Tomografia com contraste: para que serve, riscos e indicações

Por Dr. José Aldair Morsch, 15 de fevereiro de 2022
Tomografia com contraste

A tomografia com contraste é um exame tradicional no dia a dia da medicina.

É comum a sua indicação para visualizar detalhes de órgãos abdominais, torácicos e vasos sanguíneos.

Isso porque o composto confere destaque a essas estruturas.

Por causa de sua densidade, elas costumam aparecer em tons escuros na imagem radiográfica, o que dificulta a sua avaliação.

Além disso, impõe barreiras ao diagnóstico de patologias nos sistemas nervoso, digestivo, urinário, reprodutor, entre outros.

Junto à substância que realça os tecidos estudados, os registros da TC são potencializados.

É algo que traz evidência ao exame e às partes analisadas nele.

Nos próximos tópicos, falo mais sobre a combinação da tomografia com contraste.

Comento sobre as principais indicações e explico como minimizar os riscos do exame.

Se o assunto interessa, siga com a leitura.

O que é tomografia com contraste?

Tomografia com contraste é um exame que emprega radiação ionizante, um tubo giratório e um composto que realça as estruturas para coletar imagens internas do organismo.

Vale lembrar que o aparelho de tomografia nasceu da evolução do equipamento de raio X, tendo a capacidade de captar diversas radiografias de uma só vez.

Graças ao tubo, que gira 360 graus ao redor da área examinada, são obtidos cortes transversais que permitem até formar imagens das estruturas em 3D.

Ou simplesmente verificar sua anatomia em detalhes.

No caso das artérias e veias, o uso de contraste na tomografia computadorizada (TC) ainda possibilita o estudo da trajetória percorrida pelo sangue dentro desses vasos.

Como o composto é líquido, ele realiza o mesmo caminho do sangue, revelando desvios, obstruções e outros problemas de forma não invasiva.

Tomografia com e sem contraste: qual a diferença?

Rápida e indolor, a tomografia é um dos testes de imagem mais populares da atualidade.

Como adiantei acima, o procedimento coleta várias radiografias simultaneamente, proporcionando uma visão muito mais completa que o raio X simples.

Outra vantagem está na menor exposição do paciente à radiação ionizante, possível graças a adaptações presentes nos tomógrafos modernos.

Lembrando que a exposição excessiva a esse tipo de radiação pode desencadear males como o câncer.

Seja com ou sem contraste, a TC é feita com o paciente imóvel na maca do tomógrafo, a fim de garantir registros nítidos.

E é aí que entra a diferenciação pelo uso do composto.

Nas imagens radiográficas sem contraste, somente as estruturas de maior densidade aparecem claras.

Isso ocorre porque elas absorvem mais radiação, permitindo que poucos raios X as ultrapassem e se choquem contra a placa fotossensível do equipamento.

Assim, a tomografia sem contraste oferece registros nítidos dos ossos e outros tecidos duros.

Em contrapartida, os órgãos, cartilagens, vasos sanguíneos e outras partes moles aparecem escuros.

Já na TC com contraste, a área examinada fica em evidência, favorecendo uma avaliação detalhada.

Para que serve a tomografia com contraste

De forma resumida, a tomografia com contraste serve para dar destaque a tecidos de menor densidade.

Para tanto, o teste utiliza meios de contraste produzidos à base de agentes radiopacos, ou seja, que mantêm a opacidade quando atingidos pela radiação ionizante.

Na tomografia, o agente radiopaco mais comum é o iodo, contido em compostos iodados.

Dependendo do tecido avaliado, o médico pode optar por um contraste não iodado, feito à base de bário.

Iodo e bário aumentam a capacidade de absorção dos raios X, tornando as imagens de órgãos e partes moles mais claras.

O resultado são registros que permitem a observação de características como a forma, o tamanho e a vascularização dos tecidos.

Tomografia contrastada

A TC com contraste é um dos exames que podem ser interpretados a distância, com auxílio da telemedicina

Principais indicações da tomografia com contraste

A maior parte das indicações é feita para órgãos abdominais e vasos sanguíneos.

No caso das estruturas do abdômen, além da baixa densidade, há uma sobreposição de tecidos que dificulta a análise pela tomografia sem contraste.

Nesse cenário, fica complicado visualizar os limites de cada órgão, pois todos aparecem em tons escuros de cinza.

As artérias e veias também absorvem poucos raios X, o que pede um realce para que sejam observadas com clareza. E esse realce é conferido pelo contraste.

Confira, a seguir, as principais finalidades da tomografia com contraste feita em diferentes partes do corpo.

Tomografia abdominal com contraste

Perda ou ganho de peso abruptamente, enjoo, febre e vômito estão entre os sintomas que podem motivar o pedido médico pela tomografia do abdômen.

Conforme expliquei antes, muitas vezes esse teste precisa de contraste para conferir nitidez a uma estrutura em meio à sobreposição de tecidos no abdômen.

O estudo de órgãos do aparelho digestivo costuma utilizar contraste à base de bário, administrado por via oral.

Já as estruturas que pertencem aos demais sistemas, como o urinário e reprodutor, costumam ser evidenciadas com o auxílio de um composto iodado.

O mesmo raciocínio vale para artérias e veias, examinadas por meio da administração de contraste por via intravenosa.

Além da investigação de sintomas, a tomografia de abdômen contrastada serve para diagnosticar ou monitorar a evolução de patologias como:

  • Tumores benignos e malignos (incluindo câncer)
  • Traumas abdominais, resultantes de impactos na região
  • Colite ulcerosa
  • Pedras nos rins
  • Diverticulite
  • Apendicite
  • Pancreatite
  • Aneurisma da aorta abdominal: dilatação que provoca o enfraquecimento da parede da artéria aorta
  • Doença de Crohn, que desencadeia inflamação crônica do trato digestivo
  • Pedra na vesícula
  • Cirrose.

 

Tomografia do crânio com contraste

Ao contrário da TC abdominal, nessa modalidade, o uso do contraste não é comum.

Geralmente, o composto só é requerido para examinar os vasos sanguíneos ou verificar a existência de estruturas hipervascularizadas.

Esse é o caso de inflamações e tumores, tanto benignos quanto malignos.

A tomografia do crânio com contraste é importante, ainda, na avaliação dos danos provocados pelo acidente vascular isquêmico ou isquemia cerebral.

Esse evento grave decorre da redução do fluxo sanguíneo em uma das artérias cerebrais, causada por bloqueios como coágulos e placas de gordura.

Tomografia do tórax com contraste

A TC torácica com contraste viabiliza o estudo de órgãos vitais como coração e pulmões a partir dos vasos sanguíneos que os irrigam.

Empregando o contraste iodado, o teste tem contribuição relevante no rastreio de câncer de pulmão entre fumantes, por exemplo.

Contribui, ainda, para identificar males cardiovasculares como a doença arterial coronariana (DAC), causada pela diminuição no espaço de passagem do sangue para o músculo cardíaco.

O acúmulo de placas de gordura, cálcio e outras substâncias nas paredes das artérias costuma estar por trás dessa patologia.

Tomografia dos rins com contraste

Malformações, tumores, infecções e cálculos renais podem ser avaliados a partir da tomografia dos rins com contraste.

Lembrando que esse procedimento pode fazer parte da tomografia de abdômen total, ou ser pedido especificamente para avaliar os rins.

Tomografia do fígado com contraste

Dá suporte na detecção de lesões como abscessos e tumores.

Como o fígado se localiza no abdômen, também costuma ser avaliado na TC de abdômen total.

O exame de tomografia com contraste é perigoso?

A tomografia com contraste é um método diagnóstico seguro, provocando complicações apenas em casos raros.

Contudo, existem riscos pela exposição à radiação ionizante e pelo uso do contraste, em especial ao iodado.

Isso porque os compostos iônicos possuem alta concentração de contraste, o que eleva o risco de reações adversas.

Pacientes que pertençam a grupos sensíveis, como gestantes, cardiopatas e pessoas com alergias, devem ter seu caso avaliado detalhadamente pelo médico.

Dessa maneira, o profissional poderá confirmar se os benefícios do teste superam os riscos.

E como toda medicação, o contraste iodado está contraindicado em algumas circunstâncias.

Uma delas é para diabéticos que usam medicamentos com cloridrato de metformina – substância que, junto ao iodo, pode desencadear insuficiência renal aguda.

Compostos com iodo também não devem ser utilizados em doentes diagnosticados com hipertireoidismo ou insuficiência renal.

Já a ingestão do contraste com bário deve ser evitada caso haja suspeita de perfuração de tecidos.

Como o bário é insolúvel, existe o risco de que escape dos órgãos do sistema digestivo e cause inflamação na membrana que reveste a parede do abdômen, chamada peritônio.

TC contrastada

Observar vasos sanguíneos e órgãos abdominais pode demandar a realização de uma tomografia com contraste

Quais os efeitos colaterais do contraste?

Nem sempre há reações adversas, mas, quando existem, a maioria é leve.

Calor, gosto metálico e náuseas podem ser percebidos enquanto o contraste iodado é administrado por via intravenosa, mas os incômodos logo passam.

Outros sintomas que podem surgir durante ou depois do exame são:

  • Urticária (irritação na pele)
  • Edema (inchaço) nas pálpebras e face
  • Náuseas, vômito e diarreia
  • Tontura
  • Dor de cabeça
  • Falta de ar
  • Aumento na pressão arterial
  • Convulsões
  • Tosse, pigarro, rouquidão
  • Edema de glote
  • Arritmias (alterações na frequência cardíaca)
  • Insuficiência renal
  • Parada cardíaca.

Em resposta ao risco de eventos graves como a parada cardíaca, a tomografia com contraste só pode ser feita em serviços equipados para atender emergências.

Assim, o paciente recebe atendimento imediato para tratar qualquer efeito colateral.

Além disso, cerca de 95% das reações alérgicas ao contraste ocorrem entre 5 e 10 minutos após a aplicação dessas substâncias.

Esse cenário permite que o paciente seja socorrido na própria unidade de saúde onde o teste é realizado.

Quanto tempo dura o efeito do contraste?

O efeito do contraste costuma durar algumas horas, a fim de possibilitar o realce de tecidos nas imagens radiográficas.

Já as reações adversas podem aparecer até 48 horas após a tomografia, que é o tempo necessário para o corpo eliminar a substância.

Quanto mais tarde o efeito colateral se manifestar, menor tende a ser a sua gravidade.

Normalmente, os problemas que surgem muitas horas depois do teste são urticária e vermelhidão na pele.

Preparo antialérgico para tomografia com contraste

O preparo para qualquer exame contrastado requer uma triagem para selecionar as pessoas com maior risco de apresentar reações alérgicas ao composto.

O processo começa com algumas perguntas sobre o histórico e a condição atual de saúde do indivíduo.

Uma vez que haja risco aumentado para efeitos colaterais, o médico recomenda terapia para dessensibilização.

Esse preparo costuma envolver a ingestão de corticoide oral por algumas horas, realizada na clínica ou hospital antes da tomografia.

O objetivo é diminuir as chances de complicações para o paciente.

Telemedicina na tomografia computadorizada com contraste

A telemedicina é a disciplina que conecta médicos e outros profissionais de saúde em diferentes localidades.

Para garantir a segurança dos dados, documentos médicos são compartilhados dentro de plataformas hospedadas na nuvem, onde são protegidas por senhas e criptografia.

É o caso do sistema Morsch, que oferece uma série de facilidades para sua equipe otimizar a entrega de exames radiológicos, como a TC com contraste.

A seguir, conheça o serviço de laudos digitais.

Laudos online

Manter um time completo de radiologistas para interpretar a tomografia com contraste na sua unidade de saúde não é fácil.

Essa equipe pode sair caro ou nem mesmo estar disponível na sua cidade.

Principalmente se você estiver longe das metrópoles brasileiras.

A boa notícia é que, com a Telemedicina Morsch, seus colaboradores ganham o reforço de especialistas qualificados e experientes na interpretação de exames contrastados.

Basta conduzir o teste normalmente e compartilhar os resultados no software de telemedicina para que a avaliação comece.

Nossos radiologistas de plantão analisam os registros sob a luz da suspeita clínica e histórico do paciente, elaborando o laudo médico.

O documento é assinado digitalmente para garantir a autenticidade e entregue pela própria plataforma, conferindo agilidade aos resultados.

Veja quais exames podem ser interpretados a distância pelos nossos radiologistas:

Clique aqui e conheça todas as vantagens de contar com o serviço de laudos digitais na telerradiologia.

Conclusão

Ao final deste artigo, espero ter contribuído para ampliar seus conhecimentos sobre a tomografia com contraste.

A evolução da medicina tem permitido o aperfeiçoamento de técnicas e substâncias empregadas no exame, aumentando sua acurácia e segurança para o paciente.

Nesse contexto, os testes contrastados deverão estar cada vez mais presentes na rotina dos serviços de saúde, aumentando a demanda por laudos médicos.

Vale, então, contar com a equipe de especialistas da Telemedicina Morsch para entregar os resultados com rapidez, sem deixar de lado a qualidade.

Acesse esta página para saber mais.

Achou este conteúdo útil? Compartilhe.

Assine a newsletter e seja avisado sobre os próximos artigos.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE