O que é Prova de Função Pulmonar? Para que serve?

Por Dr. José Aldair Morsch, 31 de janeiro de 2017
Prova de função pulmonar

Teste do sopro, prova ventilatória, espirometria (etimologicamente do latim spirare = respirar + metrum = medida) ou prova de função pulmonar. Os nomes são muitos, mas o conceito é um só.

A prova de função pulmonar com broncodilatador é o exame decisivo na investigação da asma e acompanhamento do seu tratamento.

É possível medir de forma exata o nível de doença respiratória que o paciente está sucumbindo e acompanhar a melhora do tratamento indicado através dos resultados da prova de função pulmonar.

Neste artigo procuro conceituar sobre a prova de função pulmonar completa, sua técnica, indicações, resultados, riscos e os benefícios que a Telemedicina proporciona ao fornecer interpretação dos exames a distância.

Conceito de Prova de Função Pulmonar

Criado em 1789, quando cientistas procuravam uma maneira de medir a quantidade de oxigênio inalado na respiração, o teste do sopro é hoje um dos exames mais consagrados em pneumologia.

Solicite um orçamento

De um modo muito simplificado, podemos dizer que Prova de função Pulmonar é um exame do sopro onde o seu principal objetivo é medir a quantidade e a velocidade com a qual determinado indivíduo consegue inalar (colocar para dentro) e exalar (colocar para fora) o ar.

O aparelho com o qual o exame é realizado é chamado de espirômetro.

A prova de função pulmonar com broncodilatador é um método indolor e não invasivo, e justamente por isso oferece pouco ou mesmo nenhum risco ao paciente.

Com exceção de raras situações em que é usado um medicamento em spray para dilatar os brônquios, chamado brocondilatador e que para algumas pessoas desencadeia a sensação de tremor de extremidades e taquicardia, porém são rápidos e sem sequelas.

É importante destacar que existem diversos tipos do exame em questão, sendo que eles podem estar associados a diferentes padrões de referência (idade, sexo, altura, raça, peso, vícios, dentre outros).

Finalidade da Prova de Função Pulmonar

Por existirem diversos tipos de doenças respiratórias, o teste de sopro, ou também chamado de Espirometria com prova farmacológica, consegue distinguir as diferentes modalidades dessas doenças, como a asma,  efeito de agentes poluentes no ar, para auxiliar o médico no tratamento correto e prevenção de complicações.

Abaixo, listo 6 das principais indicações para sua realização:

  1. Diagnóstico de diversas doenças pulmonares, congênitas ou adquiridas;
  2. Avaliação de efeitos de agentes como substâncias químicas e cigarro;
  3. Avaliação dos possíveis riscos em procedimentos cirúrgicos de grande magnitude onde se suspeita de uma insuficiência pulmonar que pode colocar em risco a cirurgia;
  4. Possíveis alterações devido ao uso de medicamentos, onde muitas pessoas são alérgicas e não sabem;
  5. Avaliação da gravidade de doenças já diagnosticadas (doenças cardíacas, asma, doenças neuromusculares, etc.);
  6. Avaliação de invalidez e deficiência pulmonar como enfisema.

Independente do motivo pelo qual o exame foi solicitado é certo que seu resultado deve sair o mais rápido possível para que médico e paciente possam tomar as providências cabíveis, mesmo que uma dessas providências seja a tranquilidade e diminuição dos níveis de estresse do paciente.

Neste contexto, a telemedicina entra em cena como uma importante aliada, tanto da equipe médica quanto do paciente.

Benefícios da Telemedicina na Prova de Função Pulmonar

Como se trata de um exame que exige a presença do paciente e de um técnico para sua realização, a Telemedicina pode atuar em duas importantes frentes:

  1. Na preparação para o exame, treinando o técnico que irá realizar o exame de forma remota 
  2. Na análise com fornecimento dos resultados, onde o arquivo do exame é enviado para a plataforma de telemedicina em nuvem e o resultado é fornecido por Pneumologistas.

A agilidade na entrega de um laudo assinado digitalmente por Pneumologista e a redução no custo do exame em mais de 50% talvez sejam os grandes pontos a serem destacados ao usar a Telemedicina.

A independência de uma clínica em realizar exame de espirometria sem a presença do especialista é um grande diferencial para qualquer serviço.

Esse modelo de atendimento e realização de exames é perfeitamente ético e aceito pelo CFM – Conselho Federal de Medicina, que normatiza o atendimento de pacientes usando a Telemedicina.

Como fazer a prova de função pulmonar ou espirometria

Para a realização da Prova de Função Pulmonar, é necessário tomar algumas precauções, já que de outra forma a probabilidade de alteração nos valores dos parâmetros são grandes.

Dessa maneira, a tele saúde pode ajudar analisando os medicamentos que o paciente usa, verificando se é necessário suspendê-los ou não e, caso sejam suspensos, determinar qual o tempo correto para tal.

Exemplo, os broncodilatadores que geralmente são suspensos por um tempo que varia entre 6 a 48 horas.

O exame prova de função pulmonar é dividido em duas fases:

1.Teste do sopro sem uso de medicação

A parte inicial do exame serve para documentar como está o sistema respiratório do paciente no seu ambiente tradicional.

Neste caso é possível registrar um exame normal ou com alguma restrição ao fluxo aéreo, tanto na entrada, quanto na saída de ar dos pulmões.

2.Prova de função pulmonar completa

Nesta segunda fase, o técnico administra o broncodilatador para que o paciente tenha alguma resposta ao seu uso.

Ao aspirar a bombinha, o medicamento poderá dilatar os brônquios e o resultado poderá ser completamente diferente do exame inicial.

Na interpretação do Pneumologista, se houve mudança no resultado do exame depois do uso do broncodilatador, significa que o paciente tem uma doença pulmonar que só aparece com teste medicamentoso.

Riscos  da Prova de Função Pulmonar

A sensação de taquicardia provocada pelo broncodilatador usado no exame prova de função pulmonar seja a condição mais frequente e comentada pelos pacientes.

O broncodilatador utilizado na espirometria com prova farmacológica age igualmente no coração, fazendo com que seu batimento se eleve por algumas horas.

A sensação de palpitação é sentida de forma muito desagradável por muitas pessoas e tende a ser mais valorizada naqueles que tratam de alguma arritmia.

Não se preocupe, não é motivo para se negar a fazer a prova de função pulmonar completa com broncodilatador.

A Investigação sobre possíveis sangramentos e infecções pulmonares são igualmente importantes, pois elas interferem no resultado do exame mesmo depois de cessadas e curadas.

As 7 contra-indicações para realizar espirometria

São situações em que o exame não deve ser realizado.

  1. Infecções respiratórias ativas ou recentes, como pneumonia, resfriado ou gripe.
  2. Dor torácica que interfira com a respiração.
  3. Infarto do miocárdio ou angina recente.
  4. Aneurisma de aorta.
  5. Descolamento de retina ou cirurgia ocular recente.
  6. Tosse com sangue (hemoptise).
  7. Respiração por traqueostomia.

Resultados  da Prova de Função Pulmonar

No pós-exame, a telemedicina é igualmente importante. Por meio de orientações prévias, é possível que o exame seja analisado por um profissional extremamente qualificado, fornecendo o resultado prova de função pulmonar de maneira muito mais rápida do que as tradicionais e, principalmente, com a mesma eficácia e precisão.

A curiosidade que todo paciente tem é na hora de ler o resultado e poder entender o que significa. Vejamos as 5 possibilidades:

1.Exame normal

Neste caso o paciente não apresenta restrição no fluxo de ar que entra e sai dos pulmões. Significa que não tem asma e nem alterações no parênquima pulmonar decorrente de poluentes.

2.Distúrbio ventilatório obstrutivo (leve, moderado ou grave)

Este é o caso típico de asmáticos com manifestação variável de sua doença. Como a classificação sugere, a restrição ao fluxo de ar que sai dos pulmões pode ser leve a grave.

Independente do resultado, todos os pacientes devem tratar para não agravar os sintomas.

O tratamento vai desde mudança dos hábitos de vida, como retirar tapetes e cortinas de casa, até uso da bombinha de forma permanente.

3.Distúrbio ventilatório restritivo (leve, moderado ou grave)

Este é um caso de restrição a entrada de ar nos pulmões, normalmente causado por poluentes que afetam a via respiratória.

4.Distúrbio ventilatório misto – há presença de anormalidade obstrutiva e restritiva

Um somatório de asma e poluentes afetando tanto a entrada quanto a saída de ar dos pulmões.

5.Exame inespecífico, quando há anormalidade ventilatória sem elementos que permitam distinguir claramente obstrução ou restrição

Um caso em que o exame deixa dúvidas se o problema está na entrada ou saída de ar dos pulmões.

Necessita de acompanhamento específico de um Pneumologista para aprofundar os exames e investigar a real situação de sua saúde.

A Telemedicina e o Comodato como solução na emissão de laudo a distância na Prova de Função Pulmonar

Para serviços de saúde como clínicas de medicina do trabalho ou mesmo hospitais que necessitem realizar exames de prova de função pulmonar completa, a Telemedicina com comodato é uma alternativa viável.

O cliente pode contratar o aparelho de espirometria na modalidade de comodato, pagando uma mensalidade que dá direito a 30 laudos gratuitos, sem investir na compra do equipamento.

É possível receber treinamento a distância e realizar o exame prova de função pulmonar para investigar doenças pulmonares como asma brônquica e enviar os arquivos digitalizados para a plataforma de Telemedicina onde o Pneumologista fará a interpretação e liberará o laudo de espirometria com prova farmacológica assinado digitalmente.

Conclusão

Neste artigo falei sobre o teste de função pulmonar, suas indicações, como é feito, seus riscos, contra-indicações e principais resultados.

Foi possível esclarecer dúvidas importantes sobre o exame, tranquilizar os pacientes sobre taquicardias decorrentes do uso do broncodilatador e quando o exame não deve ser feito.

Também comentei sobre como é possível serviços sem especialistas utilizarem a Telemedicina para treinar seus técnicos em enfermagem, interpretar seus exames e aquirir os aparelhos de espirometria em comodato.

Assim, é por tudo isso que a telemedicina pode ser considerada como uma das maiores auxiliares de profissionais da saúde e pacientes, já que economiza tempo, reduz custos, agiliza diagnóstico e tratamento e leva um maior bem-estar a todos.

Gostou? Compartilhe nas redes! Assine nosso blog para receber conteúdo como esse toda semana no seu e-mail.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp