Inteligência artificial: uma nova era da Medicina

Por Dr. José Aldair Morsch, 28 de novembro de 2016
inteligência artificial

A medicina está atravessando um novo rumo atualmente – o da inteligência artificial. A ideia de desenvolver uma espécie de “cérebro humano eletrônico” não é nova – e foi uma das primeiras a serem pensadas pelos cientistas que pegaram os primórdios da história da computação.

No que se refere aos estudos tecnológicos da modernidade, aqueles que visam a construção de sistemas computacionais inteligentes de modo artificial são os mais ambiciosos. Não à toa, a comunidade médica também foi, aos poucos, cativada pelos diferenciais da inteligência artificial – pensando no grande potencial e suporte que seriam trazidos para a medicina.

A crença é de que os supercomputadores, capazes de armazenar dados, conhecimentos e outros, se tornariam verdadeiros médicos artificiais – o que poderia auxiliar principalmente no diagnóstico de enfermidades.

E foi assim que a IAM (Inteligência Artificial em Medicina) surgiu, sendo este um programa de estudos norte-americano que levou tanto à realização de diagnósticos como de recomendações de origem terapêuticas.

Os médicos que se especializaram nos estudos da inteligência artificial criaram uma relação entre este tipo de inteligência avançada com os conhecimentos médicos.

Solicite um orçamento

Tarefas clínicas que puderam ser aplicadas nestes sistemas

Lembretes e alertas em tempo real

Para que os médicos fossem avisados, instantaneamente, caso houvesse qualquer tipo de alteração na condição de saúde do indivíduo.

Auxílio no diagnóstico

Nem todo caso é diagnosticado com facilidade, já que, por vezes, a comunidade médica se depara com casos raros ou demasiadamente complexos. Para estas situações, o sistema de inteligência artificial busca um diagnóstico mais seguro e provável, com base no próprio histórico do paciente.

Crítica do tipo de terapêutica

O sistema de inteligência artificial, checa possíveis omissões, erros ou inconsistências em planos de tratamentos médicos.

Possível recuperação de dados

Se informações ou dados forem perdidos, isso não é grande problema para os sistemas de inteligência artificial, que conseguem recuperá-los com facilidade – principalmente graças ao armazenamento de tais informações em softwares em nuvem.

Interpretação e reconhecimento de imagens

Principalmente para a realização de laudos médicos de exames como: radiografias, tomografias, angiogramas, mamografias, ressonância magnética e assim por diante.

Associação de sintomas a possíveis enfermidades

Determinados conjuntos de sintomas podem indicar não só uma, como várias doenças. Com o sistema de inteligência artificial é possível fazer uma associação entre os sintomas, histórico do paciente e possível enfermidade.

Pontos negativos do sistema de inteligência artificial

Alguns sistemas de inteligência artificial só funcionam após um registro pessoal e computadorizado de cada médico – e ainda não são todas as instituições que contam com tal registro eletrônico. Além disso, eles também podem ser prejudicados pela falta de uma interface simples e facilitada.

Outro ponto negativo é a dificuldade para adaptação do sistema às necessidades do médico em questão. Isso faz com que os médicos (já demasiadamente ocupados) precisem configurar os sistemas manualmente.

Porém, com o passar dos anos, todos esses pequenos probleminhas vêm sendo deixados de lado graças às atualizações frequentes dos sistemas de inteligência artificial. A única questão que ainda predomina entre alguns médicos é a tecnofobia, ou seja, a negação dos benefícios proporcionados pela utilização da tecnologia no meio de trabalho.

Watson e os supercomputadores

A área de ciências da computação vem explorando novas técnicas e derrubando fronteiras que jamais imaginamos fora de nosso contexto.

O desafio dos últimos tempos foi criar um ‘supercomputador’, ou seja, uma máquina capaz de entender e responder no mesmo idioma que nós humanos. Neste sentido, o Watson foi criado. O computador é um sistema recente da IBM que foi desenvolvimento para responder aos questionamentos realizados em um programa de TV norte-americano, o Jeopardy!.

O Watson é um supercomputador capaz de responder a perguntas complexas em questão de 3 segundos. Sua capacidade permite a execução de mais de 100 tarefas (complicadas) ao mesmo tempo. Não à toa, o sistema vem sendo utilizado principalmente no campo de pesquisas em universidades e institutos.

Telessaúde e telemedicina como aliados da inteligência artificial

Atualmente, o campo da telemedicina (também conhecida como telessaúde) vem se tornando um aliado de clínicas e consultórios médicos. Na telemedicina devemos destacar a existência de especialistas que logam na plataforma sem a total dependência à inteligência artificial do computador.

A telemedicina se torna uma alternativa mais viável (e também mais em conta) para a adequação em hospitais e, principalmente, em consultórios e clínicas de menor porte.

Com a telemedicina, é possível realizar a análise de resultados de exames comuns, como eletrocardiograma, eletroencefalograma, espirometria, mamografia e outros neste sentido. Os laudos a distância são feitos por médicos especialistas em cada área.

Como posso trazer a telemedicina para a minha clínica ou consultório médico?

A telemedicina funciona da seguinte forma: imagine um paciente com uma forte dor na região do coração. Ele pode realizar o eletrocardiograma digital em sua clínica e os dados coletados pela máquina serão enviados para a central de telemedicina integrada à clínica ou consultório em tempo real.

A central, por sua vez, irá direcionar o exame para a análise de um médico especialista. No caso do eletrocardiograma, ele será encaminhado para um profissional cardiologista. O médico irá avaliar o resultado e fornecer um laudo médico à distância para a sua clínica em questão de 30 minutos.

Em seguida, o resultado já será encaminhado para o médico do paciente, que saberá exatamente qual é a próxima atitude a ser tomada de acordo com as sugestões descritas no laudo do exame.

Hoje a telemedicina, que usa métodos da inteligência artificial, é uma das formas mais eficientes e economicamente viáveis de revolucionar a sua clínica ou consultório médico.

Ao trabalhar com a clínica, você poderá realizar uma grande gama de exames, como espirometria, eletrocardiograma, eletroencefalograma e radiologia geral, o que consequentemente leva a maior quantidade de laudos médicos sem que a eficiência, qualidade e principalmente credibilidade do seu negócio sejam deixados de lado.

E agora que você já sabe como trazer a inteligência artificial para o seu consultório ou clínica o que ainda está esperando para inovar?

E para acompanhar as novidades enviadas pela Telemedicina Morsch não deixe de assinar a nossa newsletter. A partir de então, você poderá receber dicas que farão a diferença na obtenção de sucesso em sua clínica. Preparado(a)?

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp