Bromazepam: para que serve, receita e como tomar

Por Dr. José Aldair Morsch, 21 de agosto de 2023
Bromazepam

Ansiolítico muito procurado, o bromazepam é importante no tratamento de algumas doenças.

Por outro lado, oferece risco de dependência física e psíquica.

Neste artigo, trago detalhes importantes sobre esse fármaco, que pode ser encontrado em comprimidos de 3 e 6mg ou solução oral.

Acompanhe até o fim para saber como fazer uso consciente e adquirir a receita médica de bromazepam com segurança.

Já adianto que a telemedicina tem soluções sob medida para isso.

O que é bromazepam?

Bromazepam é um medicamento ansiolítico da classe dos benzodiazepínicos.

Quando usado em doses baixas, seu efeito promove a redução de sintomas de ansiedade.

Já doses altas são receitadas para relaxamento muscular e sedação.

Contudo, é importante que o remédio seja tomado apenas sob prescrição médica.

Isso evita reações adversas devido à automedicação.

Para que serve bromazepam

O bromazepam serve para tratar transtornos de ansiedade que causam extremo desconforto, são graves ou incapacitantes.

Seu mecanismo de ação consiste em ligações com o receptor Gaba, que faz a mediação da inibição dos neurônios.

Por consequência, a capacidade de excitação neuronal é reduzida, o que diminui sintomas como agitação e tensão.

Principais indicações

De acordo com a bula, bromazepam é indicado para tratar:

  • Tensão
  • Agitação associada a quadros psiquiátricos, como transtornos do humor (doenças psiquiátricas em que o indivíduo apresenta depressão ou euforia desproporcionais) e esquizofrenia (doença psiquiátrica em que costumam ocorrer alucinações).

Outras indicações dependem da avaliação médica.

Como tomar bromazepam

O medicamento pode ser adquirido em comprimidos de 3 e 6 mg ou solução oral.

Os comprimidos devem ser engolidos inteiros, com um pouco de água ou outro líquido não alcoólico.

Siga sempre a orientação médica, pois o tratamento é personalizado conforme a necessidade e limitações do paciente.

Veja a seguir a dosagem usual recomendada.

Caso esteja utilizando a solução oral, o número de gotas deve ser equivalente à dose em miligramas (mg) preconizada ao paciente, sabendo que 1 gota = 0,1 mg.

Se precisar de mais detalhes, consulte a bula do bromazepam:

  • Dose média para o tratamento de pacientes não internados: 1,5 a 3 mg, até 3 vezes ao dia. Em solução oral, entre 15 e 30 gotas
  • Casos graves, especialmente em hospital: 6 a 12 mg, 2 ou 3 vezes ao dia.

Geralmente, o médico começa prescrevendo doses iniciais baixas, que serão ajustadas de forma progressiva até atingir a dosagem ideal.

O limite é de 36 mg/dia.

Jamais altere a dose por conta própria, nem descontinue o tratamento de maneira abrupta, sem o conhecimento do seu médico.

Essas condutas aumentam o risco de efeito rebote e síndrome de abstinência.

Assim como no início da terapia, sua finalização deve ser conduzida gradualmente.

Receita de bromazepam

Para comprar bromazepam, é preciso apresentar a receita B1.

O documento é composto por duas vias.

A segunda é devolvida ao paciente para que possa conferir as principais orientações sobre o tratamento – doses, horários, etc.

Já a primeira via fica retida na farmácia ou drogaria.

Ela corresponde à notificação de receitas azul, utilizada na prescrição de medicamentos psicotrópicos.

Esse grupo de remédios controlados tem o potencial de alterar o comportamento, humor e cognição a partir de sua atuação sobre o sistema nervoso central (SNC).

Daí a necessidade de monitoramento por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Isso ocorre a partir dos dados do paciente, comprador, fornecedor e médico prescritor, que são preenchidos na notificação de receitas.

A receita de bromazepam (prescrição tipo B1) tem validade de 30 dias.

Como alertei na introdução deste texto, o uso indiscriminado de psicotrópicos expõe o paciente ao risco de dependência física e psíquica.

Nesse cenário, o funcionamento do organismo fica condicionado à presença da droga, desencadeando sintomas de abstinência caso o tratamento seja interrompido.

Outro perigo é a tolerância, que faz o paciente buscar doses cada vez maiores para obter o mesmo efeito.

Essa condição eleva as chances de sofrer uma overdose – consumo de dose tão alta que representa ameaça à vida.

Devido a esses riscos, a embalagem do medicamento é marcada com tarja preta.

Dúvidas frequentes sobre bromazepam

Neste espaço, respondo algumas perguntas comuns sobre o medicamento.

Quais são os efeitos colaterais do bromazepam?

O fármaco pode provocar as seguintes reações adversas:

  • Confusão mental
  • Desorientação
  • Distúrbios emocionais
  • Sonolência
  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Diminuição do estado de alerta
  • Ataxia (falta de coordenação motora)
  • Amnésia anterógrada
  • Diplopia (visão dupla)
  • Fraqueza muscular
  • Fadiga.

Em casos raros, podem ocorrer eventos graves como depressão respiratória, insuficiência cardíaca e parada cardíaca.

Pode tomar bromazepam para dormir?

Embora tenha a sonolência entre os efeitos colaterais, o bromazepam não é indicado para tratar insônia.

O mais recomendado é procurar ajuda médica para identificar a causa do problema e iniciar o tratamento adequado.

Quanto tempo demora para o bromazepam começar a fazer efeito?

O efeito é rápido, cerca de 20 minutos após a administração do fármaco.

Quais remédios não podem ser misturados com bromazepam?

Quando combinada ao bromazepam, diversas substâncias podem provocar interação medicamentosa e respostas adversas.

Algumas delas são críticas, como ao ingerir bebida alcoólica durante o uso do medicamento.

Essa combinação eleva o risco de sedação grave e falência respiratória e/ou do sistema cardiovascular, que podem resultar em coma e morte.

Outras drogas que interagem com bromazepam são:

  • Remédios que agem sobre o sistema nervoso central: antidepressivos, alguns analgésicos potentes (para dor intensa), antipsicóticos (medicamentos para doenças psiquiátricas), ansiolíticos/sedativos (medicamentos para ansiedade e insônia), anticonvulsivantes (medicação para epilepsia), antialérgicos sedativos (que provocam sono) e anestésicos
  • Remédios para doenças do estômago: cimetidina.
  • Remédios anti-hipertensivos: propranolol.

Converse com seu médico e esclareça sobre qualquer remédio que esteja tomando no momento.

Conclusão

Agora que expliquei mais detalhes sobre o bromazepam, você pode fazer o uso seguro deste medicamento.

Nunca abra mão de contar com a prescrição e monitoramento médico para evitar efeitos colaterais graves.

Se estiver sofrendo com tensão, insônia, preocupação excessiva e outros sintomas de ansiedade, consulte um psiquiatra.

Atualmente, você nem precisa sair de casa para receber assistência médica de qualidade – basta marcar uma teleconsulta na plataforma Morsch.

Acesse a página de agendamentos e use o filtro de especialidades para selecionar o médico de sua preferência.

Caso precise apenas renovar uma prescrição que está perdendo a validade, também dá para agilizar o processo através da telemedicina.

Acesse a área de renovação, faça o pedido, preencha o formulário e confirme o pagamento.

Em seguida, você receberá uma confirmação por e-mail, junto a um link de rastreamento para monitorar o envio da sua receita pelos Correios.

Experimente e veja como é fácil!

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE