Como é feita a mamografia digital: para que serve, preparo e vantagens

Por Dr. José Aldair Morsch, 10 de setembro de 2018
Como é feita a mamografia digital

Apesar de ser um exame comum entre as mulheres, muita gente ainda não sabe como é feita a mamografia digital.

Esse não é apenas um método de investigação recomendado, como exigido dentro dos procedimentos de rotina na saúde feminina.

E há uma boa razão para que seja assim, afinal, você provavelmente conhece a mamografia como o exame do câncer de mama.

De fato, é um dos principais meios de diagnóstico da doença, que representa 25% de todos os tipos de câncer no mundo.

Conforme o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é o segundo mais comum entre as mulheres, ficando atrás apenas de casos de câncer de pele não melanoma.

Solicite um orçamento

Para 2018, são esperados quase 60 mil novos diagnósticos no Brasil.

Números preocupantes, sem dúvida.

Como agravante, a taxa de mortalidade pela doença vem crescendo nos últimos anos, sendo a primeira causa de morte por câncer entre as brasileiras, com uma incidência de 13,68 óbitos a cada 100.000 mulheres em 2015.

Parece correto buscar informações e fazer desse conhecimento uma arma, concorda?

Então, não deixe de acompanhar o artigo até o final.

Vou explicar a partir de agora o que é e como é feita a mamografia digital, destacar as características do aparelho de mamografia e as vantagens do procedimento.

Você também vai conferir dicas para se preparar para o exame, suas limitações e contraindicações, além de conhecer os avanços que a tecnologia tem proporcionado ao método diagnóstico.

Vamos saber mais sobre como é feita a mamografia digital? Boa leitura!

O que é uma mamografia digital?

O que é uma mamografia digital?

A mamografia digital é uma radiografia das mamas, um exame de diagnóstico por imagem.

Assim como a mamografia convencional, sua versão digital é realizada por meio de um aparelho de raio-x chamado mamógrafo.

O que acontece é que, depois da exposição da mama ao raio-x, o aparelho digital transforma a radiação em um sinal elétrico e o envia para um computador.

Essa é a principal diferença com relação ao exame tradicional, realizado sem o uso de um computador.

Nele, os resultados dependem da revelação de um filme – o que exige a aplicação de produtos químicos.

Um ponto sensível aparece também no armazenamento das informações, já que qualquer alteração nas imagens exigiria realizar a mamografia convencional novamente.

O exame digital, por sua vez, elimina esse risco.

As imagens geradas ficam armazenadas em formato digital, disponíveis para impressão ou futuras consultas, tanto pela paciente quanto por radiologistas e outros profissionais da saúde.

Portanto, uma das principais vantagens da mamografia digital, que vou detalhar nos próximos tópicos, é a possibilidade de armazenamento, tanto em computadores quando em nuvem, permitindo o acesso remoto.

Por garantir um diagnóstico confiável, com imagens mais nítidas, a mamografia digital é o principal exame para rastreamento e investigação das suspeitas de câncer de mama.

Para que serve a mamografia digital?

como é feita a mamografia digital para que serve

Como acabei de destacar, a identificação do câncer de mama é o principal objetivo da mamografia digital, que pode ser realizada tanto em homens quanto em mulheres.

Sim, eles também podem se valer do exame, embora representem apenas 1% do total de casos de câncer na região.

Devido à alta tecnologia envolvida, o método é capaz de encontrar mesmo nódulos pequenos e até microcalcificações.

Também tumores em fase inicial, quando medem menos de 2 cm.

Vale dizer que, nesse estágio, o tumor não é perceptível, mesmo que o paciente faça o autoexame preventivo.

A radiografia digital das mamas mostra também as características do nódulo encontrado, como o tipo e tamanho, indicando se é benigno ou maligno (o que caracteriza o câncer).

Lembrando que, apesar de frequente e com alta mortalidade, o câncer de mama tem mais de 90% de chances de cura quando é detectado na fase inicial.

Como é o aparelho de mamografia digital?

como é o aparelho de mamografia

O mamógrafo digital bilateral representa um avanço significativo no segmento, tornando possível a realização da mamografia digital.

Operado por um técnico em radiologia, o equipamento possui uma bandeja na qual a mama é posicionada para receber a radiação.

A tecnologia utilizada pode ser CR (computadorizada) ou DR (digital).

A primeira conta com um chassi eletrônico colocado na bandeja do mamógrafo, responsável por armazenar as imagens.

Após a mamografia, o chassi é inserido em uma leitora de CR e, então, os dados colhidos podem ser vistos na tela do computador.

Já na modalidade DR ou mamografia digital direta, o exame é realizado e, em seguida, as informações vão direto para o computador, sem aparelhos intermediários.

Ambas as tecnologias resultam em imagens de alta resolução e na menor exposição da paciente à radiação do aparelho de raio-x.

Vantagens da mamografia digital em relação à mamografia convencional

Como já destacado, o fato de armazenar imagens em um computador garante vantagens para a mamografia digital.

Então, vamos conhecer outras delas?

1. Facilidade na obtenção de imagens

Para começar, destaco a dispensa de filmes e dos produtos químicos necessários para a revelação das imagens colhidas na mamografia convencional.

Assim, pacientes não precisam se preocupar com medidas para a conservação adequada de seus exames.

A eliminação dos filmes para revelação também significa maior preservação do meio ambiente.

2. Pode ter resultados impressos

Quando necessário, a mamografia digital pode ser impressa em papel de alta qualidade, pois fica armazenada em sistema PACS de comunicação e arquivamento de imagens.

Essa tecnologia também permite que as imagens sejam compartilhadas com outros médicos ou profissionais de saúde.

3. Qualifica o diagnóstico

A mamografia digital melhora a qualidade do diagnóstico, tornando-o mais confiável quando comparado à mamografia convencional.

O exame tem a capacidade de captar tumores muito pequenos, inclusive em mamas mais densas, ou seja, que possuem um maior número de glândulas.

Isso torna a versão digital altamente recomendada para mulheres mais jovens (antes dos 50 anos), pois a densidade das mamas costuma ser maior entre elas.

4. Imagens mais detalhadas

O diagnóstico é preciso, também, por causa das imagens computadorizadas.

Além de mostrar mais contraste, elas podem ser ampliadas, facilitando a identificação de lesões e nódulos.

O médico que acompanha o paciente ainda conta com mais recursos para visualizar os detalhes nas imagens, dando zoom, configurando brilho ou contraste, por exemplo.

Assim, fica mais fácil diferenciar microcalcificações de tumores, além de verificar as características de nódulos encontrados.

5. Menores níveis de radiação

E não paramos por aí.

A edição de imagens resulta em menos radiação para quem precisa passar pela mamografia digital.

Afinal, com uma única imagem, os profissionais de saúde podem analisar o conteúdo das mamas a partir de diversos ângulos e perspectivas.

Dessa forma, é necessário coletar menos informações, deixando o exame mais rápido e diminuindo o tempo de desconforto para a paciente.

6. Menor desconforto para a paciente

Por falar em desconforto, ele costuma ser menor para quem realiza mamografia digital.

Afinal, o mamógrafo não precisa apertar tanto as mamas quanto acontece em um exame convencional.

Precisa de algum preparo antes da mamografia digital?

preparo mamografia digital

A mamografia convencional ou digital, não exige grandes preparos, mas algumas atitudes podem facilitar o exame e diminuir o incômodo para a paciente.

Fique de olho na lista:

  • Para favorecer a captação das imagens, evite passar cosméticos (desodorante, talco, perfume, hidratante ou outro creme) na região das mamas e axilas
  • Se tiver próteses de silicone, informe ao profissional que estiver conduzindo a mamografia. Elas podem dificultar a visualização das imagens, pois não são transparentes sob a radiação
  • Quando possível, escolha uma data longe da menstruação. Além de ter a densidade do tecido glandular aumentada, durante esse período. as mamas ficam mais sensíveis, gerando maior desconforto durante o exame
  • Lembre-se de levar, sempre, resultados de mamografias ou exames anteriores na região das mamas. Essas informações podem ajudar na hora do diagnóstico.

Como é feita a mamografia digital?

como é feita a mamografia digital telemedicina

Então, como é feita a mamografia digital?

Vou resumir o procedimento em apenas quatro passos, o que ajuda a demonstrar como ele é um exame simples.

Passo a passo de como é feita a mamografia digital:

  1. A paciente deve se posicionar em pé diante do mamógrafo
  2. Em seguida, o aparelho realiza uma leve compressão em cada mama, nas posições vertical e horizontal, para visualizar os detalhes do tecido mamário
  3. A incidência mamográfica costuma durar somente alguns segundos
  4. Por fim, as imagens captadas são enviadas a um computador, onde são armazenadas.

A mamografia digital dói?

Essa é uma dúvida bastante comum.

Prefiro falar em desconforto, não em dor. Ou seja, a compressão das mamas não é exatamente agradável, mas o incômodo depende da sensibilidade da paciente.

Ainda assim, ele é certamente menor quando comparado a mamografia convencional, já que o mamógrafo digital aplica menos pressão para captar as imagens.

Outro fator que pode interferir nesse caso é o ciclo menstrual, pois as mamas ficam mais sensíveis alguns dias antes e depois da menstruação.

Por isso, o melhor é agendar a radiografia das mamas em datas mais distantes desses períodos.

Mamografia digital e procedimento com contraste

A mamografia digital, quando realizada com o auxílio de um equipamento especial (com adição de filtro de cobre), pode utilizar contraste.

O contraste iodado é uma substância que aumenta a sensibilidade e a especificidade do exame, o que facilita a sua interpretação, independentemente da densidade da mama.

Precisamos entender que o câncer desenvolve aumento da circulação sanguínea no local em que se desenvolve e a mamografia sem contraste não é capaz de avaliar isso.

Então, se no uso do contraste for observado que a vasculatura da região está aumentada, muito provavelmente o médico vai continuar a investigação com exames mais profundos, como ecografia mamária, punção aspirativa de mama ou até ressonância mamária.

Essa possibilidade faz a diferença quando o médico precisa investigar se houve comprometimento vascular das mamas.

Também é bastante útil durante o rastreamento de mulheres com alto risco de câncer ou para tirar dúvidas sobre corpos estranhos encontrados durante a mamografia.

Contraindicações da mamografia digital

mamografia digital contraindicação

Para algumas pacientes, a mamografia não é indicada, seja na sua versão convencional ou digital.

O procedimento com contraste, por exemplo, é contraindicado para mulheres que sofram de insuficiência renal grave, apresentem reação adversa à substância ou possuam implante ou prótese de silicone.

Também aquelas com menos de 25 anos não devem realizar a mamografia digital, pois a radiação pode agredir o parênquima mamário em desenvolvimento. O mesmo vale para gestantes, que devem evitar o raio-x.

Apesar de não causar riscos, a mamografia não é recomendada antes dos 35 anos.

Nesses casos, como já comentei anteriormente, as mamas das pacientes são mais densas e firmes, e sua compressão tende a provocar uma dor mais intensa.

Também a radiação não consegue penetrar o suficiente no tecido da mama, prejudicando um diagnóstico mais confiável.

Por isso, exames como a ultrassonografia são mais indicados para investigação de nódulos nas mamas de mulheres jovens.

Limitações do exame de mamografia digital

como é feita a mamografia

Existem limitações quanto ao diagnóstico, como o falso-negativo.

Em geral, essa resposta incorreta ocorre diante de cânceres mais agressivos, não detectáveis pela mamografia.

Também podemos citar o risco de falso-positivo, quando alguma anormalidade é encontrada, mas não se trata de câncer.

A mamografia digital ainda pode ser influenciada por outras características, como a densidade das mamas e a idade da paciente.

Já aquelas que têm próteses mamárias devem avisar o médico, pois o silicone dificulta a leitura dos resultados, em especial se estiver inserido por cima do músculo.

Diante do alerta, o especialista pode realizar procedimentos como a Manobra de Eklund, técnica que afasta o tecido das mamas da prótese para a realização do exame.

Resultados da mamografia digital

como é feita a mamografia digital

O laudo produzido a partir das informações da radiografia mamária segue uma classificação mundial, criada pelo Colégio Americano de Radiologia (ACR).

Chamado Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RARDS), o método separa os resultados em seis categorias:

  • A classificação 0 indica que serão necessários novos exames, pois a imagem não pode ser observada de forma correta
  • No grupo 1, os seios não apresentam lesões que possam indicar câncer
  • Na categoria 2, o tecido mamário apresentou lesões benignas, sem potencial cancerígeno
  • Já o grupo 3 informa que há lesões provavelmente benignas, mas que precisam ser investigadas para confirmar o diagnóstico
  • As classificações 4 e 5 demandam confirmação por meio de exames, como a biópsia mamária, pois mostram lesões que têm potencial de serem cancerígenas. Na categoria 4, as chances são de 20 a 35%; na categoria 5, são de 95%.
  • O último grupo (6) é utilizado para sinalizar o acompanhamento de pacientes que já têm tumor nas mamas, confirmado por exames anteriores.

Exemplo de um laudo de mamografia

Indicação clínica: Rastreamento em paciente assintomática

Técnica de exame: Estudo realizado nas incidências craniocaudal e médio-lateral oblíqua, de ambas as mamas.

COMENTÁRIOS:

  • Mamas predominantemente adiposas.
  • Pele sem evidências de retrações suspeitas.
  • Regiões retroareolares sem alterações.
  • Tecido subcutâneo e espaços retromamários conservados.
  • Prolongamentos axilares livres.
  • Linfonodos de aspecto habitual no prolongamento axilar direito e esquerdo.

IMPRESSÃO DIAGNÓSTICA:

BI-RADS® 1 – Negativa.

Recomendação: Rastreamento mamográfico de rotina.

OBSERVAÇÕES:

  • Na presença de nódulo palpável ou outra anormalidade detectada clinicamente, os achados negativos da mamografia não excluem a necessidade de prosseguir a investigação diagnóstica.
  • Quando realizar novo exame mamográfico, favor trazer exames anteriores para comparação / avaliação evolutiva.

Como funciona a mamografia digital via Telemedicina?

como e feita mamografia digital telemedicina

Você sabe como é feita a mamografia digital por meio da telemedicina?

Na verdade, o que muda não é a forma de realização do exame, mas a análise dos arquivos dos exames recebidos pelo radiologista numa plataforma de Telemedicina em nuvem.

É inegável que a tecnologia tem contribuído para a qualidade dos diagnósticos. Basta ver a realidade atual de muitas clínicas médicas para entender.

Depois de contratar uma empresa de telemedicina, que garante o suporte para a configuração do mamógrafo digital, as informações salvas no computador ou estação de trabalho da clínica são enviadas automaticamente para o PACS da telemedicina em nuvem.

Usando esse sistema, profissionais como mastologistas, ginecologistas e radiologistas podem acessar os arquivos.

A partir daí, interpretam os resultados e assinam digitalmente o laudo de mamografia digital.

A combinação entre mamografia digital e telemedicina, portanto, representa um avanço inegável.

É o que garante a especialistas em outras cidades e estados avaliar laudos à distância, apoiando locais que não contam com esses profissionais, como municípios distantes dos grandes centros e clínicas de menor porte.

Dessa forma, pacientes que enfrentariam um longo tempo de espera para receber um diagnóstico são atendidas rapidamente e podem iniciar o tratamento adequado quando for necessário.

Esse é impacto significativo, já que as chances de cura do câncer de mama são muito maiores quando o tumor é identificado no estágio inicial.

Conclusão

como e feita mamografia digital telemedicina

Neste artigo, você viu como é feita a mamografia digital, casos em que ela é recomendada e quais são as suas vantagens na comparação com o procedimento tradicional.

O exame tem auxiliado especialistas no rastreamento e investigação das suspeitas de câncer de mama.

Um de seus benefícios é a possibilidade de armazenamento em nuvem das imagens, permitindo o acesso por especialistas distantes do local do procedimento e a posterior elaboração de laudos à distância.

Com o suporte da telemedicina, clínicas médicas podem compartilhar imagens rapidamente, agilizando os laudos de mamografia e suprindo a carência de profissionais responsáveis por laudar os exames.

A Telemedicina Morsch é importante parceira nesse processo. Visite o site para saber mais e solicitar um orçamento.

Gostou do artigo? Alguma dúvida sobre como é feita a mamografia digital? Deixe sua opinião nos comentários e compartilhe o conteúdo com a sua rede.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp