Ovários micropolicísticos: o que causa, sintomas e formas de tratamento

Por Dr. José Aldair Morsch, 20 de abril de 2022
Ovários micropolicísticos

Ovários micropolicísticos são comuns entre as mulheres em idade reprodutiva.

Algumas vezes, essa condição passa despercebida, sem manifestar qualquer sintoma.

Em outras, no entanto, podem surgir incômodos que influenciam os ciclos menstruais, a estética ou até mesmo a fertilidade da paciente.

Nesses casos, é importante buscar ajuda médica para evitar complicações e ter mais qualidade de vida.

Nos próximos tópicos, falo sobre as causas, sintomas, tratamentos e quando consultar um médico para diminuir o desconforto por causa dos ovários micropolicísticos.

Leia até o fim e receba também dicas para manter os cuidados de saúde em dia, usando a teleconsulta.

Ovários micropolicísticos: o que é?

Ovários micropolicísticos são aqueles afetados pela formação de múltiplos cistos muito pequenos.

Esses microcistos são lesões benignas que medem menos de meio centímetro de diâmetro.

Em geral, são formados por líquidos como água, pus e sangue, envoltos por uma membrana.

Também têm aparência arredondada e com a extremidade bem delimitada.

Quando vários pequenos cistos se acumulam nas extremidades de um ovário, dizemos que é micropolicístico.

Normalmente, essa condição corresponde a um achado de exames de imagem com finalidade ginecológica, a exemplo do ultrassom transvaginal ou pélvico.

Inclusive, é comum a detecção somente através desses testes, principalmente quando os microcistos não provocam incômodos.

Sua presença é notada com maior facilidade pela mulher quando as lesões são maiores, fazendo com que os ovários aumentem de tamanho.

Isso pode ocorrer em certos períodos do ciclo menstrual, fazendo a barriga inchar.

Nesse cenário, muitas pacientes podem confundir sintomas de ovários micropolicísticos com os de tensão pré-menstrual (TPM).

Para tirar as dúvidas e obter o diagnóstico correto, é preciso consultar o ginecologista ou endocrinologista.

Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP)

Embora os nomes sejam parecidos, ter ovários micropolicísticos não é o mesmo que ter SOP.

A Síndrome dos Ovários Policísticos é uma doença crônica que reúne um conjunto de distúrbios metabólicos e sintomas, presentes em maior ou menor intensidade.

Essa é uma das desordens endócrinas mais comuns durante a fase reprodutiva, afetando de 6% a 10% da população feminina.

Essa condição é marcada por pelo menos dois entre os três fatores seguintes:

  1. Aumento na produção de hormônios masculinos, como a testosterona. Esse problema pode ser identificado diante de acne e o crescimento de pelos em excesso em áreas como rosto, seios, abdômen e costas
  2. Irregularidade dos ciclos menstruais. Por vezes, a menstruação ocorre em intervalos extensos, como a cada 2 ou 3 meses, ou nem mesmo ocorre
  3. Presença de cistos ou microcistos em exames de imagem.

Então, nem sempre os ovários micropolicísticos indicam que a mulher tem SOP.

O que causa ovário micropolicístico?

As causas são desconhecidas, mas estudos sugerem que sejam multifatoriais. 

Ou seja, ovário micropolicístico é resultado de fatores genéticos e endócrinos combinados.

Já o mecanismo de formação dos microcistos é o mesmo para toda mulher.

Geralmente, ele parte de anormalidades no funcionamento da hipófise ou glândula pituitária, localizada abaixo do hipotálamo, na área do encéfalo.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia de SP (SBEM-SP), o papel da hipófise consiste em:

“Regular o trabalho das glândulas suprarrenal, tireoide, testículos e ovários, produzir o hormônio importante para a lactação (prolactina), o hormônio do crescimento, o hormônio antidiurético e o hormônio chamado oxitocina, importante para o trabalho de parto”.

Nas pacientes com ovários micropolicísticos, a hipófise começa a produzir grandes quantidades de hormônios masculinos, com efeito negativo para a ovulação.

Assim, os óvulos são impedidos de completar seu processo natural de amadurecimento e liberação mensalmente, convertendo-se em folículos.

São esses folículos que dão origem aos microcistos.

Caso a glândula pituitária mantenha sua função alterada, a mulher pode ter Síndrome dos Ovários Policísticos.

Microcistos nos ovários

Muitas vezes, o problema não causa qualquer sintoma e só pode ser observado em exames de imagem

Quais os sintomas de ovários micropolicísticos?

Se ocorrerem de forma isolada, os ovários micropolicísticos podem não desencadear qualquer sintoma e só serem observados em exames como ultrassom.

No entanto, outros casos podem ser sintomáticos, apresentando incômodos como:

  • Alterações no ciclo menstrual, com intervalos muito longos e/ou fluxo intenso
  • Ausência de menstruação por um ou mais meses
  • Facilidade para ganhar peso
  • Aumento da oleosidade na pele, favorecendo o surgimento de acne
  • Surgimento de pelos em excesso (hirsutismo), em locais pouco comuns, a exemplo das costas, barriga, rosto e mamas
  • Infertilidade, em casos graves.

 

Quando procurar um médico?

Na ocorrência de um ou mais dos sintomas acima, procure ajuda médica.

Dessa forma, é possível conseguir um diagnóstico e tratamento precoce, evitando complicações como a infertilidade.

Além de acabar ou pelo menos minimizar o desconforto causado pelos cistos nos ovários.

Aliás, é importante que mulheres de todas as idades sejam acompanhadas pelo ginecologista, realizando um check-up com bateria de exames anualmente.

Como expliquei antes, os microcistos podem ser vistos de maneira antecipada nos testes ginecológicos de rotina, adiantando o tratamento adequado.

Essa atitude simples previne não apenas agravos nos ovários, como também em todo o aparelho reprodutivo feminino.

Portanto, as consultas e exames preventivos são um jeito inteligente de garantir a saúde da mulher.

Tratamentos para ovários micropolicísticos

Essa condição tende a ser crônica, portanto, os tratamentos têm a finalidade de reduzir o desconforto e melhorar a qualidade de vida da paciente.

Sua prescrição vai depender do diagnóstico de SOP, quais sintomas estão presentes, objetivo e momento de vida da mulher.

Medicamentos

Incômodos como o excesso de pelos e irregularidades menstruais podem ser reduzidos com o uso de alguns tipos de pílula anticoncepcional.

A função desses medicamentos é diminuir a produção de testosterona, permitindo que os óvulos amadureçam normalmente e regulando os ciclos menstruais.

Como consequência, o crescimento dos pelos é contido.

A oleosidade da pele também é amenizada, colaborando para a redução da acne.

O tratamento com anticoncepcionais é simples e seguro, contando com várias opções no mercado.

Quando a paciente deseja engravidar, o médico receita substâncias que estimulam a ovulação, que também são ingeridas, a exemplo da metmorfina.

Cisto no ovário

Alimentação saudável e a prática de atividade física podem ajudar contra o quadro de ovários micropolicísticos

Adoção de hábitos saudáveis

Escolher uma dieta balanceada, com pouca gordura e açúcar ajuda a potencializar o tratamento com remédios.

Algumas vezes, basta combinar alimentação saudável e atividade física regular para reverter o quadro de ovários micropolicísticos.

Principalmente entre mulheres obesas, pois o controle do peso diminui o risco de agravos à saúde.

Exercícios de alta intensidade também controlam a insulina no organismo, prevenindo o desenvolvimento de diabetes relacionada aos múltiplos cistos nos ovários.

Contribui ainda para reduzir a acne e melhorar a autoestima da mulher.

Essa é uma receita simples e acessível para elevar o bem-estar e controlar os sintomas de ovários policísticos.

O acompanhamento de um endocrinologista e outros profissionais de saúde, como nutricionistas e educadores físicos, colabora para alcançar bons resultados.

Controle do diabetes

Claro que nem toda paciente com ovários micropolicísticos tem diabetes.

Porém, estudos já comprovaram que aquelas que sofrem com a SOP possuem risco de apresentar a doença aumentado em quatro vezes.

Isso porque muitas dessas pacientes criam resistência insulínica, condição que precede o diabetes.

Nesse contexto, o hormônio insulina não consegue atuar plenamente no transporte da glicose para dentro das células do organismo, levando ao acúmulo de açúcar no sangue.

Por isso, há casos de SOP que se beneficiam do uso de medicamentos que controlam o diabetes, combatendo os sintomas.

Cirurgia

Quando nenhuma das abordagens terapêuticas descritas acima funciona, o médico pode recomendar o tratamento cirúrgico.

Essa indicação é bastante rara e é feita somente para os casos mais graves, com grande impacto na rotina da mulher.

Ou caso ela queira engravidar e tenha dificuldade devido aos ovários policísticos.

Assim, é realizado um procedimento chamado drilling ovariano, que usa um bisturi para cortar e cauterizar os microcistos dentro dos ovários.

A técnica é minimamente invasiva, executada através de laparoscopia, uma pequena incisão para permitir que um tubo seja inserido no abdômen.

Como expliquei antes, a SOP não tem cura, mas tem controle.

O objetivo da cirurgia é permitir que a paciente ovule por cerca de seis a nove meses, a fim de facilitar a gestação espontânea.

Dúvidas comuns sobre ovários micropolicísticos

Neste ponto do texto, você já entende as causas, sintomas e tratamentos para ovários micropolicísticos.

Apesar de ser um diagnóstico que preocupa muitas pacientes, na maioria das vezes essa condição não causa agravos à saúde.

De qualquer forma, é importante comentar com seu médico o surgimento ou evolução de sintomas como as mudanças no padrão do ciclo menstrual.

A seguir, trago respostas para dúvidas corriqueiras sobre o assunto.

Acompanhe!

Ovário micropolicístico pode virar câncer?

Não.

Esse é um dos maiores temores das mulheres que sofrem com esse problema nos ovários, entretanto, os cistos são lesões benignas.

Eles contêm líquidos em seu interior, enquanto o câncer, mesmo em estágio inicial, é composto por massas sólidas: microcalcificações e nódulos, mas não cistos.

No entanto, mulheres com SOP têm mais chances de desenvolver algumas doenças, a exemplo de obesidade, diabetes e males que acometem o endométrio.

Por revestir a parede do útero internamente, o endométrio acaba exposto a hormônios como o estrogênio de maneira desequilibrada.

Esse sim é um fator de risco para câncer de endométrio.

Qual a diferença entre ovário policístico e micropolicístico?

Basicamente, a diferença está no tamanho das lesões.

Enquanto o microcisto tem diâmetro menor que meio centímetro, cistos maiores podem alcançar até cinco centímetros de diâmetro.

Naturalmente, as lesões maiores causam mais desconforto para a mulher, deixando o abdômen inchado, por exemplo.

Já os microcistos podem passar despercebidos caso não provoquem sintomas.

Conforme detalhei mais acima, a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é uma terceira condição, capaz de afetar o metabolismo e a fertilidade da paciente.

Ter ovários micropolicísticos ou mesmo policísticos não significa que a pessoa irá desenvolver SOP, embora exista esse risco.

Quem tem ovários micropolicísticos pode engravidar?

Geralmente, sim.

Mesmo as pacientes que tenham SOP podem engravidar, ainda que seja mais difícil.

Sua fertilidade pode diminuir em decorrência dos ciclos menstruais irregulares, que por vezes, impedem a mulher de liberar óvulos durante longos períodos.

Sem a disponibilidade do gameta feminino, não é possível engravidar.

Nesses casos, recomenda-se que o casal tente a gestação espontânea por 12 meses consecutivos.

Se não conseguir, vale contatar um médico e solicitar uma avaliação da fertilidade não só da mulher, mas também do homem.

Assim, o profissional poderá descartar outras causas e prescrever o tratamento adequado.

Por exemplo, receitando o uso de medicamentos que estimulam a ovulação.

Telemedicina na assistência à saúde da mulher

A telemedicina promove a democratização na saúde, disponibilizando assistência de qualidade em qualquer lugar do Brasil.

Basta ter um dispositivo com conexão à internet para consultar um médico ou profissional de saúde, receber laudos de exames, monitoramento ou uma segunda opinião qualificada.

Essa opção viabiliza a oferta de cuidados à mulher que vive longe dos centros urbanos, conectando-a a especialistas.

Dessa forma, não é preciso gastar tempo e dinheiro com deslocamento, alimentação e, às vezes, até hospedagem em municípios distantes.

A telemedicina também beneficia pacientes que têm uma rotina agitada nas grandes metrópoles brasileiras.

Elas podem tirar dúvidas e receber orientações sem sair de casa, do trabalho ou de qualquer outro local.

Com o auxílio da plataforma de teleconsulta Morsch, dá para iniciar a avaliação dos sintomas de ovários micropolicísticos e várias outras condições de um jeito simples e rápido.

É só seguir 7 passos para marcar sua consulta online com ginecologista:

  1. Acesse a página de agendamento 
  2. Escolha a especialidade desejada – no caso, Ginecologia e Obstetrícia
  3. Selecione, entre os profissionais habilitados, o de sua preferência
  4. Clique sobre a melhor data e hora para a teleconsulta
  5. Insira login e senha. Se não tiver cadastro, clique em “Criar Conta” e informe alguns dados para se registrar
  6. Continue para a página de pagamento e confirme o agendamento
  7. No dia escolhido, você vai receber um link de acesso à sala virtual de teleconsulta, onde será atendida.

 

Conclusão

Gostou de saber mais sobre os ovários micropolicísticos?

Embora essa não seja uma condição preocupante, vale o acompanhamento com o ginecologista para prevenir agravos como a SOP.

Conte com a Telemedicina Morsch para esses e outros cuidados de saúde.

Se ficou alguma dúvida ou sugestão, deixe um comentário.

Faça sua inscrição em nossa newsletter para receber os próximos conteúdos exclusivos.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE