A Ressonância Magnética e Autismo

Por Dr. José Aldair Morsch, 24 de junho de 2016
ressonância magnética e autismo

Até hoje nunca havia uma relação tão próxima entre Ressonância Magnética e Autismo. Uma doença onde o diagnóstico era puramente clínico, agora temos a possibilidade de uma confirmação diagnóstica específica.

O autismo como desafio diagnóstico

O autismo apresenta sintomas que podem variar de moderados a graves e muitos deles também estão relacionados a outros transtornos considerados globais.

A dificuldade de diagnóstico de autismo, por contar com ampla gama de recursos para sua caracterização, inicia-se desde o histórico de vida do paciente e entrevistas até observações comportamentais de gestantes de longa duração, pode estar próxima de uma solução.

Para entender o problema, imagine a fiação do cérebro dos autistas como uma rede que é menos organizada nas áreas relacionadas a alguns aspectos do transtorno, incluindo deficit de linguagem, comportamento social e emoções. “Há também uma inversão da organização hemisférica.

Ressonância e autismo como meio diagnóstico

O uso de máquinas de ressonância magnética para registros de imagens tem se mostrado um grande aliado, auxiliando no diagnóstico e tratamento mais imediato tanto para o autismo quanto para outros transtornos, como o depressivo, a hiperatividade e o déficit de atenção, minimizando, assim, a dificuldade que as clínicas de ressonância têm passado para um diagnóstico preciso e consequente tratamento adequado para essas doenças.

Solicite um orçamento

O especialista presente em qualquer lugar para interpretar a RM

Sim, telemedicina, evoluiu ao incorporar novas tecnologias de informação e comunicação, tendo contribuído muito com a assistência à saúde, melhorando o atendimento a pacientes e ampliando o acesso a informações de profissionais de saúde.

Ao oferecer suporte clínico independente das barreiras geográficas, conecta usuários e facilita o conhecimento de descobertas e avanços da saúde.

A Clínica de Radiologia que disponibiliza o exame pode contratar os serviços de Telemedicina e enviar os arquivos usando uma Plataforma de Telemedicina em nuvem onde o especialista nesta área acessa os arquivos, interpreta e libera os laudos médicos online na área do cliente para imprimir e entregar diretamente ao paciente.

O que realmente tem de novo nesse exame de ressonância magnética e autismo?

Dentre os avanços, está o trabalho realizado por pesquisadores da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, ao utilizar a Ressonância Magnética funcional, é possível identificar áreas em que os hemisférios da esquerda e da direita do cérebro de quem possui autismo, áreas as quais não se comunicam de maneira correta.

O resultado da ressonância nuclear magnética é capaz de detectar variações no fluxo do sangue como resposta para uma atividade neural. O teste não é invasivo e utiliza um campo magnético e ondas de rádio a fim de produzir imagens em detalhes do corpo.

A ressonância magnética funcional é uma técnica específica do uso da imagem de ressonância nuclear magnética e pode propiciar o diagnóstico precoce de autismo, possibilitando melhor tratamento e resultados mais eficazes.

Um teste específico dessa técnica já foi desenvolvido e utiliza um software para análise de resultados, avançando no diagnóstico do autismo, uma vez que analisa o fluxo de sangue no cérebro para identificar as áreas de atividade.

A Telemedicina disponibiliza especialistas capazes de utilizar esses sistemas para auxiliar no diagnóstico precoce dessa doença.

As mudanças no fluxo, que são registradas no programa, ajudam os profissionais da medicina a entender melhor a maneira como o cérebro trabalha. O software utilizado para análise de ressonância nuclear magnética funcional estará disponível para as clínicas que realizam ressonância aproveitarem mais esse benefício para se diferenciar no mercado.

Os Países engajados nesse desafio

Esse avanço, resultado de pesquisas da Advanced Telecommunications Research Institute International, em Kyoto, no Japão, e na Brown University, nos Estados Unidos, descobriu uma forma de diagnosticar os sintomas do autismo por meio de imagens da ressonância magnética funcional, com uma técnica que consiste na análise das conexões entre as regiões do cérebro para determinar em quais delas há características autistas.

Como desenvolveram o software de análise de ressonância magnética e autismo?

Para desenvolver o software, os pesquisadores compilaram as informações escaneadas de milhares de conexões em diferentes partes do cérebro, construindo um mapa para identificar quais conexões são mais frequentes ou menos presentes em pacientes com autismo.

Com o estudo, identificaram 16 interações entre regiões específicas do cérebro que parecem ser as responsáveis pelas características do autismo.

A classificação elaborada em decorrência da pesquisa possibilitou o desenvolvimento de um software que atinge alta porcentagem de acerto para o diagnóstico do autismo, tendo contribuído com a caracterização do quadro de 85% dos casos de autismo no Japão e 75% nos americanos.

Uma alternativa biológica mais animadora

Um teste com precisão um pouco maior está sendo desenvolvido na mesma Universidade junto com outros pesquisadores de Harvard também nos Estados Unidos, estão desenvolvendo um teste de base biológica que juntamente com a ressonância magnética podem detectar o autismo de alta funcionalidade.

Por enquanto é chamado de  DTI6, o exame monitora o fluxo de água ao longo das fibras nervosas do cérebro para produzir um mapa detalhado dos circuitos cerebrais. Estão testando 30 pessoas saudáveis e 30 pacientes com diagnóstico de autismo. O teste identificou corretamente os autistas com precisão de 94%.

Enfim, as novas perspectivas para a ressonância nuclear magnética e os testes biológicos, representam um avanço importante e uma ferramenta potencial para ajudar na identificação do autismo, possibilitando exames mais objetivos e rápidos, a fim de apresentar melhores tratamentos aos pacientes e com resultados mais bem-sucedidos.

As clínicas de ressonância nuclear magnética podem dar um grande passo para o tratamento do autismo, projetando-se na assistência à saúde por apresentar este diferencial para seus pacientes.

Compartilhe com seus amigos! Assine nosso blog!

Dr. José Aldair Morsch – Cardiologista – Especialista em Telemedicina

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp