Saiba quais são os tipos de prontuário eletrônico e como escolher

Por Dr. José Aldair Morsch, 19 de outubro de 2021
Saiba quais são os tipos de prontuário eletrônico e como escolher

Você conhece as principais diferenças entre os tipos de prontuário médico?

A tecnologia proporcionou avanços significativos para a área da saúde. Cada vez mais, novos recursos otimizam significativamente os serviços de atendimento.

Para os profissionais, é fundamental compreender todas as possibilidades oferecidas por essas ferramentas. Afinal, elas tornaram-se parte fundamental de toda a cadeia assistencial.

Nesse sentido, aderir aos sistemas certos é manter-se alinhado aos avanços do setor e também garantir sempre o melhor para os seus pacientes.

Se você ainda não sabe como isso se aplica às mudanças nos tipos de prontuários, não deixe de acompanhar este artigo. 

A seguir, explico quais são os novos recursos à sua disposição, as vantagens e desvantagens de cada modelo de prontuário, qual a melhor escolha para você e muito mais. Confira. 

Quais são os tipos de prontuário médico?

Como você certamente já sabe, o prontuário reúne toda a documentação sobre o histórico de determinado paciente. 

Nele, ficam todos os tipos de registros. Isso inclui laudos de exames, prescrições, atestados, receitas e tudo o que apresente relevância para documentar a saúde da pessoa atendida. 

Justamente por descrever o passado do indivíduo e auxiliar a compreensão para eventuais medidas futuras, o prontuário está entre os instrumentos mais importantes da cadeia de saúde.

Por conta dessa relevância, o prontuário também é uma das ferramentas médicas que mais foram beneficiadas pelos avanços da tecnologia.

A partir disso, atualmente dois tipos de prontuário médico estão disponíveis para os profissionais: a versão tradicional e a eletrônica. Veja como cada uma se caracteriza:

Prontuário tradicional

Em resumo, o prontuário tradicional nada mais é do que o modelo físico do documento.  

Durante muitos anos, ele foi a única opção disponível para os registros dos profissionais de saúde.

Ao contrário das versões informatizadas, basta escrever nele e armazená-lo no ambiente físico da unidade.

Entretanto, sua simplicidade também pode gerar alguns problemas, como dificuldade de consulta das informações, suscetibilidade a danos e perdas, uso mais demorado, baixa legibilidade, e assim por diante.

Prontuário eletrônico do paciente

Já o prontuário eletrônico do paciente, também conhecido pela sigla PEP, é a versão digital dos registros.

Como o próprio nome indica, ele cumpre a mesma finalidade do prontuário comum (inclusive com a mesma validade legal), mas é otimizado pela informatização. 

Ou seja, ele agrega uma série de benefícios que o tornam mais prático. Isso vai desde a rapidez para consultar suas informações, até a mobilidade do armazenamento em nuvem e a segurança contra qualquer tipo de perda, erro ou dano.

Inúmeros fatores estão levando os médicos a migrarem para o PEP. Isso vai desde a padronização das informações, até sua melhor legibilidade, segurança, celeridade, viabilidade entre outros. Saiba mais ao longo dos próximos itens.  

Vantagens dos tipos de prontuário médico

Em primeiro lugar, o que diferencia os tipos de prontuário médico são as vantagens proporcionadas pela tecnologia.

Evidentemente, isso não quer dizer que o prontuário tradicional não tenha seus benefícios. Ele é mais barato e acessível, por exemplo.

Isso porque, basta fazer a documentação manualmente, armazená-la em arquivos e consultar os dados quando necessário (por ordem alfabética, por exemplo).

Além disso, o prontuário médico físico não requer nenhum tipo de treinamento para ser usado, o que é necessário na versão eletrônica. 

Em contrapartida, o prontuário digital jamais se deteriora com o tempo. Como seu armazenamento é em nuvem, ele também não se perde em casos de incêndio, alagamento ou mesmo de erros humanos. 

Através de rígidos protocolos de proteção, há a garantia da segurança do documento confeccionado digitalmente. Graças a eles, nenhuma pessoa desautorizada pode acessar, consultar e nem alterar os documentos. 

Somado a isso, ele não ocupa espaço físico, o que também barateia os gastos com infraestrutura, papéis, arquivos, etc. 

Ainda, o prontuário eletrônico elimina barreiras geográficas. Nesse sentido, caso o paciente tenha que ser atendido em outro local do país, ou ainda se a equipe quiser apoio de especialistas distantes, todas as informações podem ser facilmente compartilhadas pela internet. 

Por fim, o PEP possibilita anexar fotos, exames e qualquer outro dado relevante. Tudo de forma mais rápida, prática e com métodos padronizados de verificação, que evitam erros. 

Graças ao uso simples, à consulta rápida dos dados e a ampla acessibilidade, a ferramenta torna as consultas mais ágeis, completas e benéficas para os médicos e pacientes. 

Desvantagens dos tipos de prontuário médico

Desvantagens dos tipos de prontuário médico

Agora que você já sabe as vantagens próprias dos dois tipos de prontuário médico, vale citar suas desvantagens e possíveis limitações.

A questão mais evidente do prontuário tradicional é que ele é mais trabalhoso. Preenchê-lo à mão, armazená-lo no espaço físico e procurá-lo sempre que for necessário consultar uma informação toma muito mais tempo dos profissionais.

Além disso, ele ocupa mais espaço. Quando há o arquivamento muitos documentos, eles podem se deteriorar, rasgar, entre outros problemas parecidos.

Somado a esses fatores, está a falta de padronização. Cada profissional pode preencher o documento de uma maneira diferente. Também há a possível falta de legibilidade na letra do médico. Sem falar nos riscos de danos. Tudo isso compromete a organização. 

Por mais que o prontuário eletrônico do paciente não tenha essas limitações, ele também possui algumas questões que exigem atenção.

A primeira delas é o investimento. Adquirir um bom software e integrá-lo aos demais sistemas de saúde pode ser dispendioso em um primeiro momento. 

Outro ponto importante é que você precisará treinar toda a sua equipe para que utilize o PEP adequadamente. Junto das eventuais atualizações, isso eleva o preço da solução adquirida.

Claro que, com o passar do tempo, os gastos compensam graças à eficiência agregada no prontuário eletrônico.

Entretanto, é válido conhecer essas características dos tipos de prontuário médico para garantir que a opção escolhida realmente agregue o desempenho e o custo-benefício esperado para a sua rotina profissional. 

Qual é o melhor entre os tipos de prontuário médico?

Como você pôde perceber nos itens anteriores, a versão digital se destaca entre os tipos de prontuário médico.

Com ele, é possível ter mais segurança para as informações, praticidade nos atendimentos e comodidade para atender as demandas dos pacientes de forma mais completa. 

Por mais que os investimentos iniciais sejam maiores, o custo-benefício é indiscutível. Afinal, em um curto período de tempo, a economia de dinheiro e de tempo compensam o valor.

Evita-se também o uso de papéis e seus danos ao meio ambiente, fazendo também com que a organização do prontuário, seja mais prática e funcional no atendimento da clínica.

No mesmo sentido, insumos como pastas, materiais de escritório, além do próprio espaço físico e mão de obra, deixam de ser necessários. 

Como resultado, essas rotinas de assistência se favorecem.. Isso torna a atuação do médico mais eficiente, célere, precisa e humanizada (já que as questões burocráticas dão lugar ao foco no paciente).

Dessa maneira, a satisfação de atendimento aumenta. Assim, o público fica mais satisfeito, tem suas necessidades melhor atendidas e uma relação mais estreita com a unidade e seus profissionais. 

Como funciona o prontuário eletrônico do paciente?

Voltando ao uso do prontuário eletrônico nos atendimentos, é válido relembrar como a ferramenta é utilizada e porque ela é tão benéfica para os profissionais de saúde.

Como todos os tipos de prontuário médico, esse sistema serve para armazenar integralmente os dados sobre os pacientes.

A diferença é que isso é feito em um software específico. Com ele, todos os especialistas e profissionais de saúde ligados à atenção do indivíduo podem acessar as informações.

Isso permite mais facilidade e flexibilidade para que os responsáveis pelo paciente possam ter os devidos dados sobre o caso, que ficam livres de erros, ilegibilidade ou perdas. 

Essas informações podem incluir medicamentos em uso, tratamentos anteriores e em andamento, resultados de exames, alergias, consultas anteriores com outros profissionais, e assim por diante. 

O grande diferencial é a forma com que a ferramenta torna as consultas mais completas. Isso aumenta sua qualidade, já que todos os “insumos” necessários para uma assistência de excelência ficam sempre disponíveis.

Em relação à segurança exigida para todos os tipos de prontuário médico, o modelo digital tem protocolos mais sólidos.

Esse fator não só favorece a preservação de dados tão importantes para a integridade dos pacientes, como o próprio cumprimento da legislação médica. 

Como funciona o prontuário eletrônico do paciente?

A própria integração dos médicos se beneficia pela conectividade do sistema. Afinal, diferentes profissionais podem basear-se na mesma documentação, o que garante diagnósticos mais assertivos, intervenções mais eficazes e uma cadeia de atendimentos mais fluida e eficiente. 

O uso do prontuário eletrônico no Brasil

Os primeiros tipos de prontuário médico eletrônico começaram a surgir antes mesmo da popularização dos computadores.

Isso porque, na década de 60, alguns hospitais estadunidenses já começaram a informatizar os dados dos pacientes em redes próprias. Entretanto, foi só nos anos 80 que esse recurso passou a se propagar. 

No Brasil, a primeira regulamentação voltada ao PEP aconteceu em 2002. Com a resolução 1638 do CFM, todos os registros informatizados de informações devem respeitar as políticas de segurança, confidencialidade e privacidade previstas pelo conselho. 

Em 2016, o Ministério da Saúde determinou que todas as Unidades Básicas de Saúde aderissem ao prontuário eletrônico.

A medida foi estabelecida para padronizar o modelo nacional de atenção à saúde, favorecendo a gestão e a qualidade dos atendimentos, que consequentemente garantem um melhor aproveitamento dos recursos públicos direcionados ao SUS. 

Já na esfera privada, essa pratica realiza há anos. Eles tornaram-se inerentes aos melhores serviços de saúde, e é praticamente impossível encontrar uma unidade de destaque que não os utilize. 

Reconhecendo os benefícios agregados pela digitalização, 84% das unidades privadas já utilizam o PEP.

O dado foi divulgado no Portal Hospitais Brasil, que ainda revela que tecnologias semelhantes à informatização dos tipos de prontuário médico também já são amplamente difundidas.

Isso porque, junto do PEP, 95% das unidades usam recursos de prescrição eletrônica, 85% têm sistemas de visualização de imagens em prontuário e 69% utilizam Business Intelligence.  

Prontuário eletrônico é com a Telemedicina Morsch

A Telemedicina Morsch entende que a tecnologia se tornou indispensável para prestar uma assistência de excelência em saúde nos dias de hoje.

Por isso, trabalhamos para oferecer os melhores sistemas e ferramentas para atender às principais necessidades dos médicos.

Além de ser referência em medicina remota, também trabalhamos com recursos de ponta voltados às mais diversas necessidades dos especialistas.

No prontuário eletrônico, disponibilizamos uma solução completa para você otimizar seus registros com mais eficiência, praticidade e segurança.

Dotado de todos os benefícios que apresentei ao longo deste artigo, nosso PEP tem os melhores protocolos de proteção do mercado, total respaldo legal e adesão simplificada.

 Prontuário eletrônico é com a Telemedicina Morsch

O melhor é que você pode utilizá-lo durante 1 ano gratuitamente. O pagamento da mensalidade só começa depois que você já tiver sua qualidade comprovada. 

Agora, para saber mais, acesse o link e descubra tudo sobre o software e seus principais diferenciais. 

Conclusão

Hoje em dia, existem dois tipos de prontuário médico. Um deles corresponde à documentação clássica, feita em papel. O outro se refere aos registros eletrônicos, realizados com o apoio de software. 

Como todas as inovações proporcionadas pela tecnologia, o prontuário eletrônico é muito mais vantajoso que a versão física. Afinal, ele melhora a organização dos dados, os torna mais seguros, simplifica seu acesso e previne qualquer tipo de erro ou inconformidade.

Se você quer saber ainda mais sobre as possibilidades dos tipos de prontuário médico digital, não deixe de acompanhar nossos próximos artigos. Assine a newsletter para receber todo conteúdo em primeira mão e compartilhe este texto com os seus colegas. 

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE