Asma ocupacional: como enfrentar essa doença relacionada ao trabalho?

Por Dr. José Aldair Morsch, 9 de junho de 2022
Asma ocupacional

A asma ocupacional deve ser uma preocupação em empresas e de profissionais de saúde e segurança no trabalho.

Essa condição tem maior prevalência entre adultos jovens, em plena capacidade produtiva.

Vivenciando crises decorrentes de exposições no ambiente de trabalho, esses profissionais veem a produtividade despencar, assim como sua qualidade de vida.

Se nada for feito, logo haverá consequências sérias para a saúde do colaborador e para a empresa, que perderá em qualidade e quantidade das entregas, reduzindo a lucratividade.

Daí a importância de manter o olhar atento à asma ocupacional, adotando medidas preventivas como as que cito nos próximos tópicos.

Trago ainda uma solução inovadora para otimizar a emissão e assinatura de laudos ocupacionais: a plataforma de telemedicina.

O que é asma ocupacional?

Asma ocupacional é uma patologia crônica que causa reações inflamatórias nos brônquios, decorrente de fatores laborais.

Lembrando que os brônquios são tubos que transportam o ar para dentro dos pulmões – já falei aqui sobre a diferença entre asma e bronquite.

Já a asma ocupacional é definida pela:

“Presença de sintomas de asma e de obstrução reversível do fluxo aéreo e/ou hiper-reatividade brônquica em virtude de condições atribuíveis ao ambiente ocupacional e não a estímulos encontrados fora do ambiente de trabalho”.

A estimativa é que a asma tenha origem ocupacional em 16% dos casos diagnosticados entre adultos, que chegam a 300 milhões no mundo.

Desses, 20 milhões correspondem a brasileiros, de acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

Causas da asma ocupacional

A asma ocupacional é causada por uma combinação de fatores.

De um lado, estão as características do trabalhador, que pode ter predisposição genética a desenvolver a doença.

Geralmente, o asmático tem pulmões mais sensíveis que o normal, facilitando reações inflamatórias diante de certos agentes.

É aí que entra a contribuição da empresa.

Porque a asma ocupacional costuma resultar de longos períodos de exposição a sensibilizantes presentes no ambiente laboral.

Metais como níquel e cromo, fungos, farinhas e grãos são exemplos de sensibilizantes capazes de provocar a doença.

Outra razão é a exposição a concentrações altas de substâncias irritantes como cloro, amônia, poeira de cimento e ozônio.

Nesses casos, a exposição aguda pode levar a crises rapidamente, evidenciando a relação entre esses agentes e os sintomas.

Abaixo, listo os setores com maiores chances de exposição a agentes sensibilizantes e irritantes:

  • Limpeza
  • Laboratórios
  • Saúde
  • Construção civil
  • Indústria alimentícia
  • Padarias
  • Fabricação de itens de borracha
  • Serviços de beleza, em especial cabeleireiros
  • Marcenaria
  • Carpintaria
  • Indústria farmacêutica
  • Refinarias
  • Galvanização
  • Fabricação e aplicação de tintas
  • Indústria de papel e celulose
  • Fundição de alumínio.

 

Asma ocupacional: sinais e sintomas

Os sintomas de asma ocupacional são semelhantes à doença que tem origem fora do local de trabalho, ou seja:

 

Diagnóstico

O diagnóstico da doença é dado preferencialmente por um médico do trabalho, pois é necessário estabelecer nexo com um patógeno presente no ambiente laboral.

Normalmente, o especialista em saúde ocupacional segue três passos para a identificação da asma ocupacional:

  1. Diagnóstico de asma
  2. Início ou agravamento/exacerbação dos sintomas após ingresso em um determinado trabalho
  3. Associação entre os sintomas e o trabalho.

Outro sinal importante é a melhora dos sintomas durante os períodos de afastamento da atividade profissional, como férias, feriados e finais de semana.

Além da presença de um agente conhecido como causador de asma no ambiente de trabalho.

Asma no trabalho

Boas práticas são importantes para a prevenção da asma ocupacional no ambiente de trabalho

Como é o tratamento da asma ocupacional?

Uma das ações mais eficazes para diminuir crises e sintomas é a realocação do empregado.

Isso porque a reação inflamatória é reduzida quando há afastamento do agente sensibilizante ou irritante.

Contudo, nem sempre é possível adotar essa medida sem ameaçar o trabalho do colaborador.

Nesses casos, é indispensável combinar o tratamento de crises a ações preventivas no trabalho, que comento a seguir.

O tratamento é feito usando medicações com efeito broncodilatador, normalmente administrados com o auxílio de sprays ou “bombinhas”.

Corticoides e anti-inflamatórios também podem ser prescritos para evitar as crises.

Se ocorrerem episódios agudos, o paciente se beneficia do uso de corticosteroides por alguns dias.

Prevenção da asma ocupacional no ambiente de trabalho

Boas práticas de segurança e saúde do trabalho são essenciais para prevenir a asma ocupacional.

Principalmente as medidas de proteção coletiva voltadas à mitigação do risco ocupacional.

Um exemplo é a substituição de patógenos relacionados ao desenvolvimento da doença, que são trocados por alternativas que preservam o bem-estar do funcionário.

Caso não seja viável, cabe avaliar opções de enclausuramento de processos envolvendo poeiras e outros alérgenos, para diminuir o contato entre eles e os colaboradores.

Outra adaptação de engenharia interessante é a exaustão ou aumento da ventilação natural, favorecendo a dispersão do agente irritante ou sensibilizante.

Por consequência, sua concentração será menor, o que diminui o potencial de causar asma e outros agravos à saúde.

Rotinas básicas de higiene no trabalho também são fundamentais para prevenir patologias, como a limpeza do chão, paredes e equipamentos, além da umidificação do ar.

Como complemento, podem ser adotados Equipamentos de Proteção Individual (EPI), a exemplo dos respiradores faciais para filtrar partículas prejudiciais aos pulmões.

Por fim, mas não menos importante, vale destacar o monitoramento dos trabalhadores por meio dos exames do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO).

Realizando avaliações admissionais, demissionais, periódicas, de retorno ao trabalho e de mudança de função, fica mais fácil obter um diagnóstico precoce para a asma ocupacional.

Além de impedir que a enfermidade se agrave entre os colaboradores da organização.

Telemedicina dá suporte à saúde ocupacional

O acompanhamento dos trabalhadores só é eficiente quando há dados e registros fidedignos, compondo documentos ambientais e de saúde.

Porém, nem sempre os especialistas como médicos do trabalho e engenheiros de segurança estão presentes na empresa, o que acaba atrasando a emissão de laudos ocupacionais.

Pensando nisso, a telemedicina Morsch incluiu o serviço de assinatura digital para documentos de saúde ocupacional, criando uma oportunidade de otimizar o trabalho do SESMT.

Basta acessar a plataforma Morsch para emitir e assinar arquivos como:

Saiba mais e experimente essa inovação para seu time clicando aqui.

Conclusão

Abordei neste artigo as causas, sintomas e boas práticas para prevenir a asma ocupacional.

Se ficou alguma dúvida ou sugestão, deixe um comentário abaixo.

Faça sua inscrição na newsletter para receber os próximos conteúdos em primeira mão!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE