5 dicas de como realizar o planejamento financeiro para clínica médica

Por Dr. José Aldair Morsch, 15 de novembro de 2019
planejamento financeiro

Planejamento financeiro em uma clínica médica é fundamental. Sabemos que cuidar da saúde do paciente é o objetivo principal, mas, sem um controle adequado das receitas e gastos, todo o esforço em fornecer um bom atendimento pode ser em vão.

Por isso, é importante que os gestores saibam quais são as estratégias que funcionam para manter em dia o orçamento do local.

Com a grande quantidade de tarefas para serem realizadas diariamente, às vezes, é desafiador ter controle de alguns aspectos como fluxo de caixa, pagamentos pendentes, receitas e assim por diante.

No entanto, colocando em prática no dia a dia algumas sugestões deste texto, você será bem-sucedido em seu planejamento.

Selecionamos 5 dicas sobre o assunto para você alcançar um bom desempenho financeiro em sua clínica médica. Continue a leitura!

Solicite um orçamento

1. Faça diariamente o fluxo de caixa

O fluxo de caixa é uma etapa importante de seu controle financeiro, já que não ter registradas as entradas e saídas da clínica pode causar prejuízos e desorganização.

Com a movimentação constante de pacientes e colaboradores no local, é essencial que o monitoramento de contas e receitas geradas seja feito.

É por meio do fluxo de caixa que você visualiza quais foram os recebimentos lançados em determinada data e, também, quais as despesas da clínica, como gasto com fornecedores e pagamentos fixos.

A partir dessas informações fica mais fácil entender como está o rendimento e quais foram os maiores custos.

O indicado é fixar um período para conferir com cautela o fluxo de caixa.

Isso precisa ser pensado de acordo com a realidade do estabelecimento — alguns gestores optam por uma verificação mensal, outros preferem fazer semanalmente ou a cada três meses.

Ter um ou mais colaboradores de confiança que realizam o lançamento desses dados no sistema pode ser uma ótima saída nesses casos.

Isso diminui o risco de incompatibilidade de valores ou, ainda, a ausência de um registro importante que impacte o planejamento financeiro.

2. Contrate pessoas especializadas

Ter uma equipe especializada e que consiga gerenciar, de modo organizado, a área financeira da clínica faz toda a diferença e resulta em benefícios.

Existem empresas que prestam esse tipo de serviço, fornecendo o suporte necessário para administrar os lançamentos do melhor modo possível.

Um ponto positivo é a redução de erros associados aos lucros e gastos, já que a contratação de pessoas capacitadas para realizar esse controle minimiza as chances disso acontecer.

Por outro lado, quando funcionários da clínica executam o trabalho mesmo sem um prévio conhecimento do assunto, aumenta a probabilidade de falhas tanto em funções operacionais quanto em ações estratégicas.

3. Conte com a tecnologia

O uso de ferramentas tecnológicas tem se tornado um aliado poderoso na gestão financeira de empresas.

Quando falamos em clínica médica não é diferente, pois são diversas as vantagens de adotar um software que auxilia no controle de custos e receitas.

Com isso, você tem acesso rápido a todas as movimentações da clínica e, ainda, consegue visualizar relatórios que analisam o orçamento financeiro.

Verifique quais são as necessidades de sua clínica e os recursos que você precisa para tornar o gerenciamento financeiro mais eficiente.

No mercado, existe uma série de ferramentas com diferentes objetivos, por isso é importante entender que tipo de solução contratar e qual delas realmente representa a necessidade do estabelecimento.

Apesar do investimento inicial, o uso da tecnologia é um recurso que, em longo prazo, pode ter bons resultados, principalmente quando o assunto é organização financeira.

Com as opções disponíveis, dá para integrar dados e acompanhar de forma simplificada vários aspectos da clínica, como fluxo de caixa, valores pendentes, despesas mensais e assim por diante.

Além disso, a utilização de softwares específicos colabora com a produtividade da equipe, pois com a implementação da ferramenta os processos internos são otimizados e a gestão financeira se torna mais fácil e rápida.

4. Não misture as contas pessoais com as da clínica

Em algumas clínicas médicas, é comum que os gestores e demais colaboradores misturem as contas pessoais com as da empresa, ou seja, não é feita uma separação entre o que é relacionado ao estabelecimento e aquilo que não é.

Ainda que pareça uma prática inofensiva, fazer isso pode gerar prejuízos para o negócio, principalmente porque não há o controle adequado de gastos, investimentos e os lucros.

O fluxo de caixa precisa estar direcionado somente para as necessidades da clínica, para não se perder o controle das movimentações.

Portanto, alinhe com todos os funcionários que o gerenciamento financeiro da empresa envolve um acompanhamento completo de valores e que, por isso, não é permitido a junção de contas e lucros com a conta pessoal de nenhum colaborador.

5. Separar contas a pagar e a receber

Fazer a separação de contas que ainda estão pendentes e precisam ser pagas daquelas receitas que a clinica ainda precisa receber é uma maneira de se organizar financeiramente.

Assim, fica mais fácil ter estimativas e previsões sobre o orçamento de cada período, evitando que as despesas sejam maiores do que os recebimentos, por exemplo.

Uma situação que pode ocorrer caso não seja feita essa separação é a falta de controle sobre o que já foi pago.

Em muitos casos, as clínicas pagam faturas e contas de forma duplicada ou, até mesmo, o pagamento é esquecido e a dívida fica pendente.

Então, utilize planilhas ou softwares para gerenciar e busque fazer a separação desses dois aspectos para não causar nenhum problema ou troca de informação que afete o orçamento da clínica.

Conclusão

O planejamento financeiro de uma clínica médica é tão importante quanto zelar pelo bom atendimento aos pacientes.

É por meio de um controle adequado e compatível com as necessidades do estabelecimento que será possível organizar todos os lucros e gastos sem estresse.

Como mencionamos ao longo do post, algumas dicas são práticas e podem ser aplicadas para garantir uma melhor organização, como o uso de ferramentas tecnológicas, o monitoramento do fluxo de caixa e a contratação de pessoas especializadas no assunto.

Já que você tem interesse em impulsionar o crescimento de sua clínica médica, leia também nosso post sobre como fazer marketing e ter bons resultados!

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos e se inscreva na nossa newsletter para receber conteúdo como esse toda semana no seu e-mail.

Até a próxima!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp