enquanto outras indicam doença que necessita de maior investigação e tratamento.

Resultados normais

  • Ritmo sinusal, frequência cardíaca de 71 batimentos por minuto.
  • Eixo de ativação elétrica ventricular aproximado de 60º.
  • Intervalo PR de 0,16 segundos, intervalo QT de 0,38 segundos.
  • Ausência de arritmias, sobrecargas ou isquemias agudas importantes.

Conclusão: Exame dentro dos limites da normalidade.

O exemplo citado acima é de um exame normal.

Exemplo de eletrocardiograma com laudo:

como é feito o eletrocardiograma

Laudo de eletrocardiograma normal

Outras situações como:

  1. Bloqueio divisional ântero-superior esquerdo do feixe de His.
  2. Distúrbio de condução pelo ramo direito do feixe de His.
  3. Distúrbio de condução pelo ramo esquerdo do feixe de His de grau leve.
  4. Bloqueio atrio-ventricular de primeiro grau.
  5. Extra-sístoles ventriculares isoladas.
  6. Extra-sístoles supraventriculares isoladas.
  7. Bradicardia sinusal.
  8. Taquicardia sinusal.

Nos casos acima, um paciente pode ser considerado normal se não existir nenhuma outra anormalidade nos exames de investigação complementar.

É possível afirmar isso, baseado em pesquisas que fizemos e descobrimos que uma porcentagem da população sadia nasce com essas alterações no ecg sem implicar em doença que necessite de tratamento.

Vale a pena discutir para que serve o ecocardiograma nessas situações:

É um exame de que usa ultrassom para avaliar o coração internamente, medindo o tamanho das cavidades cardíacas, seja átrios e ventrículos, mede o fluxo sanguíneo que passa no seu interior, bem como o funcionamento das válvulas.

Normalmente é o exame que o Cardiologista pede para confirmar que as alterações descritas acima se tratam de situações de nascimento.

O paciente neste estágio de vida nunca morrerá disso, porém, se não tiver uma vida normal, desenvolverá outros agravantes que modificarão o seu destino.

Resultados anormais

  • Ritmo sinusal, frequência cardíaca de 66 batimentos por minuto.
  • Eixo de ativação elétrica ventricular aproximado de 60º.
  • Intervalo PR de 0,16 segundos, intervalo QT de 0,38 segundos.
  • Presença de Corrente de lesão em parede ântero-septal, infarto agudo em evolução.
  • Sugiro encaminhar urgente para um Cardiologista.

Veja que no caso descrito acima o paciente está infartando e necessita de tratamento urgente.

Outros exemplos de resultados anormais:

  1. Bloqueio atrio-ventricular de segundo e terceiro graus.
  2. Presença de zona inativa inferior.
  3. Presença de fibrilação atrial controlada.
  4. Taquicardia sinusal.
  5. Sobrecarga de ventrículo esquerdo.
  6. Fibrilação atrial de alta resposta ventricular.
  7. Taquicardia supra-ventricular.
  8. Flutter atrial.
  9. Sobrecarga de átrio esquerdo.
  10. Sobrecarga de ventrículo direito.
  11. Sobrecarga bi-ventricular.
  12. Wolf-Parkinson-White.
  13. Long-Ganong-Levine.

Meu eletrocardiograma mostrou alterações e agora?

como é feito o eletrocardiograma como funciona

O laudo do eletrocardiograma vem descrito de uma forma técnica onde traz uma rotina descrita pelo Cardiologista que explica sobre 11 possibilidades distintas:

  1. O ritmo cardíaco.
  2. Intervalos dentro da atividade elétrica cardíaca.
  3. Bloqueios de ramo direito ou esquerdo do feixe de His.
  4. Distúrbios de condução intracardíacos.
  5. Sobrecarga de cavidades como átrios e ventrículos.
  6. Funcionamento de um marcapasso.
  7. Avaliação de atividade de dispositivos implantáveis como desfibriladores.
  8. Gravidade de uma pericardite.
  9. Disritmias nas miocardites.
  10. Isquemia miocárdica, que representa falta de irrigação sanguínea.
  11. Infarto do miocárdio antigo não diagnosticado.

E muita coisa que deixa qualquer paciente preocupado com a descrição daquele resultado.

Muitas alterações descritas são chamadas de variantes da normalidade, ou seja, são de nascimento, sem implicação clínica, sem representar doença.

Porém, outras alterações merecem uma investigação mais aprofundada.

Vale ressaltar que as mesmas alterações encontradas numa pessoa normal, mas presentes em um paciente com pressão alta, colesterol elevado, diabetes, doença numa válvula cardíaca é considerada uma evolução ruim.

Muitas vezes ao ler essa informação e interpretar como de nascença e na verdade não ser, poderá estar adiando um tratamento que poderá salvar a sua vida.

Como entender ecg alterado, além de saber como é feito o eletrocardiograma?

exame ecg

Para cada alteração no eletrocardiograma existe uma conduta diferente, por isso é fundamental saber como é feito o eletrocardiograma para não cometer erros.

Baseado nisso, desenvolvemos um manual de eletrocardiograma para auxiliar no atendimento dos pacientes.

Para médicos que desejam ter acesso ao manual de eletrocardiograma, basta clicar na figura abaixo.

Quando devo realizar um eletrocardiograma?

como é feito o eletrocardiograma idade

O eletrocardiograma deve ser executado periodicamente, a partir dos 40 anos.

A partir do resultado do eletrocardiograma podem ser solicitados outros exames mais específicos, se necessário, como por exemplo um exame de ergometria em esteira para aqueles que programam entrar numa academia.

Como é o aparelho de eletrocardiograma?

Se chama eletrocardiógrafo digital e é atualmente bem compacto, conectado no computador de mesa ou num notebook.

Também já é possível realizar ecg de repouso usando um smartphone com cabo micro-usb que capta os estímulos da pele do paciente.

Tudo para facilitar a geração de arquivos de imagens que serão enviadas para a plataforma de Telemedicina em nuvem onde os Cardiologistas interpretam e liberam o laudo de eletrocardiograma digital.

Para quem precisa fazer exames em empresas, e quer saber como é feito o eletrocardiograma, pode usar o notebook e o aparelho de eletrocardiograma sem precisar de energia elétrica, pois o eletrocardiograma aproveita a bateria para realizar os exames.

Esse aparelho de eletrocardiograma registra a atividade elétrica na pele do paciente e transforma em padrões que o especialista analisa.

Eletrocardiógrafo ECGPC da TEB

Eletrocardiógrafo ECGPC da TEB

Você é médico, possui aparelho de ecg e não faz manutenção?

Proprietários de aparelhos de eletrocardiograma tem muitas dúvidas que vão além de saber como é feito o eletrocardiograma.

Além de saber como é feito o eletrocardiograma, nada mais justo de se atualizar nos cuidados com a manutenção do aparelho.

Como qualquer aparelho que usamos, é necessário fazer manutenção periódica do aparelho de eletrocardiograma, incluindo calibração anual.

O cabo do aparelho vive dando problema?

Tenho um aparelho antigo, quanto tempo ainda posso usá-lo sem que se torne obsoleto?

Apesar do aparelho de eletrocardiograma tem uma história de 100 anos, nada mudou na forma de apresentar os registros da atividade elétrica do coração.

As atualizações ao longo dos anos serviram para auxiliar na realização dos exames com melhora na rapidez e qualidade dos registros gráficos.

Se o seu aparelho é do tempo das tirinhas, não se preocupe, o registro é o mesmo que é mostrado na tela do computador feito por um aparelho digital.

A investigação das doenças cardíacas não fica prejudicada.

Quero comprar um eletrocardiograma, quais as marcas mais indicadas?

indicacao aparelhos como é feito o eletrocardiograma como funciona

Com o advento da internet ficou muito fácil fazer uma pesquisa de preço de qualquer produto que manifestamos a intenção de compra.

Veja bem, 

O problema está em filtrar as informações relevantes e escolher o melhor aparelho de eletrocardiograma que traga uma boa relação custo-benefício.

CLIQUE AQUI PARA CONHECER AS MARCAS DE ECG USADAS

Estou sem recursos para comprar um eletrocardiograma, como poderei fazer os exames?

A falta de recursos financeiros é uma realidade no nosso meio, principalmente em se tratando de médicos que acabaram seus estudos e estão entrando no mercado de trabalho.

Sim, mas como resolver isso?

As contas são salgadas no momento de abrir um consultório e a compra de aparelhos médicos fica inviável.

Não tenho Cardiologista para laudar meus exames, e agora?

eletrocardiograma

Com o advento da medicina ocupacional e a realização rotineira de eletrocardiogramas nas empresas, os médicos do trabalho tiveram um crescimento exponencial nos serviços de saúde.

O aumento do número de exames e a necessidade de laudos médicos precisos tornou muito mais difícil ter um Cardiologista disponível regularmente para assinar os exames.

A telemedicina propiciou a saída perfeita para que médicos em todo Brasil tenham acesso a uma plataforma capaz de enviar os exames e receber os laudos em tempo hábil, em até 30 minutos.

O eletrocardiograma pode variar de um médico para outro?

Já se perguntou se o técnico que realiza o exame sabe exatamente como é feito o eletrocardiograma? Não é uma pergunta lógica.

Muitos funcionários não tiveram um treinamento adequado e a qualidade do exame é questionável.

Uma das grandes preocupações na medicina é em relação a qualidade dos exames, visto que estamos lidando com a vida das pessoas.

como é feito o eletrocardiograma como funciona

O perigo está aqui!

Precisamos ter em mente que o técnico que realiza o eletrocardiograma pode não ter uma boa formação e no momento de colocar os eletrodos no paciente, acaba errando a posição correta.

Um ECG mal feito implica em entregar um exame com laudo que não condiz com a realidade daquele paciente, incluindo descrição de doenças que aparecem decorrente da má execução do exame e ainda não registrar as doenças corretas para aqueles que apresentam sintomas e não tiveram um exame adequadamente realizado.

Em resumo, neste artigo procurei dar uma atenção ao básico sobre como é feito o eletrocardiograma.

Levei em conta a descrição de como o técnico coloca os eletrodos no paciente, quais as possibilidades de alterações encontradas e o que fazer nestes casos.

Também comentei sobre os cuidados com o aparelho, as possibilidades de contratar o aparelho em comodato para médicos e o laudo a distância.

Certamente não esgotei o assunto, sempre permanecem dúvidas que podemos responder com toda a rapidez que o próprio exame necessita, afinal, é muito fácil ter um infarto e pelo atraso no tempo do diagnóstico muitos acabam morrendo na fila de espera.

Gostou do artigo? Comente!

Compartilhe com seus amigos nas suas redes!

Assine nosso blog e receba novidades semanais!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp