Vertigem: o que é, sintomas, causas e como tratar

Por Dr. José Aldair Morsch, 24 de junho de 2022
vertigem o que é

Quer saber mais sobre vertigem, o que é, sintomas e como diferenciar de outras situações, como tontura?

A verdade é que essa condição tem especificidades que exigem atenção e cuidado especiais.

Por isso, preparei informações completas para ajudar você a entender o que é a vertigem, quais são os sintomas, quais são as possíveis causas e como tratá-la.

Acompanhe até o final para entender mais sobre vertigem e aprender a identificar se você pode ter esse problema.

Confira ainda como a tecnologia ajuda você a consultar com um médico sem sair de casa. 

O que é vertigem?

A vertigem é uma sensação de alteração no equilíbrio, como se a pessoa ou o ambiente estivessem girando, ainda que ela esteja imóvel.

Trata-se de uma condição médica de causas diversas, incluindo outras doenças.

Embora nada esteja girando de fato, a percepção é bastante real e desagradável.

Esta e outras sensações errôneas, como balanço, inclinação, oscilação e deslizamento caracterizam a vertigem (CID H81).

Ela é mais comum em mulheres com mais de 60 anos, mas também pode afetar pessoas de qualquer idade ou sexo biológico.

Quais os sintomas de vertigem?

Geralmente, a vertigem se manifesta com a sensação de estar girando ao redor de si mesmo.

Isso pode acontecer quando a pessoa se levanta muito rapidamente da posição sentada ou até mesmo quando está deitada.

Além da sensação de falso movimento do próprio corpo ou do ambiente, a vertigem pode se manifestar junto de outros sintomas, como por exemplo:

Diferença entre tontura e vertigem

É muito comum as pessoas associarem vertigem à tontura e vice-versa.

Porém, apesar de também ter a mesma característica de perturbação da orientação espacial, a tontura não necessariamente é vertiginosa.

Como mostrei acima, a principal característica da vertigem é a sensação de rotação do movimento.

Pode ser do corpo ou do ambiente. 

Já na tontura, não acontece esta queixa de perturbação com ilusão de movimento.

A tontura não vertiginosa geralmente é causada pela falta de oxigenação do cérebro devido a alterações cardíacas, queda de pressão, anemia, hipoglicemia, por exemplo.

Para distinguir a tontura da vertigem, o médico otorrinolaringologista geralmente procura por sensações descritas como:

  • Visão escurecida repentinamente
  • Surgimento de pontos brilhantes na visão
  • Flutuação do corpo
  • Iminência de desmaio
  • Perda de equilíbrio.

Quando a pessoa possui alguma causa de desequilíbrio, como dificuldades visuais, auditivas, artrite e diabetes, também podem ocorrer sensações como: 

  • Fraqueza repentina
  • Sensação de que pode cair a qualquer momento.

Como vimos, diferenciar a vertigem da tontura não é algo tão simples.

Além disso, cada uma dessas sensações pode significar problemas de saúde diferentes, por isso é importante procurar uma avaliação médica ao persistirem os sintomas.

O que causa vertigem?

A vertigem pode ocorrer devido a algum movimento feito de forma muito brusca, sendo um episódio isolado que dura apenas alguns segundos.

Porém, também pode ser sintoma de outras doenças.

Dentre as patologias que podem causar vertigem, uma das mais conhecidas é a labirintite.

É uma doença rara que acomete geralmente pessoas acima de 40 anos.

Trata-se de uma disfunção do labirinto, região do ouvido interno que possui órgãos responsáveis pela audição, equilíbrio e percepção da posição corporal.

Geralmente a labirintite é ocasionada por bactérias, vírus ou, em alguns casos, devido a fatores emocionais, como estresse e alterações circulatórias

Podemos listar algumas outras possíveis causas da vertigem:

  • Infecção de ouvido
  • Enxaqueca
  • Traumatismo craniano
  • Vertigem Paroxística Posicional Benigna (VPPB)
  • Tumores cerebrais
  • Acidente vascular cerebral (AVC) 
  • Uso de algumas drogas e medicamentos, como efeito colateral do uso de alguns antibióticos, anti-inflamatórios, diuréticos, dentre outros que podem ter efeitos tóxicos para a região interna do ouvido
  • Esclerose múltipla
  • Alterações metabólicas, como diabetes ou dislipidemia (alta presença de gordura no sangue)
  • Doença de Ménière, provocada por alterações metabólicas e hábitos alimentares inadequados, outra doença que afeta o labirinto e pode ocasionar vertigens
  • Doenças cervicais
  • Doenças cardiovasculares
  • Predisposição genética
  • Condições relacionadas ao envelhecimento
  • Ansiedade
  • Hábitos nutricionais inadequados.
Vertigem

A vertigem costuma acontecer quando a pessoa se levanta muito rapidamente da posição em que estava

Vertigem e ansiedade: qual a relação?

Muitas pessoas têm dúvida se a vertigem pode ser um sinal de ansiedade.

A resposta é sim.

Um dos tipos dela está relacionado à labirintite emocional.

Trata-se de uma labirintite causada por alterações emocionais, seja ansiedade, depressão ou estresse.

Essas alterações, no caso da labirintite emocional, levam à inflamação do labirinto ou dos nervos do ouvido.

Outro tipo relacionado à ansiedade é a vertigem fóbica, também chamada de tontura perceptual.

É um tipo de condição cíclica, em que a ansiedade piora a tontura, e a tontura piora a ansiedade.

Essa tontura é causada por um distúrbio químico no cerebelo, que leva a pessoa a sentir muito desequilíbrio, o que pode levar a crises de ansiedade.

As crises de ansiedade, por sua vez, pioram a tontura, completando o ciclo.

Neste caso, pode ser necessário o tratamento com medicamentos psiquiátricos prescritos pelo especialista.

Tipos de vertigem

Agora, quero explicar um pouco mais sobre os diferentes tipos de vertigem.

São informações para ajudar você a identificar os sinais e procurar ajuda especializada assim que observar alguns dos sinais abaixo.

Vertigem Paroxística Posicional Benigna (VPPB)

É um distúrbio ocasionado no ouvido interno, provocado pelo deslocamento e movimentação dos otólitos ou otocônias, que são pequenos cristais de carbonato de cálcio imersos nos órgãos otolíticos, o sáculo e o utrículo.

Quando ocorre um deslocamento devido a um movimento da cabeça, esses cristais vão para a região semicircular do ouvido interno.

Ali, podem causar irritação, ocasionando quadros agudos de vertigem.

Na maioria dos casos, a causa para a VPPB é desconhecida.

Por ser benigna, a princípio não apresenta sinais de gravidade e nem mesmo problemas neurológicos. 

Vertigem cervicogênica

A vertigem cervicogênica é um tipo de sintoma relacionado a alterações na região do pescoço e coluna cervical

Os pacientes podem sentir a sensação de “cabeça vazia” por minutos ou até horas, estando em movimento ou mesmo em repouso.

Normalmente, a vertigem cervicogênica é acompanhada de dores no pescoço, rigidez muscular e movimento da coluna cervical reduzida.

Isso pode limitar a capacidade de movimento do paciente com medo de agravar os sintomas.

Síndrome vertiginosa

Exercícios, dieta, medicamentos ou psicoterapia são possíveis tratamentos para casos de vertigem

Vertigem central

A síndrome vestibular central, também conhecida por vertigem central, é um tipo de vertigem ocasionada por alterações no sistema nervoso central.

Pode ser decorrente de doenças como aneurisma, tumor cerebral e enxaqueca.

A presença associada da vertigem com dor de cabeça, falta de coordenação nos movimentos corporais, dificuldade de coordenar a fala e visão duplicada pode ser um alerta da presença de doenças neurológicas que precisam de uma atenção especial.

Vertigem periférica

Diferente da vertigem central, que tem origem no sistema nervoso central, a periférica possui origem na região labiríntica.

Ou seja, na região da orelha interna, comumente conhecida como ouvido.

É um tipo de vertigem que costuma ser menos danosa.

Além disso, não indica necessariamente a presença de um quadro mais agravado de saúde, como as vertigens centrais.

Vertigem oscilatória

A vertigem oscilatória é um sintoma onde os pacientes descrevem uma sensação de desequilíbrio, com movimentos multidimensionais, ou seja, em várias direções.

Essa sensação de balanço ou inclinação remete ao movimento de um barco flutuando em mar agitado.

Vertigem rotatória

Na vertigem rotatória, a pessoa sente que ela ou ambiente estão girando, semelhante a um carrossel.

Esses sintomas são comuns na doença de Menière, na VPPB ou na neuropatia vestibular, quando ocorre a falência do sistema vestibular.

Vertigem somatoforme

Existem alguns casos de vertigem em que não há sinais evidentes de alterações no corpo que expliquem esses sintomas, mesmo quando estes são fisicamente intensos.

Nestes casos, trata-se de vertigem somatoforme ou psicogênica, mais comum entre pessoas entre 30 e 50 anos.

Vertigem postural fóbica (VPF)

A vertigem postural fóbica é a segunda maior causa de síndromes na região vestibular (periférica).

Ela é caracterizada pela combinação de vertigem oscilatória e instabilidade postural.

Sua origem pode estar associada a situações que geram fobias em algumas pessoas.

São exemplos: locais movimentados, medo de sair de casa ou cair, ansiedade, depressão, pânico e agorafobia.

Por ter origem psicológica, pode ser considerada também uma vertigem somatoforme.

Como tratar vertigem?

Para um correto diagnóstico, além da anamnese, é necessária a realização de alguns exames.

Assim, será possível entender a origem dessa vertigem e o determinar o tratamento adequado, seja por exercícios, dieta, medicamentos ou psicoterapia.

A VPPB, por exemplo, pode ser tratada com o reposicionamento dos cristais de cálcio do local inadequado.

Isso se dá a partir de exercícios específicos realizados na maca, chamados de reposicionamento de otólitos.

O uso de medicamentos pode ser prescrito de acordo com a origem da vertigem.

Em caso de patologias como a doença de Menière, são anticolinérgicos, diuréticos, beta-histina, supressores vestibulares e anti-histamínicos, além de alterações na dieta, como restrições de sódio e cafeína.

Já para vertigens de origem central, os tipos de medicamentos utilizados são anti-histamínicos, anticolinérgicos e benzodiazepínicos. 

Por fim, os casos de vertigem postural fóbica respondem muito bem ao tratamento junto de antidepressivos, benzodiazepínicos e psicoterapia.

Cabe destacar que, por diferentes casos estarem associados às condições físicas dos pacientes, é recomendável uma reavaliação da dieta, assim como do estímulo à prática regular de exercícios físicos.

Qual médico procurar?

Como mencionei acima, o mais importante é procurar ajuda médica quando os sintomas persistem, mesmo que não seja com o médico especialista.

O clínico geral poderá fazer a primeira anamnese e encaminhar para o especialista mais indicado.

Essa consulta pode ser feita online, para agilizar o primeiro atendimento

Quando há suspeitas de vertigem por causas neurológicas, o médico neurologista pode indicar o melhor tratamento.

Nesse caso, também é possível ter atendimento pela telemedicina e consultar um médico neurologista online.

Já quando as causas parecerem ser mais relacionadas a questões auditivas, o otorrinolaringologista pode investigar mais profundamente para diagnosticar a vertigem e propor o tratamento adequado.

Há ainda a possibilidade de a condição ser detectada também pelo oftalmologista, caso esteja associada a problemas visuais.

A teleoftalmologia já é uma realidade e possui diversas vantagens.

Consulte online com a telemedicina

Agora, você pode estar se perguntando: o que é a telemedicina?

A telemedicina é uma modalidade da medicina em que o atendimento médico é feito de forma online e remota.

Ou seja, um médico de qualquer lugar do mundo pode atender um paciente, mesmo que estejam a vários quilômetros de distância.

E como é feito o atendimento online?

Ao contrário do que se pode pensar, o atendimento online é, em muitos pontos, igual ao atendimento presencial.

O primeiro ponto é que ele também acontece em tempo real, com a presença ao vivo do médico e dedicação 100% plena ao paciente durante a consulta.

Outro benefício é que, assim como na consulta presencial, o profissional em atendimento online pode solicitar exames e prescrever medicamentos, se necessário.

É possível também receber telediagnósticos, resultados de exames e análises, tudo de forma remota.

Nos casos de vertigem, a telemedicina é ainda mais favorável, especialmente em casos de vertigem grave ou persistente, que causa sérias dificuldades de locomoção.

Assim, os pacientes podem ter acesso ao atendimento médico adequado e de qualidade, sem ter que se deslocar de casa.

Onde procurar atendimento médico de qualidade?

Na plataforma Morsch, você pode marcar consultas por videoconferência em poucos instantes.

Por ser a plataforma de telemedicina mais completa do Brasil, conta com médicos muito bem qualificados e especialistas renomados.

O procedimento para marcar consulta é muito simples:

  • Acesse a página de agendamentos da Morsch
  • Em seguida, busque a especialidade desejada e escolha o profissional de sua preferência
  • Selecione o melhor horário de atendimento para você, ao lado da identificação do médico
  • Ao ser direcionado para a página de login, você pode criar uma conta ou entrar com os dados já cadastrados
  • Se for o primeiro acesso, preencha o formulário com as informações solicitadas e crie uma senha de segurança
  • Acesse nosso sistema e confirme o horário da teleconsulta, fazendo o pagamento
  • Pronto! Meia hora antes do atendimento, você vai receber o link de acesso à sala virtual via WhatsApp ou SMS.

Conclusão

Espero que este artigo tenha tirado todas as suas dúvidas sobre a vertigem, seus sintomas, causas e tratamentos.

No entanto, ressalto que não é possível nem recomendável fazer nenhuma espécie de autodiagnóstico.

Por isso, não hesite em procurar um médico ao sentir os sintomas que mencionei acima.

Se gostou desse artigo e acredita que ele pode esclarecer as dúvidas de outras pessoas, compartilhe com quem você acha que pode se beneficiar.

Quer receber mais conteúdos como este?

Fique ligado no blog e insira seu e-mail para inscrever-se na nossa newsletter!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE