Panorama completo sobre a telemedicina no Brasil

Por Dr. José Aldair Morsch, 27 de março de 2020
telemedicina no Brasil

A tecnologia se tornou uma excelente aliada em todos os ramos da sociedade e essa tendência não poderia ser diferente quando se trata da área da Medicina. Diante desse cenário promissor, a telemedicina no Brasil se destaca como um dos mecanismos mais úteis para hospitais, clínicas e consultórios de saúde.

Na verdade, o segmento da saúde é um dos que mais vêm se beneficiando em decorrência do uso de novas ferramentas inovadoras, especialmente no que se refere ao atendimento de pessoas, diagnóstico de doenças e tratamento de pacientes.

Quer saber como essa tendência pode ser considerada uma verdadeira solução para os empreendimentos voltados para a área da saúde?

Este artigo vai abordar as principais questões envolvendo o uso da telemedicina no mundo.

Acompanhe a leitura!

O conceito de telemedicina

A telemedicina envolve toda atuação médica que é efetuada à distância, por meio do uso de máquinas automatizadas que têm a capacidade de realizar a comunicação entre pacientes, médicos e demais profissionais da saúde.

Trata-se de uma modalidade de assistência médica que é colocada em prática mesmo que as partes estejam em ambientes diferentes.

Nesse sentido, é possível afirmar que a telemedicina no mundo é tida como uma vertente da medicina tradicional, só que mais moderna e eficiente.

Afinal, ela promove a interação virtual e consegue realizar o atendimento e o tratamento de pacientes, mesmo que eles estejam distantes dos médicos.

Desse modo, é possível levar a medicina a qualquer canto do mundo, graças ao desenvolvimento da telemedicina.

Como funciona a telemedicina no Brasil

A edição da Resolução nº 2.227/2018, do CFM (Conselho Federal de Medicina) definiu alguns procedimentos referentes à prática da telemedicina no Brasil.

Essa regulamentação estabeleceu o conceito de telemedicina como sendo o exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, educação, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde.

A Resolução determina que os serviços que se utilizam dos princípios de telemedicina devem obedecer estritamente às normas do CFM referentes a guarda, manuseio, confidencialidade, privacidade e garantia do sigilo profissional, e acrescenta a necessidade de se garantir a integridade e a veracidade das informações.

No telediagnóstico, ela destaca, ainda, que os dados e as imagens devem trafegar na internet com infraestrutura, gerenciamento de riscos e requisitos obrigatórios para assegurar o registro digital apropriado e seguro.

Para a teleconsulta como sendo a “consulta médica remota, mediada por tecnologias, com médico e paciente localizados em diferentes espaços geográficos.”

A teleconsulta subentende, como premissa obrigatória, o prévio estabelecimento de uma relação presencial entre médico e paciente.

Nos atendimentos por longo tempo ou de doenças crônicas, a regulamentação da telemedicina prevê consulta presencial em intervalos não superiores a 120 dias.

O estabelecimento de relação médico-paciente apenas de modo virtual é permitido para cobertura assistencial em áreas remotas, desde que existam as condições físicas e técnicas recomendadas, além de um profissional de saúde.

Devem ser garantidas as condições de segurança dos registros médicos, devendo ser encaminhada ao paciente cópia do relatório, assinado pelo médico responsável pelo teleatendimento, com garantia de autoria digital.

Se da teleconsulta decorrer prescrição médica, esta deverá conter, obrigatoriamente, identificação do médico — incluindo nome, CRM e endereço —, identificação do paciente, registro de data e hora e assinatura digital do médico.

Ressalto que a Teleconsulta vem sendo praticada no Brasil com permissão Ministério da saúde e CFM para auxiliar no período de pandemia.

Passado esse período, a legislação será revista.

Os procedimentos que já utilizam telemedicina no Brasil

A telemedicina está embasada em três pilares: teleassistência com teleconsuta, tele-educação e emissão de laudos à distância.

Teleassistência

telemedicina no Brasil

Um dos procedimentos já utilizados na telemedicina no Brasil é o Teleassistência, que permite que os pacientes sejam atendidos em suas próprias casas

A teleassistência garante que o paciente seja atendido em sua própria casa ou em um estabelecimento de saúde próximo à sua residência por um médico, por meio de um mecanismo tecnológico que permite a comunicação à distância.

Nesse sentido, ao usar a Teleconsulta, vemos a tecnologia proporcionando mais eficiência, bem-estar e agilidade no atendimento aos pacientes.

Desse modo, pessoas que moram em regiões distantes de difícil acesso e até mesmo em áreas remotas do ponto de vista geográfico podem ter acesso a serviços médicos de qualidade.

Isso significa que é possível a existência da relação médico-paciente de forma totalmente virtual, sem a necessidade de uma consulta presencial.

Tele-educação

A tele-educação está diretamente ligada à aprendizagem e à instrução dos profissionais da área da Medicina.

Esse mecanismo garante a capacitação do médico para que ele esteja apto a atuar em hospitais e outros estabelecimentos de saúde.

Essa tecnologia é utilizada principalmente para auxiliar quem mora longe ou está no interior e não tem acesso a cursos em grandes cidades.

Trata-se de uma forma de garantir a atualização dos profissionais e auxiliá-los na prática médica.

Para isso, a tele-educação se vale de videoaulas, videoconferências, palestras, e-learning e demais projetos a fim de facilitar o aprendizado.

Emissão de laudos à distância

O envio e a emissão de laudos à distância é uma maneira simples e prática de agilizar o atendimento a pacientes.

Nesse sentido, a impressão dos exames é possível por parte de qualquer pessoa que tenha acesso ao documento.

Assim, pacientes e médicos podem visualizar o resultado dos laudos rapidamente, desde que estejam conectados à internet.

Desse modo, torna-se viável se conectar com médicos de alta qualidade. Trata-se de uma técnica bastante utilizada em procedimentos de telerradiologia

A diferença entre telemedicina, telessaúde e cibermedicina

Apesar de serem expressões similares, “telemedicina”, “telessaúde” e “cibermedicina” têm a sentidos diferentes.

O termo “cibermedicina” se refere à área da medicina que faz uso de computadores, sistemas e demais máquinas automatizadas relacionadas com o mundo cibernético, tanto em uma intranet quanto por meio da internet.

Pode-se dizer, assim, que a cibermedicina é uma vertente da telemedicina.

Por sua vez, a expressão telessaúde” vai além do conceito tradicional de medicina.

Isso significa que ela é usada para se referir aos serviços à distância que são prestados pelos demais profissionais da área da saúde.

As vantagens da telemedicina

A telemedicina é uma tecnologia que só tem a acrescentar no ramo da saúde. Esse mecanismo aumenta a qualidade do serviço que é prestado pelos profissionais, além de reduzir os riscos de mau atendimento.

O estabelecimento de saúde também se beneficia.

As principais vantagens para ele é a descentralização da assistência, a diminuição de custos, a maior troca de informações entre os profissionais e a integração entre os serviços.

Os médicos se tornam mais especializados no assunto e podem executar suas tarefas com excelência, além de poderem interagir com outros profissionais do ramo.

A seguir, conheça, com detalhes, algumas vantagens da telemedicina para o ramo da saúde.

Estas informações vão servir para você ter uma ideia da expansão dessa tecnologia na área médica e os benefícios que ela tem o potencial de trazer para os pacientes e os profissionais do setor. Confira!

Otimização do tempo e dos processos

A telemedicina tem o potencial de melhorar a qualidade do tempo que é gasto pelos profissionais da área da saúde, uma vez que os serviços podem ser executados em um período menor e com a mesma eficiência.

Nesse sentido, ambas as partes — médico e pacientes — saem beneficiadas com o uso dessa tecnologia.

Assim, é possível, por exemplo, emitir e enviar laudos médicos de maneira digital para a conta de acesso do paciente.

Com isso, ele não precisa se deslocar até a clínica para buscar o resultado dos exames.

Trata-se de uma prática que confere maior praticidade e economia de tempo.

Isso significa que o estabelecimento médico consegue obter uma boa produtividade sem que isso implique o aumento do trabalho e das responsabilidades.

Facilidade na troca e no envio de informações

telemedicina no Brasil

A telemedicina no Brasil só trouxe benefícios tanto aos profissionais da saúde quanto pacientes, sendo um facilitador na troca de informações entre eles

A telemedicina incentiva a melhoria da comunicação em todas as suas formas. Isso porque essa tecnologia não está limitada a somente um contato básico e formal entre médicos e pacientes.

Há também uma ampla comunicação entre médicos, enfermeiros e outros profissionais que também atuam na área da saúde.

Assim, fica mais fácil discutir entre os colegas sobre os casos que surgem e decidir pela melhor opção de tratamento ou, então, fechar o diagnóstico com mais clareza e certeza nas informações.

Isso é possível mesmo que os profissionais estejam distantes entre si. Com isso, a clínica ganha mais agilidade em suas tarefas.

Maior nível de segurança

A telemedicina traz mais segurança no diagnóstico de doenças, resultado de exames e na recomendação do melhor tratamento.

Isso porque, como já vimos, os profissionais estão integrados e podem interagir entre si para chegar à melhor solução para os pacientes.

Além disso, a tecnologia permite a captação de vídeos e imagens com definição e resolução de qualidade superior.

Com isso, os profissionais da saúde têm melhores condições de efetuar um atendimento mais preciso.

Nesse sentido, é possível identificar problemas e doenças que não poderiam ser vistos por meio do uso de aparelho tradicionais, especialmente nos casos de oncologia e doenças que afetam o sistema nervoso.

Assim, quanto mais exato for o resultado, maior o nível de segurança para pacientes e profissionais.

Envio de laudos à distância

A disponibilização de laudos à distância traz mais praticidade para ambos os lados da relação.

O paciente é submetido a certo exame em determinada clínica e recebe o resultado de forma online, geralmente por meio do acesso com login e senha em uma plataforma contendo os documentos.

Essa prática otimiza o tempo e evita deslocamentos desnecessários para a busca dos resultados.

Mais rapidez no tratamento do paciente

O atendimento ao paciente, a realização de exames e o envio do resultado do laudo são realizados rapidamente, geralmente em poucos dias, dependendo do tipo de exame que é feito.

Em regra, os exames de imagem costumam ser liberados no mesmo dia, contendo o respectivo diagnóstico. Com isso, o tratamento pode ser iniciado o quanto antes.

Assim, indivíduos que moram longe da clínica ou do hospital não precisam se deslocar por grandes distâncias a fim de obter o laudo e conhecer o prognóstico do seu quadro de saúde.

Inclusive, a demora é um fator negativo que pode desencadear a piora na saúde do paciente.

Nesse sentido, o tempo acaba se tornando um elemento fundamental para evitar graves complicações.

Precisão nos laudos

A análise de exames e o diagnóstico de doenças devem ser realizados somente por médicos capacitados, conforme determina a norma.

Nesse sentido, os demais profissionais da saúde, como enfermeiros e técnicos, devem atuar somente como auxiliares, e são responsáveis por efetuar o atendimento remoto, não tendo autorização para prescrever medicamentos ou indicar tratamentos.

Garantia de sigilo

O sigilo no atendimento é garantido aos pacientes.

Nesse sentido, o médico tem a obrigação de manter privada toda e qualquer tipo de informação referente ao quadro clínico do indivíduo.

Esse é um dever muito importante e que deve ser seguido pelo profissional, sob o risco de sofrer punições.

A telemedicina ainda é encarada como uma possibilidade e não um dever.

De todo modo, essa tecnologia vem sendo cada vez mais implementada dentro de hospitais, clínicas e consultórios médicos.

Para isso, é importante realizar um planejamento prévio sobre o tema e elaborar estudos de viabilidade, a fim de analisar o mercado da medicina na região, a necessidade de instalação dessa ferramenta, as expectativas de médicos e pacientes e os limites a serem obedecidos.

Os desafios de clínicas e hospitais em aderir à telemedicina

Confira alguns obstáculos que ainda precisam ser superados para que a telemedicina possa ser amplamente utilizada em clínicas e hospitais:

  • segurança da informação: o mundo digital precisa se proteger contra ameaças externas;
  • áreas distantes: o Brasil é um país muito extenso, com dimensões continentais;
  • cultura conservadora: muitos pacientes ainda têm receios quanto ao uso de novas tecnologias;
  • incertezas econômicas: oscilações na economia e falta de incentivos podem ser um entrave para o pleno desenvolvimento da telemedicina.

Conclusão

Como você pode perceber, a telemedicina vem sendo cada vez mais adotada na área da saúde.

Gestores de estabelecimentos de saúde e médicos vêm percebendo as vantagens de implementar essa nova tendência como forma de otimizar os procedimentos, trazer mais segurança e melhorar a imagem do negócio perante os pacientes.

A Telemedicina Morsch e a Doctoralia são dois exemplos de empresas brasileiras que já se tornaram grandes referências no segmento da telemedicina.

Gostou de conhecer melhor a situação da telemedicina no Brasil?

Que tal usar essa tecnologia em sua clínica?

A Telemedicina Morsch pode ajudá-lo a superar os seus receios.

Saiba como funciona a emissão e o envio de laudos à distância!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE