Veja a lista de comorbidades e saiba quais doenças são consideradas crônicas

Por Dr. José Aldair Morsch, 12 de janeiro de 2022
Comorbidades

Você talvez não tenha ouvido falar em comorbidades antes da pandemia de Covid-19.

Afinal, foi na tão aguardada chegada da vacina para essa doença que o termo ganhou evidência.

Isso porque há uma série de comorbidades que deram a seus portadores a prioridade na imunização nacional.

Porém, esse é um assunto que não tem apenas relação com campanhas de vacinação.

Como vamos ver neste conteúdo, comorbidade é um assunto sério.

E se você ou um familiar é portador de alguma doença que está nessa lista, acompanhe até o final para conferir informações de seu interesse.

A partir de agora, explico melhor o tema e falo sobre direitos dos pacientes, causas de comorbidades, como prevenir e tratar.

O que são comorbidades?

Comorbidade é toda doença, condição ou estado físico e mental que, em razão da gravidade, pode potencializar os riscos à saúde caso o portador venha a se infectar com algum agente patogênico.

Foi exatamente o caso do coronavírus, mas vale também para outros surtos ou epidemias.

Dessa forma, é preciso dar a essas pessoas atenção especial para que um eventual contágio não agrave ainda mais a sua saúde, que já inspira cuidados.

Quais os direitos das pessoas com comorbidades?

Muitas vezes, as pessoas com comorbidades vivem fragilizadas em razão de enfermidades congênitas, síndromes incuráveis e distúrbios que afetam órgãos vitais, entre outras condições.

Por isso, é obrigação do governo e da sociedade prestar atendimento especial a esses indivíduos enquanto a ameaça em questão não estiver definitivamente erradicada.

Nesse sentido, a primeira medida é conceder prioridade nas campanhas de vacinação, garantindo assim que elas recebam sua dose antes dos grupos de risco reduzido. 

No Brasil, as vacinas estão sendo administradas conforme as diretrizes do Programa Nacional de Imunizações, de responsabilidade do governo federal.

Contudo, em respeito ao pacto federativo, cada estado é livre para determinar as regras, cronograma e locais em que as vacinas são aplicadas.

Quais doenças são consideradas comorbidades?

Quer saber qual é a lista de comorbidades? Considere as seguintes doenças:

  • Arritmias cardíacas
  • Cardiopatia hipertensiva
  • Cardiopatias congênitas no adulto
  • Cirrose hepática
  • Diabetes mellitus
  • Doença cerebrovascular
  • Doença renal crônica
  • Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas
  • Hemoglobinopatias graves
  • Hipertensão arterial
  • Hipertensão Arterial Resistente (HAR)
  • Hipertensão pulmonar / Cor-pulmonale
  • Imunossuprimidos
  • Insuficiência cardíaca
  • Miocardiopatias e pericardiopatias
  • Obesidade mórbida
  • Pneumopatias crônicas graves
  • Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
  • Síndrome de Down.

É importante frisar que, em cada estado brasileiro, a lista pode apresentar uma ou outra variação.

No estado de São Paulo, por exemplo, há postos de saúde que aceitam como portadoras de comorbidades pessoas que usam óculos em razão de miopia ou astigmatismo.

Portanto, o que você vai ver a seguir é um resumo geral das doenças e condições mais aceitas como comorbidades.

Não deixe de conferir no site do governo do seu estado e prefeitura se de fato você é considerado um portador de comorbidade.

Arritmias cardíacas

É considerada arritmia cardíaca a condição em que o ritmo dos batimentos do coração é assíncrono.

Trata-se de uma disfunção cuja causa pode ser física, psíquica ou proveniente de alguma deficiência estrutural do próprio coração.

No grupo de comorbidades relacionado a essa condição estão os portadores de cardiopatia associada (fibrilação e flutter atriais, entre outras) e de arritmias cardíacas com importância clínica.

Cardiopatia hipertensiva

Pessoas hipertensas podem desenvolver a chamada cardiopatia hipertensiva, na qual os vasos sanguíneos do coração passam a ser sobrecarregados.

Em seus primeiros estágios, as alterações se limitam ao funcionamento do coração

Porém, quando não tratada, a cardiopatia hipertensiva tende a evoluir para dilatação, insuficiência e/ou hipertrofia cardíaca.

Cardiopatias congênitas no adulto

Já as cardiopatias congênitas são aquelas que são diagnosticadas nos 8 primeiros meses de vida, acompanhando seu portador desde então.

Estima-se que, no Brasil, cerca de 85% dos bebês que nascem com essa condição chegam à vida adulta graças à evolução dos tratamentos.

Nesse grupo de comorbidades estão todos aqueles que apresentem algum tipo de comprometimento miocárdico ou de insuficiência cardíaca.

Cirrose hepática

Normalmente associada ao consumo abusivo de álcool, a cirrose hepática pode também ser causada por hepatites ou uso prolongado de certos medicamentos.

Ela se caracteriza por lesões no fígado que, ao cicatrizarem, formam um tecido fibroso que, ao se acumular, leva à falência do órgão.

Por se tratar de uma doença silenciosa, é preciso realizar exames constantes para saber se o fígado está saudável, principalmente quando o indivíduo faz parte de um grupo de risco ou é portador de alcoolismo.

Lista de comorbidades

Paciente com diabetes mellitus está exposto a uma série de complicações em razão da doença

Diabetes mellitus

A pessoa diabética não é capaz de regular os níveis de açúcar no sangue, ficando exposta a uma série de complicações.

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil é o 5º país com maior incidência de diabetes, registrando 16,8 milhões de doentes adultos.

Um grupo bastante numeroso de pessoas portadoras de comorbidade, considerando que essa é uma doença incurável, embora tratável. 

Doença cerebrovascular

As doenças cerebrovasculares perfazem um grupo de enfermidades e condições que afetam o cérebro e, com isso, prejudicam a coordenação motora e as funções orgânicas.

Entre as pessoas portadoras de comorbidades, estão inclusos todos que tenham tido ou sejam portadoras de:

  • Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico
  • Ataque isquêmico transitório
  • Deficiência neurológica grave
  • Demência vascular
  • Doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular
  • Doenças neurológicas crônicas que impactem na função respiratória
  • Esclerose múltipla e similares
  • Pessoas com paralisia cerebral.

 

Doença renal crônica

É considerada como doença renal crônica a perda progressiva das funções dos rins que, depois de meses ou anos, deixam de filtrar os resíduos no sangue.

Vale destacar que, entre as causas principais para essa condição estão a pressão alta e o diabetes.

Além da DRC, também estão incluídas no grupo de comorbidades portadores de síndrome nefrótica e/ou a partir do estágio 3.

Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas

Também fazem parte desse grupo as pessoas que apresentem disfunções e problemas ligados ao fluxo sanguíneo cardíaco proveniente da aorta, o maior vaso sanguíneo do corpo humano.

No caso, ela pode ser acometida por problemas como ruptura, dissecção ou aneurisma, assim como as fístulas arteriovenosas, as quais desviam fluxo sanguíneo do coração.

Entre os fatores de risco para o desenvolvimentos dessas anomalias, destacam-se:

  • Hipertensão arterial sistêmica
  • Idade
  • Tabagismo
  • Diabetes
  • Histórico familiar 
  • Síndrome de Marfan.

 

Hemoglobinopatias graves

As hemoglobinas fazem parte dos glóbulos vermelhos e sua principal função é transportar oxigênio na corrente sanguínea.

Chamam-se hemoglobinopatias as doenças que levam a alterações nesse componente fundamental, entre as quais as mais comuns são:

  • Anemia falciforme 
  • Hemoglobinopatia SC
  • Talassemias.

As doenças falciformes afetam a produção de hemoglobinas e estão entre as condições congênitas mais frequentemente diagnosticadas no Brasil, segundo o MS.

Hipertensão arterial

A hipertensão arterial se caracteriza pela pressão diastólica e sistólica em níveis considerados elevados por períodos prolongados de tempo.

Sendo assim, o seu diagnóstico correto depende de aferições constantes da pressão, uma vez que só é considerada hipertensa uma pessoa com pressão alta constante.

Por essa razão, para ter benefícios relacionados às comorbidades, é preciso comprovar essa condição com laudo e atestado médico.

Hipertensão Arterial Resistente (HAR)

Existe ainda uma forma ainda mais grave de hipertensão, a chamada Hipertensão Arterial Resistente (HAR).

Como o nome já sinaliza, nesse caso, a pressão alta tende a resistir aos tratamentos, sendo por isso mais difícil de controlar.

Por isso, é considerada como comorbidade, desde que a pressão arterial permaneça acima das metas recomendadas com o uso constante de anti-hipertensivos na dosagem apropriada e adesão comprovada ao tratamento.

O que é comorbidade

A hipertensão pulmonar também entra no grupo das comorbidades e pode ter causas variadas

Hipertensão pulmonar / Cor-pulmonale

A hipertensão pulmonar (HP) é uma anomalia hemodinâmica que tem como causa uma variedade de distúrbios, tais como: 

  • Hipertensão arterial pulmonar (HAP) ou pré-capilar
  • Hipertensão venosa pulmonar
  • HP associada a distúrbios do sistema respiratório
  • HP causada pela doença tromboembólica crônica.

Por sua vez, o cor-pulmonale é uma condição que decorre de pneumopatia ou sua vasculatura. 

Com isso, o ventrículo direito do coração aumenta sua espessura, causando assim a hipertensão pulmonar.

Imunossuprimidos

A imunossupressão, ou seja, a perda das defesas contra agentes patógenos, é uma condição que atinge indivíduos nos seguintes casos:

  • Neoplasias hematológicas
  • Pessoas recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida
  • Pessoas que receberam transplante de órgão sólido ou de medula óssea
  • Pessoas vivendo com HIV / AIDS
  • Portadores de doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade que usem prednisona
  • Pacientes submetidos a tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos 6 meses
  • Todos que utilizem imunossupressores ou que tenham imunodeficiências primárias.

 

Insuficiência cardíaca

Um quadro de insuficiência cardíaca se caracteriza quando o coração não bombeia sangue com força suficiente para nutrir todo o corpo.

Com isso, acontece o acúmulo de sangue nos membros, principalmente nas pernas, pulmões e em outras partes e tecidos.

Uma série de condições e complicações podem levar à insuficiência cardíaca e a doenças cardiovasculares, tais como:

  • Cardiomiopatia
  • Diabetes
  • Doença arterial coronariana
  • Doença cardíaca congênita
  • Endocardite
  • Hipertensão
  • Infarto do miocárdio
  • Miocardite
  • Valvulopatias.

Lembrando que, para ser considerada comorbidade, a IC precisa ser diagnosticada nos estágios B, C, ou D.

Miocardiopatias e pericardiopatias

Os músculos cardíacos estão sujeitos a infecções e inflamações, sendo por isso afetados por miocardiopatias e pericardiopatias diversas.

Assim como a insuficiência cardíaca está ligada a uma série de causas, elas também têm origem em fatores diversos, inclusive traumas e tumores.

No caso da pericardite, ela pode ser classificada como aguda, subaguda ou crônica, enquanto uma miocardiopatia pode ser do tipo dilatada, hipertrófica ou restritiva.

Vale ressaltar que, além das miocardiopatias e pericardiopatias, também são consideradas comorbidades as síndromes coronarianas e as valvopatias diversas.

Obesidade mórbida

A obesidade mórbida é considerada uma comorbidade em razão das muitas complicações que ela pode causar.

Ela se caracteriza pela proporção exagerada de gordura corporal, tanto subcutânea quanto visceral, podendo acometer crianças e adultos.

Nesse caso, a pessoa será considerada obesa mórbida sempre que seu Índice de massa corpórea (IMC) for igual ou maior que 40.

Pneumopatias crônicas graves

Os pulmões também estão sujeitos a uma ampla gama de processos infecciosos e complicações que podem ser causadas por vírus, fungos ou bactérias. 

Também podem ser acometidos por doenças e debilidades congênitas, sendo por isso consideradas portadoras de comorbidades pessoas que apresentem:

  • Casos graves em que seja necessário o uso frequente de corticoides sistêmicos ou com internação prévia em razão de crise asmática
  • Displasia broncopulmonar e asma
  • Fibrose cística
  • Fibroses pulmonares pneumoconioses
  • Pneumopatias graves incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica.

 

Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados

Indivíduos que necessitam de dispositivos para controle da condição cardíaca também fazem parte do grupo de pessoas portadoras de comorbidades. 

Entre eles, estão aqueles que usam ou precisam de:

  • Assistência circulatória de média e longa permanência
  • Cardio desfibriladores
  • Pessoas que precisam de marcapassos
  • Ressincronizadores.

 

Doença comorbidade

Portadores de Síndrome de Down possuem uma saúde mais vulnerável e demandam atenção prioritária

Síndrome de Down

Em razão das fragilidades que os portadores de Síndrome de Down possuem, eles também devem receber atendimento prioritário nas campanhas de vacinação.

Entre as complicações mais frequentes estão a anemia, risco maior de desenvolver pneumonia e lesões na coluna, entre outros.

O que causa as comorbidades?

Como vimos, as comorbidades são um grupo amplo de doenças, cujas causas são bastante variadas. 

Cabe ao médico que acompanha o paciente fazer o diagnóstico correto para determinar se a enfermidade pode ser ou não caracterizada dessa forma.

De qualquer maneira, para evitá-las, é fundamental adotar um estilo de vida saudável, valorizando uma alimentação regrada, a prática de exercícios e horários para dormir e despertar.

Como enfrentar as doenças do grupo de comorbidades

A medicina preventiva e o acompanhamento médico frequente são os melhores recursos com que você pode contar para evitar as comorbidades e outros tipos de doenças.

Com os avanços da tecnologia e dos meios de comunicação, boa parte dos diagnósticos podem ser feitos online, com o apoio da telemedicina.

Inclusive, você pode começar agora mesmo a cuidar melhor da própria saúde.

Consulte com médico online com a Morsch

Você não está só ao enfrentar eventuais comorbidades: a Telemedicina Morsch é a sua aliada desde sempre, seja qual for a sua condição.

Prestamos atendimento via teleconsulta, conectando você ao especialista necessário com o suporte da internet.

Além da comodidade, com a consulta remota, você economiza tempo e dinheiro que seriam gastos no deslocamento até o consultório ou clínica.

Veja como é fácil marcar seu atendimento médico online na plataforma Morsch:

  1. Acesse a página de agendamentos
  2. Use o campo de buscas para selecionar a especialidade e escolha o profissional de sua preferência
  3. Defina um entre os horários de agendamento, ao lado da identificação do médico
  4. Você será redirecionado para uma página de login. Se não tiver cadastro, selecione “Criar conta”
  5. Preencha o formulário com informações de identificação e prossiga
  6. Crie uma senha e acesse o sistema
  7. Confirme o horário da teleconsulta e faça o pagamento
  8. Meia hora antes do atendimento, você vai receber o link de acesso à sala virtual via WhatsApp ou SMS.

 

Conclusão

Doenças, surtos e epidemias como a Covid-19, infelizmente, são uma ameaça.

Isso vale principalmente para as pessoas portadoras de comorbidades – e você não pode facilitar nos cuidados com a saúde.

A plataforma de teleconsulta Morsch leva atendimento de qualidade para dentro da sua casa, facilitando a prevenção.

Assine nossa newsletter, receba conteúdos como este em sua caixa de entrada e esteja sempre bem informado sobre assuntos de saúde.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE