Curso de EEG prático com vídeos para a Telemedicina

Por Dr. José Aldair Morsch, 4 de março de 2015
curso de eletroencefalograma

Precisa aprender todos os passos do curso de eletroencefalograma ocupacional, clínico e com mapeamento cerebral?

Fazer um curso de Eletroencefalograma on-line e prático, pela tela do seu computador com acesso à internet, é uma das melhoras formas de entender mais sobre o assunto.

Neste post, separei tudo o que você precisa saber sobre a execução e a interpretação desse tipo de exame.

No final do curso, depois de estudar e praticar, você será capaz de fazer um Eletroencefalograma com boa qualidade.  Acompanhe!

Uma visão geral do do curso de Eletroencefalograma

O eletroencefalograma, também chamado pela sua sigla — EEG — é um exame que avalia a atividade elétrica do cérebro.

Como as células nervosas se comunicam por meio de sinais elétricos, distúrbios que afetam essa comunicação podem ser detectados por meio dele.

O médicos podem associar os resultados com outros exames de imagem, como ressonância magnética e tomografia computadorizada, além de exames laboratoriais, para fechar um diagnóstico mais preciso.

O procedimento em si é feito de forma muito rápida e simples, no entanto, alguns cuidados devem ser tomados durante a execução para que o resultado não seja afetado.

Aplicações clínicas do curso de Eletroencefalograma

Touca de Eletroencefalograma

Montagem dos eletrodos de EEG na cabeça

O Eletroencefalograma é um exame que foi desenvolvido com o objetivo de confirmar ou afastar a presença de uma doença muito antiga: a epilepsia.

Hoje, com a era digital, o EEG está em uma posição ainda mais privilegiada para cumprir sua finalidade.

Afinal, entre as indicações para a sua realização estão a monitorização contínua do EEG em pacientes críticos para relacionar as convulsões com a atividade elétrica cerebral.

Além disso, o EEG também pode ajudar médicos a avaliar outras patologias, como:

  • confusão mental;
  • demência;
  • ferimentos na cabeça;
  • infecções no sistema nervoso central;
  • tumores cerebrais;
  • distúrbios do sono;
  • doenças degenerativas;
  • distúrbios metabólicos que afetam o cérebro etc.

A grande maioria dos exames de EEG realizados na atualidade tem como objetivo afastar doenças em trabalhadores que se submetem a atividades de risco pessoal e para terceiros.

Neste curso, você vai descobrir mais sobre como o EEG ocupacional vem sendo utilizado na medicina do trabalho e como realizar o exame para essa especialidade em específico.

Qual é a importância do Eletroencefalograma no diagnóstico de epilepsia?

O Eletroencefalograma é utilizado para registrar as descargas elétricas corriqueiras ou patológicas que ocorrem no cérebro.

Para casos de epilepsia, ele serve tanto para o diagnóstico do quadro, quanto para a avaliação da eficácia dos tratamentos realizados junto ao paciente.

Mesmo que, muitas vezes, o EEG não detecte alterações significativas, já que muitos pacientes apresentam atividades cerebrais normais fora dos quadros epiléticos, ele pode ser muito útil para identificar alterações sutis que direcionam ao diagnóstico.

O exame não oferece nenhum tipo de risco, não é invasivo, tem um preço relativamente barato e permite uma análise precisa da atividade cerebral.

De acordo com a frequência, morfologia e amplitude das ondas detectadas no procedimento, podem ser obtidos um EEG normal, com alterações focais, com alterações generalizadas ou com atividade epileptiforme.

Há ainda a possibilidade de EEGs mais avançados para uma identificação ainda mais certeira da epilepsia ou de suas complicações, como é o caso do EEG com monitoramento contínuo e com o apoio de vídeo, que explicarei melhor ao longo do artigo.

Contraindicações e riscos do EEG

Posição do paciente no EEG

Quando não indicar o EEG

O exame de EEG, em si, não é contraindicado para nenhum ser humano, seja adulto ou criança.

Ou seja, não existem riscos com a realização do exame.

No entanto, embora o exame de Eletroencefalograma não apresente contraindicações, existem alguns casos em que é melhor adiá-lo.

Conheça as principais situações em que devemos adiar a realização do EEG a seguir.

Crise convulsiva contínua

É praticamente impossível aderir os eletrodos na cabeça de uma pessoa que se debate intermitentemente. Esta situação não mostra dúvidas sobre a presença de epilepsia.

Então, é recomendado primeiro estabilizar clinicamente o paciente para depois realizar o EEG seriado a fim de acompanhar a evolução do tratamento.

Lesões cerebrais agudas sangrantes

Nesse caso, tentar aderir eletrodos no couro cabeludo é um grande risco de contaminação. Por isso, recomenda-se estabilizar o quadro do paciente para, então, realizar o EEG clínico, se houver suspeita de algum quadro convulsivo secundário a algum trauma.

Ferimentos no couro cabeludo

Devemos lembrar que a colocação de 11 a 23 eletrodos ou mais no couro cabeludo implica a utilização de áreas sadias da pele que façam contato com o eletrodo.

Então, caso haja ferimentos no couro cabeludo, é melhor adiar o exame, visto que modificar a posição dos eletrodos na intenção de fazer o EEG em um couro cabeludo ferido não produzirá resultados satisfatórios.

Condição psicológica instável

O exame de EEG requer colaboração do paciente, visto que não é tão agradável assim aderir vários eletrodos no couro cabeludo e permanecer parado por alguns minutos.

Além disso, durante o exame de EEG, é necessário realizar algumas manobras para modificar a atividade elétrica cerebral.

Sem a cooperação do paciente, o que ocorre quando ele está psicologicamente instável, tudo isso fica prejudicado.

Couro cabeludo sem preparo adequado

O couro cabeludo já é por natureza bem oleoso, o que dificulta a aderência dos eletrodos.

Por isso, caso o paciente tenha exagerado nos cosméticos capilares, como cremes ou óleos nutritivos, é recomendado remarcar o exame de EEG.

Principais objetivos do Curso de Eletroencefalograma

Curso de Eletroencefalograma infantil

O curso de eletroencefalograma possui quatro objetivos principais, que vão da padronização de técnica de realização do Eletroencefalograma,  esclarecer a diferença entre EEG clínico e ocupacional ,reduzir o tempo para realiza-lo e diminuir a necessidade de repetição do exame

O curso foi desenvolvido para facilitar a execução adequada do exame na sua clínica médica.

Na sequência, elenquei quais foram os quatro principais objetivos pensados na hora da sua construção.

Padronizar a técnica de realização do curso de Eletroencefalograma

O curso técnico de Eletroencefalograma permite orientar o responsável que realiza o exame para que siga todos os passos de acordo com as diretrizes da Sociedade Brasileira de Neurologia (SBN).

Como se trata de um exame complexo, com muitos passos, é importante que todos realizem de maneira adequada para que o neurologista consiga interpretar o EEG de maneira segura.

Esclarecer a diferença entre EEG clínico e ocupacional no curso de EEG

Com o crescimento da Medicina Ocupacional, tornou-se importante modificar o curso de EEG e separá-lo para que haja mais agilidade durante a execução do exame.

Reduzir o tempo ao realizar o curso de Eletroencefalograma

Um exame de EEG pode demorar mais de 1 hora em muitas clínicas e centros de diagnóstico.

Para que seja possível reduzir o tempo sem perder a qualidade, foi necessário adaptar os protocolos, como veremos neste curso de Eletroencefalograma.

Diminuir a necessidade de repetição do exame no curso de Eletroencefalograma

A falta de conhecimento no preparo adequado da cabeça e couro cabeludo do paciente que vai realizar o EEG faz com que o traçado obtido tenha muitas interferências que inviabilizam a leitura dos resultados.

Melhorar a qualidade do EEG é fundamental para atingir a excelência na qualidade do exame em sua clínica.

Nomenclatura dos eletrodos de EEG usada no curso de Eletroencefalograma prático

curso de eletroencefalograma online

Confira abaixo os nomes de cada um dos eletrodos utilizados no curso de eletroencefalograma

Conheça os nomes dados para cada um dos eletrodos utilizados no EEG.

  • Fp1: eletrodo fronto-polar esquerdo;
  • Fp2: eletrodo fronto-polar direito;
  • F3: eletrodo frontal esquerdo;
  • F4: eletrodo frontal direito;
  • Fpz: eletrodo fronto-polar da linha média;
  • Fz: eletrodo frontal da linha há média;
  • C3: eletrodo central esquerdo;
  • C4: eletrodo central direito;
  • Cz: eletrodo central da linha média;
  • P3: eletrodo parietal esquerdo;
  • P4: eletrodo parietal direito;
  • Pz: eletrodo parietal da linha média;
  • O1: eletrodo occipital esquerdo;
  • O2: eletrodo occipital direito;
  • Oz: eletrodo occipital da linha média;
  • F7: eletrodo temporal anterior esquerdo;
  • F8: eletrodo temporal anterior direito;
  • T3: eletrodo temporal médio esquerdo;
  • T4: eletrodo temporal médio direito;
  • T5: eletrodo temporal posterior esquerdo;
  • T6: eletrodo temporal posterior direito.

Sistema Internacional 10-20% no curso de EEG

No primeiro contato com esse sistema, pode ser que você não saiba bem o seu significado.

Se observar a figura abaixo, verá que a cabeça é dividida em dois hemisférios, direito e esquerdo, e que a distância entre os eletrodos é exatamente a mesma, ou seja, o segundo eletrodo é 20% mais espaçado que o primeiro, e assim por diante.

A exceção está no eletrodo terra colocado na testa ou násion e os dois eletrodos referência colocados no lóbulo das orelhas.

Esse formato é seguido em todo o mundo:

 

Posição 10-20% dos eletrodos de EEG

Posição dos eletrodos de EEG no sistema internacional 10-20%

Como funciona a realização do exame para adultos e crianças?

Como destaquei anteriormente, o Eletroencefalograma é muito simples, não invasivo e indolor. Além disso, ele pode ser feito por pessoas de qualquer idade.

Inicialmente, os pacientes são orientados a retirar qualquer objeto de metal, como bijuterias ou brincos. Logo em seguida, eles são deitados confortavelmente em uma maca.

Feito isso, o técnico ou médico divide o cabelo em mechas, marca os pontos em que os eletrodos serão posicionados e então os fixa com o auxílio de um gel condutor.

Logo em seguida, o equipamento EEG é ligado e começa a amplificar os sinais elétricos do cérebro, que são captados pelos eletrodos e enviados a um monitor para análise.

Ao longo do exame, pode ser necessário que o indivíduo realize algumas ações para estimular as respostas dos neurônios, como olhar para uma luz pulsante ou respirar rapidamente.

No caso dos bebês, o procedimento só pode ser realizado a partir dos 2 meses de idade e muitas vezes é feito no colo da mãe. Para prematuros e menores de 2 meses, ele deve ser descartado, dando lugar à poligrafia neonatal.

Já para as crianças, normalmente é preciso que ele seja feito com registro de sono, já que grande parte das alterações epiléticas infantis ocorre enquanto os indivíduos dormem.

Assim, também é ideal que as crianças façam o EEG com privação de sono, dormindo apenas durante 4 horas na noite anterior.

Além disso, é importante destacar que os pais não devem descartar o diagnóstico de epilepsia em caso de EEG normal, mas sim aprofundar mais as investigações das alterações junto ao médico.

Material necessário para o curso de Eletroencefalograma

Material necessário para preparar o EEG na cabeça do paciente

Esses materiais auxiliam no curso técnico de Eletroencefalograma em medir e separar o cabelo para que você consiga grudar os eletrodos no couro cabeludo, não deixando eles apenas no cabelo — o que promoveria vários artefatos que impedem o neurologista de interpretar o exame.

O preparo com os eletrodos é muito desafiador, necessita de muita paciência e testes até conseguir dominar a técnica.

Materiais do curso de EEG

  • uma fita métrica;
  • uma caneta ou lápis que marcam a pele;
  • um pente para separar o cabelo (de preferência com cabo fino);
  • elásticos ou outro material (prendedores) para manter o cabelo dividido.

Determinar os pontos de reparo

  • násion;
  • ínion;
  • pontos pré-auriculares.

Sequência das medidas no curso de EEG

A posição de cada eletrodo é determinada pela interseção de duas linhas, as quais resultam de uma sequência de medidas.

Essa sequência na qual as medidas são feitas é, portanto, muito importante, pois vários passos dependem das medidas feitas anteriormente.

Medida antero-posterior

É a primeira medida, que vai do násion ao ínion e fornece os pontos localizados na linha média:

  • fronto-polar (Fpz) à 10% do násion;
  • frontal (Fz) à 20% do Fpz;
  • central (Cz) à 20% do Fz;
  • parietal (Pz) à 20% do Cz;
  • occipital (Oz) à 10% do ínion.

Visão lateral da cabeça com EEG

imagem esquemática da lateral da cabeça

Visão lateral do sistema internacional 10-20%

 

Esta visão auxilia na hora de conferir a posição lateral dos eletrodos na cabeça, perto das orelhas.

Visão frontal da cabeça com EEG

Visão transversa da cabeça para eeg

Visão transversa da cabeça para colocar os eletrodos de EEG.

Importante para localizar o eletrodo terra e acompanhar a posição dos eletrodos frontais.

Visão superior da cabeça no curso de EEG

visão do topo da cabeça para eeg

Visão superior da cabeça para colocação dos eletrodos de EEG

 

Esta é outra posição fundamental para entender, olhando de cima, como ficam os eletrodos que dividem a cabeça em dois hemisférios.

Observe que é necessário medir os pontos na cabeça para a colocação dos eletrodos.

Estruturas anatômicas, telencéfalo e função dos lobos cerebrais

Na análise das estruturas anatômicas cerebrais, o EEG tem como foco as atividades do telencéfalo e dos seus lobos cerebrais.

Confira as funções que são avaliadas pelo exame com base em cada lobo que compõe o telencéfalo:

  • Lobo Frontal: responsável por processos de elaboração de pensamentos, emoções, programação de necessidades individuais e planejamento;
  • Lobo Parietal: relacionado à lógica matemática e responsável pelas sensações de tato, dor, temperatura, gustação e pressão;
  • Lobo Temporal: ligado ao sentido da audição;
  • Lobo Occipital: responsável por processar as informações visuais;
  • Lobo Límbico: direcionado ao processamento de memória e aos comportamentos sexual e emocional.

Como limpar o eletrodo EEG após o exame para aumentar sua vida útil

Neste curso de EEG, disponibilizo também um vídeo explicativo sobre como cuidar dos eletrodos do eletroencefalograma depois do uso.

Para aproveitamento dos eletrodos, recomendamos que limpe apenas no final do exame ou quando observar muita interferência.

Aparelho de Eletroencefalograma usado no exame

Existem diversas marcas de Eletroencefalograma no mercado. A Telemedicina Morsch fornece em comodato o aparelho da marca Meditron, modelo Vertex.

 

Eletroencefalograma vertex

Aparelho de eletroencefalograma Meditron Vertex.

Tipos de montagens dos eletrodos na cabeça

Depois de aprender como preparar a cabeça no curso de Eletroencefalograma, está na hora de entender sobre as montagens para diferentes tipos de exames.

Na montagem dos eletrodos, você deve ficar atento ao tipo de exame recomendado para o paciente, pois cada aparelho tem sua escolha do número de eletrodos para o tipo adequado de exame.

Exemplos de montagens sugeridas no curso de Eletroencefalograma

No aparelho de Eletroencefalograma da marca MEDITRON modelo Vertex para medicina ocupacional é escolhido a montagem 1 MONO-B.

Esta montagem requer a colocação de apenas 13 eletrodos para este exame e são realizadas as manobras de olhos fechados, olhos abertos e hiperventilando.

Isso significa que você vai pedir para o paciente respirar rápido, parecido com a “respiração cachorrinho” por 1 minuto.

Para o exame clínico é escolhido a montagem 1M1 com 22 eletrodos, incluindo os auriculares e o eletrodo terra.

Lembro ainda que além das três manobras básicas que descrevi anteriormente, é acrescido o foto-estímulo.

Na figura abaixo, demonstro em vermelho os eletrodos usados para o EEG ocupacional.

Curso de Eletroencefalograma

Posições dos eletrodos no EEG Ocupacional

Na imagem acima é possível ver os pontos marcados em vermelho onde os eletrodos devem ser fixados.

Lembre-se que o terra é no ínion e A1 e A2 ficam nas orelhas, totalizando 13 eletrodos para o exame ocupacional.

Montagem 1 Mono-B — Ocupacional com 13 eletrodos

Para utilizar um traçado padrão de comparação com o exame que você realiza, observe como o traçado aparece rotineiramente na tela do computador.

Se o formato do seu exame for diferente, por favor, revise a técnica, porque podem haver interferentes e o neurologista não conseguirá interpretar o exame.

 

Montagem da cabeça para realizar eeg ocupacional

Montagem dos eletrodos na cabeça para realizar EEG ocupacional.

Outros tipos de aparelhos usados na Telemedicina

O aparelho NEUROSOFT para medicina ocupacional utiliza 9 eletrodos e, para o exame clínico, 21 eletrodos.

O aparelho NEUROVIRTUAL para medicina ocupacional utiliza 11 eletrodos e, para o exame clínico, todos.

Cada aparelho tem sua característica de montagem específica.

Em alguns casos, é necessário o técnico da fábrica configurar por acesso remoto o software do aparelho para poder escolher um número menor de eletrodos para cada tipo de exame, por exemplo.

Neste caso, estou me referindo ao IBLUE ou ICELERA e EMSA.

A Telemedicina Morsch recebe exames de todos os aparelhos no formato PDF.

Nosso sistema é mais leve, rápido e, mesmo com uma internet de baixa velocidade, é possível transmitir os dados com sucesso para o nosso sistema.

BAIXE O E-BOOK GRATUITO: MANUAL DE INTERPRETAÇÃO DO EEG

Como ocorre o uso do vídeo-EEG?

O exame de vídeo eletroencefalograma é feito da mesma maneira que o eletroencefalograma tradicional, mas com registros simultâneos de imagens.

Assim, não só os resultados da atividade cerebral são analisadas pelo médico, mas também o vídeo obtido.

Dessa maneira, o especialista terá mais informações para determinar se as manifestações clínicas do paciente são ou não de natureza epiléptica.

Além disso, os registros prolongados são muito importantes para documentar as características de crises convulsivas e epilépticas.

Da mesma maneira, também é possível identificar o início e a propagação dos quadros, classificando precisamente os tipos das crises e garantindo um diagnóstico e tratamento muito mais assertivos.

Uso do EEG em pacientes críticos e na monitorização contínua

O uso do EEG pode ser considerado fundamental para a monitorização contínua de pacientes críticos.

Isso porque, os diagnósticos eletroencefálicos são de suma importância na determinação da causa e na avaliação da evolução de pacientes graves, especialmente daqueles em coma.

Por meio do EEG, os especialistas podem detectar eventos neurológicos adversos, garantindo uma intervenção mais ágil e capaz de reduzir significativamente a incidência de danos neurológicos secundários.

A importância desse processo se dá porque os pacientes críticos geralmente sofrem com modificações estruturais e funcionais antes que elas sejam encontradas no exame neurológico.

Dessa maneira, quando o exame clínico detecta alguma alteração, muitas vezes as lesões cerebrais já são irreversíveis.

Sendo assim, com o EEG junto ao leito dos pacientes graves, qualquer alteração precoce pode ser encontrada, assim como possíveis faltas de oxigênio, o que diminui muito as chances de danos mais graves aos indivíduos monitorados.  

Com o constante avanço da tecnologia, esta prática está se tornando cada vez mais simples, demandando apenas o uso do equipamento EEG continuamente junto ao paciente, conexão a um computador, além do acompanhamento de um técnico, médico eletroencefalografista e um neurointensivista.

5 opções para quem deseja fazer um curso de Eletroencefalograma

Depois de abordar as características e benefícios de um bom curso de eletroencefalograma, terei o prazer de apresentar as opções que a Tecnologia Morsch oferece na área.

Antes, porém, criei uma lista com mais 5 opções de qualificações para você se aprimorar, que inclui cursos online e presenciais. São elas:

  • Manole – Curso teórico de realização de Eletroencefalograma, com demonstrações práticas online

Direcionado a estudantes, médicos e profissionais da saúde em geral, o objetivo deste curso é habilitar técnicos para a realização de exames com precisão, para o reconhecimento de ritmos cerebrais e para o uso dos artefatos necessários para a obtenção dos diagnósticos. As aulas são online e o acesso começa no dia 30/06/2021.

  • WR Educacional – Curso de Noções Básicas em Eletroencefalograma com Certificado Válido em todo Brasil

O Curso de Noções Básicas em Eletroencefalograma Grátis é totalmente online e o estudo é feito por meio de apostilas. Quando o aluno se sentir apto, ele poderá fazer uma avaliação para solicitar seu certificado. Trata-se de uma oportunidade de qualificação para o desenvolvimento de eletroencefalografistas que pretendam atuar em ambiente hospitalar, realizando e laudando exames de EEG de pacientes.

  • Kandel – Curso de Introdução à Interpretação do Eletroencefalograma

Trata-se de um curso presencial criado para habilitar os alunos para a sequência telepresencial das aulas. O objetivo é transmitir os conceitos básicos para a interpretação do EEG, como são gerados os ritmos, seus padrões, aspectos técnicos, e assim por diante. As aulas semanais terão duração de 2 horas e serão promovidas durante o primeiro semestre de 2020.

  • Albert Einstein – Eletroencefalografia para Técnicos

Dividido entre aulas teóricas online e práticas presenciais, o curso é voltado a técnicos e trata sobre aspectos básicos do método, sua importância perante diferentes quadros, Sistema 10-20 de colocação de eletrodos e realização do exame em adultos e crianças, com discussões de casos clínicos baseados em exemplos reais. As datas e horários das turmas podem ser selecionadas na página da instituição.

  • Albert Einsten – Eletroencefalografia para Médicos

Já o curso de Eletroencefalografia para Médicos do Albert Einstein, visa atualizar os conhecimentos dos profissionais na área da Neurofisiologia Clínica

Os temas contemplados abrangem as questões mencionadas no exemplo anterior, mas com um aprofundamento próprio para quem é formado em medicina. Os encontros online e presenciais também podem ser escolhidos no site do curso.

Um bônus para você que leu até aqui!

Já que você chegou até aqui e demonstrou interesse no assunto, na sequência, separei algumas informações que podem fazer a diferença na hora de fazer o EEG. Confira!

EEG como Mapeamento Cerebral

Neste curso de Eletroencefalograma, achei importante separar um tópico para falar sobre o mapeamento cerebral.

Para realizar o exame, deve ser utilizada a montagem clínica de acordo com o seu aparelho.

Depois, registre o exame clínico na manobra inicial de olhos fechados.

O tempo de registro é de 3 minutos e o restante do exame permanece exatamente igual ao EEG clínico.

Sim, a única diferença está na primeira manobra, que é registrada durante 3 minutos.

O aparelho de EEG que tiver essa possibilidade de realizar um EEG com mapeamento cerebral vai converter o traçado da tela do computador em imagens, semelhante a uma tomografia

Com isso, consegue mapear onde estão exatamente os focos epiléticos.

O neurologista vai receber como exame de mapeamento cerebral um formato de arquivo específico com extensão .mdt e vai usar o software de análise clínica para, no final, fazer o mapeamento das áreas cerebrais investigadas — enviando no laudo as imagens geradas no software.

Não se preocupe com a complexidade do exame, pois nosso suporte sempre acessa remotamente o seu computador e ensina para você todos os passos que devem ser seguidos com segurança.

Para isso, basta marcar um treinamento.

Clique aqui para saber mais sobre EEG COM MAPEAMENTO

Artefatos que inviabilizam o exame de EEG

Conheça quais são os principais artefatos que prejudicam os resultados e leitura do exame.

Interferências no eletroencefalograma, piscamento rápido:

Artefato no eeg de piscamento e abertura dos olhos

 

Interferências no eletroencefalograma, eletrodo solto:

Traçado de eeg com eletrodo solto

 

Interferências no eletroencefalograma, atividade muscular:

Artefato no eeg causado por atividade muscular

 

Interferências no eletroencefalograma, rede elétrica:

artefato de eeg sem aterramento

 

Interferências no eletroencefalograma, estática:

artefato de estática no eeg

 

Interferências no eletroencefalograma, suor:

Artefato de eeg causado pelo suor

 

Interferências no eletroencefalograma, mastigação:

artefato de mastigação no eeg

 

Interferências no eletroencefalograma, toque celular:

Artefato de toque de celular no eeg

 

Interferências no eletroencefalograma, piscamento:

artefato de piscamento no curso de eeg

 

Exemplo de EEG de boa qualidade

Para que o seu exame de eletroencefalograma seja de boa qualidade, ele deve parecer com a imagem a seguir.

 

eeg de boa qualidade técnica

Traçado de EEG sem interferências.

Dicas para melhorar a qualidade do EEG

Touca para o curso de eletroencefalograma

A touca de EEG reduz o tempo de exame pela metade

Quanto mais dicas para conseguir um EEG de qualidade, melhor, não é mesmo?

Então, segue mais algumas para você:

  • utilize sempre um computador portátil com uma bateria que suporte carga por mais de 30 minutos desconectada, então, no momento de registrar o exame, procure tirar o cabo da tomada para diminuir interferências externas;
  • utilize um ambiente climatizado para evitar que o paciente tenha suor excessivo e, durante o exame, procure desligar o ar-condicionado;
  • se o cabelo do paciente estiver muito oleoso, é preferível ou lavar em uma pia semelhante às usadas por cabeleireiros ou pedir para o paciente retornar outro dia, logo depois do banho, sem usar condicionador;
  • na aba “suporte de fábrica” do nosso site você encontra os melhores preços para compra dos cabos de uso rotineiro e da pasta que traz melhor qualidade durante o exame;
  • disponibilizamos um vídeo exclusivo para orientar o cliente no aprendizado prático de execução do exame de Eletroencefalograma com qualidade.

Interpretação dos resultados no curso de Eletroencefalograma

Os vários tipos de ondas cerebrais detectados em um exame de EEG apresentam nomes diferentes, os quais são categorizados de acordo com a sua frequência, ou seja, em ondas por segundo.

Entre elas podemos citar as ondas alfa, ondas delta e ondas de pico.

Certos tipos de ondas acontecem em momentos ou áreas específicas do cérebro.

Conforme o local em que o eletrodo foi inserido, é possível identificar onde essas ondas ocorreram, assim como o respectivo hemisfério.

A localização das ondas cerebrais normais ou anormais em montagens bipolares geralmente é feita por meio da identificação da inversão de fase, que é uma deflexão dos dois canais dentro de uma cadeia que aponta para direções opostas.

Juntas, todas as informações do EEG ajudam a definir a origem da atividade elétrica e permitem que o neurologista identifique o distúrbio cerebral.

Para isso, ele deve ter pleno conhecimento sobre o significado das ondas e o que cada desvio significa.

Curso de Eletroencefalograma: vídeo demonstrativo completo

EEG: conheça as Normas Reguladoras (NR)

Entre as principais NRs relacionadas ao exame de EEG, estão:

  • NR 11 — transporte;
  • NR 15 — insalubridade por ruídos;
  • NR 16 — atividades e operações perigosas;
  • NR 18 — construção civil;
  • NR 30 — trabalho aquaviário;
  • NR 35/36 — trabalho em altura.

Facilite o exame usando uma touca no curso de Eletroencefalograma

Para serviços de alta rotatividade, é possível usar uma touca especial que agiliza o exame.

Ela está disponível em quatro tamanhos diferentes, que devem ser utilizadas de acordo com a medida da cabeça do paciente.

Assista neste vídeo abaixo a demonstração.

Como visto, este assunto é realmente muito extenso e pode deixar dúvidas não esclarecidas pelo artigo. Então, esteja sempre em busca de mais informações e capacite-se para desempenhar o melhor trabalho possível.

Telemedicina Morsch como parceira no curso de EEG e na emissão de laudos a distância

Telemedicina Morsch como parceira no treinamento de EEG e emissão de laudos a distância

Telemedicina Morsch atua como parceira no treinamento de EEG e também na emissão de laudos à distância.

Este curso prático de EEG é disponibilizado de forma gratuita para qualquer pessoa que precisa aprender a realizar o exame de EEG em sua clínica.

Para clientes da Telemedicina Morsch, esse curso de EEG prático serve como referência durante o treinamento feito pelo nosso suporte de forma gratuita com ensino a distância e acesso remoto no computador do cliente.

É muito comum ocorrer rotatividade ou faltas não avisadas nos serviços de saúde sem que sejam comunicadas em tempo hábil para que um novo funcionário possa ser treinado.

Pensando nisso, a Telemedicina Morsch disponibiliza suporte permanente para todos os clientes que necessitem desse apoio, sem nenhum custo adicional nos serviços.

Conclusão

Curso de EEG prático com vídeos para a Telemedicina

Neste conteúdo que você acabou de ler, procurei destacar a importância de um bom treinamento em EEG.

Também descrevi as diferenças entre EEG clínico e ocupacional.

Como bônus, o leitor aprendeu ainda sobre o Eletroencefalograma com mapeamento cerebral.

Serviços que necessitam de uma orientação em como realizar um EEG de qualidade podem ter como base esse curso de Eletroencefalograma gratuito e, com isso, diferenciar-se em sua região.

Caso não conte com um neurologista disponível diariamente em seu serviço, você pode se beneficiar com a Telemedicina.

E aí, o que achou deste curso? Quer receber mais conteúdos importantes para o seu dia a dia de trabalho médico?

Assine a newsletter e receba todos os meus posts diretamente no seu e-mail. Aproveite, também é grátis!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE