Relação custo-benefício da Telemedicina e medicina convencional

Por Dr. José Aldair Morsch, 23 de outubro de 2017
medicina convencional

Quando o assunto é telemedicina, imediatamente associamos o termo a ideias futuristas sobre o atendimento médico virtual e o uso de robôs em centros cirúrgicos. De fato, este é o cenário esperado com a velocidade dos avanços científicos e tecnológicos. Mas a ideia da telemedicina é bem antiga assim como a medicina convencional.

Na primeira guerra mundial, por exemplo, o rádio serviu para conectar médicos que estavam em campo com as unidades de retaguarda, em hospitais e navios.

Este é apenas um exemplo que mostra claramente a importância da tecnologia e dos meios de comunicação para o intercâmbio de informações e conhecimentos. Naquela época, o rádio ainda era o principal meio de comunicação. Hoje, contamos com a internet.

Não sabemos ao certo quanto tempo levará para que a Telemedicina faça parte da realidade de todos os centros médicos do mundo, mas caminhamos nesta direção e não há como regredir. Várias especialidades médicas já se beneficiam das plataformas de telemedicina.

O uso da computação e da telecomunicação na medicina é uma tendência crescente, até mesmo na rede pública de saúde. Para o setor de medicina privada, que depende dos clientes para sobreviver, o investimento em tecnologia é crucial.

Solicite um orçamento

Empresas e profissionais que atuam neste segmento devem agregar a telemedicina a seus serviços para ganhar mais competitividade no mercado, que está muito focado na satisfação total do cliente. Quem oferece os melhores produtos, serviços e atendimento de qualidade mantém o melhor posicionamento no mercado.

Em comparação com a sistemática da medicina convencional, a telemedicina é vantajosa porque reduz custos, encurta distâncias, agiliza os diagnósticos e amplia o acesso da população ao atendimento especializado, ainda que à distância.

Definição de conceitos relacionados à Telemedicina

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a Telemedicina como a oferta de serviços de saúde, com o uso de tecnologias de informação e comunicação, os quais possibilitam a transferência e intercâmbio de informações para o diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças, em localidades onde a distância dificulta o acesso da população ao atendimento especializado.

Para a OMS a telemedicina também abrange a educação à distância o intercâmbio de pesquisas e as avaliações médicas. O objetivo da Telemedicina, segundo a OMS, é melhorar a assistência médica à população.

Outros dois termos associados a este campo da medicina são a Telessaúde e a Telemática. A Telemática corresponde aos serviços de educação e prevenção em saúde realizados à distância graças aos recursos de telecomunicação e informática. A Telessaúde relaciona-se à gestão em saúde pública.

Aplicações da Telemedicina

Diversas especialidades médicas fazem uso da Telemedicina: radiologia, patologia, dermatologia, oftalmologia, cardiologia, neurologia, entre outras. Algumas áreas caminham a passos mais lentos porque normas técnicas e protocolos de atendimentos clínicos não estão totalmente consolidados. Mas é apenas uma questão de tempo, uma vez que a Telemedicina seguirá evoluindo e se expandindo em todos os campos da medicina convencional.

As áreas de radiologia e patologia apresentaram uma evolução mais rápida quanto ao uso de tecnologias, uma vez que a prática da Telemedicina não altera muito a sistemática de trabalho dos profissionais desses segmentos.

A telemedicina também avança nas áreas de dermatologia e oftalmologia, uma vez que grande parte das patologias que afetam a derme e os olhos podem ser diagnosticadas por imagem, o que possibilita ao médico utilizar os recursos da telemedicina para realizar o atendimento à distância.

A telecirurgia é outra tendência da medicina contemporânea. Alguns centros cirúrgicos no Brasil e no mundo já realizaram esse tipo de procedimento, que inclui a videoconferência, o uso de robôs e plataformas de telemedicina.

Ainda existem algumas limitações, especialmente com relação aos custos das tecnologias a serem empregadas, à qualificação dos profissionais, à normatização e à existência de um sistema de banda larga de confiança para garantir a transmissão de dados sem qualquer interferência.

A telecirurgia também esbarra na resistência natural existente em parte da comunidade médica, mas este obstáculo será superado gradativamente à medida que os profissionais ampliarem seus conhecimentos através de cursos de capacitação e especialização em tecnologias voltadas às suas áreas de atuação.

Vantagens da Telemedicina para medicina convencional

A Telemedicina proporciona inúmeras vantagens aos profissionais, às empresas de medicina privada, aos gestores públicos de saúde e, principalmente, à população que poderá usufruir do atendimento especializado.

A Telemedicina vence as distâncias e leva aos lugares mais longínquos o atendimento à distância em clínicas, hospitais e outras unidades de saúde que ainda não dispõem de infraestrutura moderna e encontram várias barreiras físicas e financeiras para chegar aos centros de referência médica.

Para estas localidades, a Telemedicina é uma forte aliada dos serviços públicos e privados de saúde.

A tecnologia de informação e comunicação agrega valor à prática da medicina, agiliza os procedimentos, possibilita a redução de custos e proporciona melhorias significativas ao atendimento dos pacientes.

Outra vantagem é que a Telemedicina proporciona o atendimento de pacientes com dificuldade de locomoção como acamados e idosos. A tecnologia possibilita que estes pacientes sejam assistidos por à distância por médicos especialistas.

O investimento em tecnologia resulta em ganhos a médio e longo prazo. O uso de recursos modernos proporciona maior resolutividade ao atendimento médico, eleva a produtividade, humaniza o atendimento e reduz os custos e despesas dos serviços de saúde.

Ética e legislação sobre Telemedicina

No Brasil, o processo de regulamentação da telemedicina e da telessaúde ainda está em curso. O Ministério da Saúde publicou algumas portarias sobre o Programa de Telessaúde Brasil no SUS, a ser implantando na rede de atenção básica. Resoluções do Conselho Federal de Medicina (CFM) dispõem sobre ética e aspectos técnicos com relação ao uso da tecnologia nos serviços de atendimento médico.

Em 2002, o Conselho publicou a Resolução nº 1.643, dispondo sobre os aspectos éticos da telemedicina, principalmente com relação às consultas online. Com relação aos exames de imagem, o Conselho diz que técnicos treinados poderão fazer os exames, mas os laudos devem ser assinados por médicos.

A mesma resolução determina que as informações sobre o paciente só podem ser transmitidas a outro médico com prévia autorização, com total garantia de confidencialidade e integridade das informações. Ao paciente devem ser assegurados os direitos à inviolabilidade da intimidade, honra, vida privada e imagem em procedimentos relacionados à Telemedicina.

Gestores de serviços públicos e privados de saúde sabem que o investimento em tecnologia é alto. É difícil acompanhar a evolução da indústria da medicina, uma vez que todos os anos chegam novidades ao mercado.

Mas esta dificuldade pode ser vencida com a contratação de serviços de empresas especializadas, que podem fornecer equipamentos em regime de comodato e a plataforma que possibilita a conexão entre a clínica e à central de telemedicina.

A Telemedicina vem se consolidando no Brasil. Inúmeras clínicas e hospitais já utilizam esse moderno sistema, testado e aprovado nos Estados Unidos e na Europa, o qual possibilita a assistência médica à distância, emissão de laudos médicos assinados por especialistas e a cooperação remota entre os profissionais de medicina.

Uma empresa com forte atuação no Brasil é a Telemedicina Morsch. A empresa conta com uma equipe de especialistas em diversas áreas da medicina, todos com registro no Conselho Federal de Medicina. Ela oferece treinamento e suporte aos clientes que contratam equipamentos por comodato e a emissão de laudos para diversos exames como:

Cardiologia

  • Laudo de Eletrocardiograma
  • Laudo de Monitorização Ambulatorial de Pressão Arterial
  • Holter de eletrocardiograma
  • Laudo de exames de risco cirúrgico
  • Laudo de angiotomografia cardíaca

Neurologia

  • Mapeamento cerebral
  • Laudos de polissonografia
  • Eletroencefalograma ocupacional
  • Eletroencefalograma clínico

Pneumologia

  • Laudos de espirometria ocupacional e clínica para o diagnóstico de doenças pulmonares e avaliação da capacidade respiratória.

Radiologia

  • Laudos de exames analógicos e digitais, tais como: mamografia, tomografia, ressonância magnética, densitometria e angiotomografia cardíaca.

Telemedicina Morsch: laudos online em tempo real

A Telemedicina Morsch oferece serviço de interpretação de exames. A empresa poderá fornecer, em regime de comodato, os equipamentos à clínica. Após a realização do exame, os dados são transferidos à central de telemedicina e encaminhados, em tempo real, aos especialistas da empresa, que emitirão os laudos médicos. Se a clínica já possui os equipamentos, poderá contratar apenas a emissão dos laudos online.

O laudo online fica disponível no sistema para que a clínica contratante possa emitir uma segunda via e disponibilizar ao médico o histórico do paciente. É um processo rápido e seguro, com garantia total da privacidade e dos direitos do paciente. O médico que solicita o exame também poderá esclarecer dúvidas com o especialista responsável pelo laudo.

A plataforma de telemedicina otimiza as consultas, exames e outros procedimentos médicos. O investimento será recompensado com os benefícios advindos da melhoria da qualidade dos serviços e do atendimento, sem contar que este diferencial atrairá novos clientes para a clínica. As tecnologias de informação devem ser aproveitadas ao máximo para agregar mais valor aos serviços médicos. O laudo online, assinado por médicos especialistas, é totalmente legal e seguro.

Médico e paciente não terão que esperar dias para receber os resultados de exames, como ocorre na medicina convencional. A telemedicina garante agilidade e qualidade no atendimento ao paciente.

Para resumir o artigo, podemos afirmar com toda certeza que o custos com os serviços de telemedicina são 10 x mais baratos que o valor cobrado pelo mesmo especialista que faz o atendimento presencial, sem perder em qualidade.

Conheça, hoje mesmo, os serviços oferecidos pela telemedicina Morsch!

Gostou desse artigo? Compartilhe e assine a newsletter para receber informações e novidades da Telemedicina Morsch.

Dr. José Aldair Morsch
Dr. José Aldair Morsch
Cardiologista
Médico formado pela FURG - Fundação Universidade do Rio Grande - RS em 1993 - CRM RS 20142. Medicina interna e Cardiologista pela PUCRS - RQE 11133. Pós-graduação em Ecocardiografia pela PUC-RS. Pós-graduação em Cardiologia Pediátrica pela PUC-RS. Linkedin

COMPARTILHE

Entre em contato por WhatsApp
Enviar mensagem pelo WhatsApp