Principais causas, sintomas e tratamento da micose de pele

Por Dr. José Aldair Morsch, 26 de novembro de 2021
Principais causas, sintomas e tratamento da micose de pele

Você já teve micose de pele? Sabe o que causa a infecção e quais são as melhores opções de tratamento?

Praticamente todo mundo sabe o que é essa doença e como seus sintomas podem ser incômodos.

Apesar de ser uma condição comum e relativamente simples de saúde, é indispensável saber como reconhecê-la e garantir um tratamento adequado.

Afinal, muito além da coceira intensa, a micose de pele também pode gerar algumas complicações se não for combatida corretamente.

Nessas situações, pode ocorrer a disseminação dos fungos e até mesmo infecções bacterianas, que são favorecidas pelas feridas na pele geradas quando o paciente se coça sem parar.

Para você ter ideia da importância do tema, dados divulgados pela Fiocruz indicam que quase um bilhão de pessoas têm micoses superficiais (como as de pele) em todo o mundo.

Se você quer saber exatamente o que fazer quando a micose de pele surgir, continue acompanhando este artigo.

Em seguida, explico melhor como a doença se caracteriza, quais seus principais tipos, possíveis causas, sintomas, alternativas de tratamento e métodos de prevenção. 

O que é micose de pele? 

Em primeiro lugar, como você já deve saber, a micose de pele é um tipo de infecção ocasionada pela presença de fungos. 

Trata-se de uma doença considerada transmissível. Ou seja, ela pode ser passada de uma pessoa para outra.

O mais comum é que os microrganismos sejam transmitidos por objetos compartilhados ou em ambientes coletivos.

Além disso, os fungos encontram nos locais quentes e úmidos as condições ideais para sua proliferação, ao passo que, em áreas geográficas que têm essas características no clima, sua incidência é mais comum. 

Vale citar que, além da micose de pele, também é recorrente que as unhas e a região do couro cabeludo sejam afetadas. 

A identificação do problema tende a ser bastante simples. Isso porque, os sintomas mais característicos são as manchas e a coceira incômoda.

No próximo item, veja os principais tipos de manifestação da micose de pele. Depois, entenda melhor suas causas e como reconhecer cada um deles.  

Principais tipos de micose de pele

Os principais tipos de micose na pele são divididos de acordo com o fungo que os provoca. Os mais comuns são:

Pitiríase Versicolor:

Trata-se do popular “pano branco”, causado pelos fungos do gênero malassezia. É mais recorrente em pessoas de pele oleosa ou durante a puberdade, que é uma fase em que os hormônios produzem mais “sebo” na derme. 

Tineas

Antes de mais nada, esse tipo é mais conhecido pela espessura das manchas de micose na pele. O nome se refere igualmente a um grupo de fungos que se alimenta de queratina e que pode ser encontrado no solo, em animais ou transmitido entre as pessoas. O mais comum é a onicomicose.

Candidíase

Provocado pelo fungo cândida, esse é um dos tipos de micose na pele oportunistas. Ou seja, seu aparecimento é favorecido por situações de baixa imunidade, doenças específicas, uso prolongado de medicamentos e pelo próprio excesso de calor e umidade. 

Possíveis causas da micose de pele

A micose de pele sempre é provocada pela infecção por algum tipo de fungo. O mesmo vale para as micoses que afetam as mucosas, as unhas e o cabelo.

Assim, ao contrário de outros problemas conhecidos da derme (como a psoríase, por exemplo), essa doença não pode surgir por vírus, processos do próprio organismo, traumatismos, etc.

Como mencionei anteriormente, as causas mais comuns incluem as transmissões diretas entre indivíduos e uso compartilhado de objetos. 

Entretanto, também é possível adquirir micose de pele a partir de animais e até mesmo no contato com o solo contaminado. 

Em todas as situações, o sistema imunológico está diretamente relacionado à manifestação fúngica.

Ou seja, é muito mais fácil ter manchas de micose na pele quando estamos com as defesas do organismo fracas. 

Igualmente, ao lado da questão imunológica, estão os fatores de risco ligados ao ambiente e às chances de transmissão. São eles:

  • Suor excessivo;
  • Viver ou trabalhar em locais excessivamente quentes;
  • Permanecer muito tempo ou andar descalço em locais úmidos;
  • Ter problemas de circulação;
  • Presença de infecções e lesões de pele não tratadas adequadamente.

Agora que você já sabe o que é micose de pele e o que favorece o seu aparecimento, descubra abaixo como reconhecer os seus sintomas. 

Quais são os sintomas da micose de pele? 

As características dos sintomas também podem variar de acordo com os tipos de micose na pele.

Principais causas, sintomas e tratamento da micose de pele

Confira quais são os sinais próprios de cada situação: 

Sintomas da Pitiríase Versicolor

A manifestação clássica é a presença de manchas brancas. Contudo, também há o surgimento de pontos avermelhados ou escuros. Elas costumam ser descamativas e podem surgir isoladas ou agrupadas. Normalmente, atingem o rosto, tronco, pescoço e parte de cima dos braços.  

Sintomas da Tineas 

Nesses casos, as manchas de micose na pele são vermelhas e têm superfície escamosa. Costumam ter crostas, bolhas pequenas e bordas bem delimitadas. Como resultado, sua coceira tende a ser intensa e a afetar bastante o bem-estar do paciente. 

Sintomas da Candidíase

Por sua vez, a candidíase tem uma manifestação que varia de acordo com a área afetada. Nas dobras do corpo, ela costuma gerar fissuras localizadas e placas vermelhas. Na boca, causa lesões com fissuras bem nos cantos. Na região genial, gera coceira e secreção esbranquiçada. 

Micose de pele coça?

O sintoma mais clássico e característico da micose de pele é a coceira, causada justamente pela presença do fungo no local acometido. 

Ao mesmo tempo, como a manifestação costuma ser intensa, essa é a consequência mais incômoda da doença e que costuma gerar mais dores de cabeça nos pacientes.

Inclusive, isso reforça como é importante prezar pelo tratamento. A coceira pode surgir em qualquer ponto da derme, sendo localizada ou afetando múltiplas regiões.

Isso ocorre nas manchas, que variam conforme os tipos de micose na pele.

Em algumas situações, suas marcas podem ser mais profundas. Elas estão relacionadas à resposta inflamatória gerada pelo organismo.

Vale ressaltar que, sem tratamento, o ato contínuo de coçar gera lesões maiores na pele. Com o tempo, ela favorece a entrada de outros microrganismos que causam complicações.

Em outras palavras, para não correr riscos, é direito do paciente receber o tratamento adequado o quanto antes (e também seu dever procurá-lo). Saiba como isso é possível nos próximos itens.  

Micose de pele tem cura? 

Sim. Para isso, é fundamental saber como identificar a micose de pele e como tratar ela, seguindo todas as recomendações do especialista. 

Portanto, no momento em que os sintomas forem reconhecidos, é fundamental buscar por uma consulta médica para obter o diagnóstico o quanto antes. 

O exame de rotina para confirmar o tipo de micose na pele costuma ser clínico. Contudo, também há a possibilidade da solicitação de análises laboratoriais.

Nesses casos, há o exame direto e a cultura do fungo. No procedimento micológico direto, é feita uma análise microscópica. Em contrapartida, na cultura, há o incentivo de que haja o crescimento do microrganismo em ambiente controlado para identificar o seu tipo.

Logo depois da confirmação diagnóstica, inicia-se o tratamento. Quando ele é eficiente, os sinais de melhora incluem o desaparecimento das lesões e da própria coceira. 

Já quando em intervenções inadequadas ou inexistentes, as lesões podem aumentar, assim como a vermelhidão, a intensidade da coceira e as chances de complicações. 

Dessa forma, vale ressalta a importância da disciplina e continuidade do tratamento do paciente ao receber as recomendações médicas.

Isso porque, é normal que as pessoas interrompam os medicamentos quando a coceira e as manchas passam. Contudo, ainda há riscos de reincidência. 

Só o médico pode definir a periodicidade correta e qual o remédio para micose de pele mais adequado para cada caso, ou seja, a automedicação nunca é uma alternativa.

Além de não funcionar, ela pode gerar complicações ainda maiores no paciente.

Então, dito isso, no item seguinte, veja como funciona o combate da micose de pele e como tratar de maneira eficaz, de acordo com cada manifestação. 

Como tratar micose de pele?

Como tratar micose de pele?

A micose de pele tem tratamento baseado no uso de pomadas, cremes ou medicamentos administrados por via oral.

As recomendações variam conforme cada tipo da doença, da mesma forma, as intervenções para os diferentes casos incluem:

  • Pitiríase Versicolor: o tratamento comumente usa antifúngicos orais e tópicos simultaneamente;
  • Tineas: por sua vez, a utilização dos antifúngicos pode variar entre a utilização local e oral ou também ser feita de forma simultânea;
  • Candidíase: além dos antifúngicos tópicos nas manchas, há também a utilização de medicamentos com efeito sistêmico.

Reitero a importância de que a micose de pele tenha tratamento prolongado. 

Segundo informações do Ministério da Saúde, a intervenção costuma durar uma média de 30 a 60 dias. 

Ainda de acordo com a instituição, os fungos presentes em camadas mais profundas podem resistir. Por isso, a interrupção dos sintomas não é indicativo para parar os medicamentos.

Veja abaixo alguns dos remédios para micose de pele mais utilizados pelos médicos e suas indicações:

Medicamentos orais

Como a micose de pele é uma infecção, os comprimidos de via oral são importantes para eliminar seus agentes causadores do organismo. Os mais comuns são:

  • Izonax;
  • Cetoconazol;
  • Dexason;
  • Cetomicoss;
  • Decadron.

Cremes e pomadas

Em resumo, para ajudar a combater os fungos e garantir um alívio mais rápido para os sintomas, também há aplicação direta de pomadas e cremes nas manchas de micose na pele. As opções incluem:

  • Cetoconazol Creme;
  • Canesten Creme;
  • Fungisten;
  • Clotrimazol Creme;
  • Clotrimazol.

Alternativas caseiras

Assim como a automedicação, os tratamentos caseiros jamais devem ser feitos sem orientação médica.

Eles nunca devem substituir as intervenções convencionais. Contudo, caso o médico autorize, é possível somá-los ao tratamento da micose de pele.

Sobretudo, para complementar os cuidados estipulados pelo especialista, você pode utilizar soluções como:

  • Uso de óleo de melaleuca com propriedades antifúngicas. A diluição deve ser de, no máximo, 4 gotas em água. A aplicação é feita com um algodão na área com manchas;
  • Elaboração de um spray antifúngico natural, com óleo de alfazema e vinagre de sidra;
  • Aplicação de chá de folha de mandioca, também com um algodão, na região afetada pela micose de pele;
  • Chá de camomila, aplicado com um algodão. Ele tem efeito calmante que funciona como alívio para coceira.

Não se esqueça de informar ao seu médico essas alternativas e apenas utilizá-las mediante suas recomendações estritas. 

Prevenindo a volta da micose de pele

Se o tratamento da micose de pele for feito corretamente, a doença é curada. Todavia, o paciente deve adotar algumas medidas preventivas para que novas infecções não ocorram.

Nesse sentido, isso inclui principalmente cuidados de higiene, que servem para evitar manifestações futuras de fungos. Os mais recomendados são:

  • Não compartilhar toalhas, roupas e lençóis com outras pessoas (principalmente com aquelas que têm micose);
  • Priorizar as roupas de algodão e evitar vestimentas muito apertadas;
  • Caso você tome banho em locais públicos ou frequente piscinas de uso coletivo, use sempre chinelos;
  • Não deixe de trocar as roupas íntimas e as meias todos os dias;
  • Mantenha a pele sempre seca e limpa.
Prevenindo a volta da micose de pele

Como resultado, todas essas medidas evitam o desenvolvimento de fungos na derme, sendo úteis para prevenir a micose de pele.  

Conclusão

Portanto, ao longo deste artigo, esclareci o que é micose de pele, quais os seus principais tipos, como identificar seus sintomas, evitar suas possíveis causas, garantir o tratamento mais adequado e seguro possível e como prevenir novas manifestações de fungos.

Sabendo dessas informações, não se esqueça de procurar um médico ao menor sinal da doença. Afinal, a evolução das coceiras pode prejudicar sua qualidade de vida, gerar feridas maiores na derme e até favorecer o aparecimento de complicações.

Se você gostou de conhecer os detalhes sobre micose de pele, não deixe de se manter informado sobre outras questões tão ou mais importantes para a sua saúde. Assine a newsletter e receba os próximos conteúdos no seu e-mail. Aproveite também e compartilhe este texto com os seus amigos.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE