O que é Ressonância Magnética? Como funciona?

Por Dr. José Aldair Morsch, 10 de novembro de 2016
aparelho de ressonância magnética

Os exames de diagnóstico por imagem, como raios-X, tomografia e ressonância magnética, possibilitaram que os médicos tivessem uma visibilidade com maior definição das estruturas internas dos órgãos.

O que é a ressonância magnética?

As condições patológicas antes nem imaginadas que acometem cada paciente, agora esclarecidas com a ressonância magnética, garante, por consequência, tratamentos mais eficientes.

A redução da mortalidade é nítida para quem tem acesso ao aparelho de ressonância magnética.

A medicina evolui junto com a tecnologia, isso permite o constante lançamento de novos exames com mais qualidade e menos risco para os pacientes.

Solicite um orçamento

Atualmente, com a telemedicina, eles ganham um alcance ainda maior.

Vamos acompanhar nesse artigo tudo sobre o exame e seus benefícios.

O que é Ressonância Magnética?

O que é a ressonância magnética?

A ressonância magnética é um exame de diagnóstico por imagem que consegue criar imagens de alta definição dos órgãos internos através da utilização de campo magnético.

A agitação das moléculas gerada pelo campo é captada pelo aparelho e transferido para um computador que foi preparado com uma série de fórmulas matemáticas e com isso.

O resultado dos cálculos é decodificado em imagem em alta definição, de acordo com a potência de até 3 tesla do aparelho de ressonância, sem prejuízo ao paciente.

O exame de ressonância magnética não utiliza radiação ionizante, porém uma vez que o aparelho tem um potente campo magnético é preciso tomar cuidado para não utilizar elementos metálicos durante o exame como:

  • Jóias.
  • Objetos metálicos.
  • Maquiagem.
  • Placas utilizadas por ortopedistas para fixação dos ossos ou até mesmo marcapassos mais antigos.

Para que serve a ressonância magnética?

exame ressonância magnética?

É um exame médico que usa imagens em alta definição para visualizar a maioria dos órgãos internos do nosso corpo, como cabeça, pescoço, tórax, abdome e membros.

A ressonância magnética se destaca como o melhor exame de imagem médica por não utilizar radiação ionizante para gerar as imagens, com isso, não traz riscos para o paciente.

Quanto existem dúvidas nos resultados de Rx digital ou tomografia computadorizada, a ressonância magnética é indicada para esclarecer o diagnóstico e propor com isso a melhor alternativa de tratamento.

Diferente da tomografia computadorizada que usa contraste iodado, o exame de ressonância magnética usa o gadolíneo que traz menos reações alérgicas e menos comprometimento da função renal.

Como é feita a ressonância magnética?

ressonancia magnetica

A execução da ressonância magnética costuma durar cerca de 30 minutos à partir do momento que o paciente foi colocado no aparelho de ressonância nuclear magnética e não provoca nenhum tipo de dor.

Alguns pacientes podem sentir desconforto por ficarem em um espaço fechado e sem poder se mover, mas o ambiente é preparado com uma atmosfera agradável, incluindo para pacientes pediátricos.

Preparação para a ressonância magnética

No horário marcado o paciente é preparado, colocando um avental do serviço, feito perguntas sobre uso de próteses metálicas, uso de marcapasso, medo de lugares fechados, medicamentos que usa, cirurgias prévias, motivo do exame.

Após assinar um termo de consentimento ele é levado para a sala de exame, é deitado na mesa do exame que leva para o interior do aparelho e para assim, iniciar o exame de RM.

Durante a execução dos cortes com emissão de ondas de rádio ocorre a formação de um barulho alto, incomodativo, por isso é colocado um protetor de ouvido e junto com a mão do paciente fica um dispositivo para chamar e técnico no caso de algum desconforto.

Durante todo o tempo o técnico que fica numa sala ao lado monitorando se comunica com o paciente por meio de um interfone e presta toda a ajuda necessária para reduzir ao máximo o desconforto do paciente.

Para que esse mapeamento com cortes precisos seja correto, o paciente precisa ficar imobilizado, pois um deslocamento de apenas 3 milímetros pode inutilizar completamente o procedimento.

Após a finalização do exame o paciente é conduzido para a sala de vestir, se troca e é liberado, orientado para pegar o resultado do exame depois de 3 dias a 1 semana.

História da ressonância magnética

Para que serve o exame de ressonância magnética?

As primeiras pesquisas envolvendo a ressonância magnética foram publicadas na década de 50, especialmente por dois grupos de pesquisadores que trabalhavam separadamente.

Um deles era liderado por Felix Bloch, na Universidade de Stanford, e o outro era comandado por Edward Purcell, em Harvard.

Os dois estudiosos ganharam o Prêmio Nobel de Física em 1952, reconhecidos pela descoberta de que o núcleo atômico, realizando um movimento de rotação em uma faixa de radiofrequência, é capaz de emitir um sinal detectável por um receptor de rádio.

Com base nesse princípio, a ressonância magnética, cujo nome completo é ressonância nuclear magnética, funciona por meio da criação de um campo magnético e de ondas de radiofrequência que atravessam o corpo do paciente.

O aparelho de ressonância magnética é capaz de captar as ondas eletromagnéticas e, com auxilio da matemática e informatica, obter informações detalhadas a respeito de órgãos e tecidos internos, tudo isso com imagens de alta definição.

Esse exame foi realizado pela primeira vez em 3 de julho de 1977, mas levou cinco horas para que uma imagem fosse finalmente gerada.

E mesmo assim, sua qualidade era bastante baixa, especialmente se comparada às que são obtidas hoje em dia.

Tipos de ressonância magnética

tipos ressonância magnética

Ressonância magnética do tórax, abdome ou bacia:

Serve para diagnosticar infecções, inflamações, tumores ou massas em órgãos como útero, ovários, intestino grosso ou intestino delgado, próstata, vesícula seminal, bexiga, pâncreas, coração, pneumonias, enfisemas, bolas fúngicas no tórax.

Ressonância magnética do crânio:

Investiga alterações nos vasos sanguíneos do crânio, chamadas de malformações cerebrais, hemorragia interna espontânea no hipertenso, trombose cerebral, também conhecida como AVC, tumores cerebrais, inflamações, infecções no cérebro ou nas suas veias; Alzheimer, demência, esclerose múltipla.

Ressonância magnética da coluna e articulações sacro-ilíacas:

Investiga problemas na coluna como espondilite anquilosante e medula espinhal, como tumores, calcificações ou fragmentos de ossos, após fraturas ou corpo estranho após ferimento por arma de fogo.

Ressonância magnética de articulações como ombro, cotovelo, punho, joelho ou tornozelo:

Serve para avaliar os tecidos moles dentro da articulação, como a bursites, tendinites e ruptura de ligamentos.

7 Vantagens da ressonância magnética

ressonância magnética como funciona

  1. Possibilidade de diagnóstico por imagem de doenças em estágio inicial que não aparecem na tomografia.
  2. Possibilidade de investigação de patologias cerebrais em primeiro estágio.
  3.  A ressonância magnética não oferece danos ou efeitos colaterais à saúde do indivíduo após ser realizada, pois não usa radiação ionizante.
  4. O exame, além de rápido (com duração de em média 30 minutos), é totalmente indolor.
  5. A ressonância, diferentemente da tomografia, não utiliza contraste iodado.
  6. Pode ser repetida quantas vezes precisar.
  7. A descrição das doenças em detalhes é muito mais completa.

Indicações da ressonância

ressonância magnética

É indicada em investigação de pelo menos 9 doenças:

  1. Diagnosticar esclerose múltipla.
  2. Diagnosticar tumores na glândula pituitária  e outros tumores no cérebro.
  3. Diagnosticar infecções ou inflamações no cérebro, medula espinal ou articulações.
  4. Visualizar ligamentos rompidos no pulso, joelho, ombro e tornozelo.
  5. Diagnosticar tendinite, hérnias de disco, calcificações.
  6. Avaliar massas ou cistos nos tecidos macios do corpo.
  7. Avaliar tumores ósseos, cistos e hérnias de disco na coluna.
  8. Investigar AVC – Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico.
  9. Fazer o diagnóstico confirmatório de Espondilite Anquilosante.

A telemedicina é bastante útil quando o paciente precisa de uma ressonância com resultado rápido feito por um radiologista especialista em uma determinada área do corpo, pois pode ser realizada em qualquer lugar.

Veja a seguir.

Neste momento entra a Telemedicina

ressonância magnética telemedicina

Se a Clínica de radiologia contratar os serviços de telemedicina, consegue liberar o exame em até 30 minutos ou imediatamente nas urgências.

O aparelho de ressonância magnética é configurado para enviar os registros direto para o PACS da Telemedicina e uma equipe de especialistas logados na plataforma online interpreta os exames e assina os laudos digitalmente.

Essa facilidade de obter o laudo a distância ajuda o paciente a fazer o diagnóstico rápido, reduzindo os custos para a Clínica de radiologia.

Quando a clínica ou o hospital não contam com um especialista para avaliar as imagens e emitir o laudo, elas podem ser enviadas para um médico de outra cidade, estado e até país, para que sejam analisadas à distância, usando uma plataforma de Telemedicina.

Por conta disso, a telemedicina representa um avanço ainda maior da tecnologia usada a serviço da saúde.

Em resumo, a ressonância magnética é o melhor exame de imagem na atualidade para investigar doenças complexas com imagens em alta definição do interior do corpo humano.

A maioria das especialidades se beneficia com a ressonância magnética, desde a neurologia na investigação de doenças neurológicas como esclerose múltipla, espondilite anquilosante, até a cardiologia nas doenças do músculo cardíaco e coronárias.

A novidade é que clínicas de radiologia podem contar com a interpretação dos exames a distância em várias especialidades que só existem nos grandes centros.

a Telemedicina e Telessaúde ajudam locais mais retirados, nos quais o corpo clínico dos centros de saúde é mais limitado.

Eles podem contar com exames precisos e detalhados como a ressonância magnética com contraste, recebendo os laudos médicos em poucas horas, sem que o paciente precise se deslocar para centros maiores.

CLIQUE AQUI PARA SABER A DIFERENÇA ENTRE A TOMOGRAFIA E RM

A ressonância magnética apesar de ser o exame de imagem mais específico na atualidade, é restrito em função do alto custo e da estrutura necessária para montar o serviço.

Aproveitar os benefícios da Telemedicina para interpretar os exames irá baratear os custos nos laudos médicos e disponibilizar uma oportunidade maior para a população de sua região

Gostou do conteúdo?

Então não esqueça de compartilhar nas redes e assinar nosso blog!

Se tem alguma dúvida ou observação, não esqueça de deixar seu comentário.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp