Conheça as maiores vantagens do atendimento via teleoftalmologia

Por Dr. José Aldair Morsch, 2 de fevereiro de 2021
As vantagens do atendimento via teleoftalmologia

A teleoftalmologia é uma área da Telemedicina voltada à acessibilidade, aprimoramento e democratização dos atendimentos oftalmológicos.

Em geral, ela engloba a prestação de serviços médicos remotos, como por exemplo:

  • Emissão de laudos de exames;
  • Obtenção de diagnósticos;
  •  Prescrições de tratamentos;
  • Ainda nos próprios atendimentos.

Mais do que permitir o contato à distância junto aos pacientes, que proporciona uma série de facilidades, a área é voltada ao aumento da qualidade, à redução de custos, à equidade e à diminuição das filas de espera nas unidades de saúde.

Entre suas possibilidades, também está a capacidade de acompanhar a evolução dos pacientes de maneira mais constante e precisa. Para tal, graças à praticidade da internet e dos dispositivos móveis.

Inclusive, a teleoftalmologia também favorece a troca de informações entre os médicos, seja para discutir casos clínicos, na busca de uma segunda opinião, para atualizações, especialização, e assim por diante.

Uma de suas aplicações mais comuns é no tratamento de pacientes diabéticos. Uma vez que, a retinopatia diabética atinge cerca de 75% dos indivíduos dessa população e é a principal causa de cegueira nela.

O papel principal da teleoftalmologia nesses casos é sanar a escassez de especialistas na área, garantindo que os indivíduos tenham o diagnóstico precoce da condição e possam seguir com o correto tratamento dela — mesmo em áreas de difícil acesso ou carentes em medicina.

Essa mesma lógica se aplica aos mais diversos quadros oftalmológicos, que podem ter seu atendimento otimizado por meio de recursos que ampliam a capacidade de assistência e eliminam as barreiras entre médicos e pacientes.

A seguir, vou me aprofundar melhor sobre as características, vantagens, métodos e vantagens proporcionadas pela teleoftalmologia!

Como é a teleoftalmologia no Brasil e no mundo?

Antes de tratar sobre os principais avanços da teleoftalmologia no Brasil, acho importante abordar as possibilidades já exploradas na área ao redor do mundo.

Em geral, a modalidade evolui no mesmo ritmo que a Telemedicina, que por sua vez segue em plena expansão junto com novas tecnologias e pesquisas.

Nesse contexto, é a Inteligência Artificial (IA) que proporciona as perspectivas mais interessantes para os atendimentos.

Por exemplo, recentemente a Universidade de Nova York e a IBM criaram uma ferramenta capaz de detectar automaticamente o glaucoma, utilizando exame de OCT da retina.

No mesmo sentido, a startup Verily, que pertence ao Google, já está testando um programa que consegue diagnosticar o edema macular diabético e casos de retinopatia, apenas com fotos de pacientes com sinais das patologias.

Já no Brasil, um movimento semelhante surgiu com a startup Phelcom Technologie. Foi desenvolvido um retinógrafo portátil, que pode ser acoplado aos smartphones para obter imagens precisas da retina, sem a necessidade de colírio para dilatação.

Chamado de Eyer, o aparelho não só permite a captura de exames de retina, como também conta com Inteligência Artificial para auxiliar os diagnósticos e conectividade para acesso e compartilhamento de dados — que também favorece diagnósticos à distância.

Todos os casos abordados até representam alguns dos avanços mais significativos da área. Porém, as possibilidades da teleoftalmologia não são restritas apenas ao futuro ou aos grandes centros de saúde.

Na verdade, trata-se de um segmento que já beneficia diversos médicos e pacientes, com alguns casos inclusive tratados no SUS!

Como a teleoftalmologia é englobada pelo SUS?

Mesmo que o Sistema Único de Saúde brasileiro ainda esteja longe de aderir à Telemedicina dentro de suas possibilidades mais plenas, algumas iniciativas já demonstram como a área pode beneficiar diversas frentes e demandas da saúde pública.

No Rio Grande do Sul, um projeto pioneiro em teleoftalmologia já reduz as filas de espera do SUS. Ainda, garante amplo acesso aos diagnósticos precoces e tratamentos dos pacientes, tornando seus atendimentos mais eficientes, rápidos e viáveis.

Trata-se do projeto TeleOftalmo – Olhar Gaúcho, que contempla a capital gaúcha e o interior do estado para o atendimento de adultos com problemas de visão e crianças a partir dos 8 anos de idade.

Nele, os médicos presentes nas unidades de saúde participantes podem enviar as solicitações dos exames dos pacientes por meio de uma plataforma de Telemedicina.

A partir disso, o procedimento é agendado junto ao paciente em questão e feito de maneira remota por oftalmologistas, que têm apoio presencial de uma equipe de enfermeiros.

Por fim, o laudo é enviado pela própria plataforma ao médico que fez a solicitação. Bem como, uma recomendação da conduta a ser adotada no tratamento.

Assim, de acordo com cada diagnóstico, os indivíduos podem ter condições mais leves tratadas no próprio posto de atendimento, como são os casos de patologias como erros de refração.

Já aqueles com quadros mais sérios, como retinopatia diabética, glaucoma, entre outros semelhantes, garantem encaminhamento prioritário aos oftalmologistas da rede pública.

Por mais que ainda seja uma iniciativa restrita ao Rio Grande do Sul, ela demonstra como a teleoftalmologia é promissora na área de saúde. Portanto, gera benefícios muito significativos para os pacientes (especialmente para aqueles com acesso restrito aos atendimentos).

Por que a teleoftalmologia é importante para a redução das filas de atendimento?

Mais que otimizar, facilitar e modernizar o segmento médico, a Telemedicina também tem como principal objetivo ampliar a capacidade de atendimento aos pacientes e reduzir as filas de espera para atendimentos.

Graças aos atendimentos e diagnósticos à distância, o alcance da oftalmologia pode ser significativamente aumentado, reduzindo custos, dificuldades e a necessidade de deslocamentos de médicos e pacientes.

No mesmo sentido, a teleoftalmologia também viabiliza o acompanhamento de portadores de doenças crônicas, como hipertensos e diabéticos, garantindo atendimentos mais constantes, baratos e efetivos.

Para isso, além das teleconsultas, os pacientes também podem enviar imagens periodicamente para análise, para que o médico determine as condições do indivíduo e solicite novos procedimentos caso necessário.

Já as trocas de informações entre os próprios médicos favorecem até os atendimentos presenciais. Visto que, os profissionais generalistas podem prestar assistências durante casos em que as consultas na unidade de saúde são indispensáveis, mas contam com o apoio e até os laudos de um especialista em oftalmologia!

Para me aprofundar mais sobre essas questões, abaixo elenquei algumas das principais vantagens da teleoftalmologia.

Quais os principais benefícios da teleoftalmologia?

Os principais benefícios da teleoftalmologia

É evidente que a teleoftalmologia é o principal caminho para que a tecnologia garanta um segmento oftalmológico ainda mais preciso, ágil, acessível e vantajoso!

Entre os principais benefícios proporcionados pela prática, destacam-se:

  • Aumento do acesso aos especialistas e aos médicos considerados referências em oftalmologia;
  • Maior contato e trocas de informações entre pacientes e médicos, garantindo tratamentos mais humanos, próximos e eficientes;
  • Acesso à saúde democratizado, com acesso à oftalmologia mesmo em locais de difícil acesso ou com infraestrutura precária;
  • Mais facilidade na troca de informações entre os serviços médicos, com total sigilo e segurança dos dados;
  • Economia em termos de infraestrutura, custos operacionais e de deslocamentos de médicos e pacientes;
  • Praticidade e acessibilidade para a realização de exames, que podem ser feitos em qualquer unidade com o recebimento de laudos à distância;
  • Menor tempo de espera e de atendimento;
  • Mais agilidade e eficiência nos atendimentos, com soluções integradas e disponíveis em qualquer dispositivo autorizado.  

Como a telemedicina oftalmológica funciona na prática?

A Telemedicina consiste basicamente na realização de serviços médicos à distância. Seja nos próprios atendimentos e diagnósticos, ou mesmo como apoio às assistências presenciais (como na emissão de telelaudos, por exemplo).

Assim, posso afirmar que praticamente todas as especialidades de saúde podem se beneficiar da área, especialmente aquelas que têm seu meio diagnóstico apoiado por imagens.

Nesse contexto, destaca-se a teleofalmologia, que ao lado das áreas de:

  • Dermatologia;
  • Radiologia;
  • Ultrassonografia;
  • Entre outras semelhantes, utiliza-se da transmissão de dados à distância para fins diagnósticos ou de tratamento.

Basicamente, as práticas que podem ser adotadas vão desde a avaliação dos pacientes, até tratamentos, rastreamentos de doenças, pesquisa, segunda opinião médica e educação continuada.

Para isso, os serviços ou atividades podem ser realizadas através de 3 modalidades distintas: síncrona, assíncrona e híbrida.

No primeiro caso, a comunicação entre médicos e pacientes (ou entre diferentes especialistas) é feita em tempo real, por meio de videoconferências em plataformas de Telemedicina.

Por meio da teleoftalmologia síncrona, é possível realizar consultas diretas, obter diagnósticos remotos de maneira imediata ou consultar opiniões médicas especializadas (nesse caso com a presença online simultânea do médico primário, paciente e especialista).

Já no meio assíncrono, é possível compartilhar mensagens, áudios, imagens e vídeos entre diferentes dispositivos remotos, com os arquivos disponíveis a qualquer momento para consulta.

Seu uso se dá quando não há a necessidade da presença simultânea entre os envolvidos na cadeia de atendimento, como em acompanhamentos não urgentes, na resolução de dúvidas médicas, em cursos feitos pelos especialistas com outros médicos, nas recomendações pontuais feitas aos pacientes, e assim por diante.

Para unir as possibilidades desses dois meios de atuação e garantir uma atenção ainda mais completa aos pacientes, há ainda o modelo híbrido, que reúne os recursos disponibilizados pela telemedicina oftalmológica síncrona e assíncrona em uma única lógica de acompanhamento!

Quais as aplicações mais conhecidas da telemedicina na oftalmologia?

A teleoftalmologia é um segmento relativamente novo. No entanto, já proporciona diversas aplicações de suma importância para as rotinas médicas e para as evoluções dos pacientes.

Uma das suas aplicações mais importantes está na emissão de laudos à distância, que inclusive já é muito utilizada no Brasil.

Entre os exames incluídos nessa modalidade, estão:

  • Análises de refração;
  • Acuidade visual;
  • Fundo de olho;
  • Pressão intraocular;
  • Avaliação das pálpebras;
  • Reflexos pupilares;
  • Motilidade ocular.

Conforme apontei na introdução, um dos principais focos da teleoftalmologia é nos pacientes com retinopatia diabética. Nesses casos, é possível realizar a triagem, a avaliação e o tratamento dos indivíduos com a patologia através de câmeras de retina portáteis e remotas.

Para se ter uma ideia, estudos recentes concluíram que o diagnóstico da retinopatia feito por meio desse recurso é 82,5% mais eficiente se comparado com as fotos estereoscópicas tradicionais de filme.

No mesmo sentido, por mais que ainda sejam poucos os estudos que referenciam a teleoftalmologia para pessoas com doenças oculares inflamatórias e infecciosas, a Telemedicina também já avança muito nessa área.

Assim, além das possibilidades garantidas em termos de acessibilidade, monitoramento e eficiência, pesquisas já indicam sucesso para diagnósticos do tipo. Com destaque para os casos de retinite por citomegalovírus, que apresentam concordância total entre seus resultados e os métodos tradicionais.

Por fim, também é importante mencionar a relevância da teleoftalmologia contra a cegueira.

Dentre as mais de 46 milhões de pessoas com deficiência visual no planeta, muitas precisam de acompanhamento oftalmológico contínuo para não ter agravamentos e outras poderiam ter suas condições evitadas com diagnósticos precoces.

A teleoftalmologia foi criada justamente para atender a essas necessidades. Assim, proporciona todo o cuidado, prevenção e atenção necessárias aos pacientes com especialistas acessíveis mesmo em áreas distantes dos grandes centros!

Conclusão

Aplicações da teleoftalmologia

A teleoftalmologia é um segmento da Telemedicina voltado às especialidades oftalmológicas.

Para tal, tem como objetivo aprimorar, democratizar e facilitar as rotinas médicas, bem como os diagnósticos e tratamentos prestados aos pacientes.

Em plena expansão no Brasil e no mundo, o conceito não diz respeito apenas à saúde à distância, mas também ao desenvolvimento de uma medicina mais moderna, precisa e focada nas reais necessidades dos pacientes (que vão muito além de seus quadros clínicos).

Além da Telemedicina eliminar barreiras geográficas e estruturais, contribui para o avanço de uma oftalmologia muito mais viável, eficiente, difundida, ágil e especializada!

Graças aos recursos como:

  • Teleconsultas;
  • Telediagnósticos;
  • Telelaudos;
  • Telemonitoramento, entre outros semelhantes.

A Telemedicina Morsch é referência na área. Nós oferecemos uma plataforma de ponta para diferentes tipos de demandas em telessaúde e ainda fazemos questão de manter os médicos sempre informados sobre os avanços das áreas em que atuam! 

Quer saber mais? Então assine agora a nossa newsletter e não perca os próximos conteúdos do blog.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE