Humanização na enfermagem: como adequar seu atendimento

Por Dr. José Aldair Morsch, 6 de novembro de 2020
A humanização na enfermagem visa garantir que o paciente tenha um atendimento digno e apropriado

A humanização na enfermagem é um conceito indispensável para a assistência aos pacientes, que deve ser priorizado por qualquer profissional da área.

O atendimento humanizado é aquele em que todos os envolvidos atuam para que o paciente tenha um tratamento digno e apropriado, sendo ouvido, respeitado, compreendido e aconselhado.

Em poucas palavras, no lugar de dedicar todo seu foco para o combate de uma doença ou condição de saúde, os profissionais de saúde precisam ter atenção no indivíduo em si e nas suas necessidades.

O que é humanização na enfermagem e qual sua importância?

Por mais que outras especialidades também devam priorizar a humanização, a enfermagem e o cuidado humanizado possuem uma relação especial, já que os enfermeiros são aqueles que mais têm contato direto com os pacientes.

Com isso, no cotidiano, a humanização na assistência de enfermagem demanda pleno entendimento sobre as percepções, sentimentos, expectativas, concepções e dúvidas dos indivíduos em tratamento.

Mais que amenizar as adversidades das intervenções de saúde, a humanização na enfermagem também garante que elas sejam mais eficientes.

Isso porque os indivíduos têm melhor disposição e condições de recuperação quando suas questões pessoais, sociais, psicológicas, familiares, financeiras e religiosas são respeitadas.

Sendo assim, para os pacientes, a humanização na enfermagem é fonte de acolhimento, colaboração, tranquilidade e também garantia de melhor resposta aos tratamentos.

Já para os enfermeiros, o conceito representa máximo alinhamento aos princípios éticos da profissão, garante foco nos seres humanos, mais qualificação do trabalho e a possibilidade de desenvolver uma relação de confiança com os indivíduos.

Agora que você já sabe o que é humanização na enfermagem, a seguir, descubra os melhores meios de promovê-la, os principais cuidados que devem ser adotados na área, além da importância da relação entre enfermagem e cuidado humanizado!

Conheça 7 cuidados para que a humanização na enfermagem seja garantida

Conheça os cuidados para transmitir mais tranquilidade e diminuir a angústia do paciente.

Como promover a humanização na enfermagem?

O conceito de humanização na enfermagem deve ir além da assistência e das intervenções clínicas em si.

Ele demanda uma visão holística do paciente e dos seus aspectos individuais, por meio de um tratamento globalizado e voltado à integralidade do indivíduo enquanto ser humano.

Sendo assim, os enfermeiros precisam conhecer o paciente a fundo, entender suas necessidades e atender suas queixas sempre de forma acolhedora e próxima.

O objetivo é:

  • Minimizar o sofrimento no ambiente clínico ou hospitalar;
  • Agregar mais tranquilidade;
  • Garantir pleno entendimento do paciente sobre sua condição;
  • Demonstrar que o mesmo é valorizado e tem apoio para resolver seus problemas.

Sendo assim, para que a humanização na enfermagem seja garantida, alguns cuidados não indispensáveis durante o contato com os indivíduos

Confira os principais deles!

1 – Seja cordial e próximo no dia a dia

O princípio da humanização na enfermagem é a prestação de um atendimento voltado a indivíduos, não a doenças e tratamentos.

Sendo assim, o respeito e a cordialidade são valores indispensáveis em qualquer situação, tanto para pacientes quanto para seus acompanhantes (que muitas vezes também são fundamentais para o processo de recuperação).

Com isso em mente, seja sempre o mais claro e próximo possível, evitando que as conversas e orientações sejam impessoais ou muito técnicas.

Procure esclarecer todas as dúvidas e questões importantes para o paciente, como os cuidados necessários e os procedimentos que serão realizados.

Por mais que o dia a dia dos enfermeiros seja cansativo, a humanização na enfermagem precisa ser fonte de acolhimento.

Sabendo disso, não abra mão de sua máxima atenção, bom humor e pessoalidade. Afinal, isso faz toda a diferença no cotidiano das pessoas em recuperação.

2 – Garanta a devida atenção para a humanização na enfermagem

Quando tratamos sobre humanização na enfermagem, priorizamos um nível de atenção voltado à individualização dos atendimentos.

Uma abordagem individualizada é aquela pautada na empatia, em que os profissionais conseguem compreender e se colocar no lugar dos pacientes.

Com isso, o objetivo é entender quais são as demandas e tipos de cuidados que o indivíduo precisa, mesmo que ele não seja capaz de manifestá-los.

Muitas são as responsabilidades e atribuições envolvidas no cotidiano da enfermagem, como registros de evolução, atualização de prontuários e supervisão de técnicos.

Por mais que esses protocolos devam ser respeitados com rigor, a humanização na enfermagem demanda que os profissionais separem um tempo especial para voltar sua atenção aos pacientes em nível individual.

Assim, o atendimento individualizado será capaz de oferecer suporte e amenizar a situação dos indivíduos em tratamento, por mais difíceis que sejam suas condições.

A humanização na assistência de enfermagem, acima de tudo, deve emanar a maior sensação de segurança e confiança possível às pessoas, lhes agregando mais bem-estar e qualidade de vida mesmo durante suas adversidades.

3 – Priorize a organização de horários e de agenda

Mais que organizar sua própria rotina para garantir mais tempo de atenção aos indivíduos (conforme mencionamos anteriormente), os enfermeiros também devem priorizar esse tipo de cuidado na clínica ou no hospital em que trabalham.

Mesmo que esse pareça um cuidado básico, ainda é comum que muitos postos de atendimento sejam marcados por longas filas de espera.

Quando estão doentes ou precisando de assistência médica, a última coisa que as pessoas querem é esperar por muito tempo para serem atendidas.

Como a humanização na enfermagem é focada no respeito aos indivíduos, seu papel também é evitar inconformidades ou superlotação nas agendas.

Enquanto enfermeiro, respeite os horários organizados pela clínica ou o cronograma do hospital, para que ninguém fique por muito tempo sem assistência.

Procure engajar todos os membros de sua equipe em prol desse cuidado, para que ele seja prioridade e nenhuma falha afete os pacientes.

Além disso, caso você perceba que a instituição em que atua não preza por uma agenda organizada, tente comunicar essa demanda aos responsáveis e ressaltar sua importância.

4 – Escute o que o paciente tem a dizer

Esse é um cuidado diretamente relacionado ao primeiro item, que trata sobre a cordialidade e proximidade no cotidiano dos pacientes.

Muito além de demonstrar sua atenção e disposição em ajudar as pessoas em tratamento, é indispensável compreendê-las ao máximo.

Com isso em mente, tenha sempre paciência para ouvir e entender cada indivíduo, chamando-o sempre pelo nome e conversando com ele olhando nos olhos.

Mais que transmitir seu comprometimento com a recuperação e bem-estar do paciente, isso possibilita um maior entendimento sobre suas necessidades.

Pergunte o que a pessoa está sentindo, levante suas principais queixas, minimize seus medos, entenda seu estilo de vida e respeite suas convicções.

É muito comum que as pessoas não consigam explicar precisamente quais são os seus sintomas ou mesmo se sintam inibidas em compartilhar suas reclamações.

Ao posicionar o enfermeiro como um ouvinte atencioso e comprometido em compreender os pacientes, a humanização na enfermagem evita esse tipo de problema.

5 – Respeite as dificuldades enfrentadas

Todos os dias, os enfermeiros se deparam com os mais diversos tipos de queixas, sintomas, doenças, lesões, entre outras condições adversas de saúde.

Quanto mais experiência o profissional tiver frente a diferentes tipos de quadros clínicos, mais preparado ele estará para enfrentar novas situações.

Apesar disso, é comum que a rotina faça os enfermeiros enxergarem os problemas médicos sob um ponto de vista mais técnico e costumeiro.

Isso faz com que muitos não percebam ou compreendam o quão difícil é a situação enfrentada pelos pacientes.

Evite ao máximo esse tipo de percepção, mesmo que você já tenha se deparado com casos muito mais severos ou que você entenda que a condição do paciente é de fácil recuperação.

Quem tem sua saúde comprometida dificilmente possui experiência ou conhecimentos para entender a simplicidade ou a complexidade do tratamento.

Cabe à humanização na enfermagem respeitar ao máximo as dificuldades enfrentadas, independentemente do seu nível, fornecendo todo o apoio humano e técnico necessários.

Com respeito e atenção, os pacientes se sentem valorizados enquanto indivíduos e se tornam mais engajados com os profissionais responsáveis por sua recuperação.

6 – Tenha empatia pelo paciente

No tópico em que abordamos a atenção e a individualização dos atendimentos em prol da humanização na enfermagem, também mencionamos um dos valores mais importantes de toda a área: a empatia!

Na verdade, é a empatia que pauta todos os itens e questões que abordamos ao longo do artigo, desde a proximidade e a cordialidade com os indivíduos, até a organização dos horários, a capacidade de escutar e o respeito às dificuldades dos mesmos.

De acordo com o dicionário Michaelis, empatia é a “habilidade de imaginar-se no lugar de outra pessoa” ou a “compreensão dos sentimentos, desejos, ideias e ações de outrem”.

Trata-se de uma ideia diretamente associada ao conceito de humanização na enfermagem.

Afinal, se a humanização na assistência de enfermagem visa um tratamento mais digno, pessoal e voltado aos indivíduos em si, apenas uma visão empática será capaz de promovê-lo.

Realizar um tratamento humanizado para os familiares do paciente também auxilia na sua melhoria

Além de tranquilizar e deixar as informações claras para o paciente, garanta que isso também seja transmitido para seus cuidadores.

7 – Envolva os familiares na humanização na enfermagem

Por fim, a humanização na enfermagem deve ir além do próprio paciente, envolvendo todos aqueles ligados à sua recuperação.

Anteriormente, mencionamos que os acompanhantes muitas vezes podem desempenhar um papel importante de assistência aos pacientes.

Muito além deles, porém, também estão os familiares, que são parte constante do dia a dia dos indivíduos e serão diretamente impactados por suas condições de saúde.

Sabendo disso, estenda o conceito de humanização na enfermagem por aqueles que fazem parte da família, que são muito próximos ou responsáveis pelo paciente.

Para isso, mantenha todos os interessados muito bem informados, com clareza e perspectivas claras sobre os cuidados de enfermagem que precisam ser adotados e das perspectivas levantadas para o tratamento em questão.

Quais os cuidados que devem ser adotados na humanização na enfermagem?

O primeiro e mais importante cuidado que deve ser priorizado para a humanização na enfermagem é o engajamento de todos os profissionais envolvidos com os pacientes.

A mobilização da equipe deve ser refletida tanto em termos operacionais, nos atendimentos e procedimentos realizados no dia a dia, quanto na própria organização do espaço físico.

Imagine, por exemplo, que um enfermeiro verificou que determinados espaços da clínica ou do hospital causam dificuldades de acessibilidade aos pacientes.

Em prol da humanização na enfermagem, cabe a esse profissional informar aos demais sobre as limitações e propor medidas para que elas sejam eliminadas.

Mais que ser gentil em qualquer situação, os enfermeiros também devem estar preparados para abordar adequadamente o público, seja no atendimento físico ou até mesmo remoto.

Priorizar a organização é indispensável, assim como ter proatividade para propor mudanças ou atender as demandas dos pacientes e liderança para sugerir melhorias ou priorizar o conceito de humanização na enfermagem.

Em poucas palavras, a humanização na enfermagem depende de:

  • Atenção integral aos indivíduos;
  • Boa capacidade de comunicação;
  • Empatia;
  • Capacidade de ouvir e compreender;
  • Rigor em termos organizacionais.

Por fim, é indispensável que o enfermeiro esteja sempre aberto a novos aprendizados.

Cursos de aperfeiçoamento, treinamentos especiais e até pós-graduações são recursos que ampliam a visão do profissional e favorecem a humanização na assistência de enfermagem.

Depois de compreender brevemente quais são os cuidados mais importantes para a humanização na enfermagem, no item seguinte, saiba mais sobre sua importância!

Conclusão

Conforme abordamos logo no início do artigo, a relação entre enfermagem e cuidado humanizado é de suma importância, já que muitas vezes os enfermeiros representam o principal ponto de contato com os pacientes.

Ao expandir o foco para além do quadro clínico e das doenças, priorizando as questões pessoais dos indivíduos, uma série de benefícios podem ser garantidos em qualquer atendimento.

Entre as principais vantagens que ressaltam a importância da humanização na enfermagem, destacam-se:

  1. Mais confiança entre pacientes e enfermeiros;
  2. Maior proximidade com familiares e acompanhantes;
  3. Melhor engajamento nos tratamentos, que contribui para a recuperação dos pacientes;
  4. Otimização da comunicação entre os enfermeiros, que garante um trabalho mais efetivo e coordenado;
  5. Maior entendimento sobre as condições dos pacientes e suas necessidades;
  6. Mais harmonia no ambiente médico, sem estresse ou conflitos entre os enfermeiros ou pacientes;
  7. Respeito total à vida humana, em pleno alinhamento aos princípios éticos da enfermagem;
  8. Maior satisfação entre os clientes, pacientes e contratantes da clínica ou hospital em questão.

No caso da telemedicina, a relação entre enfermagem e cuidado humanizado ganha ainda mais importância!

Nela, os exames diagnósticos e procedimentos clínicos podem ser realizados unicamente por profissionais de enfermagem devidamente treinados (com posteriores laudos online), que se tornam protagonistas no envolvimento com os pacientes.

Quer descobrir como promover uma melhor humanização na enfermagem e ainda explorar os recursos únicos promovidos pela telemedicina? Então baixe agora nosso Guia sobre monitoramento de pacientes em Telessaúde.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE