Interpretação de raio X: princípios básicos para interpretar radiografia

Por Dr. José Aldair Morsch, 24 de setembro de 2018

Quando o assunto é um diagnóstico assertivo, a interpretação de raio X é tão importante quanto a adoção de boas práticas durante a realização do exame.

Afinal, é a partir de uma leitura e interpretação corretas que o radiologista poderá produzir laudos que ajudem o médico solicitante a avaliar os resultados com eficiência e, assim, orientar o melhor tratamento para o paciente.

Nesse sentido, conhecer um pouco sobre a análise de radiografias se torna importante, concorda?

Neste artigo, trago algumas informações básicas que vão auxiliar profissionais da saúde na identificação de resultados de raio X do tórax, face, coluna e abdômen.

Também falarei soluções tecnológicas para melhorar e facilitar a emissão de laudos.

Solicite um orçamento

Então, não deixe de acompanhar até o final.

Boa leitura!

O que é e como funciona um raio X?

como fazer interpretação de raio x

Raio X é um exame de diagnóstico por imagem que usa radiação ionizante para produzir imagens internas de diversas partes do corpo.

Ele funciona como uma fotografia que mostra órgãos, ossos, músculos, vasos sanguíneos e outras estruturas.

Normalmente, um técnico em radiologia executa o exame e o procedimento costuma ser simples e indolor.

Primeiro, o paciente é orientado a posicionar a área do corpo a ser examinada sobre um suporte do aparelho de radiografia, embaixo de uma abertura por onde sairão os raios.

Quando acionado, o aparelho estimula o conteúdo radioativo que se encontra dentro dele, irradiando partículas que saem pela abertura e passam pelo corpo do paciente.

Em seguida, os raios atravessam a região a ser estudada e parte deles é absorvida pelas estruturas anatômicas.

Então, os raios se chocam contra uma chapa que está sob o paciente, feita de material sensível à radiação. Assim, elas são registradas.

Essas imagens são semelhantes aos negativos de uma fotografia, ou seja, aparecem em preto, branco e em tonalidades de cinza.

A cor das estruturas depende de fatores como sua densidade, pois a radiação atravessa os tecidos humanos de formas diferentes.

Enquanto tecidos mais densos absorvem mais raios X, os menos densos atuam em sentido oposto.

Quando os raios chegam com mais intensidade à chapa, queimam o material fotossensível, tornando-o escuro.

Nas áreas em que houver muita absorção da radiação, ela se chocará com a chapa de forma menos intensa, por isso, as imagens terão coloração clara.

Ou seja, partes mais duras e densas, como ossos, aparecem brancas nas imagens de radiografia.

Já as partes moles, como gordura e vísceras, aparecem mais escuras.

A importância de uma interpretação de raio X assertiva

interpretação de radiografia

Recentemente, uma notícia do Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) alertou a população sobre a falta de preparo dos médicos que atuam no estado.

Mais da metade dos 2.600 profissionais formados em 2016 não passou no teste aplicado pela entidade, pois acertou menos de 60% das questões propostas.

De acordo com o Conselho, 80% não souberam interpretar um exame de radiografia e erraram a conduta terapêutica de paciente idoso.

Esses dados preocupam bastante, pois, como informa o texto, as questões abordaram casos médicos básicos e problemas de saúde frequentes, como crises hipertensivas e doenças respiratórias.

E não há dúvidas de que a correta interpretação de raio X é de extrema importância atualmente, ainda mais se considerarmos que as solicitações desse tipo de exame são corriqueiras em qualquer unidade de saúde.

O raio X é um exame que reúne muitas vantagens, começando pelas poucas restrições quanto à sua indicação.

Ele costuma atender a maioria das pessoas, exceto aquelas que não podem receber radiação, como as gestantes.

O exame de raio X é simples, rápido, não invasivo e indolor para o paciente, além de poder ser aplicado em diversas partes do corpo e ter custo inferior quando comparado a outros exames de imagem, como tomografia e ressonância magnética.

Por mostrar uma visão geral interna do paciente, a radiografia vem, há décadas, dando suporte a médicos e outros profissionais de saúde no diagnóstico de uma gama variada de patologias, desde as mais simples até as complexas.

As imagens auxiliam na detecção de fraturas, cáries nos dentes, pneumonia, bloqueio de vasos sanguíneos, tumores, entre outros males.

Mas para que atendam a esse propósito, não custa lembrar, é preciso ser assertivo na interpretação de raio X.

Tipos de exames de raio X mais comuns

como interpretar raio x

Como citado acima, a radiografia pode ser aplicada a diversas partes do corpo humano.

Então, a seguir, vou trazer mais detalhes sobre os tipos mais comuns, que envolvem tórax, abdômen, coluna e face.

Raio X do Tórax

torax radiografia

A região torácica reúne órgãos e estruturas vitais para qualquer pessoa, como o coração, pulmões, veias e artérias centrais.

Por isso, exames de raio X nessa área fazem parte da rotina dos profissionais de saúde na investigação de uma série de doenças.

Incidências radiológicas

O raio X torácico pode ser feito em projeção Póstero-Anterior (PA), em projeção Antero-Posterior (AP) e perfil.

A projeção Póstero-Anterior (PA) é adquirida quando os raios X entram pelas costas do paciente, e saem pela frente (região anterior).

Assim, as partes que estiverem mais à frente ganharão destaque na imagens do exame.

Já uma radiografia Antero-Posterior (AP) indica que o feixe de raios X penetrou o tórax pela região anterior, saindo pelo dorso.

Nesse caso, partes que estiverem mais próximas às costas aparecem com maior nitidez.

Outra opção de incidência é em perfil, e também tende a mostrar em evidência as estruturas mais próximas ao lado examinado.

Raio X de tórax na Inspiração e Expiração

A movimentação dos pulmões durante a respiração também interfere nas imagens obtidas a partir de um raio X de tórax.

Assim, avaliar o grau de expansão dos pulmões é importante não apenas para apontar alguma anormalidade ou indício de doença nesses órgãos, como também para a qualidade técnica das imagens obtidas como um todo.

Se realizada fora do momento de expansão dos pulmões (inspiração), a radiografia pode levar a diagnósticos incorretos, como uma pneumonia na base do pulmão, ou cardiomegalia.

Lembrando que a pneumonia é uma inflamação no pulmão, enquanto a cardiomegalia ocorre quando há uma hipertrofia (aumento) no tamanho do músculo cardíaco.

Diferença entre Raio X em Mulheres e Raio X em Homens

Nas mulheres, as mamas podem impactar as imagens e a análise da radiografia.

Isso acontece porque o tecido mamário absorve grande parte dos raios X.

O resultado são imagens de cor mais clara das estruturas que se encontram atrás das mamas, e um padrão vascular mais proeminente.

Quando uma paciente que precisou realizar mastectomia unilateral (cirurgia para remover partes, ou uma mama por completo), a densidade pulmonar será assimétrica, pois o pulmão do lado em que não há tecido mamário captará mais radiação, aparecendo mais escuro no resultado.

Em alguns casos, os mamilos podem confundir a interpretação do exame, aparecendo em formato parecido com o de nódulos nas incidências PA ou AP.

Nesse caso, a dúvida pode ser esclarecida observando um raio X em perfil, no qual os mamilos aparecem à frente.

Patologias Demonstradas

Muitas doenças podem ser sinalizadas a partir de um raio X torácico, como nódulos e tumores nas partes examinadas.

Além da pneumonia na base do pulmão, ou cardiomegalia, o exame pode detectar tuberculose (doença infecciosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis, que atinge principalmente os pulmões).

O pneumotórax, que ocorre quando há entrada de ar na membrana que recobre os pulmões e a atelectasia (colapso do pulmão) também aparecem na radiografia.

Derrame pericárdico (acúmulo de líquido na membrana que envolve o coração) é outro exemplo de patologia que pode ser demonstrada.

Interpretação de raio X do Tórax

No exame de tórax, as incidências radiológicas devem permitir uma visualização de estruturas anatômicas como coluna, ossos (a exemplo da clavícula), pulmões, coração e até alguns vasos sanguíneos periféricos.

A sobreposição dessas estruturas costuma dificultar uma correta análise e interpretação de raio x.

Portanto, é ideal atentar para a posição em que o paciente estava na hora do exame, o que pode interferir na imagem retratada.

Observe a posição das estruturas para confirmar se o paciente estava deitado, de pé, de perfil, ou em decúbito (deitado, mas de lado).

Raio X do Abdômen

radiografia abdomen

Sinais de obstrução ou distensão nas alças do intestino podem ser vistos em radiografias do abdômen.

Atualmente, esse exame vem sendo substituído pela tomografia computadorizada, que mostra os órgãos de forma mais detalhada.

De todo modo, a interpretação de raio X de abdômen inclui imagens da bexiga, rins, intestinos e fígado, além de vasos sanguíneos.

Incidências radiológicas

Pode ser realizado em projeção Póstero-Anterior (PA), em projeção Antero-Posterior (AP) e perfil.

O paciente pode estar deitado, de pé, de perfil ou em decúbito.

Patologias Demonstradas

O exame pode detectar problemas no sistema digestivo ou urinário, como pedras nos rins, obstrução intestinal, cálculos biliares, fecalomas (fezes endurecidas no interior do cólon), entre outros.

Para verificar problemas no sistema digestivo, o teste costuma ser indicado com contraste de bário – substância que torna as estruturas mais visíveis.

Interpretação de raio X do Abdômen

Uma das principais recomendações para os profissionais responsáveis pela interpretação da raio X de abdômen é que observem, além das estruturas anatômicas, se não há objetos estranhos que possam ter sido engolidos.

O posicionamento e estiramento das estruturas também devem ser observados com atenção.

Raio X da Coluna

interpretação de raio x coluna

Bastante extensa, a coluna vertebral tem um papel indispensável na sustentação do corpo.

Ao todo, ela é formada por 29 vértebras, distribuídas em quatro segmentos, que podem ser examinados separadamente em radiografias.

O raio X extralongo da coluna vertebral mostra a coluna em sua totalidade.

Já o raio X da coluna cervical corresponde às sete vértebras na região do pescoço.

Por sua vez, uma radiografia da coluna dorsal diz respeito à região torácica, que possui 12 vértebras.

Se o exame for da coluna lombar, incluirá as cinco vértebras logo abaixo do tórax.

Por fim, se o teste for da coluna lombo sacra, estudará as cinco vértebras da região inferior da coluna.

Incidências radiológicas

Em geral, a radiografia é feita em duas incidências, podendo ser lateral ou perfil, oblíqua, Póstero-Anterior (PA), Antero-Posterior (AP), entre outras.

A escolha das incidências depende da suspeita do médico solicitante.

Patologias Demonstradas

O raio X é indicado para detectar males que afetam a coluna, como bicos de papagaio, hérnia de disco, metástase (quando o câncer se espalha), e artrose na coluna.

A hérnia de disco ocorre quando um disco vertebral sai do lugar, comprimindo outras áreas.

Bicos de papagaio são crescimentos anormais de um osteófito (saliência do osso) entre duas vértebras da coluna.

Os famosos desvios na coluna (cifose, lordose, escoliose), luxações e fraturas também podem ser observados.

Interpretação de raio X da Coluna

As imagens da radiografia na coluna mostram detalhes das vértebras e discos que ficam entre elas.

O técnico em radiologia deve posicionar o paciente de maneira correta, segundo a área da coluna que será examinada, que precisa aparecer em evidência nas imagens registradas.

Um raio X da coluna cervical, por exemplo, costuma ser realizado em pé, a menos que o paciente tenha alguma limitação.

Raio X da Face

interpretação de raio x face

Esse exame é indicado para verificar a anatomia dos ossos da face, como a mandíbula.

Também pode ser solicitado para investigar uma área específica do crânio, como a radiografia dos seios da face (área formada por cavidades ósseas em torno dos olhos, nariz e maçãs do rosto).

Incidências radiológicas

As incidências podem ser semelhantes às usadas para radiografias de crânio, de acordo com a área que precisa ser examinada com mais detalhes.

Lateral ou perfil são as mais simples. Também podem ser realizadas em projeção Póstero-Anterior (PA), ou em projeção Antero-Posterior (AP).

Outras incidências, como oblíqua tangencial, podem ser necessárias para observação de partes da face, como o arco zigomático – osso que compõe a bochecha e parte da órbita ocular.

Patologias Demonstradas

No caso do raio X dos seios da face, a recomendação mais comum é para o diagnóstico da sinusite, uma inflamação da mucosa dos seios da face.

Também pode mostrar sinais de câncer de cavidade nasal e seios paranasais.

Quando realizado em toda a face, é útil para mostrar fraturas ou fissuras nos ossos do crânio.

Interpretação de raio X da face

Com atenção e posicionamento adequado do paciente, será possível visualizar anormalidades no crescimento do osso maxilar, traumas, fraturas, entre outros males.

A qualidade dos exames de radiografia

interpretação de radiografia

Além de profissionais capacitados para a realização e interpretação de raio X, os equipamentos utilizados fazem a diferença, resultando em menor ou maior exposição do paciente à radiação.

Como destacado no início deste artigo, a radiografia usa uma pequena porção de radiação ionizante para gerar as imagens registradas durante o exame.

O problema é o efeito cumulativo: quanto maior a quantidade de radiação a que uma pessoa é exposta, maior a chance de ela desenvolver doenças como câncer, já que os raios X podem alterar o DNA das células.

Entidades como a Organização Mundial da Saúde (OMS) têm alertado quanto à exposição desnecessária, especialmente de crianças, às radiações ionizantes provenientes de exames de diagnóstico por imagem.

Esses riscos têm sido reduzidos a partir de soluções tecnológicas como os aparelhos de raio X digitais, que necessitam de menos radiação para gerar imagens de qualidade.

Além disso, na radiografia analógica, detalhes da irradiação são definidos de forma mecânica pelo técnico que realiza o exame.

Se houver erro no cálculo da radiação necessária, tanto para mais quanto para menos, os resultados ficam prejudicados. Se isso ocorrer, será preciso repetir o teste.

Já na radiografia digital, os detalhes da irradiação são automatizados.

Dados complementares à interpretação de raio x

interpretação de raio x dados

Ao analisar as imagens de uma radiografia, é importante lembrar que o exame é bidimensional, mas as estruturas possuem três dimensões.

Em geral, as imagens costumam ser acompanhadas por marcações nos cantos superiores, a fim de facilitar a identificação da incidência radiológica.

As imagens registradas em projeção Antero-Posterior (AP) são as mais utilizadas.

No entanto, a projeção Póstero-Anterior (PA) ajuda, sobretudo o paciente está acamado, por exemplo.

Quando estiver se preparando para a interpretação de raio X, confira toda a informação sobre o paciente, incluindo a idade, o gênero e o histórico médico dele. Lembre-se de comparar os raios X antigos com esse, se houver algum outro.

Além disso, é necessário um exame clínico adequado, contendo a anamnese e o exame físico completo.

Laudo de Raio x via Telemedicina

raio x telemedicina

O raio X digital pode ser facilmente integrado a plataformas de telemedicina. E isso é ótimo sob vários aspectos.

Por meio da telemedicina, especialistas ficam disponíveis para receber as imagens da radiografia, analisar, realizar a  interpretação de raio X e expedir laudos à distância com qualidade e agilidade.

Para tanto, basta que tenham acesso à internet. Uma vez logados, eles poderão enviar os documentos em cerca de 30 minutos.

Como é um serviço que costuma funcionar 24 horas por dia, a telerradiologia é útil para hospitais, clínicas e consultórios que enfrentam dificuldades na contratação de radiologistas ou com plantões, férias e feriados.

Conclusão

interpretação de raio x

Neste artigo, abordei tipos de radiografia, sua importância e de que forma esse exame é realizado, com destaque especial para a interpretação de raio X.

Você viu também o que a tecnologia pode agregar, permitindo menor exposição dos pacientes à radiação e compartilhamento de dados através da telemedicina.

Esse tipo de avanço está ao seu alcance.

Deixe que a Telemedicina Morsch auxilie você, conferindo agilidade, segurança e confiabilidade aos seus laudos.

Tudo isso com a vantagem de um serviço que cabe no seu orçamento.

Entre em contato conosco para mais informações e veja no site como funciona.

Se gostou deste artigo, compartilhe com a sua rede de contatos.

Aproveite e assine nosso blog para receber esse tipo de conteúdo toda semana no seu e-mail.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp