Entenda como funciona um software de Telemedicina em nuvem

Por Dr. José Aldair Morsch, 4 de dezembro de 2017
software de telemedicina em nuvem

Um software de Telemedicina em nuvem é um conjunto de processos que envolvem pessoas, tecnologia da informação, tecnologia digital, tecnologia de telecomunicações, especialistas nas diversas áreas da medicina com tecnologias exclusivas.

Estas tecnologias médicas garantem a interpretação de exames médicos por especialistas espalhados pelo mundo, onde  todos estão envolvidos no esforço permanente para gerar valor e resultados de promoção da saúde para os pacientes.

O objetivo principal é otimizar e agilizar o fluxo de exames, diagnósticos e laudos médicos, e reduzir custos para todas as partes envolvidas através da remoção de obstáculos impostos pelas variáveis “tempo” e “distância”.

Acompanhe neste artigo todos os detalhes dessa tecnologia médica inovadora.

Um software de Telemedicina e Telessaúde, qual a diferença?  O fator tecnológico e fator humano sempre envolvidos

A palavra chave para um software de Telemedicina é tecnologia. A Telemedicina, assim como a Telessaúde (disciplinas distintas, mas ao mesmo tempo intimamente relacionadas), é fruto da tecnologia da informação e da evolução da internet.

Compreender o papel do conjunto de tecnologias envolvidas no processo da Telemedicina é fundamental para entender como funciona o sistema.

Solicite um orçamento

Antes é preciso estabelecer uma diferença entre Telessaúde e Telemedicina, pois, mais à frente, esses conceitos irão se misturar e qualquer leitura fica mais clara com a compreensão das diferenças entre essas duas variáveis.

De um modo sucinto, confrontadas as diversas definições encontradas no âmbito da Organização Mundial de Saúde, do Conselho Federal de Medicina e outras fontes, a diferença deve ser marcada em função de duas variáveis: tecnológica e humana.

A Telemedicina

É o conjunto de variáveis tecnológicas que envolvem o processo que compreende os passos que vão da realização da consulta e exame médico até a elaboração do laudo médico referente ao exame enviado para análise.

Essas variáveis são os sofisticados aparelhos para realização de exames, o software de telemedicina em nuvem, o sistema de transferência remota de dados e os sistemas de segurança, armazenamento e acesso digital, bem como a tecnologia da informação.

Todo esse sistema é colocado a serviço da Telessaúde

Consiste no conjunto de práticas, recorrendo à tecnologia, para a superação da distância e do tempo no sentido de oferecer atendimento médico, tráfego de informações, geração de conhecimento e outras demandas identificáveis dentro do sistema de saúde público e privado.

Em outras palavras, a Telemedicina não existe se não houver o fator humano. A Telessaúde é a ligação da Telemedicina e outras tecnologias com o fator humano.

Tecnologia da informação e telecomunicações derivando o Software de Telemedicina

As telecomunicações são o elemento de alavancagem da Telessaúde e da Telemedicina. Os primeiros passos dados em ambas as disciplinas estão ligados ao advento do telefone.

A Telessaúde existe desde o momento que um paciente usa o telefone para marcar uma consulta. Está presente nesse ato o principal conceito que permeia todo o desenvolvimento da Telessaúde, que é encurtar distâncias.

As experiências em Telessaúde se confundem com a Telemedicina

Ao longo do tempo, as experiências pelo mundo foram se diversificando, com uso de telefone, satélites, fac-símiles e, finalmente, a internet, devendo ser dado especial destaque às plataformas de call center, onde, de forma definitiva, as telecomunicações se unem à tecnologia da informação para gerar uma nova possibilidade de prestação de serviços.

O call center é uma plataforma de atendimento e relacionamento com clientes e consumidores. Ele integra profissionais, tecnologia de telecomunicação e tecnologia da informação num esforço para, de forma ágil e superando o fator distância, entregar valor ao paciente, seja através de informações, solução de problemas ou prestação de serviços.

Esse serviço só é possível se houver a integração desses fatores, o que leva à importância do papel da tecnologia da informação, que hoje tem nas ERPs, Enterprise Resource Planning, sua principal manifestação.

Um comparativo de software de ERP com um software de telemedicina

ERP, são softwares de gestão desenvolvidos, muitas vezes, para o atendimento específico a determinada área. Essas soluções em TI atendem as diferenças entre cada atividade econômica e suas especificidades; um software que atende a uma empresa de logística de distribuição não pode ser o mesmo que irá atender a uma clínica médica, por exemplo.

O objetivo das ERPs é dar total suporte a cada atividade, provendo de relatórios e visão compartilhada por todas as partes interessadas dentro da estrutura. No caso de um call center, a principal demanda é pela “visão única do atendimento”.

Em outras palavras, quer dizer que todo contato precisa ser registrado num sistema e estar disponível para todos os profissionais envolvidos no atendimento, de modo que possam dar andamento ao processo de atendimento ou serviço com segurança.

Para ilustrar a importância dessa integração entre telecomunicação e TI, bem como a finalidade desta última num call center, basta pensar naquele exemplo típico em que uma cliente liga para a operadora de um serviço – banda larga, por exemplo – pela segunda vez.

Ele já deu todas as informações, chegou a iniciar a conversa com a atendente, mas a ligação caiu. Ao ligar novamente, tudo que ele espera, após digitar todas aquelas opções, é que o próximo atendente dê continuidade ao atendimento de onde ele parou. Isso só é possível se houver um software de gestão com módulo para registro do atendimento.

De um modo geral, ficará claro, mais à frente, que, guardadas as devidas proporções, um sistema de Telemedicina atende às mesmas premissas, mas antes disso é preciso dar um salto para a tecnologia digital, mas não sem antes consolidar o conceito de Telessaúde a partir do domínio das tecnologias da telecomunicação e da informação.

Voltando aos exemplos, essa relação fica clara quando o paciente de um local distante, onde não é possível a chegada de um médico em tempo satisfatório, entra em contato com uma central de Telessaúde.

O que pode estar em jogo é a vida do paciente, que é atendido por um médico que o identifica. Será bastante satisfatório que o mesmo tenha, imediatamente, acesso ao prontuário eletrônico daquele paciente caso ele tenha tido um atendimento anterior.

Inclusive, sob todos os aspectos, esse sistema deve integrar toda a rede pública de saúde e até mesmo a particular, mediante alguns critérios de segurança.

Voltando ao exemplo, esse médico que está no atendimento terá acesso ao prontuário do paciente, caso exista, e também a ferramentas de auxílio de diagnóstico oferecidas pelo software de telemedicina em nuvem.

O médico terá, ainda, acesso remoto a outros médicos com quem possa compartilhar o problema de modo a receber auxílio no diagnóstico.

Tecnologia digital, da informação e internet

Ainda no âmbito das telecomunicações, a internet surge para sofisticar esse processo. No âmbito dos call centers, eles se transformam em “contact centers”.

A evolução da internet e a popularização da banda larga serviram para criar uma nova demanda e um novo estágio para o setor de serviços.

Aos poucos, é o telefone que vai sendo deixado de lado, até por ser uma ferramenta de alto custo.

As pessoas começam a resolver os problemas a partir da internet, até o ponto que o fator humano do outro lado se desloca do atendimento para a engenharia de sistemas.

Tudo isso convive em harmonia nos dias de hoje, só que a tecnologia digital viabiliza o uso sistemático de novos aparelhos móveis e portáteis; estava aberto o caminho para as plataformas digitais.

Não é que o fator humano desapareça. Em alguma parte do processo de atendimento ele é necessário, porém, para o consumidor, o que existe é o “clique aqui”.

A partir das plataformas digitais, sem precisar dar um único telefonema, o consumidor pode fazer compras no supermercado, na drogaria e até na sex shop.

O consumidor pode organizar toda uma viagem, fazer reservas e emitir passagens sem dizer uma palavra, e tudo isso administrando uma enorme quantidade de informações, que lhe conferem a possibilidade de tomar uma decisão correta.

O Software de Telemedicina em nuvem

Dominados todos os conceitos, fica fácil entender o funcionamento de um software de Telemedicina.

O ideal é que se recorra a um exemplo real, como a plataforma privada Telemedicina Morsch, que realiza o processo completo, desde o atendimento até o laudo médico, valendo-se das ferramentas tecnológicas específicas da telemedicina.

A porta de entrada do sistema é a consulta ou atendimento emergencial, quando o profissional de saúde se depara com a necessidade de realizar exames.

A Telemedicina Morsch disponibiliza, através de sistema de comodato, aparelhos modernos para a realização de diversos tipos de exames.

Feitos os exames, o aparelho conectado a um computador portátil, que é carregado pelo técnico em enfermagem transmite os arquivos para o software de telemedicina em nuvem no momento que disponibiliza sinal de internet.

Esse computador é responsável pela conexão com a plataforma digital, um outro nome usado para software de telemedicina que serve para interpretação dos exames, para consultas, compartilhamento de informações e transmissão remota de dados dos exames.

Feita a transmissão remota, do outro lado da plataforma de telemedicina há profissionais médicos especializados nas diversas áreas para fazer a análise dos exames e emitir os laudos médicos.

Há que se reparar que em todo esse processo não há necessidade do paciente se deslocar entre a sua residência, o laboratório e o consultório médico.

Esse é um exemplo genuíno de uso da Telemedicina para encurtar distâncias, reduzir custos para todas as partes, melhorar a operação, reduzir o fluxo de pacientes nos locais de atendimento, acelerar os diagnósticos e antecipar o início dos tratamentos.

Para concluir o funcionamento do sistema, o especialista emite o laudo, que fica disponível no sistema para ser acessado pelo profissional responsável pelo atendimento direto ao paciente e demais profissionais que possam ou devam colaborar com o processo.

Claro que esse processo é cercado de toda segurança, e os acessos a qualquer informação só ocorrem mediante login e senha. O mais importante, todavia, é a disponibilidade da informação de forma rápida e de qualidade.

Gostou do artigo? Ajude a divulgar nas redes! Assine nosso blog!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp