Raio X: como funciona, para que serve e como interpretar

Por Dr. José Aldair Morsch, 19 de julho de 2022
Raio X

A descoberta do raio X, no final do século XIX, revolucionou a forma de diagnosticar doenças, inaugurando a era dos exames não invasivos.

Ou seja, dos procedimentos que permitem estudar partes internas do corpo de um jeito simples, sem precisar de cirurgia.

A ideia deu tão certo que, mais tarde, outros exames foram criados a partir desse mesmo conceito – a exemplo da tomografia computadorizada e da ressonância magnética.

Dispensando cortes e incisões, eles reduzem a morbidade e qualificam os cuidados de saúde.

Embora ofereçam imagens mais sofisticadas do que as radiografias, esses procedimentos não substituíram por completo o raio X, que é mais simples e tem custo menor.

Neste artigo, trago um panorama completo sobre a radiografia, incluindo tipos, resultados e avanços trazidos pela telemedicina.

Acompanhe até o final e boa leitura!

O que é raio X?

Raio X é um exame que usa radiação ionizante para captar imagens internas de diferentes partes do corpo.

Simples, rápida e indolor, a radiografia tem poucas contraindicações e auxilia no diagnóstico de uma série de lesões e patologias.

Isso é possível graças ao equipamento de raio X, que pode funcionar a partir de tecnologia convencional ou digital.

O exame analógico produz imagens sobre um filme radiológico, a partir de reações químicas desencadeadas pela radiação junto a partículas de prata presentes no material.

Já a radiografia digital envia os dados diretamente a um computador, sem precisar de revelação ou produtos químicos.

Falo mais sobre essa inovação nos próximos tópicos.

Para que serve o raio X

O raio X pode ser indicado para confirmar ou afastar uma suspeita clínica, ou até mesmo como suporte ao diagnóstico precoce.

É o caso de aparelhos especiais como o mamógrafo, utilizado no rastreio do câncer de mama, e do equipamento DXA para densitometria óssea.

Já os equipamentos padrão ajudam a detectar problemas como:

Como funciona o raio X

O exame de raio X começa com a orientação e posicionamento do paciente na maca do equipamento, a fim de facilitar a obtenção das imagens.

Para isso, a abertura do aparelho deve ficar direcionada à parte que será estudada (seios da face, tórax, coluna etc.).

Uma vez posicionado, o paciente precisa permanecer imóvel por alguns minutos, evitando prejudicar a qualidade dos registros.

Então, o equipamento pode ser ligado, dando início ao procedimento.

Um feixe de raios X é liberado através da abertura do aparelho, permitindo que as partículas atravessem a área examinada.

Parte dessa radiação ionizante será absorvida pelas estruturas anatômicas, enquanto o restante se chocará com uma placa fotossensível que fica abaixo do corpo do paciente.

É assim que as imagens radiográficas se formam, mostrando estruturas em branco, preto e tons de cinza.

Essa característica é reflexo das diferentes densidades dos tecidos humanos, que os torna mais ou menos rígidos.

Por serem mais densos, os ossos aparecem muito claros nas radiografias, enquanto órgãos como coração e pulmões aparecem em cinza, pois são menos densos.

Com densidade ainda mais baixa que as partes moles, o ar é retratado em preto.

Tipos de RX mais comuns

O raio X é extremamente versátil, oferecendo registros internos de várias partes do corpo.

Contudo, sua indicação é feita considerando os benefícios para o paciente, que será exposto a uma carga baixa de radiação ionizante.

Equipamentos modernos permitem ajustes na quantidade de raios emitidos, diminuindo o risco de câncer relacionado ao acúmulo de radiação no organismo.

Portanto, muitas vezes as vantagens superam os riscos, viabilizando um diagnóstico preciso e o tratamento adequado.

A seguir, comento rapidamente os principais tipos de raio X.

Se quiser aprofundar o assunto, leia este artigo que escrevi sobre o tema.

Exame de raio x

No raio x, a imagem é formada de acordo com a densidade dos tecidos, nas cores branco, preto e tons de cinza

Raio X do tórax

Costuma ser solicitado para investigar a suspeita de doenças cardíacas, pulmonares e lesões nos ossos da região, como as costelas.

Raio X da coluna

Hérnia de disco, escoliose e lordose estão entre as patologias diagnosticadas com o auxílio da radiografia da coluna.

O exame pode ser feito em toda a extensão da coluna ou nas porções cervical, dorsal, lombar e lombossacra.

RX do pulmão

Quadros infecciosos como pneumonia e tuberculose estão entre as condições identificadas por meio do raio X do pulmão.

Raio X do crânio

Evidencia as estruturas anatômicas da cabeça, possibilitando avaliar fraturas, anomalias congênitas, inflamações e tumores.

Raio X seios da face

Fornece uma fotografia interna do rosto do paciente, com destaque para os seios paranasais – cavidades aéreas localizadas no crânio, que se comunicam com as cavidades nasais.

Sinusite, desvio de septo e tumores estão entre os problemas visualizados através desse tipo de raio X.

Raio X do abdômen

Obstruções intestinais, pedras nos rins e sintomas como diarreia podem motivar o pedido pela radiografia abdominal.

Como a região tem muitas partes moles, o exame costuma ser feito com o suporte do contraste, uma substância que dá destaque aos órgãos estudados.

Raio X de membros inferiores

Possibilita a observação de anormalidades nos joelhos, pernas e pés, a exemplo de traumas, calcificações e luxações.

Radiografia de membros superiores

Ossos e músculos do ombro, braço, antebraço e mão são avaliados com a ajuda da radiografia dos membros superiores.

O que é raio X digital?

Raio X digital é a modalidade que converte a radiação em sinais elétricos, que são transformados em pixels (os menores pontos numa imagem digital).

A grande diferença entre o exame digital e o convencional está na tecnologia presente no equipamento de raio X.

Como expliquei antes, a radiografia convencional forma imagens em filmes radiológicos, que precisam ser revelados e podem ser danificados com o tempo.

Já a digital produz uma fotografia interna na tela do computador, exibindo os registros logo após a realização do exame.

Existem duas variações da radiografia digital: direta e indireta.

Na direta, a chapa fotossensível envia os dados do exame ao computador automaticamente, sem precisar de qualquer suporte.

A indireta armazena as imagens numa chapa eletrônica, que deve ser escaneada para a visualização num computador.

O procedimento de captação das imagens é praticamente o mesmo no raio X digital ou convencional.

A menos que sejam usados aparelhos de raio X digital portáteis.

Esses dispositivos permitem que a radiografia seja feita fora das unidades de saúde, agregando comodidade a pacientes acamados, por exemplo.

Opções digitais ainda têm a vantagem de preservar o meio ambiente, dispensando o uso de produtos tóxicos para a revelação de filmes radiológicos, como amônia e cromo.

Exame de radiologia

Os diferentes tipos de raio X oferecem registros internos de várias partes do corpo, ajudando nos diagnósticos

Como interpretar um raio X

Conhecer as propriedades das imagens radiográficas é apenas o primeiro passo para a interpretação do raio X.

Essa tarefa é reservada a radiologistas especializados no exame, por determinação do Conselho Federal de Medicina (CFM).

São eles que detêm o conhecimento técnico necessário para analisar detalhes anatômicos e funcionais importantes, identificando alterações na radiografia.

Além de avaliar os achados, considerando fatores como:

  • Posicionamento do paciente, que é fundamental para a obtenção das incidências solicitadas. Lembrando que a incidência radiológica revela a trajetória ou direção do raio central emitido pelo equipamento de raio X, e geralmente é marcada no canto superior dos registros do exame
  • Distorções esperadas no formato das estruturas anatômicas, conforme a incidência e o ponto de vista da radiografia
  • Rotação do paciente, que é uma falha comum decorrente do mau posicionamento na hora do exame. É preciso aplicar os parâmetros adequados para confirmar que a posição está correta
  • Penetração dos raios X, que deve ser precisa para permitir a observação de alterações radiopacas
  • Movimentos de inspiração ou expiração, que interferem em exames torácicos, por exemplo, aumentando ou diminuindo o volume dos órgãos
  • Suspeita clínica, que oferece dados preliminares sobre a condição do paciente
  • Histórico de saúde e exames anteriores.

Resultado do exame de raio X

A partir da análise das imagens radiográficas, o radiologista anota suas observações e conclusão no laudo médico.

Esse documento atesta se o raio X tem resultado normal ou alterado, ou seja, se há indício de doenças.

Quando são vistas obstruções nos vasos sanguíneos que irrigam o coração, por exemplo, o paciente pode sofrer com doença arterial coronariana (DAC).

No entanto, o diagnóstico não se baseia apenas nas imagens da radiografia, sendo necessário complementar esses dados com o histórico de saúde, sintomas e hábitos do doente.

Assim como no pneumotórax, uma emergência médica caracterizada pela entrada de ar no espaço pleural.

Geralmente, essa faixa de ar pode ser vista no raio X torácico e o diagnóstico, confirmado na presença de sinais como falta de ar e dor no peito.

Cálculos (pedras) nos rins ou na vesícula são outros achados visíveis nas imagens radiográficas, principalmente quando possuem grande quantidade de cálcio.

Nesses casos, dores abdominais e sangue na urina (para cálculo renal) costumam sustentar o diagnóstico.

Laudo de raio X à distância

As vantagens da radiografia digital vão além da comodidade e rapidez para exibição das imagens.

Seus registros podem ser interpretados remotamente via plataforma de telemedicina, gerando o laudo digital.

Tudo começa com o compartilhamento das imagens radiográficas dentro do sistema de telemedicina, permitindo que sejam acessadas à distância por um especialista.

Essa etapa é simples, podendo ser feita pelo próprio técnico em radiologia que fez o raio X.

Em seguida, o radiologista online analisa os achados sob a luz da suspeita clínica, histórico e exames anteriores do paciente.

Todas essas informações podem ser enviadas pela plataforma, ou visualizadas no prontuário digital armazenado na nuvem.

O especialista elabora o laudo online, comentando detalhes das estruturas registradas e sua conclusão.

Ele também inclui sua assinatura digital no documento, garantindo a autenticidade e concordância com as normas das autoridades de saúde.

Modelo de laudo de RX

Laudo de RX que é entregue ao paciente.

É assim que a telemedicina viabiliza a entrega de laudos de raio X em minutos, num ambiente seguro e acessível a partir de qualquer lugar do mundo.

Conheça a seguir mais benefícios de contratar o serviço de laudos à distância.

Vantagens do laudo online na radiologia

A emissão de laudo digital faz parte dos serviços viabilizados pela telerradiologia.

Essa é uma subespecialidade da telemedicina, que contempla uma série de procedimentos radiológicos passíveis de interpretação remota.

Softwares bem estruturados como o da Telemedicina Morsch possuem PACS em nuvem para receber arquivos digitais dos exames radiológicos, facilitando seu compartilhamento.

O sistema PACS (Picture Archiving and Communication System) possibilita a comunicação e o arquivamento de imagens radiológicas de maneira segura e padronizada.

O software Morsch ainda agrega vantagens como:

  • Armazenamento na nuvem, com mais espaço e segurança para seus arquivos digitais por meio de mecanismos de autenticação e criptografia
  • Agilidade na emissão dos laudos, acabando com as longas filas de espera para diagnosticar patologias
  • Economia para estabelecimentos de saúde, profissionais e pacientes, que não precisam se deslocar para receber atendimento
  • Democratização no acesso a especialistas, que estão concentrados nos centros urbanos brasileiros. Com a telemedicina, é possível dispor de seus conhecimentos em cidades pequenas e até locais remotos
  • Ampliação do portfólio de exames, delegando sua interpretação aos especialistas da Telemedicina Morsch
  • Diminuição da sobrecarga de trabalho da equipe médica, liberando os radiologistas in loco para que se dediquem a um atendimento humanizado, sem precisar gastar horas com a interpretação de exames
  • Laudos online disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana. Os documentos podem ser visualizados por médicos, profissionais de saúde, pacientes e acompanhantes portando login e senha
  • Segunda opinião médica para discutir casos complexos ou dúvidas sobre os laudos
  • Cobertura de diversos exames, incluindo: radiologia geral, raio de tórax padrão OIT, mamografia, densitometria óssea, tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética
  • Time formado por 300 especialistas em todas as áreas da medicina.

Clique aqui e leve já essa inovação para sua clínica!

Conclusão

Após mais de um século de sua invenção, o raio X segue apoiando o diagnóstico de diferentes doenças.

Seu bom custo-benefício justifica essa popularidade, mantendo as radiografias na rotina de várias unidades de saúde.

Com a Morsch, fica mais simples otimizar os resultados do raio X, deixando essa tarefa a cargo do nosso time de radiologistas qualificados.

Experimente hoje mesmo essa e outras vantagens da telemedicina e eleve as receitas do seu negócio!

Se gostou deste conteúdo e quer ser avisado sobre os próximos, assine nossa newsletter.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE