Como é feito uma ressonância? Para que serve?

Por Dr. José Aldair Morsch, 21 de janeiro de 2016
aquisição ou comodato
como é feito uma ressonância

Exame de Ressonância Nuclear Magnética

Você sabe como é feito uma Ressonância Nuclear Magnética? Saiba que é muito superior a uma Tomografia e consequentemente muito mais cara.

Os exames de diagnóstico por imagem assumiram um papel fundamental nas investigações de doenças em todos os sistemas de nosso organismo.

Eles são empregados quando há suspeita de fraturas, lesões, tumores ou outras condições adversas em órgãos internos de um paciente.

Solicite um orçamento

A Ressonância magnética é padrão ouro para investigação dessas doenças, porém esbarra no preço do exame e do equipamento para montar o serviço. Acompanhe nesse artigo.

Conceito de Ressonância Magnética

A Ressonância Nuclear Magnética é um desses exames que utiliza as noções de campo magnético para produzir imagens em alta definição dos órgãos. Ela não utiliza radiação e essa já pode ser considerada uma vantagem sobre a tomografia computadorizada.

Vantagens da ressonância sobre outros exames de imagem

Outro ponto positivo em estudar como é feito uma Ressonância, quando comparamos a exames baseados em radiação (raios-X e tomografias) é o fato de que ela pode oferecer imagens em absolutamente qualquer plano, enquanto os outros são limitados a um único (o plano axial).

Como é o contraste usado no momento de como é feito a Ressonância?

Apesar de não usar radiação, dependendo do local do corpo que será submetido a exame, o paciente precisa tomar uma substância chamada de contraste, e alguns podem ser alérgicos.

Na prática o contraste tradicionalmente usado nos exames de imagens gerais é o iodo. Na ressonância usamos o gadolínio que raramente dá alergia.

Mas para quem não tem nenhuma aversão a ele, seus efeitos colaterais são muito pequenos e apenas momentâneos (como náuseas, por exemplo, enquanto ele ainda está no organismo). Por isso, a Ressonância Nuclear Magnética é considerada não invasiva.

Outra grande vantagem é que quase não afeta a função renal como ocorre com o iodo, então é super indicado para pacientes nefropatas.

Então, como é feito uma Ressonância Magnética?

Entender como é feito uma Ressonância é saber como exatamente o aparelho funciona no momento que decidimos realizar propriamente o exame.

Ao entrar na máquina, o paciente é inserido em um grande campo magnético, que provoca o alinhamento dos átomos de hidrogênio do organismo.

Depois de alguns minutos, quando o impulso magnético é interrompido, esses átomos voltam paras as posições que ocupavam antes e, nesse momento, emitem determinados sinais que são capturados pelo computador. Posteriormente, esses sinais serão convertidos em imagens a serem interpretadas pelo médico.

Onde a Telemedicina auxilia nos exames e ensina como é feito uma Ressonância

Antes do uso da internet, somente era possível interpretar os exames no local onde eram realizados. A tecnologia digital promoveu um grande avanço no campo da radiologia, surgindo com isso a Teleradiologia.

Basicamente após finalizar o exame, o próprio sistema envia pela internet as imagens para uma plataforma em nuvem que é acessada por Radiologistas de várias partes do mundo. Estes especialistas estão preparados para analisar os exames de acordo com a área específica do corpo. Em poucas horas é possível receber o laudo médico do exame e entregar para o paciente.

A evolução do RX para tomografia e agora a Ressonância

Portanto, primeiramente o raio-X era usado para diagnosticar problemas por imagem. Depois, a tomografia computadorizada entrou em cena (também usando os raios-X) para oferecer uma visualização mais precisa dos órgãos internos. Por fim, a Ressonância Nuclear Magnética surgiu sendo o exame mais completo, que serve para esclarecer dúvidas que a própria tomografia ainda pode deixar.

A diferença do preço na hora de escolher o exame

Apesar de estarmos diante de um exame muito falado, valorizado e efetivo em investigar doenças complexas, lesões articulares por exemplo, ainda consideramos um exame para poucos. Saber como é feito uma Ressonância não aproxima o paciente do exame.

A limitação inicia ao montar o serviço para realizar o exame. Sem levar em conta o fabricante, modelo, etc…, a média de início de conversa para comprar o aparelho fica em torno de R$ 2 milhões de reais! isso mesmo, tem que ter café no bule para esse investimento.

Num comparativo de preço do exame de ressonância com tomografia, podemos afirmar que a ressonância é 3 vezes mais cara. Diante disso, o médico pensa duas vezes antes de pedir o exame, primeiro porque se for particular o paciente pode não ter recursos e se for por convênios, muito difícil de liberarem sem fazer antes um exame mais barato como a tomografia para ver se resolve o problema.

E onde entra a telemedicina quando falamos em Ressonância Nuclear Magnética? Na obtenção de laudos médicos corretos e confiáveis em qualquer lugar. Muitas clínicas e centros de atendimento, especialmente as que atendem a populações menores, às vezes possuem o aparelho para realizar o exame, mas não têm em sua equipe um médico especialista que possa analisar o resultado e dar o diagnóstico.

O médico não trabalha nessa clínica todos os dias e os laudos acabam demorando muito para chegar aos pacientes, podendo comprometer o tratamento. A telemedicina tem a função de suprir essas necessidades.

Como já é de conhecimento, por meio das tecnologias da telemedicina, um exame pode ser enviado para um médico de outra cidade, estado ou até do outro lado do mundo para ser analisado. Depois, o laudo chega até a clínica onde a ressonância foi feita e pode ser encaminhado ao paciente. Isso representa uma economia para os estabelecimentos e uma garantia para as pessoas.

E existe outro detalhe: se o médico que atende nessa clínica hipotética ficar com alguma dúvida quanto ao resultado da ressonância, a telemedicina também permite que ele entre em contato com outros profissionais de fora para trocar experiências e pedir opiniões. Tudo isso a favor do bem-estar do paciente que se submeteu ao exame.

A Telemedicina atende somente a Radiologia?

Para empresas que se especializaram em fornecer laudos somente de Radiologia, como RX, Tomografia, Ressonância magnética, usamos a nomenclatura de Teleradiologia.

Empresas que diversificaram e agregaram outros exames como eletrocardiograma, eletroencefalograma, espirometria, como é o caso da Telemedicina Morsch, o cliente consegue gerenciar tudo numa única plataforma.

Essa é uma tendência do mercado. Saber como é feito uma Ressonância, implica em disponibilizar a tecnologia para ser aproveitada em todos os níveis.

Para outros exames, Junto com a plataforma de Telemedicina, o cliente pode receber os aparelhos básicos como eletrocardiograma em comodato e treinamento permanente á distância.

Gostou do artigo? Compartilhe nas redes! Assine nosso blog!

Dr. José Aldair Morsch – Especialista em Telemedicina

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp