Exame de eletroencefalograma com mapeamento cerebral

Por Dr. José Aldair Morsch, 16 de novembro de 2017
eletroencefalograma com mapeamento

O eletroencefalograma com mapeamento, apesar de antigo, permaneceu muito atual e até se diferenciou ás custas dos avanços tecnológicos.  

É possível aproveitar suas 3 formas clássicas de apresentação, de acordo com a indicação médica. Sabemos que o objetivo é avaliar a atividade elétrica do cérebro do paciente, uma vez que os impulsos elétricos do cérebro são ampliados e imediatamente passam a ser transmitidos para o computador.

Aproveite a leitura e entenda como o eletroencefalograma com mapeamento cerebral vem se destacando sobre as demais modalidades como eletroencefalograma clínico e ocupacional.

O registro dos impulsos elétricos dos neurônios na atividade cerebral é o objetivo primordial do exame de eletroencefalograma, apontando detalhes e informações importantes acerca do ritmo e da intensidade das atividades, possibilitando dessa maneira que o médico possa efetuar um diagnóstico preciso.

A forma de apresentação do exame no computador, as manobras realizadas e as características de imagem criadas á partir dos registros é que define o tipo de exame realizado.

Tipos de exames de eletroencefalograma solicitados pelos médicos

  1. Eletroencefalograma clínico
  2. Eletroencefalograma ocupacional
  3. Eletroencefalograma com mapeamento cerebral

Este artigo aborda o eletroencefalograma com mapeamento cerebral.

Solicite um orçamento

O que é eletroencefalograma com mapeamento cerebral?

É o estudo da anatomia e funcionalidade do cérebro e medula espinhal de maneira quantitativa, capaz de gerar imagens tridimensionais no computador com descrição detalhada dos lobos acometidos por alguma doença.

O exame mapeamento cerebral é uma forma superior de neuroimagem criada á partir de processamento de dados ou análise adicional  tais como mapas salientes de medidas de Comportamento em regiões do cérebro, semelhante a ressonância magnética funcional.

Um desses mapas, chamado de conectograma , mostra regiões corticais ao redor de um círculo, organizadas por lóbulos. Círculos concêntricos dentro do anel representam várias medidas neurológicas comuns, como espessura ou curvatura cortical.

No centro dos círculos, as linhas representando fibras de substância branca ilustram as conexões entre as regiões corticais, ponderadas pela anisotropia fracionada e a força de conexão.

O exame em si não causa nenhum tipo de dor ou desconforto no paciente, bem como não oferece riscos à saúde do mesmo.

De uma forma geral, o eletroencefalograma é um recurso propedêutico que apresenta um custo reduzido e uma significativa sensibilidade e utilidade médica.

O eletroencefalograma clínico, realizado em nosso país desde a primeira metade do século passado, traz como uma das características mais vantajosas o caráter de não ser invasivo, fazendo a utilização apenas de eletrodos conectados ao couro cabeludo, com o intuito de captar de forma precisa e correta as atividades do cérebro.

Trazendo informações básicas nos registros gráficos em papel e nos mais atuais, direto no computador.

A eletroencefalografia geral é indicada para diagnosticar quais doenças?

Esse tipo de exame é bastante adequado e recomendado para o diagnóstico de transtornos da atividade elétrica cerebral, entre eles podemos citar:

1.Epilepsia: esse transtorno consiste em uma alteração no funcionamento das atividades cerebrais, podendo ter sido ocasionada por uma lesão, por uma neurocisticercose (doença onde ovos de solitária se alocam na região do cérebro), por uma infecção acarretada por doenças como meningite ou pelo uso abusivo de drogas e álcool, falta de oxigênio cerebral nos primeiros estágios de vida após o nascimento, entre outros fatores.

Por meio da eletroencefalografia (que também pode ser chamada pela sigla EE), é possível que o médico compreenda as reações neurológicas que envolvem o transtorno da epilepsia.

2. Acidente Vascular Cerebral: o AVC acontece quando é detectado um entupimento ou mesmo uma ruptura dos vasos que permitem a passagem de sangue para o cérebro, acarretando assim em uma paralisia da região cerebral que ficou sem receber sangue.

O eletroencefalograma com mapeamento cerebral tem condições de mapear e compreender como o cérebro é afetado pela decorrência do Acidente Vascular Cerebral, indicando precisamente o lobo acometido na forma de imagens.

3. Dificuldades para dormir: a insônia pode ser ocasionada por uma série de fatores. O exame de eletroencefalografia, nesse caso, pode mapear e diagnosticar o transtorno de forma eficiente e segura. Podendo ainda ser complementado com uma polissonografia.

4. Tumor cerebral: caracterizado pelo crescimento exagerado de determinadas células na região craniana, o tumor conduz a compressão e também a lesão de células cerebrais.

O eletroencefalograma com mapeamento cerebral, diante desse quadro, traz a possibilidade de aferir o tipo de interferência que poderá estar causando na atividade elétrica cerebral.

Além disso, esse exame permite acompanhar o paciente em meio a uma cirurgia cerebral ou durante o período que ele se encontra sob anestesia.

Outra atuação importante da eletroencefalografia é que ela pode ser útil para a investigação de transtornos presentes na medula espinhal ou até mesmo no sistema nervoso central.

Vale salientar também que o exame de eletroencefalograma com mapeamento cerebral dura em média cerca de meia hora, e consiste basicamente no registro do paciente que se encontra em repouso ou sono (podendo ser esse sono induzido ou espontâneo).

Após receber o exame, o neurologista analisar o registro gráfico e aproveita as ferramentas do computador para gerar as imagens que podem indicar com mais precisão os locais afetados do cérebro.

De forma concisa e direta, o eletroencefalograma com mapeamento cerebral aproveita os registros do eletroencefalograma clínico e ocupacional e transforma em imagens, aprofundando o diagnóstico com precisão dos lobos cerebrais comprometidos.

Para que serve o eletroencefalograma com mapeamento cerebral?

  1. Determinar precisamente a localização de doenças focais do cérebro;
  2. Epilepsia;
  3. Alterações vasculares;
  4. Derrames cerebrais, também chamados de AVC;
  5. estabelecer diferenças entre outros diagnósticos;
  6. Hiperatividade em crianças;
  7. Distúrbios da atenção em crianças;

Como funciona o eletroencefalograma com mapeamento cerebral?

Uma das possibilidades oferecidas pela telemedicina e os seus avanços tecnológicos é o eletroencefalograma com mapeamento cerebral, que também pode ser chamado pela sua variante em inglês de “Brain Mapping”, ou pela sigla EEG.

Esse tipo de eletroencefalografia apresenta uma qualidade maior que a oferecida pelo exame convencional, visto que ele adota um processamento computadorizado dos sinais cerebrais.

Por causa da sua característica envolvendo tecnologia digital e online, ele possibilita mapear com uma maior precisão as descargas elétricas do cérebro de modo geral.

Além disso, o eletroencefalograma com mapeamento cerebral permite a obtenção de informações quantitativas que envolvem a atividade elétrica cerebral de base, analisando e efetuando um grau comparativo de variações existentes entre os hemisférios cerebrais.

Esse é sem dúvida um grande avanço para o tratamento de diversos transtornos neurológicos.

Outra vantagem desse tipo de exame é que ele fornece detalhes tão precisos que tem a possibilidade de ser utilizado para avaliar e também acompanhar o grau evolutivo de alguns transtornos de aprendizagem e também de possíveis demências.

Sendo assim, por ser um sistema moderno e de caráter digital, a tendência é que, em um certo espaço de tempo, ele venha a substituir completamente os equipamentos analógicos para registros de atividades cerebrais.

Não por acaso, o eletroencefalograma com mapeamento cerebral veio a ampliar a capacidade de diagnóstico, beneficiando muito as equipes de médicos neurologistas e também os pacientes.

Alguns transtornos que podem ser avaliados por meio do eletroencefalograma com mapeamento cerebral incluem tumores, lesões provocadas por impacto e outros problemas de origem neurológica.

Resultados eletroencefalograma com mapeamento

O foco principal é buscar o diagnóstico de atividade epileptiforme típica de epilepsia.

Uma parcela dos pacientes epilépticos pode apresentar traçado eletroencefalográfico normal no primeiro registro.

No entanto, quando vários exames são feitos em período fora de crises epilépticas (registro intercrítico), ou é feita a monitorização eletroencefalográfica de 24 horas (Holter Cerebral), o diagnóstico é mais preciso.

Neste caso o paciente fica internado ou numa clinica do sono e a maioria desses pacientes exibe anormalidades em seus exames.

O encontro dessas anormalidades é de fundamental importância. A análise de seu padrão eletrográfico auxilia na classificação do tipo crise epiléptica e consequentemente do tipo de epilepsia, proporcionando em alguns casos, direcionar a terapêutica e obter dados prognósticos.

Resultado de eletroencefalograma com mapeamento cerebral

1-CONDIÇÕES TÉCNICAS:
Relatório de Eletroencefalograma Digital e Mapeamento Cerebral, Eletroencefalograma Topográfico e Quantitativo
Exame realizado durante sonolência e sono, em condições técnicas satisfatórias.
2-DESCRIÇÃO DOS ACHADOS: 
A-ELETROENCEFALOGRAMA DIGITAL:
Durante todo o decorrer do exame, observa-se presença de grafoelementos próprios do sono simétricos entre áreas homologas.
Não foram observados presença de grafoelementos patológicos.
B-ANÁLISE QUANTITATIVA: 
Análise espectral obtida mostra:
Os Mapas de Potência absoluta evidenciam presença de ritmos lentos mesclados aos ritmos rápidos em distribuição bilateral e simétrica.
C- ANÁLISE TOPOGRÁFICA: 
Distribuição normal dos grafoelementos próprios do sono nas diferentes regiões dos hemisférios cerebrais.
3-CONCLUSÃO: 
Eletroencefalografia Digital e Mapeamento da Atividade Elétrica Cerebral em sono; sem anormalidades na presente data.

Quais são as vantagens oferecidas pela Telemedicina para realização do eletroencefalograma com mapeamento cerebral?

A telemedicina representa um significativo avanço na forma de como são efetuados diagnósticos, na maneira como laudos são enviados e até mesmo em como os pacientes são atendidos.

De uma forma geral, é possível afirmar que a telemedicina compreende a atividade médica realizada à distância.

Ou seja, graças ao advento da tecnologia virtual e de avançados nos aparelhos tecnológicos, a telemedicina possibilita que conferências médicas, aulas, reuniões, envio dos exames e recebimento dos laudos médicos, exames de diversas especialidades, e até outros procedimentos possam ser efetuados à distância.

As vantagens disso são evidentes, uma vez que a telemedicina permite que mais pessoas possam ser tratadas ao eliminar a barreira da distância.

Por isso, nesse contexto, a telemedicina é um elemento essencial para que a população que habita, por exemplo, em áreas de difícil acesso, distantes dos grandes centros urbanos, possam ter a chance de receber cuidados proporcionados por médicos e especialistas.

Sendo assim, é possível concluir que a telemedicina acarreta uma série de vantagens, tais como:

  1. Diminui de maneira significativa o tempo de realização dos processos de atendimento.
  2. Elimina a dependência que a clínica possui do especialista para a realização dos exames, enviando especificamente no momento em que recebe um resultado alterado.
  3. Todos os registros e laudos realizados passam a ficar armazenados e disponíveis no sistema para eventuais pesquisas, impressões de segunda via, análises, comparação de resultados~; ou seja, todas os dados e arquivos que a clínica precisar estarão à disposição dela.
  4. Há também uma significativa redução do custo dos exames.
  5. Outra vantagem oferecida pelo sistema online é a segurança, uma vez que ele possibilita o acesso restrito apenas com login e senha devidamente fornecidos, bem como cadastro do paciente contendo todos os dados clínicos, históricos, resultados de exames gerais que ficam arquivados para posteriores pesquisas, possibilitando que o profissional da instituição possa mais tarde efetuar uma comparação dos exames atuais com os exames mais antigos.
  6. Além disso, por mais que a telemedicina conte com o auxílio dos meios online, é válido destacar que a realização dos exames não é totalmente dependente da utilização da internet durante tempo integral.
  7. Nos momentos em que a clínica não disponibilizar internet por causa de problemas técnicos, por exemplo, os exames contam com a possibilidade de serem salvos no computador e posteriormente enviados a partir do instante em que o sistema for restaurado, vinte e quatro horas por dia.

Como a telemedicina atua na realização do eletroencefalograma com mapeamento?

Nesse cenário de notório avanço tecnológico, o eletroencefalograma é um tipo de exame bastante auxiliado pela telemedicina.

Sendo assim, por meio da telemedicina, é possível que as informações obtidas pelo eletroencefalograma sejam compartilhadas e analisadas com outros médicos, independentemente do local onde eles estejam.

Ou seja, a telemedicina, graças às atuais tecnologias virtuais e de comunicação, envia as informações para qualquer região do país e também, caso necessário, para outros países.

A análise de exames da eletroencefalografia por meio da medicina conta com muitas vantagens, pois fornece velocidade e agilidade para clínicas que não contam com, por exemplo, neurologistas para efetuarem laudos médicos de modo presencial.

Onde fazer eletroencefalograma com mapeamento cerebral?

Infelizmente não são todas as clínicas que realizam e emitem resultados eletroencefalograma com mapeamento cerebral.

Apesar de ser um exame com mais de 10 anos no mercado, apenas aparelhos de eletroencefalograma mais novos tem a capacidade de realizar esses exames.

A alternativa é pesquisar na sua cidade quais clínicas disponibilizam o exame. Caso nenhuma tenha, informe que a Telemedicina Morsch disponibiliza especialistas para interpretar os exames.

A clínica vai precisar trocar o software do aparelho deles e depois realizará normalmente todos os exames neurológicos e com entrega do resultado na forma de laudo médico com assinatura digital no mesmo dia.

Conclusão

O eletroencefalograma com mapeamento cerebral é uma das grandes vantagens que a telemedicina oferece, dando uma maior precisão de diagnóstico, e também mais rapidez e agilidade nos processos.

Essa modalidade de exame através da telemedicina proporciona também um acompanhamento mais completo e profundo para os pacientes.

Sendo assim, diante de tais vantagens, a Telemedicina Morsch disponibiliza serviços de telemedicina ideais para clínicas, consultórios e centros de saúde, além de suporte técnico e científico para os profissionais acerca das possibilidades oferecidas pela telemedicina.

Além disso, há a possibilidade do cliente alugar os nossos serviços com aparelho em comodato ou, caso for necessário, fazer uso do seu próprio aparelho e apenas efetuar o pagamento pelos dados que foram enviados.

Atualmente, vários neurologistas já fazem uso da plataforma desenvolvida pela Telemedicina Morsch, atuando, dessa maneira, com mais eficiência e dinamismo na realização de exames.

Gostou da novidade? Compartilhe nas suas redes!

Assine nosso blog e receba novidades no seu e-mail toda semana.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp