Tipos de raio x: para que serve e principais tipos de radiografia

Por Dr. José Aldair Morsch, 24 de dezembro de 2018
Tipos de raio x: para que serve e principais tipos de radiografia

A atenção à saúde se beneficia de diagnósticos assertivos e, por isso, existem diferentes tipos de raio x.

Tem raio x da face, da cabeça, da coluna e muitos outros que uma pessoa leiga talvez nem faça ideia da disponibilidade.

Cada vez mais, a medicina diagnóstica se beneficia da tecnologia e seu avanço para identificar doenças de forma precoce, além de dar o tratamento mais adequado e ágil a uma série de condições de saúde, de fraturas a tumores.

Tudo isso passa pela radiologia e nos ajuda a entender a importância do raio x na medicina.

Neste artigo, apresento um guia completo com tudo sobre o raio x e seus diferentes tipos.

Você vai conferir o que é radiografia e para que serve o raio x, como é feito, formas de uso do raio x na medicina, como funciona um aparelho de raio x e muito mais.

Não deixe de ler até o final para descobrir também como fazer um bom raio X e de que maneira a telemedicina tem contribuído para a interpretação de seus resultados.

Boa leitura!

O que é e para que serve o raio x ou radiografia

O que é e para que serve o raio x ou radiografia

O que é e para que serve a radiografia

Raio x, ou radiografia, é um exame de diagnóstico por imagem. Ele faz uso de radiação ionizante para obter imagens de partes diversas do corpo humano.

A partir desse procedimento, é possível investigar, confirmar ou descartar suspeitas clínicas, o que inclui uma série de doenças, fraturas, tumores e outras condições de saúde.

Uma radiografia, a grosso modo, é como uma fotografia em escala de cinza, na qual aparecem órgãos, músculos, tecidos e vasos sanguíneos, por exemplo.

Com os resultados em mãos, um médico especialista em radiologia pode fazer a análise e interpretação, informando ao médico solicitante o que encontrou no exame.

Essa informação é fundamental para a ação terapêutica que virá a seguir.

Pense em uma fratura, por exemplo. O paciente apresenta dor em um dos braços, mal consegue mexer o membro, mas não há nada aparente que justifique isso.

O clínico, traumatologista ou ortopedista que o examina, então, suspeita da possibilidade de fratura.

Mas ele não vai indicar que o braço do paciente seja engessado sem antes confirmar a sua suspeita, certo?

É justamente para isso que servem os diferentes tipos de raio x.

Observe que usamos como exemplo um caso de menor gravidade. Imagine, então, uma doença respiratória ou um pequeno objeto engolido por uma criança.

Tudo isso nos ajuda a compreender a grande importância da radiografia para a medicina.

Raio x Convencional vs Raio x Contrastado

Raio x Convencional vs Raio x Contrastado

Raio x Convencional vs Raio x Contrastado

Mais à frente, vou trazer detalhes sobre a realização do raio x, o que ajudará na compreensão do exame considerado convencional.

O que muda para o contrastado é, como o nome sugere, a presença de contraste.

Essa é uma substância química administrada no paciente antes do exame, com o objetivo de qualificar as imagens geradas pela radiografia em determinadas partes do corpo.

O contraste se aplica a áreas que, geralmente, não seriam definidas com nitidez em uma radiografia convencional.

Dessa forma, o que ele faz é modificar a capacidade de absorção da radiação ionizante pelos tecidos durante o exame.

O raio x contrastado, assim como outros métodos de diagnóstico por imagem que usam a substância, costuma ser mais utilizado na investigação de males na região abdominal.

Ou seja, é um importante recurso para observar os sistemas digestivo, urinário e reprodutor.

Cabe ao médico solicitante do exame indicar no seu pedido o uso ou não de contraste na radiografia.

Como é feito o raio X?

Como é feito o raio X?

Como é feito o raio X?

O raio x é feito em equipamento específico, que pode ser fixo ou móvel, sendo manuseado por um técnico em radiologia.

Trata-se de um procedimento rápido, simples e indolor.

Para a sua realização, o profissional auxilia o paciente a posicionar a área do corpo investigada junto a um suporte do aparelho.

É por uma abertura ali existente que sairá a chamada radiação ionizante, responsável por gerar as imagens.

São partículas que saem do aparelho e atravessam o corpo do paciente. Parte delas é absorvida por estruturas anatômicas.

Na sequência, os raios chegam a uma chapa que está sob o paciente, cujo material é sensível à radiação. É nesse momento que há o registro de imagens.

Como destacado antes, elas são como fotografias que apresentam tons de cinza, preto e também branco.

A cor que aparece na radiografia depende de alguns fatores, como a densidade, já que o contato da radiação com os tecidos varia.

Aqueles mais densos são os que absorvem uma maior quantidade de radiação.

Quanto mais radiação é absorvida, mais intenso é o seu impacto com a chapa, o que gera imagens mais claras.

É por isso que partes como ossos aparecem brancas em todos os tipos de raio x, enquanto tecidos moles são revelados em tons mais escuros.

Importante dizer ainda que a radiação à qual o paciente é exposto no exame é pequena, embora associada ao desenvolvimento de câncer.

Mais à frente, você verá mais informações sobre os possíveis riscos do raio x.

Tipos de raio x

Tipos de raio x

Tipos de raio x

Chegou a hora de conhecermos alguns dos principais tipos de raio x disponibilizados para os cuidados de saúde.

Confira na lista abaixo os tipos de raio x:

Raio x do Tórax

O raio x do tórax pode ser indicado quando o paciente apresenta tosse, dificuldade para respirar e dor no peito, além de episódios de trauma, na análise pré-operatória e quando há suspeita de doença cardíaca.

Entre as patologias de investigação mais comum nesse exame, estão a pneumonia, tuberculose, câncer de pulmão, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e fraturas na região.

Raio x do Abdome

O raio x do abdome é um dos mais completos, pois abrange uma série de órgãos na região, como fígado, rins, intestinos, bexiga e estômago.

Ele pode ser solicitado quando o paciente relata dor na região, náusea, diarreia e sangue na urina (hematúria).

Também é realizado quando um objeto é engolido.

Raio x da Coluna

Sobre o raio x da coluna, a principal curiosidade é que não se trata de apenas uma radiografia, mas de quatro tipos de raio x diferentes.

São eles: raio x da coluna cervical, dorsal, lombar e lombo-sacra.

O exame avalia as vértebras e também espaços intervertebrais, podendo ser solicitado a partir de relatos de dor, traumas na região e histórico de desvios de coluna.

Luxações, hérnia de disco, escoliose, lordose e cifose são algumas das condições de saúde identificadas no raio x da coluna.

Raio x do Ombro

Este é um dos tipos de raio x mais específicos, já que se concentra em uma pequena região do corpo.

Pode avaliar as estruturas anatômicas da clavícula, omoplata e úmero.

Além de relatos de dor do paciente, o exame costuma ser indicado quando há suspeita de luxação, fratura, calcificação, tendinite calcárea ou artrose na região.

Raio x do Joelho

Raio x do Joelho

Assim como o ombro, no caso do raio x do joelho, predominam as indicações relacionadas a traumas, além de relatos de dor local.

Mas também quando a região apresenta deformidade, o médico pode solicitar o exame.

Há uma série de patologias que podem atingir o joelho e serem identificadas a partir de um raio x.

Além de fraturas e luxações, há tumores ósseos, artrose e a chamada Doença de Osgood-Schlatter – lesão caracterizada por um nódulo abaixo da rótula e que é causada por esforço repetitivo na infância.

Raio x da Face

Com o raio x da face, a equipe médica consegue investigar e descobrir possíveis lesões no local, como luxações e fraturas.

Também o exame é empregado quando há sinais de anormalidade no crescimento e falta de assimetria de qualquer parte do rosto, como na mandíbula e no osso maxilar.

Já o chamado raio x dos seios da face é aquele que avalia casos de sinusite, principalmente.

Raio x de Crânio

O raio x do crânio oferece uma série de possibilidades de diagnóstico.

Além de traumas, o que inclui fratura, os ossos também podem ser impactados por possíveis distúrbios de ordem metabólica ou endócrina.

Destaque ainda para as anomalias congênitas (originadas no nascimento), calcificação, tumores e tumores hipofisários (estes considerados benignos).

Raio x da Bacia

O raio x da bacia se aplica principalmente a partir de queixas de dor e traumas que gerem fraturas.

Mas há uma lista de doenças que podem ser detectadas com o exame.

Entre elas, tumores, osteoporose, artrose, espondilite anquilosante (uma espécie de artrite inflamatória na região), doença de Paget (caracterizada por ossos frágeis) e sacroileíte (inflamação do sacro e osso ilíaco).

Raio X Renal

A famosa pedra nos rins é um dos alvos desse tipo de raio x, mas ele também pode revelar nefrocalcinose, uma condição marcada pelo acúmulo de cálcio na região.

Nesse segundo caso, o exame permite uma importante abordagem precoce, já que a doença pode evoluir para a perda da função renal.

Possíveis riscos do raio X

Possíveis riscos do raio X

Possíveis riscos do raio X

Quando se fala em riscos do raio x, a atenção se volta à radiação ionizante, que é a energia utilizada para a realização do exame.

Sozinha, a palavra radiação já costuma provocar medo nas pessoas. Mas é preciso entender que, em um procedimento do tipo, a exposição do paciente a ela costuma ser controlada.

A radiação não deve ser usada em quantidade insuficiente, de modo a prejudicar os resultados, e nem acima da necessária, o que representaria uma importante ameaça à saúde do paciente.

Vale destacar que os aparelhos modernos são muito mais efetivos nessa tarefa, o que é fundamental para a segurança do exame.

Como já dito, a radiação ionizante está associada a alguns tipos de câncer e isso ocorre, principalmente, porque ela é capaz de alterar a estrutura das células.

Bem menos graves, podem ser registradas reações do tipo eritemas, caracterizada por vermelhidão na área exposta durante o exame, além de pequenas queimaduras.

Contraindicação do Raio X

Apesar da presença de radiação, são raros os casos de contraindicação para os diferentes tipos de raio x.

A principal delas se volta às mulheres grávidas, que não devem ser submetidas ao exame especialmente na fase inicial da gestação para a maior proteção do feto.

Também é preciso limitar a quantidade de radiografias em um curto período de tempo, justamente para evitar a exposição exagerada do paciente à radiação.

Já quando utiliza contraste, as restrições atingem especialmente portadores de insuficiência renal e hipertireoidismo.

Telerradiologia como solução na emissão de laudos a distância do raio x

Telerradiologia como solução na emissão de laudos a distância do raio x

Telerradiologia como solução na emissão de laudos a distância do raio x

De todos os exames de imagem, a radiografia é, sem dúvida, o mais solicitado pelos médicos.

E isso se deve justamente à variedade de tipos de raio x, como vimos ao longo do artigo.

Para garantir a sua acessibilidade ao procedimento em unidades de saúde, contribui o fato de ele poder ser realizado por um técnico em radiologia.

Por outro lado, há a exigência legal de um médico especialista para analisar as imagens, interpretar os resultados e apresentar um laudo com suas conclusões.

Para clínicas menores ou mesmo hospitais afastados dos grandes centros urbanos, esse é sempre um obstáculo.

Felizmente, a legislação permite e a tecnologia possibilita que uma possível carência de médicos não impeça a oferta do exame.

Graças à telemedicina, mais especialmente a telerradiologia, um raio x pode ser laudado por profissionais não presentes no local.

Para tanto, a unidade de saúde só precisa de um aparelho de raio x digital, que envia as informações diretamente ao computador e, dali, são disponibilizadas em uma plataforma de telemedicina.

Com login e senha, o especialista da empresa contratada acessa os dados, faz a interpretação, elabora o laudo médico e o assina digitalmente.

Suas impressões sobre o exame ficam também armazenadas em nuvem, na mesma plataforma, possibilitando o acesso pelos demais profissionais de saúde interessados e até mesmo pelo paciente.

Conclusão

Neste artigo, falei sobre os diferentes tipos de raio x, como o exame é feito e de que forma a tecnologia tem facilitado o acesso a esse método de diagnóstico médico.

Investindo na telerradiologia, qualquer clínica, consultório ou hospital pode oferecer radiografias.

Permita que a Telemedicina Morsch seja sua parceira nesse processo.

Entre em contato para conhecer soluções personalizadas e que cabem no seu orçamento.

Solicite o teste grátis para verificar na prática como os laudos à distância emprestam qualidade e agilidade aos diagnósticos.

Se o artigo foi útil para você, compartilhe em suas redes sociais e deixe um comentário abaixo.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp