Tipos de exames cardiológicos: 11 exames cardíacos mais realizados

Por Dr. José Aldair Morsch, 28 de dezembro de 2018
Tipos de exames cardiológicos: 11 exames cardíacos mais realizados

O coração é um dos órgãos mais sensíveis do corpo humano, o que justifica a existência de diferentes tipos de exames cardiológicos.

Eles servem tanto para a prevenção quanto para o acompanhamento de doenças cardíacas.

Cada um possui suas especificidades no que diz respeito à realização e, principalmente, na interpretação dos resultados.

Essa realidade exige alta qualidade no processo, tanto no aparato tecnológico envolvido, na escolha de equipamentos modernos e na designação de profissionais experientes e habilitados.

Neste artigo, vou explicar quais são os tipos de exames cardiológicos, os seus objetivos e também como a telemedicina surge como solução de laudo a distância na cardiologia para sua clínica.

ORÇAMENTO

Boa leitura!

Quais são as doenças cardiológicas mais comuns?

Quais são as doenças cardiológicas mais comuns?

Quais são as doenças cardiológicas mais comuns?

Em todo o mundo, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte, segundo dados da Opas, a Organização Pan-Americana da Saúde.

Em 2016, por exemplo, o total de óbitos relacionados a essas patologias foi de 17 milhões.

Apenas no Brasil, são cerca de 300 mil casos por ano, muitos deles caracterizados não como doenças do coração, mas como emergências médicas relacionadas ao órgão.

Entre as patologias, as mais comuns são as seguintes:

  • Arritmias: alterações nos batimentos cardíacos
  • Cardiomiopatias: dificuldade no fornecimento de sangue ao corpo pelo coração
  • Pericardite: inflamação do pericárdio – membrana que envolve o coração
  • Parada cardíaca: interrupção súbita e inesperada da função cardíaca
  • Valvulopatias: doenças das válvulas cardíacas, como estenose e insuficiência
  • Cardiopatias congênitas: malformações cuja origem está na formação do coração no feto
  • Doença arterial coronariana: inclui casos de infarto
  • Doenças vasculares: como o AVE ou AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Objetivos dos exames cardiológicos

Objetivos dos exames cardiológicos

Objetivos dos exames cardiológicos

Como expliquei no início deste artigo, os diferentes tipos de exames cardiológicos podem ser solicitados para finalidades diversas.

Para o melhor entendimento, separei seus objetivos em três grandes grupos: prevenção, investigação específica e acompanhamento.

Confira os detalhes sobre cada um nos próximos tópicos.

Preventivo ou check up

A realização de exames preventivos para a saúde cardíaca é indicada tanto para homens quanto para mulheres.

Essa avaliação cardiológica deve ser buscada a partir dos 35 a 40 anos de idade.

Por outro lado, se o indivíduo realiza atividade física intensa (como no caso de atletas) ou se possui histórico de doença cardiovascular na família, é indicado que os cuidados preventivos comecem antes, já por volta dos 30 anos.

Sinais de alerta entre os familiares envolvem casos de infarto, de AVC e de aterosclerose, entre outros.

Sem realizar nenhum dos tipos de exames cardiológicos voltados à prevenção, o indivíduo pode descobrir uma doença muitos anos depois de ela estar instalada, o que prejudica o tratamento.

Investigação de doenças cardíacas específicas

Exames podem ser solicitados pelo médico que acompanha o paciente sempre que houver suspeita de doença cardíaca.

Nesses casos, o teste em questão serve para confirmar ou descartar essa suspeita.

A necessidade da sua realização surge em consultas de rotina, a partir de queixas do paciente.

Inicialmente, podem não ter relação alguma com o coração, como nos relatos de falta de ar, por exemplo.

No entanto, alguns dos diferentes tipos de exames cardiológicos podem descobrir que a origem desse sintoma está justamente em um problema cardíaco.

Queixas de dor no peito, como nos casos de angina, são outro cenário comum para a realização dessa investigação.

Acompanhamento de doenças cardíacas

Determinadas doenças que afetam o coração exigem o acompanhamento médico sobre a sua evolução, verificando a resposta ao tratamento e o efeito de medicamentos utilizados nele.

Um bom exemplo são as arritmias, caracterizadas por batimentos do coração muito rápidos (taquicardia) ou muito lentos (bradicardia).

A realização de exames periódicos nesses casos é muito importante porque as arritmias podem levar a paradas cardíacas e casos de morte súbita.

Vale o mesmo para cardiopatias congênitas.

Algumas exigem acompanhamento médico por toda a vida do indivíduo, enquanto outras são passíveis de tratamento e de correção ao longo do tempo.

Tipos de exames cardiológicos

Tipos de exames cardiológicos

Tipos de exames cardiológicos

Cada um dos diferentes tipos de exames cardiológicos tem indicações específicas.

Eles podem ser solicitados pelo médico tanto na prevenção quanto na investigação e acompanhamento de doenças.

A seguir, falo com mais detalhes sobre os principais.

Radiografia do tórax

O raio x do tórax é utilizado para a avaliação da estrutura do coração, incluindo o seu  tamanho.

Também permite ao médico ter uma visão geral sobre todo o complexo sistema de veias, vasos e artérias.

Até mesmo o pulmão recebe atenção especial no exame, pois uma alteração nesse órgão pode ter origem em um problema cardíaco.

A radiografia de tórax é executada por um técnico em radiologia e seus resultados são analisados e interpretados por um médico especialista em radiologia médica.

O exame é bastante simples e rápido, oferece riscos controlados de exposição à radiação ionizante, mas é contraindicado para gestantes, especialmente nos primeiros meses de gravidez.

Eletrocardiograma

O eletrocardiograma (ECG) avalia a atividade elétrica do coração, o que permite verificar se os padrões encontrados são normais ou indicam alguma anomalia, como problemas no ritmo cardíaco.

Arritmias, aumento de cavidades cardíacas e outras patologias coronarianas podem ser observadas no exame.

Para a sua realização, são posicionados eletrodos no tórax e membros superiores e inferiores do paciente.

O exame também é utilizado para detecção de doenças que podem afetar o coração, ainda que não tenham origem nele.

É o caso, por exemplo, do hipertireoidismo: os altos níveis de hormônios da glândula tireoide podem resultar em batimentos cardíacos irregulares.

Teste ergométrico

O eletrocardiograma de esforço é também chamado de teste ergométrico.

O exame segue a mesma lógica do ECG normal, com a colocação de eletrodos nos braços, tornozelos e tórax do paciente.

Mas a diferença é que, como o nome sugere, os dados são colhidos enquanto o paciente realiza esforço físico.

Para isso, ele pode tanto caminhar ou correr em uma esteira quanto pedalar em uma bicicleta ergométrica.

A sua realização é acompanhada por profissional treinado e equipamentos de primeiros socorros – ainda que anormalidades durante o exame sejam raras.

Holter

O holter é um tipo de eletrocardiograma de alta duração. O que o exame faz é estender o tempo de observação da atividade elétrica do paciente, algo bastante útil para o diagnóstico e acompanhamento de arritmias, por exemplo.

Sua realização depende de um aparelho do tamanho de um telefone celular, com bateria própria, que fica com o paciente durante 24 horas, posicionado na altura da sua cintura.

Também a partir de eletrodos, como em um ECG normal, são coletados dados durante as atividades de rotina.

Angina, pericardite, infarto e isquemia miocárdica são outras condições médicas cujo diagnóstico se favorece da utilização do holter 24 horas.

MAPA

Tipo de exame cardiológico - MAPA Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial

MAPA é a sigla para Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial em 24 horas.

Seu funcionamento é parecido com o do holter, embora tenham objetivos bastante diferentes.

Enquanto o holter investiga arritmias, o MAPA acompanha casos de hipertensão e hipotensão – pressão alta e baixa, respectivamente.

A partir de um aparelho posicionado no braço do paciente, são realizadas medições automáticas da pressão arterial a cada 15 minutos.

Os dados são registrados em outro aparelho, este instalado na cintura do paciente.

O exame é requisitado quando há necessidade médica de acompanhar o comportamento da pressão arterial ao longo do dia.

Ecocardiograma

O ecocardiograma é uma ultrassonografia do coração, exame que constrói imagens do órgão a partir do som.

Através dele, é possível definir o tamanho do coração, conhecer a sua forma, verificar movimentos, avaliar a força de bombeamento e até mesmo identificar em que direção e com que velocidade ocorre o fluxo sanguíneo nas cavidades cardíacas.

Quando associado ao Doppler, o ecocardiograma resulta em imagens coloridas e em 3D, o que amplia a capacidade de visualização de detalhes funcionais e anatômicos do órgão.

O exame costuma ser solicitado quando há queixas de palpitações, falta de ar, desmaio e dores no peito, além do acompanhamento de cardiopatias congênitas, insuficiência cardíaca e outras doenças do músculo e das válvulas cardíacas.

Cintilografia do miocárdio

A cintilografia do miocárdio é um exame empregado na avaliação do fluxo sanguíneo nas artérias coronárias e da sua distribuição ao músculo cardíaco.

Dessa forma, pode detectar até mesmo problemas graves no coração, como a possibilidade de infarto agudo do miocárdio.

Sua realização depende do uso de contraste, substância injetada no paciente, que permite melhor visualização da área estudada.

A cintilografia pode ser requisitada pelo médico em casos de insuficiência cardíaca, transplante do coração e doenças valvulares, mas também a partir de queixas de dores no peito, a critério do médico.

Cateterismo

O cateterismo cardíaco, ou angiografia coronária, é um exame destinado ao diagnóstico ou tratamento do infarto e da angina.

É realizado a partir da introdução de um tubo fino e flexível em artéria do braço ou da perna do paciente, sendo conduzido dali até o coração.

Dessa forma, permite ao médico examinar o interior dos vasos sanguíneos e até mesmo remover placas de gordura no local.

Esse é um procedimento que só pode ser realizado em hospitais de referência em cardiologia, sendo conduzido por médico especialista.

Os principais riscos do cateterismo envolvem sangramentos, lesões e alterações nos batimentos cardíacos.

Ressonância magnética do coração e vasos

A ressonância magnética representa uma evolução do raio x, pois permite o diagnóstico por imagens, mas sem utilizar radiação ionizante.

Graças à sua evolução, é hoje um dos principais tipos de exames cardiológicos, oferecendo dados anatômicos em alta definição.

É empregada em casos de cardiopatias congênitas, pericardites, doenças da artéria aorta, tumores e também para a avaliação funcional do coração.

A partir dela, o médico pode conduzir melhor a abordagem sobre fibroses, inflamações e também na isquemia miocárdica.

O exame dura cerca de 40 minutos, é seguro e não invasivo. Em pacientes que apresentam claustrofobia, pode ser aplicada uma sedação leve.

Tomografia do coração e vasos

A tomografia computadorizada do coração é um exame não invasivo e bastante seguro, geralmente utilizado a partir de queixas de dor torácica.

Sua realização pode diagnosticar doenças coronárias sem o emprego de contraste.

Outra aplicação importante se dá na detecção da aterosclerose mesmo quando ainda não existem sintomas, na chamada fase subclínica da doença.

Também é um exame solicitado na avaliação coronariana pré-operatória em cirurgias não cardíacas.

Já na angiotomografia coronariana, que utiliza contraste, são investigadas possíveis obstruções nas artérias, alcançando uma precisão muito maior que a do cateterismo, por exemplo.

Angiografia digital

A angiografia digital é um exame de imagem que estuda os vasos sanguíneos em veias e artérias.

Ele utiliza contraste para qualificar a visualização das áreas investigadas, permitindo detectar tumores, coágulos e outras anormalidades, como obstruções e aneurismas, que são dilatações das estruturas.

Dessa forma, é um importante instrumento preventivo ao infarto agudo do miocárdio e à angina.

O exame é realizado em hospitais, dura cerca de uma hora e os riscos são mínimos, especialmente relacionados a uma possível reação alérgica à substância do contraste.

Telemedicina como solução de laudo a distância na cardiologia

Telemedicina como solução de laudo a distância na cardiologia

Ao conhecer os diferentes tipos de exames cardiológicos, fica claro que estamos falando de procedimentos de grande importância e exigência.

Além de contar com profissionais treinados para a sua realização, clínicas e hospitais dependem de um corpo médico qualificado para a interpretação dos resultados.

É justamente aí que a telemedicina mais pode contribuir como solução na cardiologia para sua clínica.

Isso aparece, por exemplo, ao obter uma segunda opinião para que o tratamento seja conduzido da forma mais assertiva possível.

Já na falta de médicos habilitados à análise dos resultados, contratar uma empresa de telemedicina significa ter acesso a laudos a distância de maneira ágil e qualificada.

Esse é um investimento de custo bastante inferior ao da contratação de cardiologistas, necessários para a oferta de uma série de exames.

Através de uma plataforma de telemedicina, os dados são mantidos em segurança e os laudos ficam prontos em pontos minutos.

Em situações de urgência, a Telemedicina Morsch libera os documentos em tempo real.

E se a unidade de saúde não tiver os aparelhos necessários para realizar os exames, pode recorrer ao comodato.

Nesse regime, ela contrata os laudos e pode usar sem custos durante a parceria aparelhos para eletrocardiograma digital, holter 24 horas e MAPA de pressão arterial.

Conclusão

Tipos de exames cardiológicos mais realizados

Você conferiu neste artigo informações sobre os diferentes tipos de exames cardiológicos, para que eles servem e que doenças podem ser prevenidas, investigadas e acompanhadas através desses procedimentos.

Também descobriu como a telemedicina amplia o acesso a um diagnóstico de qualidade.

Se a sua unidade ainda não oferece alguns dos principais exames do coração, permita que a Telemedicina Morsch seja a sua parceira nesse processo.

Entre em contato para conhecer soluções personalizadas e que cabem no seu orçamento.

Se este artigo ajudou você, não deixe de compartilhar em suas redes sociais.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp