Oportunidades da telessaúde: conceito, tipos e diferenças

Por Dr. José Aldair Morsch, 21 de maio de 2019
Oportunidades da telessaúde: conceito, tipos e diferenças

Você conhece as oportunidades da telessaúde?

No Brasil, hospitais, clínicas e consultórios aproveitam esses serviços desde a década de 1990, quando foram lançados programas de videoconferência entre unidades de saúde.

Na ocasião, empresas viabilizaram, também, a realização de eletrocardiogramas a distância.

O sucesso das primeiras iniciativas levou o Ministério da Saúde a estruturar um projeto nacional nesse campo, o Telessaúde Brasil Redes, que fortaleceu o uso de inovações tecnológicas para compartilhar informações médicas.

Desde então, as possibilidades para quem deseja investir em telessaúde só aumentaram.

Solicite um orçamento

É sobre elas que vou falar ao longo deste artigo, explicando como funcionam, seus benefícios e aplicações principais.

Também vou detalhar as vantagens do braço mais antigo da telessaúde – a telemedicina -, que otimiza o processo de emissão de laudos e segunda opinião qualificada.

Vamos em frente?

Conceito de Telessaúde

Conceito de Telessaúde

Conceito de Telessaúde

A palavra telessaúde é utilizada para descrever a prestação de serviços de atenção à saúde remotamente, através de tecnologias da informação e comunicação (TICs).

Esse é um conceito bastante amplo, que engloba desde a troca de informações entre médicos até a realização de treinamentos, cirurgias e a produção de laudos a distância.

BAIXE ESSE E-BOOK DE TELEMEDICINA NA PRÁTICA

A telessaúde é extremamente importante, pois permite a democratização dos serviços de saúde, rompendo barreiras geográficas para que diferentes populações tenham acesso a eles.

No Brasil, o conceito ganhou notoriedade a partir de 2007, quando a Portaria do Ministério da Saúde nº 35 lançou oficialmente o Projeto Nacional de Telessaúde.

Quatro anos depois, a iniciativa se expandiu, ganhando ações por todo o país, e se tornou o Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes.

A legislação que aprovou o programa (Portaria MS nº 2.546/2011) rege, até hoje, o desenvolvimento de atividades nesse campo de atuação.

Em vigor desde 2011, a norma define quatro frentes das ações de telessaúde no âmbito do SUS: Teleconsultoria, Telediagnóstico, Teleducação e Segunda Opinião Formativa.

Cada uma dessas atividades só pode ser realizada por estabelecimentos chamados de núcleos, que devem obedecer aos critérios exigidos pelo Ministério da Saúde.

Unidades que não fazem parte do Telessaúde Brasil Redes também podem pautar seus serviços nessas regras, além de seguir os padrões estipulados pelo Conselho Federal de Medicina.

Oportunidades da telessaúde

Oportunidades da telessaúde

Oportunidades da telessaúde

As oportunidades da telessaúde aumentam à medida em que a tecnologia em saúde avança.

Entretanto, algumas modalidades, como consultas virtuais entre médico e paciente, ainda não são permitidas pelas autoridades nacionais – mesmo que a publicação e recente revogação da Resolução 2.227/18 pelo CFM tenha sinalizado que esse quadro deve mudar em breve.

De qualquer forma, unidades de saúde podem oferecer outros serviços dentro da telemedicina e demais braços da telessaúde.

Confira, a seguir, detalhes sobre cada um deles.

1, Telemedicina

Segundo definição do CFM, a telemedicina é uma especialidade que utiliza metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em saúde.

Pioneira entre os serviços de telessaúde, essa especialidade tem como serviço principal a emissão de laudos médicos a distância.

Para exercer a telemedicina, as empresas precisam ter infraestrutura – internet veloz, equipamentos modernos, plataforma segura – e uma vasta equipe de especialistas qualificados para interpretar exames de diagnóstico por imagem.

O processo de emissão de laudos a distância é simples, exigindo que o cliente (clínica, consultório ou hospital) treine um técnico em radiologia ou enfermagem para conduzir os testes com o suporte de um equipamento digital.

Se for uma radiografia das mamas, é necessário contar com um mamógrafo digital, enquanto um eletrocardiograma pede um eletrocardiógrafo digital.

Esses aparelhos colhem os registros e os enviam a um computador equipado com software específico, que converte os dados em pixels – os menores pontos em uma imagem digital.

A partir daí, é possível compartilhar as imagens com a empresa de telemedicina, acessando a plataforma mediante login e senha.

Em seguida, os especialistas na outra ponta avaliam os registros digitais, os interpretam e produzem o laudo.

Depois de assinar o documento, ele é disponibilizado no mesmo portal.

Toda essa dinâmica é bastante rápida, permitindo que os resultados sejam entregues em poucas horas ou mesmo em minutos.

2. Teleducação em saúde

A teleducação engloba a realização de aulas e cursos ministrados de maneira remota, além de conferências, se valendo para isso da utilização das TICs.

Essa oportunidade é extremamente útil para médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde, que necessitam estar sempre atualizados, mas têm uma agenda conturbada.

Graças aos treinamentos a distância, eles podem adquirir novos conhecimentos de modo prático e ágil, sem a necessidade de se deslocar até uma instituição de ensino ou estabelecer uma rotina rígida de estudos.

Outra facilidade promovida pela teleducação é que não há necessidade de reunir uma quantidade mínima de alunos para abrir uma nova turma, como acontece na modalidade presencial.

Conforme relata este estudo, a internet é o maior veículo atual de difusão de informações, e passa a ser utilizada como estratégia para a implementação do Programa de Educação Permanente realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

3. Teleconsultoria

Teleconsultoria

A partir de instrumentos de telecomunicação bidirecional, é realizada a consulta que envolve trabalhadores, profissionais e gestores da área de saúde.

O objetivo de qualquer teleconsultoria é esclarecer dúvidas sobre ações, procedimentos e questões que envolvem o universo de trabalho dos profissionais da saúde.

Um exemplo clássico ocorre quando um médico iniciante pede auxílio a um especialista para um diagnóstico específico.

Ao avaliar irregularidades nos batimentos cardíacos de um paciente, um residente pode solicitar ajuda a um cardiologista antes de formular a hipótese diagnóstica.

O mesmo raciocínio vale caso um profissional tenha dúvidas sobre os resultados de uma radiografia. Ele pode consultar remotamente o radiologista responsável pelo laudo do teste.

A teleconsultoria acontece de forma síncrona ou assíncrona, de acordo com a urgência, condições de saúde do paciente e recursos disponíveis no estabelecimento de saúde.

Um atendimento de emergência exige que as dúvidas sejam sanadas de maneira síncrona, ou seja, em tempo real.

Já uma questão sobre um paciente internado, que esteja fora de perigo, pode ser conduzida de modo assíncrono, por meio de perguntas offline que serão respondidas assim que possível.

4. Telediagnóstico

O telediagnóstico corresponde a serviços autônomos que usam tecnologias da informação e comunicação para apoiar o diagnóstico, rompendo com as distâncias geográfica e temporal.

O serviço de emissão de laudos a distância é um exemplo de telediagnóstico, pois fornece resultados de exames importantes para investigar ou constatar a existência de doenças.

Além da oferta em estabelecimentos privados de saúde, há diversas iniciativas de sucesso na rede pública.

No Rio Grande do Sul, o programa RespiraNet realizou, em seis anos, mais de 23 mil telediagnósticos laudados, sendo aprovado por 98% dos usuários.

Criada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES/RS) e Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), a iniciativa facilita o acesso ao exame de espirometria, melhorando o manejo de doenças respiratórias crônicas como bronquite, fibrose e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

Na Região Sudeste, a Rede de Teleassistência de Minas Gerais ofertou mais que 2 milhões de eletrocardiogramas (ECG) pelo sistema de telessaúde.

O serviço permite o reconhecimento precoce do agravo de males crônicos, como a hipertensão, e condições que exigem tratamento imediato, como o infarto agudo do miocárdio.

5. Segunda Opinião Formativa

Embora o nome seja parecido, a segunda opinião formativa não é o mesmo que uma segunda opinião médica prestada durante as teleconsultorias.

Ela parte de questões selecionadas pelo Ministério da Saúde, que leva em conta critérios de relevância e de pertinência no que diz respeito às diretrizes do SUS.

Seu propósito vai além de esclarecer uma questão, tornando-se referência para dúvidas futuras.

Por isso, a resposta deve ser elaborada a partir de revisão bibliográfica e de evidências clínicas e científicas.

6. Telepidemiologia

A telepidemiologia pode ser descrita como o levantamento, esclarecimento de dúvidas e disseminação de dados sobre riscos e doenças com potencial para gerar epidemias, com o suporte das tecnologias da informação e comunicação.

O disparo de SMS ou mensagens no WhatsApp informando sobre cuidados para prevenir a dengue é um exemplo do uso da telepidemiologia aplicada em grandes cidades brasileiras, como São Paulo.

Benefícios da Telessaúde

Benefícios da Telessaúde

Benefícios da Telessaúde

O uso de tecnologias para ampliar o acesso a serviços de saúde resulta em benefícios para profissionais, empresas do setor, pacientes, acompanhantes e a sociedade em geral.

Dentre eles, cabe destacar:

  • Democratização dos serviços de saúde, que alcançam regiões remotas
  • Eliminação da necessidade de deslocamento de pacientes a grandes centros urbanos
  • Agilidade na emissão de laudos médicos e resolução de dúvidas
  • Compartilhamento de informações em tempo real
  • Maior acesso à capacitação em saúde, culminando em profissionais mais qualificados
  • Fortalecimento de políticas de prevenção a epidemias, por meio da telepidemiologia
  • Digitalização de documentos médicos, conferindo maior segurança e preservação deles
  • Redução de custos para estabelecimentos de saúde, profissionais e pacientes
  • Apoio a diagnósticos assertivos.

Diferença entre E-Saúde vs Telessaúde vs Telemedicina

Por unirem saúde e inovações tecnológicas, os três conceitos costumam ser utilizados como sinônimos não apenas por leigos, como também por profissionais de saúde.

No entanto, há diferenças entre eles.

Como vimos desde o início deste artigo, a telessaúde pressupõe a oferta de serviços nesse campo por meio de tecnologias da informação e comunicação, o que inclui a telemedicina.

Isso porque a telemedicina utiliza uma plataforma para conectar clientes e especialistas, viabilizando a emissão de laudos médicos a distância.

Já a e-Saúde ou saúde digital parte de um conceito mais abrangente, fazendo referência a todas as iniciativas que combinam saúde e tecnologia.

Ou seja, a e-Saúde vai além dos serviços, englobando produtos como os wearables (dispositivos vestíveis) e aplicativos que favorecem o autocuidado e qualidade de vida.

Resumindo, a telemedicina é um braço da telessaúde, que faz parte do universo da saúde digital.

Atuação da Telemedicina Morsch

Atuação da Telemedicina Morsch

Atuação da Telemedicina Morsch

Prestando serviços de telediagnóstico através de laudos médicos a distância, a Telemedicina Morsch dá suporte a unidades de saúde de diversos portes e regiões brasileiras.

Exames de diagnóstico na área de cardiologia, pneumologia, neurologia e radiologia podem se beneficiar dos resultados emitidos online, de maneira simples e ágil.

Veja, abaixo, os testes que podem ser laudados em cada especialidade.

Telecardiologia

Devido à quantidade de casos urgentes, exames cardiológicos estão entre os primeiros beneficiados pelos resultados a distância.

Em sua maioria, os testes produzem registros em gráficos de linha, que são avaliados e comparados com padrões considerados normais para determinada idade e condicionamento físico.

Eletrocardiograma em repouso, teste ergométrico, holter de ECG e MAPA são os principais procedimentos laudados a distância por especialistas da Morsch.

Rápido, não invasivo e indolor, o ECG em repouso monitora os batimentos cardíacos por alguns minutos, mostrando anormalidades.

Quando esse teste é estendido, é chamado holter de ECG.

E quando é realizado durante exercícios físicos em esteira ou bicicleta, recebe o nome de teste ergométrico.

Já o MAPA (Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial) revela as oscilações da pressão sanguínea por 24 horas.

Telepneumologia

Tem como foco detectar e acompanhar males respiratórios como enfisema ou asma.

O principal exame laudado a distância é a espirometria ou prova de função pulmonar, que pode ser feita com fins clínicos ou ocupacionais, caso o trabalhador atue em ambientes com poeira minerais, por exemplo.

Teleneurologia

O monitoramento da atividade elétrica do cérebro (eletroencefalograma – EEG) e a polissonografia são os testes neurológicos que se beneficiam da telemedicina.

Além de rastrear os impulsos do cérebro, a polissonografia colhe registros sobre as ações do sistema respiratório, cardiovascular, entre outros, enquanto o paciente dorme.

Telerradiologia

Laudos online estão disponíveis para exames simples, como o raio-X, mamografia e densitometria, até os mais complexos como tomografias e ressonância magnética.

Os testes dessa especialidade utilizam diferentes tipos de radiação (ionizante ou campo magnético) para obter imagens de partes internas do organismo.

Sobre a Telemedicina Morsch

Sobre a Telemedicina Morsch

Parceira na entrega de resultados de exames com qualidade e agilidade, a Morsch auxilia na redução de custos e aumento nas receitas de clínicas, consultórios e hospitais.

Graças ao serviço de laudos médicos a distância, esses estabelecimentos não precisam investir alto na contratação de um time completo de especialistas in loco.

Eles podem delegar a interpretação de testes de diagnóstico aos especialistas da Morsch, aliviando a sobrecarga de trabalho de suas equipes.

Também é possível ampliar a quantidade e o portfólio de exames, treinando técnicos para que os conduzam e deixando os laudos com a telemedicina.

A Morsch oferece, ainda, o aluguel em comodato para empresas que não tenham equipamentos digitais.

Basta que contratem um pacote de laudos por mês para ganhar o direito de usar aparelhos modernos, sem pagar nada mais por isso.

Conclusão

Aprendemos, neste artigo, sobre as aplicações e oportunidades da telessaúde, que abrange serviços da telemedicina.

Sua clínica também pode contar com as vantagens dos laudos a distância e segunda opinião qualificada, otimizando a emissão de resultados de exames.

Permita que a Telemedicina Morsch dê o suporte necessário para essa modernização.

Entre em contato para conhecer nossas soluções ou, se preferir, solicite seu teste grátis da plataforma.

Se tiver alguma dúvida ou sugestão, deixe um comentário a seguir.

Não se esqueça de compartilhar este conteúdo nas redes sociais.

Referências Bibliográficas

BARBOSA, Jacinto Diogo; REIS, Inês Nascimento de Carvalho; et al. A utilização da teleducação como ferramenta para aumentar a adesão de profissionais de enfermagem aos programas de educação permanente: uma revisão narrativa da literatura. J Bras Tele. 2016;4(2):275-278.

Portaria Nº 2.546, de 27 de outubro de 2011 – Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp