O que é hiperplasia prostática benigna e como ocorre o diagnóstico?

Por Dr. José Aldair Morsch, 2 de novembro de 2021
O que é hiperplasia prostática benigna e como ocorre o diagnóstico?

Você já ouviu falar em hiperplasia prostática benigna? Conhece seus possíveis riscos e impactos sobre a qualidade de vida dos homens?

Favorecida pelo avanço da idade, a condição afeta aproximadamente 25% dos pacientes de 40 a 49 anos de idade, segundo dados publicados no portal Drauzio Varella.

Para aqueles na faixa dos 70 aos 80 anos, a incidência é significativamente maior. 80% da população masculina é acometida nessa idade.

 Apesar de ser uma doença benigna e que não está ligada a nenhum tipo de câncer, seu diagnóstico e tratamento exigem bastante atenção.

Isso porque, além da grande prevalência, o problema também pode gerar complicações se não for combatido a tempo. Eles impactam o sistema urinário e outros órgãos, como os rins.

Inclusive, muitas vezes os sintomas iniciais são confundidos com os do câncer de próstata. Por isso, conhecê-los é fundamental para buscar a assistência correta e evitar alarmes falsos.

Aproveitando o movimento de conscientização do Novembro Azul, preparei este artigo para esclarecer tudo o que precisa saber sobre mais esse tema central para a saúde dos homens. 

A seguir, entenda melhor o que é hiperplasia prostática benigna, suas causas, sintomas, fatores de risco, possíveis complicações, diagnóstico, tratamentos e muito mais. 

O que é hiperplasia prostática benigna?

Em resumo, a hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma condição urinária ocasionada pelo aumento da próstata.

Trata-se do tumor não-canceroso mais recorrente entre os homens. Ele é comum nos indivíduos com mais de 40 anos e sua incidência aumenta na medida em que a idade avança.

Sua principal consequência é dificultar o ato de urinar. Isso prejudica significativamente a qualidade de vida e predispõe algumas complicações, que explico melhor adiante neste artigo.

Ao contrário do que muitos acreditam, quem sofre com hiperplasia prostática benigna não tem predisposição aumentada para o câncer de próstata.

Entretanto, como citei na introdução, seus sintomas podem gerar confusões trazendo grandes preocupações nos pacientes.

Além disso, também é possível que o homem tenha HPB e câncer de próstata ao mesmo tempo. Em todos os casos, garantir o diagnóstico correto e precoce é fundamental.

Nesse sentido, existem diversas alternativas de tratamento eficientes para a hiperplasia prostática benigna.

Antes de saber mais sobre elas, veja abaixo mais detalhes sobre as causas, sintomas e outras características marcantes da doença. 

Quais são as causas da hiperplasia prostática benigna? 

Você provavelmente já sabe que a próstata é a principal glândula masculina. Ela fica abaixo da bexiga e cerca a uretra.

Em condições normais, ela é relativamente pequena, ou seja, compara-se seu tamanho com o de uma noz.

Contudo, quando há alterações, suas células crescem mais e acabam alargando a glândula. É isso que gera os sintomas e complicações típicos da hiperplasia prostática benigna.  

Mesmo que o avanço da idade já seja reconhecido como o principal fator para a ocorrência desse processo, as causas exatas não são bem definidas. 

Acredita-se que isso esteja ligado a alterações provocadas por hormônios como a testosterona e a di-hidrotestosterona. Contudo, não há consenso na comunidade médica e científica.

Além das mudanças hormonais da idade, outros fatores podem estar relacionados, como alterações genéticas e o próprio histórico familiar do paciente. 

Sintomas comuns da hiperplasia prostática benigna

A hiperplasia prostática benigna tem sintomas diretamente ligados ao sistema urinário. Eles incluem problemas como: 

  • Dificuldades para começar a micção;
  • Frequência aumentada (muitas vezes urgente) da urina;
  • Jato mais fraco de urina (às vezes com interrupções);
  • Sensação de bexiga cheia mesmo depois de urinar;
  • Vontade de urinar que faz o paciente acordar várias vezes durante a noite.

Normalmente, os sintomas se agravam com o passar do tempo, na medida em que a próstata aumenta e aperta a uretra. 

Entretanto, nem sempre o tamanho da glândula está estritamente ligado à intensidade dos sintomas. 

Isso porque, existem diversos casos de hiperplasia prostática benigna com sintomas bastante acentuados, mas em que o aumento observado ainda é pequeno.

Essa variabilidade reforça a importância do devido apoio médico para controlar a condição, minimizar seus efeitos e evitar dores de cabeça ainda maiores com riscos de complicações. 

Como é a hiperplasia prostática benigna?

Como é a hiperplasia prostática benigna?

Uma vez que a próstata envolve a uretra, seu aumento muitas vezes dificulta ou até mesmo bloqueia a passagem de urina.

Simultaneamente, como ela também fica abaixo da bexiga, o crescimento da glândula a pressiona e faz a vontade de urinar ser maior.

A hiperplasia prostática benigna acontece quando o desenvolvimento das células na região é maior. Trata-se de um aumento que ocorre gradualmente, de forma lenta.

Sendo assim, a maioria dos pacientes não percebe a condição inicialmente. Isso até o crescimento celular aumentar a glândula o bastante para o aparecimento dos sintomas. 

No começo, o homem pode sentir apenas uma alteração no fluxo urinário. Geralmente, a micção se torna mais fina e tem um jato reduzido. 

Os demais sintomas e as chances de complicações aumentam na medida em que a próstata cresce. Cabe ao urologista realizar o acompanhamento para evitá-los. 

Nesse sentido, as alternativas de tratamento são diversas. Todas têm suas próprias vantagens e desvantagens. A escolha depende do caso específico e do perfil do paciente. 

Por exemplo, em casos de sintomas leves, faz mais sentido esperar e só iniciar uma intervenção se eles se tornarem incómodos ou severos.  

Conhecer os fatores de risco e possíveis complicações é muito importante nesse processo, para adotar as medidas que mais façam sentido para a saúde e bem-estar do paciente. 

Entenda melhor esses aspectos, os métodos de diagnóstico e as possibilidades de combate à doença nos itens em seguida. 

Principais fatores de risco da hiperplasia prostática benigna 

Como você pôde acompanhar até aqui, a hiperplasia prostática benigna é motivada pelas alterações hormonais que ocorrem com o avanço da idade.

Sobretudo, a maior incidência acontece para quem possui 50 anos ou mais, entretanto há a constatação da doença em muitos homens com 40 anos.

Somado a isso, está o histórico familiar. Aqueles que têm parentes próximos que já tiveram algum tipo de problema na próstata possuem mais chances de desenvolver a doença.

Inclusive, a presença anterior de algumas doenças também pode aumentar a predisposição do para a hiperplasia prostática benigna.

Nesses casos, as condições prévias mais associadas ao crescimento benigno da próstata incluem patologias cardíacas e a diabetes.

Por fim, observa-se que a carência de exercícios físicos também pode facilitar o surgimento da HPB. 

Sendo assim, homens com excesso de peso ou que tenham obesidade também estão incluídos no grupo de maior risco. 

Problemas decorrentes da hiperplasia prostática benigna

Quando a hiperplasia prostática benigna não é tratada a tempo, ou mesmo quando não recebe as intervenções adequadas, algumas complicações severas podem surgir.

A principal delas é a retenção urinária crônica, que ocorre quando há dificuldade para o esvaziamento completo da bexiga. Isso piora com o passar do tempo, gerando desconforto e dores.

Problemas decorrentes da hiperplasia prostática benigna

Nessas situações, a presença de bactérias na urina residual favorece o surgimento de infecções urinárias e até de pedras na bexiga.

Com o passar do tempo, a bexiga pode perder sua capacidade de contração, o que desencadeia a incontinência urinária. 

Nesse sentido, há a possibilidade de que outros órgãos próximos sejam atingidos pelas complicações, com destaque para os rins.

Em alguns casos, também pode ocorrer a retenção urinária aguda. Nela, o paciente se torna incapaz de urinar repentinamente. 

Trata-se de uma situação extremamente dolorosa e que exige tratamento urgente para aliviar os sintomas. 

Praticamente todas essas complicações podem ser prevenidas com o diagnóstico precoce da hiperplasia prostática benigna

Confirmando o diagnóstico de hiperplasia prostática benigna

Sempre que qualquer sintoma for percebido, o paciente deve procurar um urologista de sua confiança para realizar uma consulta médica.

Depois de ouvir e analisar o relato do indivíduo, o especialista deve realizar um exame de toque retal.

A finalidade do procedimento é identificar o possível aumento da próstata. Se acompanhado pela presença de áreas rígidas, também há a suspeita de câncer. 

A fim de confirmar o diagnóstico, alguns exames de rotina são comuns para a doença. O principal é a ultrassonografia, que permite avaliar a forma e a densidade da glândula. 

Igualmente, o ultrassom também aponta a presença elevada de resíduos de urina na bexiga depois da micção. Trata-se de um indício importante de hiperplasia prostática benigna.

Em relação às consequências e complicações da HPB, a bateria de exames pode ser ainda mais completa. 

Se houver a suspeita de tumores, solicita-se o exame PSA, que é comum para o câncer de próstata e para outras doenças que atingem a glândula. 

Se há suspeita de sangue na urina ou infecção urinária, realiza-se o exame de urina tipo I. Nele, a urina é coletada e então analisada em laboratório.

Por fim, o médico também pode verificar se a hiperplasia prostática benigna afeta outros órgãos do paciente.

Para isso, são feitos exames de sangue de creatinina e ureia, que possibilitam avaliar a função renal. 

Sobre o tratamento de hiperplasia prostática benigna

A hiperplasia prostática benigna tem tratamento que varia de acordo com os padrões dos sintomas avaliados no diagnóstico e com o próprio perfil de tratamento. 

O paciente tem direito de ser informado sobre as alternativas à sua disposição e recomendado quanto às intervenções mais eficientes segundo a análise do urologista.

Dentre os procedimentos mais comuns para a doença, destacam-se os tratamentos medicamentosos, as práticas minimamente invasivas e a realização de cirurgia.

Confira os principais detalhes e indicações para cada caso: 

Tratamento medicamentoso

Tratamento medicamentoso

Os remédios para hiperplasia prostática geralmente são indicados para homens com sintomas leves e moderados.

Analogamente, diversas substâncias podem ser recomendadas, separadamente ou em conjunto, dependendo de cada caso (lembre-se: a automedicação nunca deve ser uma alternativa).

Elas incluem inibidores da 5-alfa-redutase, que inibem alguns processos hormonais masculinos e contribuem para a diminuição da próstata.

Nesse sentido,  há outra opção de medicamento que chamamos de bloqueadores alfa. Eles relaxam as fibras da próstata e os músculos da bexiga, o que facilita o ato de urinar.

Ainda há a tadalafila. Ela é recomendada para disfunção erétil, mas também serve para combater os sintomas da hiperplasia prostática benigna em algumas situações. 

Tratamentos minimamente invasivos

Já para os pacientes com sintomas que vão de moderados a severos, ou que receberam os remédios citados acima e não apresentaram melhorias, existem outros tratamentos. 

Atualmente, existem diferentes tipos de terapias minimamente invasivas para o combate da hiperplasia prostática benigna.

Essas técnicas incluem terapia laser, incisão transuretral da próstata, lifting prostático, termoterapia transuretral por microondas, entre outras.

Entretanto, o problema é que essas intervenções podem gerar complicações e efeitos adversos. Os principais são sangramento na urina, ejaculação retrógrada e disfunção erétil. 

Sendo assim, vale ressaltar a importância da discussão minuciosa de cada opção com o médico, além da realização de um acompanhamento completo para minimizar suas possíveis consequências. 

Tratamento cirúrgico

Se nenhum dos tratamentos acima for eficaz, recomenda-se a cirurgia. Indicada também sempre que a próstata ultrapassar as 75 gramas. 

Apesar de ser uma alternativa mais invasiva, em que há a retirada da glândula, ela resolve definitivamente todos os sintomas.

Existem dois meios de realizar o procedimento cirúrgico: a laparoscopia ou o método tradicional via corte na barriga. 

A primeira opção é menos severa, feita com pequenas incisões na região abdominal. Já a segunda exige mais tempo e trabalho de recuperação para o paciente. 

Conclusão

Apesar de ser uma doença comum e não cancerosa, a hiperplasia prostática benigna é uma das principais condições de saúde do sexo masculino.

Sendo assim, ela exige muito cuidado e atenção entre os homens, para que não tenham sua segurança e bem-estar comprometidos. 

Afinal, seus sintomas urinários podem ser bastante incômodos e prejudicar a qualidade de vida. Além disso, caso não haja o tratamento precoce, o aumento da próstata pode gerar complicações que afetam a integridade da bexiga e dos rins. 

Se você gostou das informações que compartilhei neste artigo, não perca os demais posts especiais do blog para o Novembro Azul. 

Então, assine a newsletter para receber o conteúdo em primeira mão e conscientize seus amigos compartilhando este texto com eles.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FAMED - FURG – Fundação Universidade do Rio Grande – RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia e Cardiologia Pediátrica pela PUCRS. Linkedin

COMPARTILHE