A Teleneurologia aumenta a eficiência dos laudos

Por Dr. José Aldair Morsch, 20 de julho de 2016
Teleneurologia

A teleneurologia surgiu para resolver um problema crítico no atendimento de pacientes neurológicos como AVC e a demora na entrega dos laudos médicos.

O pouco tempo que o médico pode ganhar é capaz de alterar totalmente o quadro de determinado paciente, fazendo com que este se recupere o mais rápido possível ou então que tenha algum tipo de sequela pela demora no diagnóstico.

Embora possa parecer algo totalmente distante da realidade de muita gente, hoje já é possível ter resultados de exames neurológicos de forma rápida, ágil e mais importante de tudo, segura.

Os sistemas de telemedicina na neurologia tem o poder de acelerar diagnósticos, pois há uma entrega de laudos mais efetivos, em apenas 30 minutos.

O meio físico é derrubado, o EEG tornou-se digital e deu origem a teleneurologia

A teleneurologia é uma verdadeira revolução no mundo médico. O paciente chega ao hospital ou clínica e realiza um determinado tipo de  exame na forma digital e, assim que o exame é finalizado, é automaticamente enviado para a central de telemedicina.

O Neurologista que está logado no sistema de telemedicina em nuvem interpreta o exame e libera o laudo que fica disponível para a clínica solicitante que recebe o resultado em tempo real e já é capaz de dar o diagnóstico correto e preciso ao paciente.

O meio físico nesse caso é totalmente derrubado.

Aqui, a telemedicina, explicitamente, utiliza a tecnologia a favor da saúde.

Através da Teleeletroencefalografia é possível ter o laudo de EEG assinado digitalmente em minutos, usando a plataforma de Telemedicina.

Nos casos de AVC isquêmico, com o laudo de tomografia sendo liberado em 30 minutos é possível mudar completamente o destino de um paciente em fase aguda.

Exames neurológicos diversos já usam a teleneurologia

A neurologia é uma área muito específica da medicina e, portanto, ter resultados e diagnósticos de exames de forma rápida e precisa podem fazer toda a diferença em pacientes que sofreram algum tipo de trauma craniano, AVC em fase aguda ou mesmo investigação de epilepsia com um simples eletroencefalograma.

Pensando nisso, a teleneurologia se transformou numa excelente ferramente para agilizar seus processos de entrega de laudos rápidos e protocolos de atendimento de AVC a serem aplicados aos pacientes. São eles:

Resultados antes demorados agora podem ser entregues em tempo real

Exames que antes levavam dias para serem entregues tiveram seu tempo de entrega basicamente anulado.

Uma tomografia computadorizada, ou então uma ressonância magnética, graças à tecnologia da telemedicina, ficam prontos basicamente em tempo real. Algo totalmente revolucionário e inovador.

Tenho um EEG antigo, posso usar na telemedicina e teleneurologia?

Os antigos aparelhos de eletroencefalograma trazem a opção de imprimir os registros em papel.

Neste cenário temos duas alternativas possíveis para aproveitar o seu aparelho para que consiga enviar os exames para a plataforma de telemedicina.

1- É possível escanear as páginas dos registros e enviar no formato de pdf sem problemas para a central de laudos que o neurologista vai interpretar e fornecer o laudo médico online.

2- Alguns aparelhos trazem a opção de conectar com um computador através de um cabo específico, neste caso vale a pena falar com o fabricante para aproveitar essa oportunidade, visto que irá economizar na compra de um aparelho novo e terá a mesma qualidade do traçado quando comparado aos aparelhos de eletroencefalograma digitais.

Quero comprar um EEG novo, como escolher?

Existem hoje diversas marcas de aparelhos de eletroencefalograma digitais no mercado.

De forma geral todos são bons, variando em pequenos detalhes de tamanho, de robustez, de facilidade de uso, de ser ou não portátil, de ter opções como realizar polissonografia no mesmo aparelho.

Escrevi um artigo sobre as principais marcas de aparelhos de eeg no mercado.

Resoluções do CFM já permitem o uso da teleneurologia

Algumas resoluções médicas reconhecem e permitem o uso da telemedicina e teleneurologia, são elas:

  • Resolução CFM nº 1.643 do ano de 2002, que define e também disciplina a prestação de serviços através da telemedicina
  • Resolução CFM nº 1821 do ano de 2007, que aprova as normas de digitação e uso de sistemas informatizados para guardar e manusear documentos dos prontuários de paciente
  • Resolução CFM nº 1983 do ano de 2012, que normatiza o CRM Digital para vigorar como identidade dos médicos já inscritos nos conselhos regionais de medicina.

Portanto, a dúvida que muitos poderiam ter – de que a telemedicina é algo ilegal – é sanada e esclarecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

Além disso, por ser uma área extremamente útil, importante e delicada, a telemedicina na neurologia facilita e agiliza os processos, gerando resultados precisos e confiáveis que ajudam a salvar vidas.

Quando utilizada em conjunto com a neurologia, a telemedicina traz laudos efetivos e qualitativos, melhorando assim a vida de médicos e pacientes.

Quero fazer EEG na minha clínica e não tenho aparelho, qual a alternativa para isso?

O rápido crescimento da telemedicina no mundo propiciou um novo mercado de serviços que entrega o aparelho de eletroencefalograma em comodato para o cliente interessado.

É estipulado um valor de aluguel mensal onde recebe gratuitamente todos os meses 30 laudos médicos de exames feitos pelos neurologistas que usam a plataforma de telemedicina.

Este formato de serviço tem ajudado milhares de clínicas de medicina do trabalho por todo Brasil, sem a necessidade de grandes investimentos pelos médicos iniciantes.

Que tipos de exames de eletroencefalograma são possíveis de serem feitos usando a telemedicina?

Tradicionalmente temos 3 tipos de eletroencefalogramas rotineiros, sem relacionar aqueles realizados na internação de pacientes.

1-Eletroencefalograma Ocupacional

Saiba mais sobre o EEG ocupacional

2- Eletroencefalograma Clínico

Qual a diferença entre EEG clínico e ocupacional?

3- Eletroencefalograma com mapeamento cerebral

Preciso fazer algum curso para realizar eletroencefalograma?

Desde o uso rotineiro de eletroencefalograma surgiram vários cursos presenciais para técnicos que desejam realizar o exame.

Sabemos que esta modalidade presencial é a mais precisa e completa no treinamento, porém a grande maioria dos clientes moram em locais muito afastados para escolher esses cursos.

Com o advento da telemedicina, criamos diversos cursos práticos online para auxiliar clientes a realizar o exame com qualidade.

No vídeo abaixo é possível ver na prática a colocação dos eletrodos na cabeça

Conclusão

Em resumo, consultórios, clínicas de medicina ocupacional, hospitais que precisavam ampliar seus exames, esbarravam no fator custo de ter um especialista em sua empresa.

A Telemedicina trouxe a oportunidade de todos terem acesso aos exames médicos, sejam simples ou complexos, como é o caso da teleneurologia.

Sem dúvida, isso traz melhor qualidade de vida para as regiões distantes e maior possibilidade de oferta de recursos médicos nunca antes imaginados.

Gostou do artigo? Não se esqueça de compartilhar com seus amigos!

Assine nosso blog!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp