Será que vou desenvolver uma LER ou DORT no meu trabalho?

Por Dr. José Aldair Morsch, 21 de junho de 2015
LER

O que é a lesão por esforço repetitivo (LER)? Será que vou desenvolver uma LER ou DORT no meu trabalho?

 Em toda máquina, o desgaste de uma peça acaba por comprometer o funcionamento da máquina inteira. Também é assim com a “máquina” humana. De uma maneira prática, isso é o que acontece com as pessoas quando têm LER.

O desgaste em uma determinada “peça” do corpo, causada pela repetição de um mesmo movimento durante longo período de tempo, leva a lesões musculares e desgaste nos nervos e nas articulações, causando dores e inflamações.

A LER é uma síndrome dolorosa e de incapacidade funcional, localizada nos membros superiores e causada pelo uso deles em tarefas que implicam repetição.

Ao longo do tempo, tem sido conhecida por diversas denominações: “Doença dos Quibes”, “Entorse das Lavadeiras”, LTC (Lesão por Trauma Cumulativo), DORT(Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho),Síndrome do Túnel do Carpo, Tenossinovite, Lesão Traumática Repetitiva, Tendinite. Tecnicamente, o mais correto seria chamá-la Síndrome da Dor Regional. Contudo, a denominação LER é que ganhou o uso popular e traduz bem do que se trata.

Solicite um orçamento

A LER não é propriamente uma doença, mas uma síndrome que afeta músculos, nervos e tendões dos membros superiores. Ela se desenvolve quase imperceptivelmente, o que leva as pessoas a não se prevenirem, pois só a percebem quando já existe um grande comprometimento da área afetada.

Atualmente as profissões mais afetadas são digitadores, costureiras, motoristas, pianistas, esportistas, pessoas que trabalham em linhas de montagem e produção, que operam britadeiras ou que fazem trabalhos manuais como, por exemplo, tricô e crochê.

Quais as causas da lesão por esforço repetitivo (LER)?

A LER é causada ou desencadeada por:

  • Movimentos repetitivos prolongados.
  • Postura inadequada por longo tempo.
  • Atividades que exijam força excessiva com as mãos.
  • Atividades esportivas que exijam grande esforço dos braços, como jogar tênis, por exemplo.
  • Mobiliário ergonomicamente incorreto.
  • Choques e impactos constantes.
  • Pressão mecânica sobre regiões do corpo.
  • Estado de ânimo estressado.

Ao que parece, as doenças causadas por esses fatores não são uma só e a L.E.R. parece ser uma síndrome que aparece em várias doenças: tendinite, síndrome do túnel do carpo, tenossinovites, bursite, mialgias, síndrome do pronador, etc.

Quais são os sinais e sintomas da lesão por efeito repetitivo (LER)?

A L.E.R. é considerada uma síndrome de uma doença ocupacional. O principal sintoma é a dor aguda nas partes comprometidas, que se exacerba ao se realizar certo trabalho. Pode haver também formigamentos, insensibilidade, falta de força e dores que dão a sensação de queimadura ou de frio.

Em estágios mais avançados, as inflamações podem evoluir para um processo degenerativo e afetar nervos e vasos sanguíneos e a dor pode vir a impedir mesmo tarefas simples como escovar os dentes ou amarrar os sapatos.

Como o médico diagnostica a lesão por esforço repetitivo (LER)?

O diagnóstico clínico depende das informações do paciente e de certas manobras que podem ser realizadas pelo médico. O diagnóstico diferencial, muitas vezes difícil, deve fazer a diferença entre a L.E.R. e outras condições assemelhadas.

Como o médico trata a lesão por esforço repetitivo (LER)?

Os resultados do tratamento da LER dependem do estágio em que a doença for diagnosticada. Quanto mais precoce o diagnóstico, mais rapidamente será iniciado o tratamento e melhores serão os resultados. Dificilmente o tratamento tem resultado significativo depois da condição se tornar crônica.

O objetivo do tratamento é evitar os fatores físicos que causaram ou agravaram a LER, ou seja, muitas vezes é necessário o repouso com relação às funções causadoras, por um longo período, o que exige uma combinação de medicamentos e terapia física ou mesmo cirurgia.

Como prevenir a lesão por efeito repetitivo (LER)?

  •  Alongar periodicamente as áreas do corpo mais utilizadas, sobretudo na época do frio.
  • Usar móveis ou instrumentos ergonomicamente apropriados.
  • Fazer pausas durante a realização de suas tarefas.
  • Tomar água pelo menos a cada hora.
  • Fazer ginástica laboral em intervalos regulares, no trabalho.
  • Se possível, revezar as tarefas.
  • Quando assentado, adotar a postura correta e ter um apoio adequado para os pés e para as costas.
  • Se você trabalha assentado, levante-se de tempos em tempos, ande, espreguice e faça movimentos contrários aos de sua tarefa.
  • Em caso de utilizar as mãos, tenha um apoio adequado para as mesmas.

Você pensa em fazer exames na sua clínica? Saiba que a Telemedicina Morsch pode ajudar

As empresas de medicina do trabalho estão se modernizando e instituindo exames nas suas sedes e nas empresas e melhorando muito os lucros. O cliente pode adquirir qualquer aparelho ou receber em aluguel em comodato recebendo 30 laudos gratuitos mensais.

QUERO UM ORÇAMENTO DE SERVIÇOS DE TELEMEDICINA

Gostou do artigo? Compartilhe!

Dr. José Aldair Morsch – Cardiologista – Especialista em Telemedicina

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp